segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

BRASIL, TERRA DO NOVO EVANGELHO, A NOVA JERUSALÉM, CAPITAL ESPIRITUAL DO PLANETA




A análise a seguir apresentada não tem o fim específico de estabelecer uma verdade, mas apenas um enfoque um pouco mais amplo sobre a história do Brasil e seus desígnios divinos. Não há nada absolutamente provado posto que a história é feita pelos homens e os homens são falíveis, mas quando apresentada isenta de considerações pessoais podem, de fato, representar verdades passadas e seguramente em algum tempo futuro o seu resultado é comprovado ou não.



Durante muito tempo e ainda nos dias de hoje é ensinado na História do Brasil que Pedro Alvares Cabral, foi o grande navegador e descobridor do Brasil, e que o nome dado a nova Terra seria oriunda de uma árvore chamada Pau-Brasil, numa viagem feita quase ao acaso, seguindo possíveis orientações de outro grande navegador, Vasco da Gama.

O NOSSO PAIS É, DESDE HÁ MUITO TEMPO, A TERRA PROMETIDA, O PAIS DO FUTURO E CELEIRO DA HUMANIDADE!!!
Contudo, hoje sabemos, graças a diversos historiadores, pesquisadores e arqueólogos, em pesquisas realizadas notadamente à partir do sec. XVIII, de que havia algo de suspeito nos boatos desorientadores que circularam na Europa de que a Terra era quadrada! Informações falsas já que os gregos no sec. IV AC, através de trabalhos notáveis de Dicearco de Messina, Erastótenes e Hiparco calcularam o raio da Terra e estabeleceram regras pitagóricas, anterior aos cálculos de latitude e longitude atuais, de representação plana da superfície da Terra.



Durante cerca de 1000 anos, houve um período de retrocesso nas navegações em função da invasão dos muçulmanos e a conseqüente queda do Império Romano, mas posteriormente com a retomada de Jerusalém, volta-se a correr boatos sobre outras terras a oeste do Atlântico, conhecida pelos fenícios há cerca de 3.000 AC por "Ball ou Barr Ilu" cujas palavras significavam o "Continente de Deus".



Aliás o próprio Oceano Atlântico ganhou este nome, ao que consta, em homenagem a Atlas, Rei Fenício na Líbia, sendo que anteriormente era chamado de Oceano "Mirubi" e também de O Grande Oceano.



A respeito há muitos livros e pesquisas arqueológicas realizadas, inclusive o nome Amazonas (guerreiras) teria sido dado pelos fenícios quando se estabeleceram naquela região ou pelos vikings oriundos da misteriosa Tihaunaco na Amazônia peruana.



Não é foco deste relato apresentar todas as pesquisas já realizadas e constantes de livros e provas arqueológicas. Quem quiser poderá procurá-las e as encontrará com facilidade em bibliotecas e museus do mundo todo e alguns documentos estão disponibilizados na rede mundial da internet. Portanto, aquelas aqui citadas tem o intuito apenas ilustrativo da história em si para alicerçar umas das maiores Profecias da Bíblia que é o surgimento do Povo de Deus nas terras da hoje América do Sul, mais precisamente no Brasil central, próximos dos pararelos 15º e 20 º.



Fato que nos interessa deixar claro é que por aqui estiveram diversos povos, pelasgos, cários, vikings, gregos e notadamente os fenícios, posteriormente a grande mudança climática e geográfica ocorrida entre 12.500 e 9.500 AC, que culminou com o desaparecimento dos Atlantes, raça antecessora dos atuais arianos ou aryanos.



Mais próximos do ano zero encontramos os fenícios possivelmente à partir do ano 3000 AC, os quais primeiramente batizaram nossas terras como Terra de Deus (Baal Ilu) e o porque do nome vamos deduzir nas narrativas que se seguem.



Se os primeiros cartógrafos do Planeta foram os fenícios, isto não podemos afirmar, mas podemos afirmar que já naquela época tinham desenvolvido a navegação de longas distâncias em oceanos, utilizando-se de grandes embarcações para até 500 tripulantes e suas grandes viagens eram sempre marcadas por incríveis frotas navais de 50 a 60 embarcações. Não eram um povo guerreiro, mas sim mercadores hábeis, tanto que já tinham atingido e estabelecido postos de administração na Costa da África e praticamente toda a costa da Europa. Habitualmente absorviam as culturas e costumes locais sem impor as suas, em perfeita harmonia. Há relatos de descendentes fenícios até no Norte da Europa entre os Celtas e inclusive o sobrenome Brasil, Brazil, Brazile, Basile é relativamente comum.



Sem dúvida nas grandes viagens recorriam-se de mapas com orientações estelares e conheciam muito bem as correntes do Atlântico Norte e Sul. A história dos mapas é muito longa, mas há diversos pesquisadores que acreditam que os primeiros mapas ou mapeamento da Terra sejam anteriores ao Cataclisma dos Atlantes, tese respeitadíssima levantada pelo Prof. Charles H. Hapgood ao pesquisar no século passado os mapas de Piri-Reis cartografados em 1513 dc, poucos anos após a "pseudo-descoberta" das Américas. Referidos mapas conforme Piri-Reis confessou copiados de outros mapas mais antigos, entre eles, possivelmente os Mappae Mundi traçados na era de Alexandre, o Grande (300 AC) e neles encontramos toda a costa da América do Sul e Norte, bem como até mesmo a localização das Cordilheiras dos Andes, a qual somente veio a ser conhecida oficialmente no Sec. XVIII e o Continente da Antártida antes da era glacial (10.000 AC)!



No texto sagrado da Bíblia, no livro de Reis, Cap. XVI encontramos menção a Jethbaal (assim chamado no texto dos Setenta) e Ethball neste versículo:
"31 .....ainda mais tomou por mulher a Jezabel, filha de Ethbaal, rei dos sidônios. E foi e serviu a Baal, e o adorou".



Jethbaal reinou Tyro na Fenícia ou Phenicia entre 887 a 856 AC e seu filho mais velho o sucedeu em 855 AC, e chamava-se Badezyr e por alguma razão deixou o seu reinado juntamente com dois filhos gêmeos após seis anos no poder, deixando para sucedê-lo seu outro filho Mattenes que governou Tyro até o ano 821 AC.



Em missão que permanece desconhecida Rei Badezyr e seus dois filhos, Yet-ball e Yet-Baal-Bel e oito sacerdotes cujo chefe seria Baal-Zin, significando Deus do Fogo e da Luz, mais de duzentos membros da elite, mais tripulação e soldados fizeram a grande viagem ao nosso continente, o qual já era de conhecimento dos fenícios de vez que haviam em nossa terras diversos postos de sua administração. Pesquisadores admitem que os fenícios aqui permaneceram por vários séculos, realizando várias viagens neste período e somente interrompendo o intercâmbio após a queda de seu governo em função da vitória e domínio de Alexandre em 300 AC.



Sabe-se que para Badezyr e sua corte era uma viagem de imigração definitiva, daí porque muitos historiadores imaginam que teria sido exilado em nossas Terras, contudo, nos parece que se tratasse de exílio seria mais fácil e adequado qualquer ponto da costa africana ou mesmo na costa da Europa e não em território tão distante e pouco conhecido.



O pesquisador alemão Ludwig Schwennhagen estabelece que os fenícios aqui permaneceram ostensivamente por mais de 800 anos, deixando suas marcas e sinais desde as regiões amazônicas até o sul do Brasil, antes da era de Cristo.



A verdadeira missão de Badezyr permanece oculta, porém, é certo que já naquela época corriam boatos sobre a Cidade de Ouro, que mais tarde ficou conhecida como El Dourado pelos espanhóis que a procuraram exaustivamente sem jamais encontra-la. É possível que Badezyr tenha tido a missão de encontrar e contatar esta cidade. Ocultamente o nome da cidade seria Ibez e sua localização seria próxima ao centro geodésico do Continente de Deus.



A mais notável prova da viagem de Badezyr encontra-se em inscrições encontradas na Pedra da Gávea e no Pão de Açucar na cidade do Rio de Janeiro, as quais foram exaustivamente pesquisadas pelo arqueólogo brasileiro Bernardo de Azevedo da Silva Ramos, cuja conclusões foram publicadas em 1930 por decisão do Congresso Nacional durante o Governo Provisório de Getulio Vargas.



Segundo o Professor Henrique José de Souza, a Pedra da Gávea (vide fotos) na época dos fenícios era um grande Templo, esculpido interiormente e formado por grandes salões e uma infindável rede de comunicações, citada também por Roso de Luna, que une todos os locais iniciáticos e sagrados do mundo, como também para os chamados mundos subterrâneos, onde, segundo as escolas iniciáticas, se encontra a parte espiritual do ser-vivo Terra. Estando a Pedra da Gávea interligada com Shanballa, chacra da coroa e com a misteriosa El Dourado, no interior do Brasil, representando o chacra cardíaco do Planeta.



Após cuidadosa pesquisa Bernardo Ramos reproduz e decifra a misteriosa inscrição da Pedra da Gávea, como segue (-Cap. XIV - pgs. 436-a/436-v):



TYRO PHENICIA, BADEZIR PRIMOGENITO DE JETHBAAL

Datando-a entre 887 a 856 AC.



Certo também que a frota naval que trouxe a comitiva real de Badezyr retornou com a tripulação e parte dos soldados para Tyro com todos os informes sobre a empreitada. Em 1860, arqueologistas franceses descobriram em Sydon alguns artefatos feitos de madeira, a qual após análises provou ser a famosa madeira "quebramachado", de tom avermelhado, conhecida desde antes de Cristo como "pau-brasil" ou Shajarat Ahmar em arábico.



Os feitos de Badezyr foram devidamente registrados e contados em lendas antigas que circulavam no Mediterrâneo e na Europa, e ao longo do tempo as "terras de badezyr" foram mudando para terras de bazyr, ba'zil, brazil.



A cerca de 300 AC, Alexandre o Grande invade e domina Sydon, Tyro e demais ciades fenicianas e tem acesso aos mapas secretos dos fenícios, os quais ele mandou copiar para os Mappae Mundi. Posteriormente o Império Romano toma o Poder e guarda em segredo a localização das Terras já conhecidas como do Brazil, incluindo-se a costa da América do Norte.



Após a queda do Império Turco, renasce a faina e ambição dos Povos, principalmente os Ibéricos na conquista das novas terras do "Brazil" em busca de metais preciosos. Mas por onde estariam os Mapas que mostrariam a localização da lendária "Terras de Brazil" e de sua madeira vermelha?



Nos meios místicos e religiosos sabia-se que seria o Continente de Deus onde se desenvolveria o verdadeiro Povo Cristão, ensinamentos tidos como secretos à época e somente era obtido de boca a ouvido pelos discípulos.



Foi no inicio da guerra Santa que foi fundada a mais fantástica e misteriosa Ordem Secreta, os Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão, ou simplesmente os Templários, surgindo em Jerusalém no ano de 1118 d.c. por dois homens fantásticos, Hugo de Payens, Cavaleiro de Burgúndia e Godofredo de Saint Omer. A verdadeira missão dos Templários permanece oculta até os dias atuais, mas certamente não era proteger Jerusalém e as relíquias sagradas. Durante quase dez anos permaneceram quase ocultos, apenas executando rituais metafísicos secretamente, quando finalmente receberam o convite de Bernardo de Clairvaux, fundador da Ordem Cirtecense, para se juntarem aos Cruzados na guerra pela libertação da Terra Santa. A partir de então, o Templários, sob as ordens do Papa, se tornaram a mais poderosa ordem militar da época, cujos membros juravam observar três preceitos: pobreza, castidade e obediência.



A influência e o poder dos Templários cresceram rapidamente ao ponto que em cem anos eram grandes financeiros e banqueiros e donos de muitas propriedades em toda a Europa, emprestando dinheiro a diversos reis. Sabe-se que após cada cruzada amealhavam grandes fortunas e muitos conhecimentos arrebatados dos inimigos. Para os historiadores não resta dúvida que a Ordem foi um grande repositório de conhecimentos e informações secretas na Europa até o ano de 1307, porém, seus segredos somente eram transmitidos a uns poucos membros selecionados e seus ritos religiosos eram secretos e permanecem desconhecidos até hoje. Sabe-se que tinham apenas um Evangelho, o Apocalipse de Cristo, ditado a João Evangelista.



