sábado, 3 de novembro de 2012

AZTECAS, INCAS E MAIAS E SUA ORIGEM EXTRATERRESTRE









Estes crânios encontram-se expostos no Museu de Antropologia de Lima (Peru). Ainda causam controvérsia, pois não se encaixam nas técnicas das "deformações cranianas", empreendidas pelos antigos, que as usavam esses procedimentos com fins mágico-religiosos e estéticos.


É possível deformar o crânio sim, mas não aumentar o volume interno. E estes comprovadamente tem volume 40 a 50% superiores ao do homem normal.Além disso, deformações nunca seriam tão siméricas, vertical, horizontal e radialmente!E nem totalmente iguais uma as outras. Ademais, deformaçao não explica nada; só constata o fato de que a nobreza ou clero estaria tentando parecer superior. Porém, com base em quê 'modelo'superior? A quem pretendiam imitar, se assemelhar, PARA parecerem superiores? Por fim a face, os olhos e especialmente os ossos da mandíbula não podem ser deformados. E são claramente distintos do homem comum. Exceto se pertencerem a uma raça humana desconhecida.










































DUAS EMIGRAÇÕES DE EXTRATERRENOS
Os textos sagrados hindus revelam que os antepassados dos Arianos não tinham nascido na Terra, mas numa estrela da Via Láctea (Sírio é uma estrela da Via Láctea) “O Caminho de Ariaman é o caminho que vai duma estrela a Terra” (texto védico) A segunda ingerência atestada por numerosos textos, foi a dos venusianos.
Durante muito tempo, os astrônomos pensaram que o planeta Vênus pertencia ao sistema solar desde há milhares de anos. Conseguimos, graças aos nossos documentos, que o observatório de Paris admitisse que o caso de Vênus merecia ser reconsiderado. E sabemos que alguns astrônomos, antecipando-se a verdade que em breve acabara por impor-se, admitem facilmente a irrupção de Vênus-cometa no nosso sistema solar. 



A tradição Inca diz que quando Orejona aterrou sobre a Pedra Sagrada da Ilha do Sol, no lago Titicaca, ele trouxe do seu planeta vegetais, animais, e “outras coisas” De acordo com a lenda pré-colombiana, o deus Tvira mandou erigir em honra a Orejona, sobre o local do rochedo sagrado, um templo onde estavam guardadas várias “pedras negras”. Essas pedras chamadas Kala e associadas ao Deus-Sol de forma misteriosa desapareceram do lago Titicaca. Essas Kala, em numero de três serão as que atualmente se veneram na Kaaba de Meca ou estarão encerradas na parede? Assim como a pedra de Lúcifer e as “pedras negras’ dos Andes, as das Arábia teriam uma origem celeste: teriam vindo do céu, como dádiva do anjo Gabriel a Abraão em recompensa da vitória do patriarca sobre o demônio; uma outra tradição afirma que caíram de Vênus. A grafite da cave do Kohistan, nas índias, com idade de 14.000 anos e que representa a Terra ligada a Vênus por um caminho de traços. As descrições na Bíblia, e nas tradições de todos os paises da conquista da Terra por seres vindos de algures de Vênus e da Lua.     




O POPOL VUH  FOI TRAFICADO

O Mais  importante desses documentos, o Popol Vuhu ou livro do conselho, que relata acontecimentos anteriores ao dilúvio, foi transcrito em latim no século XVI por um sábio quiche que muito provavelmente, era um espanhol católico. Possuímos uma notável tradução do francês devida ao erudito abade Brasseur de Bourbong e também alguns extratos de uma exegese publicada rcentemente pelas edições Payot.
É do conhecimento do público eu o planeta Vênus regia a religião Maia, sem duvida após o aparecimento deste planeta no nosso céu visível, há 5000 anos. A maioria das pirâmides é-lhe dedicada; Quetzacoatl e Kukulka, os dois maiores deuses do panteão Maia, são personificações do planeta brilhante; em todos manuscritos Maias, os sinais de Vênus florescem em cada página... Ora, fato extraordinário, excetuando o abade Brasseur de Bourbong, todos os autores obedecendo sem duvida a recomendações de Black-out, silenciam o papel de Vênus na civilização Maia e, as vezes, conseguem até nem mencionar o nome do planeta. Coincidência curiosa, na Bíblia manifestam-se as mesmas instruções de prudência ------a respeito da “ESTRELA” que os Hebreus reincidentes tinham a desagradável tendência, sem duvida hereditária, para quererem adorar ao mesmo tempo que o touro(impropriamente chamado Bezerro de Ouro). E acontece que essa estrela é precisamente Vênus. e que esse touro, símbolo dos anjos, genitores, representa também os Iniciadores venusianos, nos Maias, nos Fenícios, nos Assírio Babilônios e nos Incas.
Em resumo, tudo se passa como se desde há três mil anos uma conjuração se empenha-se em esconder uma verdade perigosa para as nossas instituições e as nossas religiões. Uma verdade cuja chave seria o planeta Vênus.                     
Chan Chan, a capital do império Chimu, declarada pela UNESCO como Herança Cultural da Humanidade, com uma importância comparável às do Egito, Mesopotâmia, Índia, China e de Teotihuacán no México. 



Mergulhadores descobrem templo inca submerso
Cientistas encontraram as ruínas de um templo inca, submerso no lago Titicaca. A descoberta, que inclui também a Porta do Sol, a pirâmide de Akapana e o templo de Kalasasaya, ajudará a compreender um período de três a quatro séculos da cultura de Tiwanaku.

Um grupo de cientistas brasileiros e italianos encontraram as ruínas de um templo inca, construído, possivelmente, há mil ou mil e quinhentos anos, submerso no lado boliviano do lago Titicaca, situado a 3.800 metros acima do nível do mar na fronteira entre a Bolívia e o Peru.
A expedição, formada por 30 especialistas brasileiros e italianos da sociedade científica Akakor Geographical Exploring, que investigaram locais arqueológicos nas zonas lacustres de Copacabana e nas ilhas do Sol e da Lua durante 15 dias, foi liderada pelo italiano Lorenzo Epis e incluiu mergulhos a grandes profundidades de forma a verificar a existência de construções antigas submersas no lago Titicaca, com seis mil quilómetros de extensão.
Além da descoberta de várias peças de cerâmica das culturas incas e tiwanacota, os cientistas conseguiram, ainda, tirar fotos e filmar uma construção de cerca de 250 metros de comprimento por 50 metros de largura, submersa na parte mais profunda do lago, que, segundo Epis, se assemelha a um templo.
«O templo existe mas não se trata de uma cidade submersa», confirmou o chefe da expedição.
O grupo localizou, também, uma ilha dentro do Titicaca, com cerca de três quilómetros de extensão por 600 metros de largura, submersa a 20 metros de profundidade. No local existem trilhas calçadas de pedras que, segundo os pesquisadores, foram construídas pelos incas.
A sociedade científica, que reuniu na Bolívia especialistas nos campos da geologia, paleontologia, biologia, antropologia, sociologia, medicina, psicologia e espeleologia aquática, com o objectivo de localizar sítios arqueológicos submersos ou em terra, deu assim por concluída a primeira fase da expedição.
A dez quilómetros da margem do Titicaca encontra-se Tiwanaku, a primeira cidade planeada na região e berço da civilização Tiwanacota, considerada pelos arqueólogos o primeiro império andino.
As descobertas, entre elas a Porta do Sol, a pirâmide de Akapana e o templo de Kalasasaya, em bom estado de conservação, ajudarão os historiadores a entender um período de três a quatro séculos da cultura Tiwanaku, que segundo os arqueólogos existiu mil e duzentos anos antes de Cristo.
Recorde-se que em 1976, o oceanógrafo francês Jacques Cousteau tentou, sem sucesso, localizar ruínas de construções no lago Titicaca, e em 1988 uma expedição da National Geographic também não obteve resultados.
Os incas, cujo império compreendeu um território de um milhão e meio de quilómetros quadrados localizado entre os actuais Peru, Bolívia, Equador, Chile e Argentina, foram a civilização mais importante da América pré-hispânica, com uma organização sócio-política desenvolvida e uma população estimada entre quatro a seis milhões de pessoas.

A linguagem dos cordões
Gonzáles de la rosa, que viveu muito tempo no Peru, refere-se as declarações do quipocamaio (interprete dos quipós incas) Catari, que, tendo se retirado para Cochabamba no século XVI, traduziu para os jesuítas a linguagem dos enigmáticos cordões com nós. O manuscrito da tradução foi entregue por volta de 1625 pelo cônego de Chuquisaca(Sucre), Bartolomé Cervantes, ao jesuíta A. Oliva. A partir de então, o documento manteve-se secreto – na Biblioteca do Vaticano- , mas o essencial do seu conteúdo é conhecido.
Eis em resumo a tradução do velho Catari comentada por Gonzales de la Rosa.
“(O nome primitivo de Tiahuanaco era Chucara. A cidade era inteiramente subterrânea e o que existia na superfície era apenas a estância de corte de pedras e a aldeia dos operários. A cidade subterrânea seria a chave de uma espantosa civilização que remonta aos tempos mais recuados. Tinha-se acesso a cidade por várias entradas que foram vistas pelo grande naturalista francês Alcide d’Orbigny e pelos viajantes Tschudi, Castelnau e Squier, os quais falam em galerias sóbrias e fétidas que desembocam na praça de Tiahuanaco.
Essa cidade subterrânea fora edificada para permitir que os habitantes ali encontrassem uma temperatura mais agradável, o que prova bem que a altitude nunca variou. Perto do lago Titicaca existia um palácio de que não restam vestígios, pois sua construção deve remontar, segundo os textos, á época “”da criação do mundo”” O primeiro senhor de Chucara, quer dizer Casa do Sol, chamava-se Huyustus; ele dividira o globo em vários reinos. Os últimos habitantes de Chucara não foram os Aimaras mas os Quéchas. Em Tiahuanaco, os mortos eram enterrados deitados. Nas ilhas do lago vivia uma raça branca e barbuda. Para Gonzales de la Rosa, os antepassados dos Uros eram os fundadores de Tiahuanaco. Essa tradição muito conhecida, mesmo dos americanistas, apoia a tese da origem estrangeira dos colonos instalados em redor do lago Titicaca. Aliás, todas as tradições asseguram que, precedendo de muitos milênios o advento dos Incas, se estabelecera no Andes uma raça de homens brancos.
Garcilaso de la Vega escreve:
O Deus Sol, antepassado dos Incas, enviou-lhes nos tempos muito antigos um de seus filhos e uma de suas filhas para lhes transmitir o conhecimento, delegados que os homens reconheceram como divinos devido ás suas palavras e a sua pele clara. Pedro Pizarro, primo do conquistador, diz em sua crônica.
As mulheres nobres são agradáveis de contemplar; sabem-se belas e são de facto. Os cabelos dos homens  e das mulheres são loiros como o trigo e certos indivíduos tem a pele mais clara que dos espanhóis.
Nesse país vi uma mulher e uma criança cuja pele era de uma brancura fora do vulgar.). Um certo americanista, Denis Saurat, apoia a hipótese da existência de uma linha de sedimentos marinhos com a extensão de 700 quilometros. Essa linha escreve ele, principia perto do lado Umayo, no Peru, a cerca de 100 metros de altitude acima do nível do Titicaca, passa ao sul desse lago, a 30 metros acima do nível da água, e termina inclinando-se cada vez mais para o lado sul ... Existiu, portanto ali um mar, explica ele, e prossegue algumas páginas mais adiante: Os cais do porto de Tiahuanaco ainda existem e estão situados, não ao lado do lago desaparecido, mas sobre a linha de sedimentos...
Os petróglifos da Porta do Sol reservam grandes surpresas aos astrônomos e aos técnicos da astronáutica. Os desenhos talvez representem engenhos interplanetários assim como descrevera o descendente de Galrcilaso de la Vega: O ideograma sobre a cabeça da personagem é uma astronave terrestre(cabeça de jaguar: força, vida terrestre; cones estilizados: cabinas, povoações; cabeça de condor: viagem ao espaço.)
Já em 1876, o arqueólogo francês Wiener escrevia:
Um dia virá em que poderemos dizer a respeito das civilizações clássicas dos Egípcios, dos Caldeus, dos Bramas: estais catalogadas nos nossos livros como sendo das mais antigas, mas a ciência prova que a civilização pré-inca de Tiahuanaco é vários milhares de anos anterior á nossa. No seu livro Um Roman de Tager – La Guerre Nouvelle, o arqueólogo e escritor René Gau concede a essa teoria da Atlântida e a origem extraplanetária dos Atlantes uma contribuição nova baseada na descoberta, em Ur, de chapas gravadas que estariam na posse dos serviços políticos americanos. Estas chapas, provenientes das buscas arqueológicas efetuadas por Wooley, em 1927, são autênticas, acrescentam ao estudo da Primi-historia indícios que se adaptam curiosamente ás hipóteses que formulamos juntamente com os sábios e historiadores de vanguarda: os russos Jirov e Agrest e os franceses Lucien Barnier, Louis Pauwels, Jaques Berguier e Jean Nocher. Eis o que René Gau escreveu. A narrativa prosegue da seguinte forma: 
“(Soube através da tradução dos textos gravados que as jóias tinham um valor arqueológico muito maior do que o comercial. Elas constituíam preciosos talismãs vindos dos Atlantes que os tinham obtido de seres ditos humanos, irmãos afastados das estrelas. Eles visitaram-nos um dia, vindos das profundezas siderais vindos sobre um navio voador... Essa descoberta viria a servir de base a outras pesquisas arqueológicas, visto que ela confirma os dizeres de Platão, incluindo, além disso, a noticia espantosa da existência de irmãos da nossa humanidade terrestre, nitidamente superiores a nós, originários de outras galáxias.)”     
A cidade mais antiga do Mundo
É pela Porta do Sol que se penetra no mundo ignorado de Tiahuanaco, que proclama o seu antigo esplendor da Bolívia. A origem de Tiahuanaco perde-se nos milênios. Os Incas, quando da conquista do Peru por Fernando Pizarro, afirmaram que jamais tinham conhecido Tiahuanaco senão em ruínas. Os Aimaras, o povo mais antigo dos Andes, diziam que a cidade pertencia aos primeiros homens da Terra e que fora criada pelo deus Vira Cocha. Garcia Beltran tinha certos documentos inéditos relativos ás tradições andinas que tinham pertencido ao seu antepassado Gacilaso de la Vega. A História, que se detinha nas ultimas dinastias faraônicas, acabava de dar um salto ao passado e prolongava-se agora até o décimo milênio antes da nossa era, senão mais longe. Eis o que revelavam os documentos secretos de Garcilaso de la Vega, traduzidos e comentados por Beltran. Os escritos pictográficos de Tiahuanaco dizem que na era dos tapires gigantes, seres humanos muito evoluídos, apalmados e de sangue diferente do nosso, vindos de um outro planeta, encontraram, conforme lhes convinha, o lago mais alto da Terra. Ontem, essa lenda ter-nos-ia feito rir. Hoje, os nossos homens rãs copiam artificialmente os dedos apalmados dos colonos de Tiahuanaco.
Com os seus poderosos telescópios, os visitantes siderais procuraram portanto uma altitude e um lago favoráveis ao seu organismo e a sua vida anfíbia. A astronave do lago Titicaca Desta forma, os documentos do descendente de Garcilaso de la Veja referiam-se a uma Eva de origem extraterrestre e a engenhos interplanetários. E davam precisões espantosas. Na Era Terciária(há cerca de 5 milhões de anos), quando ainda não existia qualquer ser humano sobre o nosso planeta, povoado apenas por animais fantásticos, uma astronave brilhante como ouro pousou sobre a ilha do Sol do lago Titicaca. Dessa astronave desceu uma mulher semelhante as mulheres atuais quanto ao corpo, dos pés até os seios; mas tinha a cabeça em forma de cone, grandes orelhas e mãos apalmadas com quatro dedos. As suas mãos indicavam que existia água em abundância sobre o seu planeta original e que representava um papel primordial na vida em Vênus. Os Grandes Orelhas (ou Orejones) formavam uma casta superior na América do Su, e emigraram até a Ilha de Páscoa. As estatuas gigantes de Páscoa e Bamiyan têm todas grandes orelhas e é curioso notar que os Budas da índia têm igualmente a mesma particularidade. Por outro lado, foram os Orejones que, segundo Garcilaso de la Vega e Cieza de Leon, ocultaram os tesouros dos antepassados, cujos esconderijos jamais foram divulgados pelos iniciados. Esta mulher caminhava verticalmente como nós, era dotada de inteligência e tinha, sem duvida, a intenção de criar uma humanidade terrestre, pois teve relações com um tapir, animal rugidor, que nadava em quatro patas. Ela gerou vários filhos. Essa prole, oriunda de um cruzamento monstruoso, nascia com dois peitos e uma inteligência diminuta, mas os órgãos reprodutores mantinham-se os do tapir-porco. A raça estava fixada. Um dia terminada a sua missão, ou talvez cansada da Terra, e desejosa de voltar a Vênus, onde poderia ter um marido a sua imagem, a mulher levantou de novo vôo em sua  astronave. Eis o que se encontra escrito no frontão da Porta do Sol em Tiahuanaco.
Os incas também explicavam as origens do mundo e do homem através de lendas. Para aquele povo, o Criador (também conhecido como Pachayachachi, “professor do mundo”, ou Tesci-viracocha”, Deus Incompreensível”) Os incas acreditavam que o criador tinha dois filhos: Yamayama Viracocha e Topaco Viracocha. Ele teria ordenado que o primogênito, Yamayama atravessasse montanhas e florestas e percorresse o planeta, nomeando arvores e frutos e ensinando as pessoas a transformarem esses elementos em poções medicinais. Ao outro filho, Topaco, coube a tarefa de nomear rios e instruir a natureza. Após cumprirem as atribuições que lhes competiam, os filhos de Viracocha puderam ascender aos céus. Qualquer semelhança desta lenda com a mitologia Suméria e a história de Enki e Enlil não é mera coincidência. Os incas também mencionam um dilúvio universal, elemento que aparece de forma decorrente em documentos religiosos de varias civilizações. Outra semelhança da mitologia da civilização inca esta relacionada ao livro de Enoch, que é um personagem misterioso de que a tradição religiosa judaica se apropriou, mas de fato é muito anterior a civilização hebraica. Alguns eruditos asseguram que antes da Bíblia, como antes mesmo dos ‘Vedas’, dos ‘Brahmanas’, das ‘Leis de Manu’, dos ‘Purunas’ dos ‘King’ dos chineses, haviam manuscritos que serviam de modelo aos livros sagrados que conhecemos a começar pelos (Gênesis’) Moises fala, por varias vezes, de manuscritos mais antigos que o Pentateuco e cita passagens deles.
Moisés parece ter resumido estes livros antigos nos doze primeiros capítulos do “Gênesis Bíblico”.E aí até duas fontes diferentes para o Gênesis haviam: A eloísta e a jeovita. “A crer na tradição, Enoch seria originário da Alta Mesopotâmia ou da Armênia, porque é considerado iniciador ou par do lendário rei Kayou Marath, ou Kaiomers “Rei da Terra” e do Azerbaijão. Encontramos muitas semelhanças na mitologia Maia que foi um dos povos mais evoluídos que habitaram a Meso-America, o interesse dos Maias nos enigmas do Cosmo levou-os a confeccionar um poderoso sistema de calendário, assim como a matemática que antecipou o conceito do zero em muitos séculos(este foi redescoberto na Índia, muito tempo depois). Apesar de seu apego ao racionalismo, porém, os Maias desenvolveram uma mitologia riquíssima. Como os astecas, compartilhavam a crença de que inúmeros mundos haviam sido criados antes do atual – e que a terra seria destruída por um flagelo apocalíptico. Segundo os Maias a criação na criação do mundo duas divindades, Tepeu e Gugumatz, juntaram-se na escuridão, na noite. Falaram sobre a vida e a luz, sobre o que deveriam fazer para que houvesse luz e alvorada e sobre quem forneceria comida e sustento. Depois planejaram a criação e o crescimento das arvores e dos bosques. Como os egípcios, os Maias eram eméritos arquitetos(também construíram pirâmides e sepulcros imponentes) e muito interessados em ciências como astronomia e matemática – nesse quesito deixaram um importante legado, já que a eles se atribui o conceito da abstração matemática. De fato, os calendários da civilização atual são baseados em protótipos criados por aquele povo. Também estudavam a movimentação dos corpos celestes(como o sol e a lua)e estabeleceram um ano solar de 365 dias, inclusive com um ano bi-sexto a cada quatro anos.
Que tipo de cultura poderia ter cultivado e celebrado esse costume demoníaco? Ali, em Chichen Itza, entre ruínas com mais de 1.200 anos de idade, tinha havido uma sociedade híbrida, produto do cruzamento de elementos maias e toltecas. O altar de Sacrifício de Bebês. O local, criação dos olmecas, a denominada "cultura-matriz" da América Central, tinha mais de 3.000 anos de idade. Era um bloco de granito maciço, de cerca de 1,20m de espessura, tendo nos lados, em alto-relevo, quatro homens usando curiosos adereços de cabeça. Todos tinham nas mãos um bebê sadio, gordinho, esperneando em um pavor claramente visível. A parte posterior do altar era destituída de decoração; já na frente, era representada uma figura tendo nos braços, como uma oferenda, o corpo de uma criança morta. Consta dos anais, por exemplo, que Ahuitzod, o oitavo e mais poderoso imperador da dinastia real asteca, "celebrou a inauguração do templo de Huitzilopochtli, em Tenochitlán, mandando formar prisioneiros em quatro fiIas, que marcharam diante de equipes de sacerdotes que trabalharam durante quatro dias seguidos para dar cabo de todos eles. Nessa ocasião, nada menos de 80.000 indivíduos foram sacrificados em um único rito cerimonial". No total, estima-se que o número de vítimas sacrificiais no império asteca como um todo chegou a cerca de 250.000 ao ano, no início do século XVI.
Um mito pré-colombiano recolhido no México por Juan de Torquemada, historiador espanhol do século XVI, por exemplo, afirmava que Quetzalcoatl era "um homem louro e corado, com uma longa barba". Ele condenou os sacrifícios, exceto de flores e frutos, e era conhecido como o deus da paz... De acordo com uma tradição particularmente notável da América Central, esse "sábio instrutor" veio do outro lado do mar em um barco que se movia por si mesmo, sem remos. Todas as lendas diziam inequivocamente que Quetzalcoatl/Kukulkan/Gucumatz/Votan/Izamana chegara à América Central procedente de algum lugar muito distante (do outro lado do "Mar Oriental") e que, em meio a grande tristeza, ele viajara novamente na direção de onde viera. Por que Quetzalcoatl teria ido embora? Qual foi o problema? As lendas mexicanas forneceriam respostas a essas perguntas? Diziam elas que o esclarecido e benevolente governo da Serpente Emplumada foi encerrado por Tezcatilpoca, cujo nome significava "Espelho Esfumaçado" e cujo culto exigia sacrifícios humanos. Parece que uma guerra quase cósmica entre as forças da luz e das trevas ocorreu no México antigo e que estas últimas triunfaram...
Segundo Bernal Dias [historiador espanhol], os nativos davam a essa pedra o nome de 'Tezcat'. Com ela eram feitos também espelhos com finalidades divinatórias, usados por feiticeiros." Representando as forças das trevas e da maldade rapace, Tezcatilpoca, segundo as lendas, esteve envolvido em conflitos com Quetzalcoatl que se prolongaram durante um número imenso de anos. Às vezes, um parecia estar vencendo a luta e, em certas ocasiões, o outro. Finalmente, a guerra cósmica chegou ao fim na ocasião em que o bem foi derrotado pelo mal, com o resultado de que Quetzalcoatl foi expulso de Tollan. Daí em diante, sob a influência do culto aterrador de Tezcatilpoca, os sacrifícios humanos reapareceram na América Central.
O Quetzalcoatl histórica - nasceu provavelmente por volta do ano 947. Seu pai, Mixcoatl, que era chefe dos toltecas. Ele foi originalmente chamado Ce Acatl Topitzin, que significa "Nossa Príncipe Nascido Ce Acatl", sendo este último um feriado importante tolteca. Seu nascimento foi imediatamente precedido por uma tragédia familiar terrível, o pai ter sido deposto e assassinado por um irmão ciumento chamado Ihuitmal.
filho da mãe grávida nascituros, Chimalma, fugiu para Tepoztlan. Antes de morrer no parto, Chimalma declarou que seu filho foi concebido por Deus, porque ela tinha engolido um pedaço de jade verde-azul.
Criados por seus avós, Ce Acatl Topitzin foi enviado para a escola religiosa em Xochicalco. Lá, ele impressionou tanto os professores com sua sabedoria e piedade que lhe confere o nome de Quetzalcoatl. Que significa "serpente emplumada", este foi um título de prestígio dado às pessoas cujo comportamento mostra sinais de um estado exaltado como o alcançado por um santo ou um sábio.
Voltando a Tula, Quetzalcoatl desafiou seu tio usurpador de enterrar os restos de seu pai com a cerimónia a que tinha direito. Ele então assumiu como novo líder dos toltecas, empurrando o Ihuitmal impopular em um fogo sacrificial.
Quetzalcoatl provou ser um governante sábio e progressiva. Em uma ação que demonstrou sensibilidade e auto-interesse esclarecido, ele importou um grupo de talentosos surdos-mudos conhecido como nonoalcos para trabalhar como artesãos em seu reino.
O nonoalcos eram descendentes dos artesãos altamente qualificados de Teotihuacan e foram eles que elaboraram os projetos distintos para o qual Tula é conhecida - colunas serpente, pilares praça ornamentada com frisos e porte estátuas gigantes de guerreiros.
Quetzalcoatl também aboliu os sacrifícios humanos e decretou que os objetos de sacrifício agora limitada às serpentes, flores e pequenos pássaros. É neste ponto que a linha se torna borrada entre o histórico eo lendário Quetzalcoatl.
Embora os sacerdotes eram, sem dúvida, irritado com sua proibição de sacrifícios humanos, contas das ações atribuídas a eles são, obviamente, o trabalho dos criadores de mitos e não de historiadores responsável.
Segundo esta versão, os sacerdotes convocou um antigo deus chamado Texcatlipoca para ajudá-los a se livrar de Quetzalcoatl. Texcatlipoca era um deus do mal, e ele e os sacrifícios humanos pró-sacerdotes, obviamente, sobre Quetzalcoatl olhou como uma espécie de coração liberal-sangramento. (O sangramento corações só queriam ver eram as arrancadas de vítimas e colocou nos altares.)
Decidindo sobre um ardil, Texcatlipoca penetrou no santuário Quetzalcoatl com dois deuses menores, também o mal, e assustava, demonstrando uma nova invenção: o espelho. Fingindo amizade, que ele disfarçou, cobrindo seu corpo com tinta vermelha, plumas e uma máscara.
Serviram-lhe uma refeição deliciosa e Texcatlipoca Quetzalcoatl convenceu a beber uma bebida de pulque misturado com mel. A mistura embebedou e os conspiradores, em seguida, caiu uma moça bonita dançando em seu quarto. Ele acordou na manhã seguinte com uma ressaca ea realização horrível que ele havia quebrado seu voto de castidade sacerdotal. Atormentado pelo remorso, Quetzalcoatl vagou em exílio auto-imposto para 20 anos e acabou perto do que é hoje o porto do Golfo de Coatzocoalcos.
Lá, ele se despediu de uma banda de discípulos fiéis chorando, prometendo voltar em algum momento futuro.
Ele embarcou para Yucatan, onde se tornou igualmente admirado pelos maias, que o chamou Kulkulcan

ANTIGOS CRUZAMENTOS
Tudo nos induz a crer que, ao tempo do descobrimento, havia aqui na América duas raças, uma –que é tronco – vermelha, cuja existência remonta como disse, a muitos mil anos; outra cruzada com raças brancas. Um dos cruzamentos com o tronco branco deixou em si documento mais autêntico do que se assenta a história, e esse documento são milhares de raízes sânscritas que se encontram no Quíchua, segundo a comparação feita pelo Sr. Fidel Lopez, de Buenos Aires, em sua recente obra- RAÇAS ARIANAS NO PERU; idênticos vestígios se encontram em outras línguas, como o demonstra o Padre Brasseur de Bourbong em sua Gramática da Língua Quiché e seus dialetos.“Lyell’s Prino. Of Geologi t.II PAG 479 Londres 1872” porem o estabelecimento da humanidade na America, apesar de ser um fato comparativamente recente, pode remontar até o período paleolítico da Europa Oriental
LINGUAS ARIANAS DA AMERICA mais de 10.000 a.c
Parece hoje fora de dúvida que o sânscrito forneceu cerca de duas mil raízes ao quíchua.
Relações entre as línguas americanas e esta grande língua asiática, de onde se originaram as sete línguas atuais da Europa, haviam pressentido de muitas. Os estudos sérios de biologia comparada datam da publicação da gramática de Bop.
Auxiliado pelo General Urquiza, que coligiu documentos quíchuas, a peso de ouro, o Sr. Fidel Lopez começou seus estudos comparativos entre a língua dos incas e a em que estão escritos os Vedas, talvez o mais antigo monumento da sabedoria humana. Auxiliado depois por um egiptólogo, que propositalmente foi a Buenos Aires e publicou em francês a sua obra: Raças Arianas do Peru, em que apresenta centenas de raízes quíchuas idênticas a raízes sânscritas. O doutor em leis José Fernandez Nodal , publicava em Cuzco (1872) Os Elementos de gramática quíchua ou idioma de los Yncas, um volume com 444 paginas, facilitando assim a comparação dessa curiosa língua americana com o sânscrito, depois de ter lido os trabalhos de Srs Fidel Lopez, Brasseur de Bourbourg e Nodal, convenci-me de que as línguas de que tratam sofreram profundas modificações em seus vocabulários por vocábulos sânscritos. Uma raça ariana, portanto esteve largamente em cruzamento com os índios americanos e os incas e seus progenitores eram filhos dos plateaux ou araxás da Ásia Central. Ignoro se existe no Brasil alguma língua que com justa razão com tendo afinidade com o sânscrito; se há o guaicuru deve ser uma delas.

BISPO MANDOU DESTRUIR A BIBLIOTECA DOS YNCAS


Muitas pessoas estranharam que se pudesse ter conservado um crônica completa dos reis do Peru por espaço de tão largo período, e por isso colocaram em duvida a exatidão d’estas datas. No entretanto é fato hoje verificado que os quíchuas, nome de nação sobre que reinavam os incas, podiam formar e efetivamente formaram verdadeiros livros, por um método de escrita chamado “Quipo” e inventado pelos Tahuantinuyanos, o qual consistia na combinação de fios de diversas cores, com os quais perpetuavam o pensamento. O fanatismo maometano destruiu a biblioteca de Alexandria. O fanatismo cristão veio também destruir a biblioteca dos Yncas- Aqui vai o texto notável documento que prova esse fato. Descoberto ano passado em Lima, e citado pelo Dr. J.F. Nodal em sua gramática da língua quíchua, Cuzco 1872, pg .95. “ E por quanto entre os índios, que ignoraram as nossas letras, os livros sejam substituídos por sinais a que os mesmos denominam QUIPOS , dos quais ressaltam os monumentos da superstição antiga, nos em que esta conservada a memória de seus ritos e cerimônias e leis. POR ISSO OS BISPOS DEVEM CUIDAR DE QUE TODOS ESSES INSTRUMENTOS PERNICIOSOS SEJAM EXTERMINADOS. E assim apagou-se para sempre uma das mais curiosas paginas da humanidade.








 Trecho do Livro O SELVAGEM e curso de língua geral segundo Ollendorf, compreendendo o texto original de lendas Tupis, origens, costumes, região selvagem, método a empregar para amansa-los por intermédio das colônias militares e do interprete militar, impresso por ordem do governo, Rio de Janeiro, typografia da reforma,  rua sete de setembro 181 ano de 1876
BabeI Mexicana
Abandonando Tula na direção sudeste, contornamos a Cidade do México, percorrendo uma série de vias expressas que nos levaram, arrastando-nos, até as bordas da poluição da capital, que faz os olhos lacrimejarem e os pulmões arderem. Prosseguindo na viagem, chegamos às montanhas cobertas de pinheiros, deixando para trás o cume nevado do Popocatepetl e daí seguindo por pistas orladas de árvores através de campos e fazendas.
Em fins da tarde, chegamos a Cholula, uma sonolenta cidadezinha de 11.000 habitantes e espaçosa praça central. Após virar para leste através de ruas estreitas, cruzamos trilhos de estrada de ferro e paramos à sombra da tlahchiualtepetl, a "montanha feita pelo homem", que era o objetivo de nossa visita.
Outrora consagrado ao culto pacífico de Quetzalcoatl, mas, nesse momento, tendo no alto uma ornamentada igreja católica, esse imenso edifício foi classificado entre os projetos de engenharia mais extensos e ambiciosos jamais empreendidos em qualquer local no mundo antigo. Na verdade, com uma área de 18ha e altura de 64m, é três vezes mais maciço do que a Grande Pirâmide do Egito. Embora com os contornos tornados indistintos pela idade e os lados cobertos por relva densa, era ainda possível reconhecer que a construção fora outrora um zigurate imponente, que subia para os céus em quatro "degraus" de ângulos bem nítidos. Medindo quase meio quilômetro ao longo de cada lado da base, a estrutura conseguira, apesar de tudo, preservar uma beleza digna, ainda que violada.
O passado, embora muitas vezes seco e lacônico, raramente é estúpido. Ocasionalmente, pode expressar-se em termos apaixonados. E me pareceu que isso acontecia nesse local, prestando testemunho da degradação física e psicológica imposta aos povos nativos do México quando o conquistador espanhol, Hernán Cortés, quase displicentemente, "decapitou uma cultura, da mesma forma que um transeunte pode cortar a flor de um girassol". Em Cholula, que fora outrora um grande centro de peregrinação, com uma população de cerca de 100.000 almas por ocasião da conquista, a decapitação de tradições e estilos de vida antigos exigiram que um ato especialmente humilhante fosse praticado contra a montanha artificial de Quetzalcoatl. A solução foi achatar e profanar o templo que outrora se erguera no cume do zigurate e substituí-Io por uma igreja.
Embora Cortés e seus homens fossem poucos e os cholulanos muito numerosos, ao entrarem na cidade, o conquistador e sua gente contavam com uma grande vantagem: barbudos e de pele clara, usando armaduras brilhantes, eles pareciam a realização de uma profecia - não fora sempre prometido que Quetzalcoatl, a Serpente Emplumada, voltaria "do mar do Leste" com sua tropa de seguidores?
Devido a tal expectativa, os ingênuos e confiantes cholulanos permitiram que os conquistadores subissem os degraus do zigurate e entrassem no grande pátio do templo, onde receberam as boas-vindas de moças alegremente vestidas, cantando e tocando instrumentos, enquanto outros nativos andavam de um lado para o outro trazendo travessas de pão e carnes finas cozidas.
Um dos historiadores espanhóis, testemunha ocular dos acontecimentos que se seguiram, menciona o povo da cidade, a adoração nos olhos de pessoas de todas as situações sociais, "desarmados, de rostos ansiosos e felizes, reunidos ali para ouvir o que os homens brancos iriam dizer". Compreendendo à vista dessa inacreditável recepção que seus intuitos sequer eram objeto de suspeita, os espanhóis cerraram fileiras, colocaram guardas em todas as entradas, sacaram suas armas de aço e assassinaram seus anfltriões. Seis mil nativos morreram nesse massacre horripilante, comparável em selvageria aos rituais mais sanguinolentos dos astecas. "Os moradores de Cholula foram tomados de surpresa. Sem armas ou escudos, receberam os espanhóis. Ainda que desarmados, foram massacrados sem aviso. Foram assassinados em um ato de pura deslealdade." Era irônico, pensei, que os conquistadores, no Peru e no México, tivessem tirado proveito, da mesma maneira, de lendas locais que profetizavam a volta do deus barbudo, de pele clara. Se esse deus era realmente um ser humano deificado, como parecia provável, ele deveria ser originário de uma civilização altamente evoluída e dotado de um caráter exemplar - ou, com maior probabilidade ainda, duas pessoas diferentes da mesma origem, o primeiro trabalhando no México e servindo de modelo para Quetzalcoatl, e o segundo no Peru, como Viracocha. A semelhança superficial dos espanhóis com os antigos estrangeiros de pele clara abriu numerosas portas que, de outra maneira, teriam permanecido fechadas. Mas, ao contrário de seus sábios e benevolentes predecessores, Pizarro, nos Andes, e Cortés, na América Central, eram lobos famintos. Devoraram as terras, os povos e as culturas que atacaram. Destruíram quase tudo...










Os Filhos do Quinto Sol

Tais como os muitos e diferentes povos e culturas que os precederam no México, os astecas acreditavam que o universo funcionava de acordo com grandes ciclos. Os sacerdotes afirmavam, como fato corriqueiro, que quatro desses ciclos, ou "Sóis", já haviam transcorrido desde a criação da raça humana. Na época da conquista, prevalecia o Quinto Sol, o mesmo Quinto Sol, ou época, que a humanidade ainda vive hoje. A explicação seguinte foi extraída de uma coleção rara de documentos astecas, conhecida como Vaticano-Latin Codex:

Primeiro Sol, Matlacli Atl; duração: 4.008 anos. Os que viveram nesse tempo comiam milho d'água, chamado atzitzintli. Nessa época, viviam os gigantes. (...) O Primeiro Sol foi destruido pela água no signo Matlactli Atl (Dez Águas). Foi chamado de Apachiohualiztli (inundação, dilúvio), ou a arte da feitiçaria da chuva permanente. Os homens foram transformados em peixes. Dizem alguns que escapou apenas um casal, protegido por uma velha árvore que crescia perto da água. Outros dizem que houve sete casais, que se esconderam em uma caverna até passar a enchente e baixarem as águas. Eles repovoaram a terra e foram adorados como deuses em suas nações...

Segundo Sol, Ehecoatl; duração: 4.010 anos. Os que viveram nessa época comiam frutos silvestres, como o acotzintli. Esse Sol foi destruído por Ehecoatl (Serpente do Vento) e os homens foram transformados em macacos. (...) Um homem e uma mulher, no alto de uma rocha, foram salvos da destruição...
Terceiro Sol. Tleyquiyahuillo; duração: 4.081 anos. Os homens, descendentes do casal sobrevivente do Segundo Sol, comiam uma fruta chamada tzincoacoc. Esse Terceiro Sol foi destruído pelo fogo...

Quarto Sol. Tzontlilic; duração: 5.026 anos. Os homens morreram de fome após um dilúvio de sangue e fogo...

Outro "documento cultural" dos astecas que sobreviveu à destruição da conquista é a denominada "Pedra do Sol", de Axayacatl, o sexto imperador da dinastia real. Esse monólito gigantesco, talhado em basalto maciço por volta do ano 1479 d.C., pesa 24,5t e consiste numa série de círculos concêntricos com inscrições, todas elas ostentando intrincadas afirmações simbólicas. Da mesma forma que no códex, essas afirmações concentram-se na crença em que o mundo já passou por quatro épocas, ou Sóis. A primeira e mais antiga delas é representada pelo Ocelotonatiuh, o deus jaguar: "Durante esse Sol, viveram os gigantes criados pelos deuses, mas eles foram finalmente atacados e devorados pelos jaguares”. O Segundo Sol é representado pela cabeça de serpente de Ehecoatl, o deus do ar. "Durante esse período, a raça humana foi destruída por fortes ventos e tufões, tendo sido os homens transformados em macacos”. O símbolo do Terceiro Sol era a nuvem de tempestade e o fogo celestial: "Nessa época, tudo foi destruído por uma certa chuva de fogo que caiu do céu e por formação de lava. Todas as casas foram queimadas. Os homens foram convertidos em aves para sobreviver à catástrofe”. O Quarto Sol é representado pela cabeça da deusa da água, Chalchiuhlicue: "A destruição chegou sob a forma de chuvas torrenciais e de inundações. As montanhas desapareceram e os homens foram transformados em peixes”.
O símbolo do Quinto Sol, a época atual, é a face de Tonatiuh, o próprio deus-sol. Sua língua, apropriadamente descrita como uma faca de obsidiana, projeta-se faminta da boca, sinalizando a necessidade de alimento sob a forma de sangue e corações humanos. Suas feições são enrugadas, a fim de indicar idade avançada, e ele aparece dentro do símbolo Ollin, que significa Movimento.
Por que será o Quinto Sol conhecido como "O Sol do Movimento"? Porque, "dizem os anciãos: nele haverá um movimento da terra e disso todos nós morreremos".
E quando acontecerá essa catástrofe? Logo, segundo os sacerdotes astecas. Acreditavam eles que o Quinto Sol já era muito velho e que se aproximava do fim de seu ciclo (daí as rugas na face de Tonatiuh). Tradições antigas da América Central datavam o início dessa época em um período remoto correspondente ao quarto milênio a.C. de acordo com o calendário cristão. O método para lhe calcular o fim, porém, havia sido esquecido ao tempo dos astecas. Na falta dessa informação essencial, sacrifícios humanos eram aparentemente realizados na esperança de adiar a catástrofe iminente. Na verdade, os astecas vieram a considerar-se um povo eleito. Estavam convencidos de que haviam sido encarregados da missão divina de fazer guerra e oferecer o sangue dos cativos para alimentar Tonatiuh, preservando, dessa maneira, a vida do Quinto Sol.
Stuart Fiedel, autoridade na pré-história das Américas, resumiu toda essa questão nas palavras seguintes: "Os astecas acreditavam que, para prevenir a destruição do universo, que já ocorrera quatro vezes no passado, os deuses tinham que ser propiciados com uma dieta regular de corações e sangue humano." A mesma crença, com um número notavelmente pequeno de variações, foi compartilhada por todas as grandes civilizações da América Central. Ao contrário dos astecas, porém, alguns dos povos mais antigos calcularam exatamente quando um grande movimento da terra poderia ser esperado, levando ao fim o Quinto Sol.

Ciência de Alguma Outra Civilização?
Estudemos agora a questão de Vênus, um planeta que teve imensa importância simbólica para todos os povos antigos da América Central. Ao contrário dos gregos antigos, mas da mesma forma que os egípcios antigos, os maias sabiam que Vênus era simultaneamente "a estrela matutina" e a "estrela vespertina". E compreendiam também outras coisas.
A "revolução “sinódica" de um planeta é o período de tempo que ele leva para voltar a qualquer dado ponto no céu - da forma como é visto da terra. Vênus faz uma volta completa do sol a cada 224,7 dias, enquanto a terra segue sua órbita ligeiramente mais longa. O resultado combinado desses dois movimentos é que Vênus surge no mesmo lugar no céu da terra a aproximadamente cada 584 dias. Quem quer que tivesse inventado o sofisticado sistema de calendário herdado pelos maias sabia desse fato e encontrara maneiras engenhosas de integrá-lo em outros ciclos interligados.
Por que os "semi-civilizados" maias precisavam desse tipo de precisão de alta tecnologia?
A Contagem à Longo Prazo pode ser talvez mais bem compreendida como um tipo de máquina de somar celeste, calculando e recalculando constantemente a escala de nossa dívida crescente com o universo. Os cálculos no computador da Contagem à Longo Prazo não eram, claro, feitos com os nossos algarismos. Os maias usavam uma notação própria, que receberam dos olmecas, que a receberam... ninguém sabe de quem. Se houve uma herança, é legítimo perguntar com que finalidade os inventores originais dos circuitos, semelhantes à fiação de computadores, do calendário maia os criaram. Para que o haviam preparado? Vimos que a preocupação obsessiva da sociedade maia, e, na verdade, de todas as culturas antigas da América Central, consistia em calcular - e, se possível, adiar - o fim do mundo. Poderia ser essa a finalidade para a qual o misterioso calendário fora concebido? Poderia ter sido um mecanismo para prever alguma terrível catástrofe cósmica ou geológica?
2. O Código da Precessão dos Equinócios

CAPÍTULO 28
A Maquinaria do Céu

Embora não espere que um texto sobre mecânica celeste seja tão fácil como uma canção de ninar, o leitor moderno insiste em que tem capacidade de compreender imediatamente "imagens" míticas, porque só pode respeitar como "científicas" fórmulas de aproximação de uma página de extensão, e coisas assim.
Ele não pensa na possibilidade de que conhecimentos igualmente importantes possam ter sido outrora expressos em linguagem do dia-a-dia. Jamais desconfia dessa possibilidade, embora as realizações visíveis de culturas antigas - bastando mencionar as pirâmides e a metalurgia - devam ser razões convincentes para que ele conclua que homens inteligentes e sérios trabalharam atrás do palco, homens que forçosamente deveriam ter usado linguagem técnica...



A citação acima é do falecido Giorgio de Santillana, professor de história da ciência, do Massachusetts Institute of Technology. Nos capítulos que se seguirão, vamos aprender alguma coisa sobre seus estudos revolucionários de mitologia antiga. Em curtas palavras, porém, a idéia de Santillana era a seguinte: há muito tempo, indivíduos sérios e inteligentes criaram um sistema para esconder a terminologia técnica de uma ciência astronômica adiantada por trás da linguagem comum do mito.
Teve ele razão? E, se teve, quem foram esses indivíduos sérios e inteligentes - esses astrônomos, esses antigos cientistas - que trabalharam nos bastidores da pré-história?
Comecemos com alguns dados básicos.

A Louca Dança Celeste

A terra faz uma volta completa em torno de seu eixo a cada 24 horas e tem uma circunferência equatorial de 40.068km. Segue-se, portanto, que um homem imóvel no equador está, na verdade, em movimento, revolvendo com o planeta a pouco mais de 1.600km por hora. Vista do espaço exterior e olhando de cima para baixo e para o pólo Norte, a direção do movimento é no sentido anti-horário.
Enquanto gira diariamente em torno de seu eixo, a terra descreve também uma órbita em torno do sol (mais uma vez, em sentido anti-horário), em vez de ser inteiramente circular. Segue essa órbita a uma velocidade realmente alucinante, viajando em uma hora - 107.159km - tanto quanto a distância que um motorista típico cobriria em seis anos. Traduzindo esses cálculos em escala mais modesta, isso significa que estamos percorrendo o espaço muito mais rápido do que qualquer bala, à razão de 29km por segundo. No tempo que você, leitor, precisou para ler este parágrafo, viajamos cerca de 884km na trajetória da terra em volta do sol.
Sendo necessário um ano para completar o circuito completo, a única prova que temos da vertiginosa corrida orbital de que participamos é encontrada na lenta marcha das estações. E, na sucessão das próprias estações, torna-se possível identificar um maravilhoso e imparcial mecanismo em funcionamento que distribui eqüitativamente a primavera, o verão, o outono e o inverno em torno do globo, através dos hemisférios Norte e Sul, ano após ano, com regularidade absoluta.
O eixo de rotação da terra é inclinado em relação ao plano de sua órbita (em 23,5° em relação à vertical). Essa inclinação, responsável pelas estações, "aponta” o pólo Norte, e todo o hemisfério Norte, para longe do sol durante seis meses por ano (enquanto o hemisfério Sul desfruta seu verão) e aponta o pólo Sul e o hemisfério sul para longe do sol pelos seis meses restantes (enquanto o hemisfério Norte goza seu verão). As estações são resultado da variação anual no ângulo ao qual os raios do sol atingem qualquer ponto particular na superfície da terra, e da variação anual no número de horas de luz solar recebida por ela em diferentes ocasiões do ano.
A inclinação da terra é denominada, em linguagem técnica, de "obliqüidade". O plano de sua órbita, estendendo-se para fora para formar um grande círculo na esfera celeste, é conhecido como a "eclíptica”. Astrônomos falam também em “equador celeste", que é um prolongamento do equador da terra na esfera celeste. O equador celeste está hoje inclinado a cerca de 23,5° em relação à eclíptica, porque o eixo da terra está inclinado a 23,5° em relação à vertical. Esse ângulo, denominado de "obliqüidade da eclíptica", nem é fixo nem imutável todo tempo. Ao contrário (como vimos no Capítulo 22 em relação à datação da cidade andina de Tiahuanaco), está sujeito a oscilações constantes, embora muito lentas. Elas ocorrem em uma faixa de ligeiramente menos de 3°, aproximando-se mais da vertical a 22,1º e afastando-se no máximo a 24,5°. Um ciclo completo, de 24,5° a 22,1°, e de volta a 24,5°, leva aproximadamente 41.000 anos para ser completado. Nosso frágil planeta, portanto, inclina-se e gira enquanto percorre em velocidade alucinante sua trajetória orbital. A órbita leva um ano e, o giro, um dia, ao passo que a inclinação tem um ciclo de 41.000 anos. Uma louca dança celeste parece estar ocorrendo, enquanto saltamos, raspamos e mergulhamos na eternidade e sentimos o puxão de ânsias contraditórias: cair dentro do sol, por um lado, e soltarmo-nos e partir para a escuridão exterior, por outro.

Influências Ocultas

Sabe-se agora que o domínio gravitacional do sol, nos círculos internos dos quais a terra é mantida cativa, estende-se por mais de 24 trilhões de quilômetros, quase que a metade do caminho até a estrela mais próximas. A atração que o sol exerce sobre nosso planeta, portanto, é colossal. Somos também afetados pela gravidade dos demais planetas com os quais compartilhamos o sistema solar. Todos eles exercem uma atração que tende a puxar a terra para fora de sua órbita regular em torno do sol. Os planetas são de diferentes tamanhos, contudo, e giram em torno do sol a velocidades diferentes. A influência gravitacional que podem exercer, portanto, varia com o tempo, de formas complexas, ainda que previsíveis, e a órbita muda de forma constantemente como reação. Uma vez que a órbita é uma elipse, essas mudanças afetam seu grau de alongamento, conhecido tecnicamente como "excentricidade". Esta excentricidade varia de um valor baixo próximo de zero (quando a órbita aproxima-se da forma de um círculo perfeito) para um valor alto de 6%, quando está em sua forma mais alongada e elíptica.
Há ainda outras formas de influência planetária. Embora nenhuma explicação tenha ainda sido dada, sabe-se que as freqüências de rádio de onda curta são perturbadas quando Júpiter, Saturno e Marte ficam alinhados. E, neste particular, surgiu também prova de uma estranha e inesperada correlação entre as posições de Júpiter, Saturno e Marte, em suas órbitas em torno do Sol, e perturbações elétricas violentas na atmosfera superior da Terra. Esse fato parece indicar que os planetas e o Sol fazem parte de um mecanismo cósmico-elétrico de equilíbrio, que se estende por bilhões de quilômetros a partir do centro de nosso sistema solar. Esse equilíbrio elétrico não é explicado nas teorias astro-físicas correntes.



O New York Times, do qual foi extraído a notícia acima, não tentou esclarecer mais o assunto. Seus jornalistas provavelmente não se davam conta do quanto se pareciam com Berosus, o historiador, astrônomo e vidente caldeu do século III a.C., que realizou um profundo estudo dos portentos que, acreditava, pressagiariam a destruição final do mundo. Concluiu ele: "Eu, Berosus, intérprete de Bellus, afirmo que toda a terra será condenada às chamas quando os cinco planetas se reunirem em Câncer, tão organizados em fila que uma linha reta poderia passar através de suas esferas".
Uma conjunção de cinco planetas, que se pode esperar exerça profundos efeitos gravitacionais, ocorrerá no dia 5 de maio do ano 2000, quando Netuno, Urano, Vênus, Mercúrio e Marte se alinharão com a Terra no outro lado do sol, iniciando uma espécie de cabo-de-guerra cósmico. Note-se também que astrólogos modernos que inseriram em seus mapas a data maia para o fim do Quinto Sol [o fim do mundo, no ano 2012 de nossa era] calculam que, nessa data, haverá uma configuração muito estranha dos planetas, na verdade, uma configuração tão estranha "que só pode ocorrer uma vez a cada 45.000 anos... À vista dessa configuração extraordinária, bem que podemos esperar um efeito extraordinário".


Ninguém em seu juízo perfeito correria para aceitar essa conclusão. Ainda assim, não se pode negar que influências múltiplas, muitas das quais não entendemos bem, parecem estar em ação em nosso sistema solar. Entre essas influências, a de nosso próprio satélite, a Lua, é especialmente forte. Terremotos, por exemplo, ocorrem com mais freqüência quando a lua está cheia ou quando a terra se encontra entre o sol e a lua; quando a lua está na fase de nova ou entre o sol e a terra; quando ela cruza o meridiano da localidade afetada e quando está mais perto da terra em sua órbita. Na verdade, quando ela atinge este último ponto (tecnicamente chamado de "perigeu"), sua atração gravitacional aumenta em 6%. Esse fato acontece uma vez a cada 27 dias e um terço. A atração sobre as marés que ela exerce nessas ocasiões afeta não só os grandes movimentos de nossos oceanos, mas também os reservatórios de magma quente, presos dentro da fina crosta da terra (que já foi descrita como um saco de papel cheio de mel ou melado, viajando a uma taxa de mais de 1.600 km/hora em rotação equatorial, e a mais de 106.000 km/h em órbita).

O Bamboleio de um Planeta Deformado

Todo esse movimento circular, claro, gera imensas forças centrífugas e estas, como sir Isaac Newton demonstrou no século XVII, fazem com que o "saco de papel" da terra torne-se abaulado no equador. O corolário disso é o achatamento dos pólos. Em conseqüência, nosso planeta desvia-se ligeiramente da forma de uma esfera perfeita e pode ser descrito mais corretamente como um "esferóide oblato". Seu raio no equador (6.377.068 km) é 22 km mais longo do que o raio polar (6.355.422 km).
Durante bilhões de anos, os pólos achatados e o equador inchado têm estado empenhados em uma interação matemática oculta com a influência oculta da gravidade. "Uma vez que a Terra é achatada", explica uma autoridade, "a gravidade da Lua tende a inclinar o eixo da Terra, para que ele se torne perpendicular à órbita da Lua e, em menor extensão, isso também se aplica no caso do Sol".
Simultaneamente, a inchação equatorial - a massa extra distribuída em volta do equador - atua como a borda de um giroscópio para manter a terra firme em seu eixo.
Ano após ano, em escala planetária, é esse efeito giroscópico que impede que o puxão do sol e da lua altere radicalmente o movimento de rotação do eixo da terra. A atração que esses dois astros exercem conjuntamente é, contudo, suficientemente forte para obrigar o eixo a "precessar", o que significa que ele bamboleia lentamente em direção horária, oposta ao giro da terra.
Esse importante movimento é a assinatura característica de nosso planeta no sistema solar. Quem quer que já tenha um dia jogado um pião deve poder compreender esse fato sem muita dificuldade. O pião, afinal de contas, é simplesmente um outro tipo de giroscópio. Em giro completo sem interrupção, ele permanece na vertical. Mas, no momento em que o eixo é desviado da vertical, ele começa a exibir um segundo tipo de comportamento: um bamboleio lento e obstinado, invertido, em volta de um grande círculo. Esse bamboleio, que é uma precessão, muda a direção em que o eixo aponta, enquanto se mostra constante em um novo ângulo inclinado.
Uma segunda analogia, de enfoque um tanto diferente, pode ajudar a esclarecer ainda mais o assunto:

1. Imagine a terra, flutuando no espaço, inclinada a aproximadamente 23,5° em relação à vertical e girando em torno de seu eixo a cada 24 horas.
2. Imagine esse eixo como um pivô, ou parafuso central, maciço e forte, passando pelo centro da terra, saindo pelos pólos Norte e Sul e daí estendendo-se para fora em ambas as direções.
3. Imagine que você é um gigante, percorrendo o sistema solar com ordens de realizar um trabalho específico.
4. Imagine-se aproximando-se da terra inclinada (que, por causa de seu grande tamanho, nesse momento não lhe parece maior do que uma roda de moinho).
5. Imagine-se estendendo as mãos e agarrando as duas extremidades do eixo prolongado.
6. E imagine-se começando lentamente a fazer uma inter-rotação, isto é, empurrando uma extremidade e puxando a outra.
7. A terra já estava girando quando você chegou.
8. Suas ordens, por conseguinte, eram de não se meter em sua rotação axial, mas transmitir a ela o outro movimento: o bamboleio no sentido horário denominado precessão.
9. Para cumprir a ordem, você teria que empurrar a ponta do eixo prolongado para cima e em volta de um grande círculo no hemisfério celeste norte e, ao mesmo tempo, puxar a ponta sul em volta de um círculo igualmente grande no hemisfério celeste sul. Esse trabalho implicaria um lento movimento tipo pedalagem com suas mãos e ombros.
10. Cuidado, porém. A "roda de moinho" da terra é mais pesada do que parece, tão mais pesada, na verdade, que você vai precisar de 25.776 anos para girar as duas pontas do eixo através de um ciclo completo de precessão (ao fim do qual eles estarão apontando para os mesmos pontos na esfera celeste, como no momento em que você chegou).
11. Oh, por falar nisso, agora que iniciou o trabalho, podemos lhe dizer que você jamais vai ter permissão para ir embora. Logo que um ciclo de precessão acaba, outro tem de começar. E outro... mais outro... e mais outro... e assim por diante, interminavelmente, para sempre e todo o sempre.
12. Se quiser, você pode pensar nisso como um dos mecanismos básicos do sistema solar ou, se preferir, como um dos mandamentos fundamentais da vontade divina.




No processo, pouco a pouco, enquanto você lentamente passa o eixo prolongado pelos céus, as duas pontas apontarão para uma estrela após outra nas latitudes polares do hemisfério celeste sul (e, às vezes, claro, para o espaço vazio), e para uma estrela após outra nas latitudes polares do hemisfério celeste norte. Estamos falando aqui sobre um tipo de dança de cadeiras entre as estrelas circumpolares. E o que mantém tudo isso em movimento é a precessão axial da terra - um movimento impulsionado por gigantescas forças gravitacionais e giroscópicas, um movimento regular, previsível e relativamente fácil de esclarecer com ajuda de equipamento moderno. Assim, por exemplo, a estrela polar norte é atualmente Alfa Ursa Menor (que conhecemos como Estrela Polar). Cálculos de computador, porém, permitem-nos dizer com certeza que, no ano 3000 a.C., Alfa Draconis (Dragão) ocupava a posição polar; na época dos gregos, a estrela polar norte era Beta Ursa Menor; e, no ano 14000 d.C. será Vega.

Um Grande Segredo do Passado

Não nos fará mal algum lembrar alguns dos dados fundamentais sobre os movimentos da terra e sua orientação no espaço:

. Ela se inclina em cerca de 23,5º em relação à vertical, ângulo este do qual pode variar até 1,5º em períodos de 41.000 anos.
. Completa um ciclo completo de precessão de equinócio a cada 25.776 anos.
. Gira em torno do próprio eixo a cada 24 horas.
. Descreve em torno do sol uma órbita completa a cada 365 dias (na verdade, 365,2422 dias).
. A influência mais importante sobre as estações é o ângulo no qual os raios do sol atingem-na em vários pontos de sua trajetória orbital.

Notemos também que há quatro momentos astronômicos cruciais no ano, marcando o início oficial de cada uma das quatro estações. Esses momentos (ou pontos cardeais), que eram de imensa importância para os antigos, são os solstícios do inverno e verão e os equinócios da primavera e outono. No hemisfério Norte, o solstício de inverno, o dia mais curto, cai no dia 21 de dezembro e, o de verão, o dia mais longo, em 21 de junho. No hemisfério Sul, por outro lado, tudo está virtualmente de cabeça para baixo: nele o inverno começa em 21 de junho e o verão em 21 de dezembro.


Os equinócios, em contraste, são os dois pontos no ano em que noite e dia têm igual duração em todo o planeta. Mais uma vez, contudo, como acontece com os solstícios, a data que marca o início da primavera no hemisfério Norte (20 de março) marca o outono no hemisfério Sul, e a data do início do outono no hemisfério Norte (22 de setembro) marca o início da primavera no hemisfério Sul.
Tal como as variações mais sutis das estações, tudo isso é conseqüência da benevolente obliqüidade do planeta. O solstício de verão no hemisfério Norte cai nesse ponto da órbita quando o pólo Norte está apontado da forma mais direta na direção do sol; seis meses depois, o solstício de inverno marca o ponto em que o pólo Norte aponta mais diretamente para longe do sol. E, com bastante lógica, o motivo por que o dia e a noite são de duração absolutamente igual em todo o planeta nos equinócios de primavera e outono é que eles assinalam os dois pontos em que o eixo de rotação da terra se encontra transversal ao sol.
Examinemos agora um estranho e belo fenômeno de mecânica celeste. Esse fenômeno é conhecido como "precessão de equinócios". Possui características matemáticas rígidas e repetitivas, que podem ser analisadas e previstas com exatidão. É, no entanto, de observação extremamente difícil e ainda mais difícil de medir precisamente, a não ser com instrumentação sofisticada.
Nesse fenômeno talvez possa existir pista para solucionar um dos maiores mistérios do passado.



FONTE:Trecho do livro As Digitais dos Deuses de Grahan Hanckok



Trecho do Livro Gramática da Língua Quiché e seus dialetos.“Lyell’s Prino. Of Geologi t.II PAG 479 Londres 1872” 


Fonte das imagens do calendário: Marcos Vaz


Trecho do livro "O SELVAGEM"  do General Couto de Magalhães


Trecho do livro Insólito, de Sergio Russo 
AS DIGITAIS DOS DEUSES
Tradução de RUY JUNGMANN
EDITORA RECORD
2001 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário