segunda-feira, 1 de abril de 2013

Árabes, amigos dos judeus?

Quando olhamos a paz recente entre judeus e católicos e as atuais batalhas entre isralenses e árabes, é difícil imaginar que, há 1 500 anos, os papéis eram trocados. Enquanto cristãos usavam todas as ferramentas contra os judeus, os territórios árabes eram um pouso seguro para os seguidores de Moisés. Eles eram, como todo não-muçulmano, cidadãos de segunda classe, mas a única conseqüência disso eram impostos mais elevados. Apesar de a lei dar aos muçulmanos o direito de fazer o que bem entendessem com os infiéis, a violência raramente era utilizada. Os judeus ocupavam um leque de profissões muito maior que na Europa: tornaram-se pastores, agricultores, vidraceiros, comerciantes e fabricantes de seda. Qual era o motivo de tanta tolerância, se os muçulmanos também têm Jesus entre seus profetas? Não estariam eles também propensos a acusar os judeus de deicídio? Acontece que o Islã herdou a tradição cristã na versão de uma antiga heresia, a docetista. Ela dizia que Cristo não teve um corpo material. Ele era apenas espírito e, portanto, não tinha como morrer na cruz. O Corão chega a afirmar que os judeus conspiraram contra Jesus, mas Deus foi mais esperto e conspirou contra eles. Ao contrário dos primeiros cristãos, os muçulmanos não se sentiam ameaçados pelas tribos judaicas que viviam à sua volta. Tampouco desejavam aliar-se ao Império Romano, que já havia se fragmentado e não ocupava mais um território tão grande. Os dois povos puderam, então, se concentrar em suas semelhanças, que iam desde o idioma até o tipo de dieta a que estavam acostumados. Existiram atos de violência, mas nada comparável com a rivalidade existente hoje. Que, por sinal, tem motivos totalmente políticos, e não religiosos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário