domingo, 19 de agosto de 2012

Cientistas descobrem fósseis de nova espécie de hominídeo na África





Três fósseis encontrados no Quênia, no leste da África, fornecem evidências de uma nova espécie de hominídeo do gênero Homo, grupo ancestral do homem moderno.
Pela idade dos ossos, os indivíduos viveram na região entre 1,7 e, 1,9 milhão de anos atrás, início do período geológico chamado Pleistoceno, da era Cenozoica.
Os resultados do estudo estão descritos na edição desta semana da revista científica "Nature", e abrem novas possibilidades sobre a evolução humana após a cisão dos primatas.

Foram descobertos um crânio quase completo e duas mandíbulas, de três indivíduos diferentes. Os ossos confirmam que houve pelo menos três espécies diferentes de Homo contemporâneas no norte do Quênia: o Homo erectus, o Homo habilis e essa terceira que ainda não foi batizada, mas pode se chamar Homo rudolfensis, em homenagem ao antigo lago Rudolf (hoje lago Turkana), onde os fósseis foram encontrados. Os cientistas aguardam uma análise mais detalhada para assegurar a semelhança com o Homo habilis.

Os achados foram feitos em 1972, durante uma escavação na jazida de Koobi Fora, mas a avaliação só ficou pronta agora. O crânio foi nomeado de KNM-ER 1470 e as mandíbulas são KNM-ER 60000 e KNM-ER 62000. A comparação do crânio com o de outras espécies foi difícil, porque faltavam dentes e a mandíbula correspondente.

Por essa razão, essa cabeça se tornou um enigma para os paleontólogos e abriu um debate sobre se, no começo da evolução humana, houve uma ou duas espécies de Homo além do já conhecido Homo erectus, antepassado do neandertal e do Homo sapiens.
Os cientistas envolvidos no projeto são Meave Leakey, do Insituto Turkana Basin, do Quênia; Fred Spoor, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, da Alemanha; e colaboradores. Eles destacam que esse hominídeo se distingue dos demais por seu formato de rosto único, maior e mais alongado, e adaptação mastigatória, com caninos mais largos, esmalte dos dentes mais espessos e um céu da boca em forma de U – enquanto nos demais hominídeos, era um V.

Segundo os autores, o rosto e alguns dentes pertenciam a um menino com cerca de 8 anos. Uma das mandíbulas, encontrada quase completa, com vários dentes e raízes – a mais completa já vista de um hominídeo até agora –, era de um indivíduo adulto. Já o fragmento de outra ainda tinha alguns dentes incisivos pequenos.

Os pesquisadores afirmam que, embora tanto o Homo habilis como essa nova espécie terminaram extintos, ao contrário do Homo erectus, "parece evidente que a evolução humana não seguiu uma linha unidirecional".
G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário