sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Bebês Prematuros e a Música



Os efeitos da música nos bebês prematuros.

 Quando un bebé nasce prematuramente, ou seja, pelo menos três semanas antes da data prevista, muitos dos seus órgãos não se encontram maduros. É um bebê que pode ter problemas em seu ritmo cardíaco, dificuldades respiratórias, circulatórias e remais, apresentar baixo peso, e encontrar-se mais propenso a doenças ou inclusive a não sobreviver.
Cada dia são mais os bebês que nascem antes do tempo, e a recuperação requer muito tempo e dedicação. Considerando essa situação, March of Dimes (organização não-governamental dedicada a promover a saúde na gravidez e nos bebês), realizou um estudo com 500 mil nascimentos prematuros, em que se utilizou os efeitos e benefícios da música como alternativa terapêutica para sua saúde. Observou-se que com os cuidados necessários e alternativas como a musicoterapia, a saúde dos bebês prematuros havia melhorado notavelmente.
Com efeito, em alguns hospitais já se usa a música clássica ou instrumental como parte da terapia. Alguns vão mais além, podem utilizar as canções de ninar e outros sons agregados como o das batidas do coração ou o som do útero. A música tranquiliza a mente e cada um dos órgãos do bebê prematuro, fazendo com que a probabilidade de que ele sobreviva (hoje em torno de 70%), aumente.
A música ajuda a reduzir alguma dor, a estabilizar o sono e a frequência cardíaca dos bebês, para que ganhem peso e se sintam mais seguros no ambiente do hospital. Além disso, a música ajuda a diminuiir o estresse dos pais e do pessoal médico. É importante que quando o bebê vá para sua casa, os pais continuem estimulando-o com uma música tranquila e relaxada. Com a música, os bebês comerão e dormirão melhor, estarão mais relaxados e lvres de estresse. A música acelera ou retarda o ritmo cerebral, a circulação, respiração, digestão e o metabolismo; aumenta ou diminui o tônus e a energia muscular; altera o sistema imunológico; e aumenta a atividade neuronal nas zonas do cérebro relacionadas à emoção.
A música também pode despertar, estimular e desenvolver diversas emoções e sentimentos. Incita e favorece a expressão, estimula a concentração e a memória, e favorece o aprendizado, assim como o desenvolvimento e o crescimento dos bebês.
Um estudo publicado nos “Archives of Disease in Childhood”, revela que a música reduz a dor e incentiva a alimentação de bebês prematuros.
Segundo nvestigadores da University of Alberta notaram que a música tem efeitos benéficos em determinados parâmetros fisiológicos, estados comportamentais e na redução da dor durante alguns procedimentos médicos a que os bebés prematuros são submetidos.
Liderados por Manoj Kumar, investigadores analisaram o efeito da música nos bebês que eram submetidos a procedimentos dolorosos, como a circuncisão e o teste do pezinho para obter amostras de sangue. Para avaliar o benefício da música, foram medidos o ritmo cardíaco, a frequência respiratória, a saturação de oxigênio e a dor.
Nos ensaios que envolveram a circuncisão, a música teve efeitos benéficos no ritmo cardíaco, na saturação de oxigénio e na dor. Os ensaios que envolveram o teste do pezinho também mostraram que a música conduzia à diminuição da dor. Foi ainda observado que a música melhorava a taxa de alimentação dos bebés.
Nascimentos prematuros aumentaram nos últimos anos e continuam sendo um grande problema na Grã-Bretanha, algumas vezes resultando em problemas de saúde de longo prazo na vida da criança, incluindo paralisia cerebral, surdez, cegueira, problema pulmonar crônico, dificuldades de aprendizado e comportamento.
Os fatores mais comuns que podem aumentar o risco de partos prematuros, são mães fumantes, infecções no útero, gravidez de gêmeos ou trigêmeos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário