sábado, 13 de abril de 2013

Revelações da Ilha de Páscoa


(Artigo escrito por Leandro para o site Mistérios Antigos - Os antigos habitantes da Terra)
http://misteriosantigos.50webs.com
e-mail: misteriosantigos@uol.com.br

 
Todos conhecem as enormes cabeças de pedra ('moai') da fascinante Ilha de Páscoa, situada numa região isolada no meio do Oceano Pacífico. O que desconhecem, é que as pedras usadas para a construção das extravagantes estátuas foram retiradas de crateras circulares de mais de 500 metros de diâmetro cravadas no centro dos montes Rano Raraku e Rano Kao.
Exatamente, se tratam de montes, não existem e nunca existiram vulcões na Ilha de Páscoa.
Em primeiro lugar, o solo vulcânico é infértil, pois não contém o húmus necessário para a nutrição das plantas, no entanto, a ilha inteira possui vegetação, até mesmo uma floresta, como demonstra a imagem de satélite a seguir:
Foto de satélite da Ilha de Páscoa.


O fato é que não há sequer um indício de que em algum período houve atividade vulcânica na ilha.

Moai na Ilha de Páscoa.


Repare como é desolador o cenário em áreas formadas por atividade vulcânica:

Vulcões Popocatepetl e Iztaccíhuatl, no México.

Na foto acima dos vulcões mexicanos Popocatepetl e Iztaccíhuatl, podemos perceber os extensos e profundos canais que se formam no solo criados pelo movimento da massa super-aquecida que transbordou na erupção, elementos que não vemos na Ilha de Páscoa.
Como esses vulcões eclodiriam das profundezas do oceano e formariam uma ilha? Esta é uma questão que realmente deve pasmar os geólogos que inventaram essa história de vulcões. Não vou entrar em detalhes a respeito dos empecilhos óbvios, sobre como tais vulcões precisariam estar ativos ao mesmo tempo, liberando uma quantidade de lava em vasão equivalente para que se pudesse ter uma certa estabilidade de crescimento, até que de alguma maneira todo esse volume de massa se acumulasse, solidificasse e atingisse um nível superior ao das águas.
E se isso realmente acontecesse, seria provável que os vulcões se encontrariam no ponto mais alto, rodeados por toda a lava condensada.
Veja o caso do Monte Fuji, na ilha Honshu. O vulcão é o ponto mais elevado de todo o Japão, a 3,7 km de altura:
Monte Fuji, a montanha mais alta do Japão.

O Popocatepetl é o segundo pico mais alto do México, a 5,4 km de altura.
Estranhamente, os supostos vulcões da Ilha de Páscoa se localizam em partes baixas.
(clique para ampliar)
Mapa topográfico da Ilha de Páscoa.

Analisando a topografia da área, podemos notar que a parte central da ilha apresenta a maior altitude. Cerro Terevaka, o ponto mais elevado, fica a 507 m de altura, já o 'vulcão' mais elevado, Puakatike, fica a mais de 130 m abaixo, como isto é possível? Teria toda a lava convergido a um ponto central e escorrido para cima?
Vale a pena explorar a ilha através deste site que disponibiliza imagens de satélite:
http://www.wikimapia.org/#lat=-27.1203339&lon=-109.3105316&z=14&l=0&m=a&v=1
Agora veja algo extremamente curioso, esta de cima é Wolfe Creek, uma das chamadas 'cratera de impacto de meteoro', e localiza-se no oeste da Austrália. Embaixo, o 'vulcão' Rano Raraku, da Ilha de Páscoa:
(clique para ampliar)
Comparação entre as crateras Wolfe Creek e Rano Raraku.


Ambas crateras apresentam uma marca triangular na borda e uma concentração interna. Uma dizem se tratar de um impacto de meteoro, a outra, por estar numa ilha minúscula, dizem se tratar de um vulcão. A verdade, é que não são nem uma coisa nem outra.
Você sabia que o material que os pesquisadores dizem ter encontrado nas 'crateras de impacto' e que poderia ser de origem externa, como o Irídio, na verdade se encontra mundialmente no subsolo, como remanescente de uma era em que o planeta Terra passou por uma nuvem de poeira? As rochas derretidas, são na verdade formações ígneas, magma solidificado no subsolo. Estes 2 indícios condizem com um processo de extração do solo revelando camadas inferiores.
Outro fator intrigante, é que no Golfo do México, perto do local do suposto impacto que teoricamente teria causado a extinção dos dinossauros, o Irídio é encontrado em baixas concentrações, já distante, na Dinamarca, concentrações mais altas são encontradas, o que indica que este material não está relacionado com um impacto de meteoro.
Há mais indícios bem relevantes de que realmente não houve impacto, como a distância geológica entre a formação da cratera e a camada onde foi encontrada material, com intermediários de origem orgânica. Isto significa que após a formação da cratera não houve nenhuma tragédia, organismos continuaram habitando o local e somente muito depois apareceu a camada de poeira cósmica.
Sítio de extração do solo em Marte: (clique para ampliar)
Cratera de extração do solo em Marte.

A cratera no deserto do Arizona, Estados Unidos:
Cratera de extração do solo no deserto do Arizona.

Rano Kao:
Rano Kao. Cratera de extração do solo na Ilha de Páscoa.

Outra cratera marciana:
Marca característica na borda da cratera de extração do solo em Marte.

Qualquer semelhança não é mera coincidência.
Posso dizer com toda a tranquilidade que a realidade em que vivemos hoje foi totalmente manipulada para que não possamos enxergar a verdade. Nós fomos enganados por quase todas as ciências e instituições governamentais, já que o interesse deles é nos manter como mão-de-obra semiconsciente, sempre consumindo o lixo e as migalhas que eles nos jogam.
Os conceitos que temos do mundo e do universo estão simplesmente todos equivocados. A ciência ortodoxa, para se estabelecer, tratou de tirar a vida e a consciência do universo, e transformou tudo em um mero fruto do acaso. Se eu te disser que montei um castelo com cartas de baralho colocando uma bomba embaixo das cartas e explodindo, você acreditaria? Certamente que não. Mas muitas pessoas hoje acreditam em algo tão ridículo quanto isso, eles chamam de Big Bang.

Nenhum comentário:

Postar um comentário