Sabe-se que pregavam o Cristianismo e não exatamente o Catolicismo e sua influências foram decisivas para vários segmentos religiosos e cristãos de toda a Europa nos séculos seguintes.



Finalmente em um conluio entre o papa Clemente V e o Rei Felipe IV, os templários foram traídos e tiveram seus principais membros perseguidos, capturados e mortos e suas riquezas tomadas. A tragédia dos templários culminou quando queimaram vivos seus principais lideres, Jacques DeMolay e Godofredo de Charney em 1311 dc.



Misteriosamente ou com o cumprimento de uma praga de Jacques DeMolay que antes de morrer queimado gritou:

"Papa Clemente, Rei Felipe...Convoco-os ao Tribunal dos Céus antes que termine o ano, para receberem seu justo castigo. Malditos...Malditos..Malditos..Sereis malditos até treze gerações...", ambos os conspiradores faleceram naquele ano, intimados que foram.



Embora perseguidos, muitos templários escaparam em fugas, até serem isentados de qualquer culpa pelos Tribunais da Inglaterra, Escócia, Irlanda, Espanha e Portugal, bem como na Alemanha.



Em Portugal, os templários eram riquíssimos mas a cobiça da Igreja esbarrou em D. Dinis, que reinava então, o qual com muita sabedoria preservou toda a riqueza e o conhecimento criando uma nova Ordem para abrigar os ex-templários, a Ordem Militar de Nosso Senhor Jesus Cristo a partir de 1318; daí de se supor que parte da missão secreta dos templários teria sido mantida, a despeito do Papa e sua inquisição ao Templários.



A bandeira da Ordem de Cristo era muito parecida com as dos Templários, sendo a diferença a cor branca no interior da cruz vermelha no formato da cruz de malta. Graças ao poder financeiro desta Ordem, fortuna oriunda dos templários, Portugal viveu o apogeu durante mais de cinco séculos com o financiamento de todas as suas viagens navais na busca de riquezas em novas terras pelos grandes oceanos.



Em 1443 assume a Ordem de Cristo o infante D. Henrique de Sagres, membro ativo da Ordem até então, detinha ele grandes planos e levou avante a missão dos Templários organizando de posse de mapas secretos viagens pela costa da África e particularmente, dando o primeiro passo no investimento da maior frota naval que Portugal já havia visto.



É claro, a construção de tais embarcações levou décadas e ele não viveu para conhecê-la, porém, D. Fernando que o sucedeu levou a cabo a missão.



Neste ponto surgem informações que ocorriam várias reuniões secretas dentro da Ordem de Cristo, na qual teriam participado, Pedro Alvares Cabral, Vasco da Gama e, acreditem, Cristovão Colombo, apesar de italiano e Américo Vespúcio, todos acabam se tornando pelas suas descobertas os maiores navegadores da história.



Muitos historiadores supõem que D. Henrique pôs a mesa os mapas antigos que faziam parte das riquezas dos extintos Templário e pela lógica nada nos leva hoje a crer que tanto Cristovão Colombo quanto Pedro Alvares Cabral navegadores de praticamente uma única expedição fizeram suas incursões ao acaso confiando na sorte, mas ao contrário sabiam exatamente o que faziam.



Cristovão Colombo, por exemplo, voltando de sua descoberta em 1492, dirigiu-se não para a Espanha, mas diretamente ao Rio Tejo em Portugal, para fazer o que exatamente não se sabe ao certo.



Ainda neste período foi celebrado o Tratado de Tordesilhas, dividindo o planeta(?) em duas partes entre Espanha e Portugal, por quê?



Finalmente em 09 de março de 1500 Pedro Alvares Cabral parte com sua gigantesca frota naval composta de 13 naus, várias caravelas e duas embarcações e destino absolutamente certo, tanto que seguiram pelas mesmas correntes do Atlântico pelas quais os fenícios navegavam e exatamente terminaram na costa da Bahia. Alguns historiadores pensam que participaram da viagem bem mais de 1200, embora os registros sejam escassos, todavia, levavam também dezenas de obreiros e dezenas de degredados políticos, famílias inteiras.



Todas as embarcações expunham a bandeira do Reino Português de D. Manoel, e a seu lado a bandeira gloriosa da Ordem de Cristo com a cruz em vermelho. Tratou-se de uma missão puramente de conquista ou nela já se cumpria uma missão espiritual? Chama a atenção que aqui procuraram e encontraram a famosa madeira "pau-brasil" como já era conhecida e deram o primeiro nome durante a celebração da primeira missa em nossas praias de Terras de Santa Cruz, sendo a cruz um símbolo de Cristo, teria sido esta a primeira homenagem ao cumprimento de sua vontade?



Outro aspecto que chama a atenção foi terem viajado junto com Cabral vários padres franciscanos que de pronto realizaram a primeira missa em nossas terras, teria sido uma coincidência?

Também não foi coincidência terem sido trazidos vários exilados políticos contrários ao Rei D. Manoel e que por aqui acabaram se constituindo em colonos, os primeiros no Brasil e que nunca mais tiveram a oportunidade de regressarem a Portugal.



Um pouco antes de 1500, por volta de meados do sec. XV, o grande místico e vidente italiano Giordano Bruno teve uma visão do nascimento de uma nação rica e poderosa no interior de um continente de forma triangular (?).



Francisco Xavier em sua obra "Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho", obra psicografada pelo espírito Humberto de Campos nos descreve que Jesus, o Cristo, já havia planejado a nossa nação para abrigar futuramente os filhos da Pátria do Evangelho, e num diálogo com Helil (espírito da hoste de Cristo que mais tarde, em 1394, encarnou em Portugal como o Infante D. Henrique) diz (pgs.23):



- Para esta terra maravilhosa e bendita, será transplantada a árvore do meu Evangelho de piedade e de amor....Aqui Helil, sob a luz misericordiosa das estrelas da cruz (cruzeiro do sul) ficará localizado o coração do mundo."



Decorridos mais de dois mil anos após a passagem de Jesus Cristo, retorna o Mestre à Terra na era de aquários que se inicia em 22 de março de 2005, para comandar novamente toda a evolução no Planeta e à partir da cidade de ouro, Ibez ou El Dourado, conforme vem sendo anunciado por todos os Profetas há vários séculos, não sendo esta, portanto, uma informação nova e tampouco privilégio de alguns, mas conhecimento de várias escolas iniciáticas, dos tibetanos, indianos, de vários místicos, videntes e Profetas do mundo todo.



Após março, toda a hierarquia do Governo Oculto do Mundo se transfere de Shambala para Ibez e passam a comandar a evolução final profeciada no Evangelho da Revelação, o Apocalipse de Cristo e também nos Evangelhos de Ezequiel, Cap. 3/7, Daniel, Cap. 7/12 e Isaias Cap. 34. Homens fazem previsões que podem falhar, Profetas profetizam as coisas de Deus e estas nunca falham!



Neste ponto, tiramos as nossas conclusões:



" as nossas terras já eram conhecidas há milênios e de acordo com os ensinamentos ocultistas, para cá seriam trazidos no futuro as sementes do Evangelho de Cristo.

" Tais planejamentos remontam pelas informações há 3.000 AC e aqui foi estabelecida a lendária cidade de ouro que um dia a humanidade irá conhecer, mas por enquanto, permanecerá oculta e abrigará o atual Governo Oculto formado pelos mais elevados seres espirituais da hoste de Cristo, a maioria vindo de Shanballa, a qual passará a cumprir outra missão.

" Badezyr não esteve aqui por um acaso, sabemos que aqui se dirigiu com sua comitiva para o interior do Brasil, numa certa região do Brasil Central e lá cumpriu sua missão.

" De alguma forma os membros da Ordem de Cristo estavam de posse dos mapas antigos indicando a localização do continente americano, razão pelas quais a re-descobertas foram fáceis e bem planejadas as colonizações.



" As consecução do Tratado de Tordesilhas antes de 1500 era prova de que tanto a Espanha quanto Portugal tinham conhecimento das novas terras e de que a Terra era redonda, e o segredo era umas das armas para obter poderio naqueles tempos.



No princípio foram o nossos colonizadores principalmente os hebreus fugidos do Mediterrâneo devido às perseguições aos Cristãos e refugiados principalmente em Portugal donde a origem de sobrenome de plantas e flores, posteriormente, se juntou a nós o negros traficados da África e finalmente há dois séculos o país vem recebendo imigração maciça de povos do mundo inteiro, completando assim a reunião das doze tribos de Israel (doze sub-raças arianas), as quais se juntarão na nova Era para formar um único Povo e uma única religião naquela que será a Nova Jerusalém, no final dos tempos, de acordo com o Cap. 21-v.2, do Apocalipse:



"2. Eu vi descer do céu, de junto de Deus, a Cidade Santa, a Nova Jerusalém, como uma esposa ornada para o esposo. 3. Ao mesmo tempo, ouvi do trono uma grande voz que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens. Habitará com eles e serão o seu Povo, e Deus mesmo estará com eles."



Está escrito que quando fosse chegado os tempos, Jesus, o Cristo voltaria e homem compreenderia o texto do Apocalipse, então o tempos são chegados porque a compreensão do Evangelho que os Pobres Cavaleiros de Cristo seguiam está cristalina para toda a humanidade!


Cristo já está entre nós e comandará a evolução final da humanidade à partir da misteriosa cidade santa localizada na região central do Brasil, a qual também segundo visão do místico Giovanni Bosco, que nunca esteve aqui, fez constar de seu diário pessoal que em 10 de agosto de 1883 previu o nascimento de uma nova civilização espiritual que abrangeria toda a América do Sul. Localizou o berço dessa civilização entre os pararelos 15 e 20, no planalto ocidental, entre os rios Amazonas, São Francisco e Rio da Prata.



Não por acaso nosso grande Presidente Juscelino Kubitschek em 1956 fez o lançamento da pedra inicial de Brasília, inscrevendo nela a visão de Giovanni Bosco, cumprindo também um decreto de 1889 que determinava que a futura capital do país seria transferida para o Planalto Ocidental.



Segundo as Escolas Ocultistas a verdadeira missão do Brasil inicia-se na Era de Aquários, formando aqui o verdadeiro povo de Deus e à partir do Brasil o novo Evangelho de Cristo.



Consta que o etnólogo mexicano José de Vasconcelos dizia: "É dentre as bacias do Amazonas e do Prata, donde sairá a raça cósmica, que será filha das dores da Humanidade".



Lamentavelmente o próprio Povo brasileiro desconhece estas profecias, embora insistentemente divulgadas através de brasileiros luminares como Dr. Bezerra de Menezes, o teólogo Huberto Rohden, Francisco C. Xavier, Prof. Henrique José de Souza, alguns Mestres da Maçonaria e da Rosa Cruz, e de forma institucional por Zarur e Paiva Neto, dentro tantos outros brasileiros fantásticos, infelizmente desconhecidos da maioria do Povo.



Não importa o que venha acontecer a médio prazo, somos a "terra prometida" e portanto, repetindo o Prof. JHS, "é ao Brasil, que cabe o Berço da Nova Civilização".



E não por acaso a nossa Bandeira é a única que traz as constelações estelares, notadamente, Spica acima da linha do Equador, estrela que representa a nossa Mãe Divina e abaixo da linha a Cruz da Constelação do Cruzeiro do Sul, tendo na ponta Sul a estrela Acrux representando nada menos que São Paulo o qual transmitiu uma visão da maior cidade do Planeta a Pe. José de Anchieta e Pe. Manoel da Nóbrega, reencarnação de Emmanuel psicografado por Francisco C. Xavier. E na ponta Norte Gacrux onde tudo começou no estado da Bahia com Pedro Alvares Cabral, nosso grande navegador de uma única viagem e uma única missão cumprida a contento sob orientação da e por Ordem de Cristo.
  Web site: www.wwicorp.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário