sexta-feira, 24 de maio de 2013

AS SETE RAÇAS-RAÍZES




1º Raça Polar ou dos "Els" (vindos de Deus)


Esta raça apareceu há 300 milhões de anos e viveu em um continente que Blavatsky chamou de "A Ilha Sagrada e Imperecível". A primeira raça-raiz a habitar a terra não possui um nome conhecido. Eram grandes seres sem corpo físico nem uma mente individual. Sua reprodução se dava por cissiparidade, ou seja, eles simplesmente se dividiam em dois para formar um novo ser vivo. Eles não desapareceram, mas sim, se converteram na próxima raça-raiz. Como esta raça não era mortal, ela não desapareceu, apenas converteu-se na próxima, os Hiperbóreos.


2º Raça dos Hiperbóreos ou dos Issim


Eles viveram em um continente chamado "Hiperbóreo". Nesta raça apareceu um rudimento de mente, no entanto, ainda não havia uma ponte entre espírito e matéria para a mentalidade. Ao final do seu período de evolução, esta raça converteu-se na seguinte, os Lêmures ou Aben. As duas primeiras raças são chamadas de raças semidivinas; não tinham corpo físico, servindo de elo de ligação entre o plano astral e material. Eram assexuados e seus nascimento se davam através de brotamento, revelando um forte caráter vegetal nessa raça.


3ª Raça dos Lêmures ou Aben


Viveram em um continente chamado "Lemúria". Esta raça era inicialmente hermafrodita e reproduziam-se por meio de um ovo que se desprendia do corpo. Esta raça passou por grandes transformações durante o seu período evolutivo. Ao final do seu período, o Homem tornou-se mortal, consolidando-se o corpo físico e a reprodução sexuada como se conhece hoje (então esta raça desapareceu, convertendo-se na raça atlante); e a humanidade se torna cada vez mais "material" e conectado com o planeta.


4º Raça dos Atlantes


Eles são os gigantes que viveram há 18 milhões de anos, em um continente chamado "Atlântida". São os primeiros que podemos chamar de "Homens", que já tinham a separação dos sexos, reprodução sexuada, eram totalmente materiais (deixando para trás o caráter astral das outras raças) e formaram grandes imperios. Foi na época dos Atlantes que chegaram ao planeta Terra milhões de espíritos oriundos de um orbe com evolução superior ao nosso: Capela. Esses espíritos foram expulsos daquele planeta por estarem em desacordo com as normas evolutivas de lá. Eram desajustados e rancorosos mas, ainda assim, evolutivamente superiores. Ao chegar aqui, troxeram na sua bagagem astral conhecimentos superiores. Muitos continuaram desajustados e acabaram por convencer a maioria dos atlantes a agir como eles. Dessa forma, Atlântida foi destruída. A raça atlante representou o ponto mediano da evolução nesta atual Ronda. A Atlântida, assim como os seus habitantes, foi destruída e os sobreviventes deste cataclisma fundaram a nova raça-raiz, a ariana.


4a. Raça Raiz : Deus e deusa Himalaya

Foco de Luz: Templo da Sabedoria e Paz Iluminada

Local: No interior da Cordilheira do Himalaia

Chamas: Azul e Dourada

Atributos : Poder e Sabedoria

Música-chave: 6a. Sinfonia “Pastoral (Beethoven)


5º Raça dos Arianos


Segundo Blavatsky (Helena Petrovna Blavatsky ,autora do livro A Doutrina Secreta ) a raça Ariana, a atual raça-raiz, existe há aproximadamente 1 milhão de anos.
Respondendo por que não foram encontrados registros fósseis das raças anteriores à ariana, Blavatsky afirma que as primeiras raças eram etéreas, sem corpo denso que pudesse deixar fósseis. Quanto à raça atlante, disse que os fósseis estavam no fundo do oceano, à espera de serem encontrados.Sem a conotação racista que foi dada por Hitler, os Arianos são a raça-raiz atual, portanto, podem ser negros, brancos, vermelhos, amarelos e suas variantes.


5a. Raça Raiz : Lord Vaivasvata e Lady Elysia

Foco de Luz: No Plano etérico, sobre a Grécia

Local: Grécia

Chama: Verde

Atributos : Verdade

Música-chave: Adágio for Strings (Samuel Barber)


Para finalizar: uma ronda planetária é o tempo que um planeta leva para subir de degrau evolutivo. Dentro de uma ronda existem sete raças-raiz. Atualmente, o planeta terra está gerando, em conjunto, a sexta e a sétima raças, como forma de aumentar a velocidade da evolução planetária. Para tanto, a Providência Divina está trazendo para a Terra espíritos moralmente mais evoluídos de outros orbes. Essas crianças, que começaram a encarnar por aqui, em menor número, depois dos anos 80 do século passado, começaram a aportar em maior quantidade depois dos anos 90 e nascimentos em massa começaram a ser registrados depois da virada do século, sendo conhecidos como Seres Índigo ou Cristal.


6a. Raça Raiz : Deus e Deusa Meru

Foco de Luz: Templo da Iluminação

Local: Nas proximidades do Lago Titicaca, na América do Sul

Chama: Dourada

Atributos : Sabedoria

Música-chave: Quadros de uma exposição (Moussorgsky)


7a. Raça Raiz : Lord Sainthrhu e Lady Mercedes

Foco de Luz: Templo da Sétima Raça-Raiz

Local: No Plano etérico, sobre a Malásia

Chama: Violeta

Atributos : Transmutação

Música-chave: A Montanha Misteriosa, Sinfonia no. 2 (Hovhaness)





AS RAÇAS RAÍZES – A EVOLUÇÃO DA HUMANIDADE


Nós, humanos, somos todos filhos da Luz. Há milhões de anos, estamos peregrinando no Sistema Solar, nosso campo evolutivo. Nesta longa jornada cósmica, estamos sendo induzidos pela Hierarquia Divina oculta a viver em vários mundos, dos meios sutis aos mais densos.

Neste Sistema Solar, a matéria manifesta-se em sete graus, planos ou mundos, que são formados de sete sub-planos. No final da caminhada, atingiremos o propósito de nossa alma, a Consciência Maior.

No Cosmos, a matéria manifestada é Única e Una. Os diferentes planos nos diversos mundos são manifestações desta mesma matéria única, em várias densidades. Um Sistema Solar é um Grande Corpo, uma Grande Consciência.

Em cada um dos sete globos que nossa consciência percorre desenvolvem-se sete Raças Raízes com suas sete sub-raças. Nossa humanidade encontra-se neste atual período na plena formação da quinta sub-raça da Quinta Raça Raiz, no quarto dos sete mundos a serem percorridos.

Atualmente, vivenciamos no planeta Terra os aspectos da matéria mais densa e é nesta extrema materialidade que nossa humanidade encontra-se prisioneira.

O propósito da humanidade é adquirir experiência nos diferentes planos da matéria e seguir adiante na jornada evolutiva, mas houve um bloqueio neste planeta e passamos a ser prisioneiros de nossas ilusões através do ódio, dos desejos, poder, egoísmo, paixões, apegos doentios, etc.

Dos obstáculos surgiram os conflitos, que são nada mais nada menos que as lutas travadas entre nossa consciência maior, tentando apontar-nos o caminho a seguir, e nossa personalidade, apegada a ilusões que a matéria oferece. Este desvio de nossa jornada cósmica nos tem causado sofrimento e dor.

Ao descer a planos mais densos, passamos a vivenciar ciclo involutivos que são necessários ao processo de formação e densificação dos corpos para a experiência de vida. Após adquirir experiências e dominar estes planos de extrema materialidade, passamos a viver o processo evolutivo, que é o caminho de volta à nossa origem cósmica.

Futuramente, o Homem terá um corpo mais refinado, elevado, sutilizado e único na Terra.

Há milhões de anos, estamos formando nossa consciência individual. Atualmente, atingimos o ponto médio da jornada. No atual ciclo, estamos iniciando o caminho de volta ao Lar Celeste.

Inicialmente, nossas experiências foram em mundos mais sutis. Posteriormente e ainda hoje, vivenciamos mundos mais densos. É dessa forma que conquistamos novos estágios de consciência.

Nossa humanidade, assim como todas as humanidades do Universo, transita por ciclos precisos, vivenciando os aspectos universais nos vários mundos.

Antes de nos estabelecer na Terra, percorremos outros globos. No futuro, galgaremos estágios superiores aos atuais, em mundos mais aperfeiçoados.

Através da formação e desenvolvimento das Raças Raízes é que nossos corpos inferiores foram e estão sendo formados e aprimorados.

Atualmente, encontramo-nos no Quarto Ciclo. Cada ciclo de vida no globo é composto de sete Raças Raízes com suas sete sub-raças.

As primeiras Raças Raízes foram de formação etérias; no final, as Raças serão espirituais.

Em cada ciclo dá-se um novo desenvolvimento, uma total mudança física, psíquica, mental e espiritual.

No atual Quarto Ciclo, vivemos os ajustes evolutivos finais porque estamos participando do desenvolvimento da Quinta Raça Raíz.

Os dons e habilidades que possuímos foram conquistas adquiridas através de nosso próprio corpo, acumulados nas milhares de vidas passadas.

Após o término dos ciclos neste planeta, passaremos para outros mundos mais evoluídos.

Em um mesmo período num planeta, estão vivendo lado a lado homens cujas consciências encontram-se em diferentes estágios de evolução.

No último estágio, na sétima Raça Raíz, os corpos serão sutis, possuirão formas sublimes e tênues. Esses corpos serão radiantes, e as consciências que os habitarão serão plenas, absolutas e divinas.

Sete são as Raças Raízes que se desenvolvem em um Globo. Cada Raça possui um Manu, que é o Regente dela. O Manu é o Instrutor Supremo, como também o progenitor da Raça. Toda Raça Raíz, inicialmente, descende fisicamente do seu Manu.

A descendência da Raça Raíz inicia-se pela proliferação através dos doze filhos do Manu. Cada filho nasce sob a influência de uma Constelação do Zodíaco.

O Manu é o Diretor do Grupo executante dos planos referentes à formação e evolução da Raça. O grupo é formado por Seres Superiores que são os encarregados de estabelecer o tipo da Raça e de suas respectivas sub-raças. Este grupo encarna no planeta para formar o tipo estético de acordo com os Planos.

Cada Raça Raíz desenvolve-se em um período de tempo. Muitos humanos pertencentes à Quarta Raça Raíz encontram-se ainda hoje muito atrasados no seu desenvolvimento, insistem ainda na manipulação e uso de magia negra, mas seu período findou, vivemos atualmente o tempo do Juízo.

Neste final de ciclo em que vivemos, os retardatários da Quarta Raça Raiz estão tendo a oportunidade de completar seu desenvolvimento.

O Surgimento da Primeira Raça Raíz assinala o primeiro grande período evolutivo deste planeta. A Primeira Raça com suas sete sub-raças era composta de Seres Divinos, que atualmente representam as sete categorias de Anjos. A constituição destes Seres Divinos era extremamente tênue. Esta Primeira Raça foi conhecida como a Raça dos Deuses.

No tempo da vinda da Primeira Raça Raíz, o planeta apresentava-se com imensas convulsões dos elementos. Havia muita agitação entre eles. Eles se encontravam em estado imaterial.

Os Reinos Mineral, Vegetal e Animal tiveram seu início há 300 milhões de anos após o período inicial da Primeira Raça Raíz, quando houve as grandes conturbações dos elementos.

Esta Primeira Raça possuía formas indefinidas, não-humanas. Foi o desenvolvimento do que seria o homem futuramente.

A consciência do elemento Fogo aparece neste período de forma imperceptível pois este elemento somente surgirá na formação da Segunda Raça Raíz.

A Primeira Raça Raiz é imune à destruição pela morte por ser etérica e não-humana. Não podia ser atingida por nenhum elemento. A Segunda Raça Raíz podia ser destruída, e foi.

As três primeiras Raças foram chamadas de auto-geradas. A procriação era feita pela fissão e excrescência. As formas surgiram, cresciam, expandiam-se e dividiam-se de modo semelhante ao das amebas e das hidras. O órgão auditivo foi o primeiro a ser criado na raça humana terrestre. Este órgão foi trabalhado na matéria sutil, o Éter.

O desenvolvimento desta Raça deu-se na região correspondente ao atual Pólo Norte.

A matéria que compunha a Segunda Raça Raiz era etérica e tênue; mais densa, porém, que a matéria componente da Primeira Raça.

Os corpos da Segunda Raça Raiz eram gelatinosos e hermafroditas. Esta Raça carrega em si o germe da inteligência. Os Devas modelaram a Segunda Raça.

A Primeira Raça foi absorvida pela Segunda Raça e o que era externo na primeira torna-se interno na segunda. Este foi o início do processo evolutivo de nossa humanidade terrestre.

A procriação da Segunda Raça, que é hermafrodita, se dá por brotação e por expansão (gotas de suor).

O corpo etérico foi formado quando atingimos o estado de consciência de sonho.

No plano físico, os seres não possuem aparência humanas.

O Ar e o Fogo são os elementos trabalhados no ciclo da segunda Raça.

O sentido do tato é desenvolvido na consciência dos seres que futuramente serão humanos.

As condições climáticas na Terra se acalmam. Os elementos se organizam. Os cataclismas acontecem em menor escala. Do deserto líquido, surge lentamente a Terra. Forma-se o primeiro continente preparado para receber a Segunda Raça Raíz. Nesse continente, o hiperbóreo, a vegetação era exuberante, o clima era tropical. Seus habitantes não conheceram o frio.

O continente hiperbóreo correspondia a regiões hoje conhecidas como Pólo Norte e Ásia. Posteriormente, surgiram novas regiões que atualmente correspondem à Groelândia, parte da Sibéria e Suécia.

No final da formação da Segunda Raça Raíz, o globo terrestre sofreu grandes transformações provocadas pelo deslocamento de grandes massas de água. Os oceanos mudaram os seus leitos. Devido a estes deslocamentos de água, a grande maioria da Segunda Raça Raíz desapareceu neste primeiro grande cataclisma, causado pela evolução do planeta durante o ciclo da existência pré-humana.

A Segunda Raça cria a Terceira e perece.

Antes da formação da Terceira Raça Raíz houve grandes mudanças geológicas. A Terra encontrava-se ainda em estado material sutil. O gigantesco continente da Lemúria surgiu após o primeiro grande dilúvio. A Lemúria foi o berço da Terceira Raça Raíz.

Na formação e desenvolvimento da Raça lemuriana, inicia-se a densificação do planeta. Nesse período, dá-se também a separação dos sexos.

Esse é um período em que a humanidade era composta de homens-animais não pensantes. Nos ciclos anteriores as Raças eram andrógenas. Os seres eram criados pelos elementos, não nasciam.

A consciência humana surge do desenvolvimento desta Raça, época da vinda para este planeta da hierarquia Divina, a Grande Fraternidade Branca dos Planetas e Estrelas que veio implantar, impulsionar e orientar o desenvolvimento das Raças Raízes até o término da evolução humana no sétimo ciclo.

Com a descida da Hierarquia à Terra, houve o início da estimulação do mental no homem-animal. É o início do processo de individualização da consciência.

A Hierarquia Divina planetária teve como seu dirigente máximo Sanat Kumara. Instalaram-se em Shambala no plano Etérico, sobre a região hoje correspondente ao deserto de Gobi. Sanat Kumara, o Governante, acompanhado de seus Auxiliares imediatos, estabelece a Hierarquia Divina Oculta na Terra.

Os Senhores da Chama, vindos de Vênus, estabeleceram-se no planeta há seis e meio milhões de anos. O atual dirigente de Shambala é o Lord Gautama.

A Hierarquia Divina Oculta é composta por Seres Cósmicos de Alta Sabedoria. Foram, são e continuarão sendo os Instrutores ocultos de nossa Raça humana até o término da evolução da Sétima Raça Raíz.

As sementes da Terceira Raça Raíz eram seres de grande beleza. Esses belos Seres já haviam ultrapassado a fase dos sexos separados.

Nesse ciclo, a visão foi o órgão dos sentidos mais desenvolvidos, facilitando o contato da humanidade com o mundo exterior.

No início da formação desta Raça, os lemurianos possuíam um único olho, localizado na parte superior da cabeça. Com o passar do tempo este olho foi-se recolhendo para o interior da cabeça, formando o que atualmente conhecemos como glândula pineal. À medida que este olho foi se retirando para o interior da cabeça, foram surgindo os dois olhos externos.

No ciclo da Quarta Raça Raíz, a vida era depravada e materialista. Devido a este baixo padrão de comportamento, o terceiro olho desapareceu totalmente. Até então o terceiro olho possuía poderes de visão muito mais amplos que os dois olhos surgidos depois.

A percepção psíquica e espiritual permanece até o final da Quarta Raça Raíz.

No período lemuriano, tempo em que o planeta era menos denso que hoje, a Hierarquia Divina Oculta, além do seu trabalho de formação e aprimoramento da Raça humana, trouxe de Vênus para este planeta sementes de trigo, de gramíneas nativas e também de frutas. Alimentos que até hoje são consumidos pela humanidade. As abelhas e as formigas com suas complexas organizações hierárquicas grupais, também foram trazidas de Vênus.

Os Senhores de Vênus trouxeram muitos conhecimentos. Ensinaram ciências, artes, astronomia, matemática, escrita, leis, arquitetura e o uso das plantas medicinais. Por influência da Hierarquia Divina Oculta os lemurianos desenvolveram a arte da civilização.

Os lemurianos possuíam compleição gigante, assim como os animais e as plantas.

As construções arquitetônicas lemurianas eram gigantescas construídas com enormes blocos de pedras.

A alimentação destes seres era composta principalmente de animais crús, lesmas, caracóis e lagartos.

Essa Raça era de cor escura. Com o tempo e o aprimoramento da Raça, houve o clareamento da pele. O propósito da Hierarquia Divina era o de formar uma Raça branca.

No ciclo lemuriano houve a separação dos sexos. A fala foi também desenvolvida neste período.

Com a separação dos sexos, o Manu da Raça manifestou-se fisicamente para deixar sementes humanas mais evoluídas para a formação e o aprimoramento da Terceira Raça Raízes. E assim os filhos da Luz uniram-se a mulheres terrestres.

Com o passar do tempo, a humanidade deixou-se levar pelos prazeres dos sentidos da maneira mais grosseira. Os lemurianos mergulhavam na matéria cada vez mais. O Propósito Divino era de a humanidade descer ao mais baixo na matéria para conhecê-la, dominá-la e conquistá-la. Não conseguiram. Foram subjugados pelos desejos materiais e instintos.

Surgiram as guerras entre o grupo que seguia as Leis Divinas e o grupo que se entregou aos sentidos.

Próximo do tempo de formação da Quarta Raça Raíz, O Manu da futura Raça Atlante, Lor Himalaya, escolheu entre os lemurianos, os de melhor aparência. Selecionou indivíduos que melhor poderiam adaptar-se à nossa Raça por vir. Estas sementes eram os indivíduos mais desenvolvidos intelectualmente. Seus corpos eram os mais densos e robustos, pois a matéria continuava no seu processo de densificação. Feita a seleção, os escolhidos foram conduzidos à Terra Sagrada, Shambala. Posteriormente, este selecionado grupo foi dividido em sete sub-raças.

No final do ciclo da Terceira Raça, devido ao descontrole dos instintos, houve a mistura da raça humana com um determinado tipo de animal; desta fusão surgiram os macacos antropóides. Atualmente, a semelhança destes mamíferos com os humanos é devido a esta fusão. O macaco descende do homem, não o homem do macaco como prega a Ciência.

No período atlante, os retardatários da Quarta Raça Raíz se uniram a essa raça de homens-animais.

Com o passar do tempo, os lemurianos entravam cada vez mais num processo de degradação. Devido a tantos desmandos, a Hierarquia Divina apressou o cataclisma que sepultou o continente lemuriano e seu povo.

Enquanto o continente lemuriano se desintegrava, formava-se o continente atlante. Os sobreviventes do grande cataclisma, ficaram isolados em ilhas.

Humanos remanescentes desta Raça, são hoje encontrados na Austrália (os aborígenes) e também em outras partes do globo terrestre. A Raça acentuadamente escura é remanescente dos lemurianos.

Com a chegada da Quarta Raça Raíz chega o período propriamente humano. Foi a primeira Raça a surgir pela união dos sexos.

A grande civilização atlante floresceu aos cuidados dos Senhores de Vênus, por meio de Shambala, a Terra Sagrada localizada no plano Etérico.

Os Seres Divinos exerceram grande influência no desenvolvimento do progresso da Raça. Houve grandes avanços na agricultura e na arquitetura. Este período inicial da formação da Quarta Raça foi muito profícuo, tranquilo e pacífico.

Milhares de anos transcorreram entre o final do período lemuriano e o surgimento da Raça atlante.

Essa civilização aprofundou-se nos estudos científicos, voltados exclusivamente para fins construtivos.

Na área da agricultura experimental, fizeram formidáveis pesquisas sobre o assunto das plantas e sobre o crescimento dos animais.

Houve importantes resultados na área da cura, pois tinham como meta a total erradicação das doenças.

Os atlantes dominavam a alquimia e conseguiram produzir “metais Preciosos”. Aprofundaram-se no estudo das energias, obtendo grande domínio sobre as forças sutis da Natureza. Eles possuíam o conhecimento e o domínio sobre o elemento Éter.

Locomoviam-se por meio de aeronaves, que posteriormente utilizaram para fins destrutivos.

No auge da civilização, desenvolveram o estudo da astronomia. O zodíaco foi mapeado neste período.

A matéria no período atlante atinge seu ponto máximo de densidade como nunca houve antes. Toda a matéria que compunha o planeta era extremamente dura. Os minerais eram mais resistentes que os atuais.

O terceiro olho retraiu-se totalmente devido a esta extrema densificação.

No final do período da Raça lemuriana, o corpo Emocional (astral) encontrava-se no início de sua formação. No período atlante, este corpo atinge um maior grau de desenvolvimento, tornando as pessoas capazes de uma vida mais sensível.

No plano Físico, os humanos possuem um aspecto grosseiro e ignorante.

Os atlantes tornaram-se escravos dos estímulos externos.

No ocidente, a sub-raça atlante tolteca foi a que mais se desenvolveu intelectualmente. A sua compleição física era gigantesca. Possuíam corpos físicos muito densos. Suas feições eram regulares e belas.

Com o passar do tempo, o continente atlante passou a ser governado por seres altamente destrutivos.

A Atlântida tornou-se uma nação de magos negros. Esse é o exato período em que a matéria atinge o auge da densidade. A maioria da Raça atlante, através da magia negra, desenvolveu grande domínio sobre os elementais da natureza. Como consequência de tantos desmandos, surgiu o conflito entre o grupo da Luz e o grupo das trevas.

O grupo das trevas, associado a elementais destrutivos, tomou o poder sobre o continente atlante. O Imperador ligado às forças do mal torna-se o Imperador absoluto do continente. O Imperador Branco, ligado à Shambala, foi derrotado pelo exército das forças involutivas.

A Cidade das Portas Douradas, na Atlântida, morada dos governantes da Luz, cai em mãos do Imperador ligado às forças retrógradas.

Através do mundo suprafísico, os magos negros adquiriram grande poder. Estes feiticeiros tinham como aliados poderosos elementais do plano astral. Estes elementais tinham a capacidade de se materializar nas festividades. Por suas enganosas e magníficas aparências, passaram a ser adorados como deuses pelos atlantes. Com o tempo, estes poderosos elementais começaram a exigir sacrifícios sangrentos de animais e de seres humanos nos rituais.

Fundaram um reino que possuía poderoso exército que era contrário aos preceitos do Plano da Criação para este planeta.

Chegou o tempo em que a Natureza se rebelou contra as ações desses seres tenebrosos. De Shambala foi emitida a ordem de destruir e purificar o grande continente atlante. Os habitantes servidores da Luz receberam ordem de abandonar o continente, pois este seria totalmente destruído. E foi. Submergiu sob as águas do aceano, e com o continente submergiu quase toda a sua população.

Lord Vaisvatva, o Manu da Quinta Raça Raíz, reuniu dentre os atlantes pertencentes à quinta sub-raça da Quarta Raça as sementes da Raça a ser formada.

Os escolhidoss foram conduzidos até Shambala para serem protegidos das guerras entre o Imperador da Luz e os senhores da Face Tenebrosa.

As sementes escolhidas foram depois rejeitadas pelo Manu da Raça ariana. Não possuíam a plasticidade requerida à Grande Quinta Raça a ser formada.

Membros da sexta sub-raça da Quarta Raça serviram melhor aos propósitos do Manu Lord Vaisvatva, dirigente da futura Raça.

Muitas Eras foram necessárias para a Quinta Raça tornar-se apta a surgir no atual Quarto Ciclo.

O quinto sentido, a mente, é acrescido aos quatro já formados – audição, visão, tato e olfato.

O aspecto físico da humanidade hoje é consequência do desenvolvimento da Quinta Raça ariana. Esta Raça é chamada de os Filhos da Mente.

Sob a supervisão de Shambala, as sementes da Raça ariana desenvolveram-se afastadas dos grandes conflitos existentes na Terra no final da formação da Quarta Raça. Lentamente, surge um novo e belo tipo, mais aperfeiçoado e refinado de raça humana.

Quando as sementes dos tipos humanos da Quinta Raça estavam prontos, o Manu Lord Vaisvatva conduziu-as para a região da ásia Central, que foi o berço da Raça ariana. Dalí saíram vários grupos, que distribuíram-se por todas as regiões da Terra.

No início da formação dessa Raça, nossa inteligência (mente) foi dominada pelos desejos, paixões, sentimentos de ódio, etc. Porteriormente o domínio sobre o corpo emocional é conquistado.

A meta para nossa atual raça é efetuar a integração de nosso intelecto com o espírito. Deveremos transcender e dominar nosso corpo mental para atingir a esfera superior da vida espiritual.

Pela sublimação de nossas emoções, nas Sextas e Sétimas Raças Raízes, conseguiremos sutilizar o corpo etérico e desta sutilização surgirá o Corpo Espiritual e surgiremos como Homem-Espírito.

Até esta atual etapa evolutiva, a jornada de nossa consciência transcorreu de forma inconsciente. Deste atual ponto em diante, nossa evolução deverá dar-se de forma consciente. Somente pelo próprio esforço é que alcançaremos nossos patamares evolutivos.

Atingiremos neste tempo o ponto da consciência objetiva. Viemos até hoje num vagaroso e inconsciente processo de crescimento.

Em nosso corpo físico, futuros órgãos encontram-se em estado germinativo – e não implantados nos atuais humanos, eles serão desenvolvidos no próximo ciclo e nos permitirão perceber os mundos suprafísicos.

Como existem em nossos corpos órgãos que estão em processo evolutivo, existem também órgãos que estão em processo involutivo, porque não serão mais necessários no futuro. O coração físico encontra-se no início de seu desenvolvimento. Em nosso coração encontra-se somente o germe do seu potencial que se manifestará nas futuras sub-raças e Raças Raízes. Sua função será diferente da atual, como também sua forma. Os movimentos deste órgão serão produzidos futuramente do impulso e das intenções de nossa alma, conforme nossa vontade. O corpo pituitário se desenvolverá e se aperfeiçoará. A futura humanidade será intuitiva e sóbria.

Neste atual período do desenvolvimento da quinta sub-raça da Quinta Raça, o corpo etérico e o corpo mental ainda não atingiram o auge de suas verdadeiras expressões. Esta etapa evolutiva está reservada às futuras sexta e sétima sub-raças. Nossa humanidade está presa ainda nas armadilhas da ilusão dos vícios do materialismo e do egoísmo.

Ao longo do desenvolvimento da Quinta Raça Raiz, a humanidade está sendo induzida à busca da Luz.

No final da formação da Raça ariana, o homem terá a consciência de que traz Deus dentro de si e que carrega como herança o potencial de ser Divino.

Com o decorrer da formação da Quinta Raça Raiz, a humanidade deverá atingir o conhecimento de que todo ser humano encarnado ou não, carrega a Luz dentro de si. Deverá perceber que esta Luz está presente em tudo o que existe no Universo, por mais denso ou mais velado que seja, podendo o veículo que a abriga ser um homem, ou uma pedra ou uma flor.

A sexta sub-raça da Quinta Raça está surgindo neste ciclo, na Austrália e na América. Existem seres desta sub-raça surgindo também nas nações mais antigas. Esta Raça possuirá o senso da unidade, terá o sentido da compaixão e do sacrifício de si mesma.

No grupo da sexta sub-raça prevalecerá o objetivo da maioria em vez da vontade de um indivíduo. É a união de muitos para atingir um único objetivo. Esta sub-raça será fraterna. Os governantes trabalharão pelo amor, simpatia e compreensão e não movidos pela vontade de atuação. A síntese será uma característica dominante. Possuirão poderes psíquicos.

A Raça ariana tem também como meta formar o seu Império Mundial, fato este já em seu andamento inicial. O auge deste Império será atingido nos séculos futuros. Encarnarão neste período Seres de grande inteligência nos campos da ciência e literatura.

O processo de preparação da Sexta Grande Raça se dará durante o andamento do desenvolvimento das sexta e sétima sub-raças desta atual Quinta Raça Raíz.

A Sexta Raça Raíz surgirá como uma Nova Raça com nuitas nações novas e será caracterizada por seu desenvolvimento espiritual, pela aquisição do sexto sentido, a clarividência astral e por suas tendências unitárias. Esta Raça se libertará dos obstáculos da matéria e suas ilusóes, inclusive as da carne.

A Sétima Raça Raíz será caracterizada por seu completo desenvolvimento espiritual, pela aquisição do sétimo sentido, ou seja, a clarividência mental, e pelo pleno reconhecimento da unidade.

As metas que atingiremos são sublimes, estamos a meio caminho de nosso verdadeiro destino. A Ciência Espiritual fará nossa humanidade compreender e aceitar o quão glorioso é o destino de nossa Alma Imortal.


(Resumo do livro: “As Essências Florais e a Hierarquia Divina” de Neide Margonari)


Fontes:


http://images.google.pt/imgres?imgurl=http://3.bp.blogspot.com/_nIKjMEB8DsU/SX7YwhSIUfI/AAAAAAAABs8/6jsw--Cxfhc/s400/A-116H4.gif&imgrefurl=http://fraternidade-branca-semente-de-luz.blogspot.com/2009_01_25_archive.html&usg=__H3FbO8-NEO1agdDZvvIuzGxhbo0=&h=252&w=235&sz=33&hl=pt-PT&start=38&um=1&itbs=1&tbnid=eEeVSgv0LjbJzM:&tbnh=111&tbnw=104&prev=/images%3Fq%3Dcaminhos%2Bde%2Bluz%26ndsp%3D20%26hl%3Dpt-PT%26rlz%3D1T4ADBR_enPT329PT329%26sa%3DN%26start%3D20%26um%3D1

http://carmenarabela.wordpress.com/2007/10/28/as-racas-raizes-a-evolucao-da-humanidade/

Um comentário:

  1. Não é preciso muito para perceber que esta doutrina tem imensos disparates misturados com um fundo de verdade. Não é correto acreditar nesta cosmogénese, mas alguns pontos têm interesse para entender o sentido evolutivo da vida. A verdade sobre a génese da espécie humana não é esta, o futuro o dirá.

    ResponderExcluir