terça-feira, 14 de agosto de 2012

Jesus: Uma Lição de Humildade


     João 13:1-20

     Humildade é o reconhecimento do valor alheio, com a recusa de se considerar superior. Considerar-se superior é tendência humana, pois o orgulho habita no coração do homem. Orgulho é um exagerado senso de consideração por si mesmo em detrimento de outrem. Surgiu nos céus quando Satanás decidiu “subir acima das mais altas nuvens e ser semelhante ao Altíssimo”  (Is.14:13, 14); também veio à Terra quando Adão e Eva cobiçaram o ser igual a Deus (Gn. 3:5). A história fala de pessoas que viveram pelo ideal da conquista, do poder e da superioridade, criaram armas de destruição, traçaram estratégias de guerra, arregimentaram soldados, instigaram guerras e travaram sangrentas batalhas pelo trono do mundo.
      O Criador do Mundo desceu em forma de homem, o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores, veio habitar entre os súditos. Mas, não demonstrou atitude de soberania e altivez, pelo contrário, escolheu a posição de servo, pregou, ensinou e viveu a humildade. Jesus, o Filho de Deus, disse que “não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos” (Mc. 10:45).
     Foi na sua última refeição antes da cruz, que deixou aos discípulos um legado inesquecível, a maior lição de humildade que alguém já ensinou.
    Na noite antes da Páscoa, Jesus e os discípulos estavam reunidos no cenáculo. Era costume em Israel lavar os pés de um hóspede ilustre, tal tarefa era da responsabilidade de um criado. Mas, surpreendentemente, o próprio Jesus ergue-se da mesa, tira a sua capa, amarra ao redor de sua cintura uma toalha, deita água na bacia e ajoelhado, lava os pés dos discípulos. Esfregou o barro de seus dedos e enxugou-lhes os pés. Quem entender a grandeza desse ato terá o seu orgulho abalado e jogado por terra, pois se o Mestre e Senhor da Vida fez isso, então por que nós, frágeis criaturas, formadas do pó (Sl.103:14) teimamos em nos comportar como se fossemos superiores aos outros? Acredito que quanto mais conhecemos a Grandeza de Deus, mais tomamos consciência de nossa fragilidade, limitação e pequenez (Sl. 8:3-9).
      O Senhor lavou os pés dos doze discípulos, um a um. Pedro resistiu, não aceitou que seu Mestre se humilhasse aos seus pés, depois entendeu que não poderia impedi-lo; Judas, influenciado pelo diabo tinha o coração endurecido; Os irmãos Tiago e João certa vez causaram grande discussão entre os doze, porque pediram a Jesus que sentasse um a sua direita e outro a esquerda do trono. Ao verem Jesus lavando-lhes os pés, qual foi o pensamento destes ambiciosos irmãos? O Senhor já lhes tinha dito que “quem quiser tornar-se grande entre vós, seja este que vos sirva; e quem quiser ser o primeiro dentre vós será servo de todos” (Mc. 10:35-45).
     Após ter concluído, Jesus explicou-lhes o porque de sua atitude: Mesmo sendo Mestre e Senhor, agiu como servo, assim também deveriam agir os discípulos. Ele nos chama para o serviço, o reino de Deus é formado de servos. Pessoas arrogantes, insolentes e altivas de coração não suportam estes ideais. “Sem humildade, não seremos seguidores. Os orgulhosos querem ser chefes e cobiçam a posição e a influência de outros. Sem humildade, não reconheceremos nossos próprios defeitos” (Dennis Alan).
    Com este ato, Jesus nos mostra que a humildade é uma virtude cativada por aqueles que amam a Deus. Ela liberta do cativeiro de si mesmo (egocentrismo), promove honra e felicidade na vida de quem a cultiva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário