quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Sobre a obscura profecia de São Malaquias e o último papa, Pedro II...

orlando castor

Neste ano de 2012 muito se tem falado sobre a profecia maia de um possível apocalipse em dezembro. Entretanto, uma outra curiosa profecia chama atenção de estudiosos e céticos, e causa verdadeiro terror nos teólogos católicos: a curiosa e obscura profecia de São Malaquias em torno do último papa da humanidade, que se chamará Pedro II.

Recentemente escrevi sobre os fundamentos históricos da profecia maia sobre 2012. Para ler clique aqui!

Recentemente também escrevi um post sobre as profecias de Nostradramus. Para ler clique aqui!


A chamada profecia de São Malaquias, também conhecida por profecia dos papas, é o nome atribuído a uma série de supostas visões e interpretações do santo em relação à sucessão dos chefes do catolicismo desde o Papa Celestino II até o hipotético último papa de todos os tempos, o qual São Malaquias diz que se chamará Pedro II, ou Pedro Romano.

De acordo com a tradição católica, o primeiro papa foi São Pedro. Com o passar dos séculos até a atualidade, com Bento XVI, nenhum homem eleito ao pontificado escolheu o nome de Pedro nesta sucessão. Na profecia, Malaquias descreve a sucessão de 112 pontífices que fechariam a história da humanidade. O assunto possui ampla cobertura da mídia e da historiografia, e tem despertado o interesse de curiosos durante séculos.


São Malaquias (foto abaixo) nasceu por volta de 1095, na Irlanda, e quando adolescente ingressou numa abadia. De acordo com os relatos, suas visões começaram em 1139 quando fez sua primeira romaria a Roma. Tornou-se santo no catolicismo em 1200.

As profecias foram publicadas em toda Europa, pela primeira vez, em 1595 no livro “Lignum vitae”. São compostas de versos em latim que caracterizariam cada papado, incluindo até mesmo previsões dos dez antipapas do período compreendido entre os séculos 12 e 15.


O que tem causado terror entre os crédulos é que, de acordo com as profecias, Bento XVI será o penúltimo papa da Igreja. Quem crê diz que várias profecias diferentes – como a maia – convergem para que após 2012 poderá suceder um acontecimento terrível de proximidade do fim dos tempos, o apocalipse. No entanto, é digno de nota que os indivíduos crédulos costumam forçar fatos e a própria historiografia para que essas profecias tenham certa convergência.

O último papa...
Sobre o papa que poderá vir depois de Bentro XVI, o hipotético Pedro II, São Malaquias escreveu:

In persecutione extrema S.R.E. sedebit Petrus Romanus, qui pascet oves in multis tribulationibus, quibus transactis civitas septicollis diruetur, et Iudex tremêndus iudicabit populum suum. Finis”.

Traduzindo do latim, temos a seguinte afirmação:

Na perseguição final à sagrada igreja romana reinará Pedro Romano, que alimentará o seu rebanho entre muitas turbulências, sendo que então a cidade das sete colinas [Roma] será destruída e o formidável juiz julgará o seu povo. Fim”.

É um fato público e notório que na última década a igreja católica tem sofrido dois duros golpes em sua estrutura: uma dogmática e outra estrutural. A de ordem dogmática é a perda de fiéis para o neopentecostalismo na América Latina e para o ateísmo na Europa. A de ordem estrutural se baseia nos casos polêmicos e midiáticos envolvendo abusos sexuais cometidos por sacerdotes e acobertamento destes casos por parte de bispos e arcebispos.


É interessante notar que muito do que São Malaquias escreveu sobre cada papa realmente tem a ver com suas características pessoais e de diplomacia eclesiástica. No entanto, com os papados mais recentes há um enorme esforço dos adeptos destas profecias em conectar as frases latinas com os respectivos papas. O esforço chega a ser gigantesco que alguns autores chegam a afirmar que Bento XVI não deverá durar muito tempo e que Pedro II estaria a caminho, inclusive fazendo alusão à profecia “sendo que então a cidade das sete colinas será destruída” com a atual crise econômica por que passa a Itália.

De acordo com alguns historiadores e teólogos, as profecias de São Malaquias não seriam autênticas e poderiam ter sido criadas na Espanha no início do século 16, quando o misticismo religioso estava em alta em reinados cristãos.

Este é um assunto em aberto que só teremos certeza quando um conclave for concluído após a morte de Joseph Ratzinger. Assim poderemos ter total certeza se o ciclo católico se fechará, ou não, com o tão famoso e incógnito Papa Pedro II.

Nenhum comentário:

Postar um comentário