terça-feira, 20 de agosto de 2013

SEITA? A IURD É SEITA? MAS O QUE SIGNIFICA SER SEITA??





Ainda está tramitando discussões entre a IURD (Igreja Universal do Reino de Deus e a imprensa – Jornal o Globo e o Folha). Ambos na lógica e visão da IURD destrataram uma agremiação religiosa com termos pejorativos. Não estou escrevendo para defender a IURD na qual não simpatizo nem um pouco, nem condenando a imprensa em sua “liberdade de imprensa”, mas corrigir os jornalistas ávidos por notícias e polêmicas. Não respeitam o próximo! Talvez aé por ignorancia mesmo, refiro-me ao conhecimento filosófico, religioso e sociologico do termo. Se não… certamente duas opções: A algo por trás ou é perseguição mesmo.Mas por que escolher a IURD para denominá-la de seita? Ou ao referir-se aos cargos de seus líderes colocarem entre aspas ou parentese: ”Bispo”, ”Pastor”?
Vivemos em um país em que sua grande maioria (mesmo os não praticantes) para fins
de pesquisa, se dizem católicos, tornando o país, o maior país católico do mundo, mas não se
divulga que moramos no maior país espírita do mundo, o maior país pentecostal do mundo
o segundo maior protestante, só perdendo para os EUA? Na verdade ha muito preconceito
quanto as outras idéias religiosas que não o da Igreja majoritária. Volto a dizer: Não defendo
a IURD, mas espero que os bispos desta igreja possam ganhar essa peleja contra a imprensa
para que possam respeitar o próximo, seja ele quem for.
para esses jornalistas, um pouco de explicação da CIENCIA DA RELIGIÂO sobre o que é
SEITA.
Ninguém declara espontaneamente que o seu grupo religioso é uma seita. Seitas, para qualquer pessoa religiosa (ou não), são sempre outras religiões (ou algumas das outras), necessariamente condenáveis. Ser seita ou religião depende do ponto de vista.Numa primeira acepção, mais abrangente, uma seita é qualquer grupo que disside da religião maioritária num dado local e momento histórico, geralmente seguindo um líder carismático. Nesse sentido, quase todas as religiões são seitas, embora umas tenham tido um sucesso maior do que outras. O cristianismo, por exemplo, será uma seita que dissidiu da religião judaica seguindo JC. Recorde-se que o islão foi tratado de «seita maometana» pelos cristãos pelo menos até ao século 16, e que as «seitas protestantes» (que seguiam Lutero,Calvino, etc.), dado o seu sucesso, passaram rapidamente a ser referenciadas como religiões. No entanto, dada a carga pejorativa associada ao termo, o seu uso deixa de ser corrente quando o número de seguidores e a continuidade histórica de um grupo religioso lhe conferem «respeitabilidade».O termo SEITA adquiriu definição mais precisa e sociológica com os estudos de Ernst Troeltsch, Reinhold Niebuhr e Liston Pope: seita é todo grupo cismático nascido no interior de uma igreja organizada e em oposição a ela. Em obediência a uma autoridade carismática, a seita regula-se por uma interpretação literal ou extremamente alegórico dos textos sagrados, com ênfase nas doutrinas desprezadas pela igreja à qual pertencia, e é fortemente mística, missionária, messiânica e escatológica. Sua oposição alcança igualmente os valores culturais e, não raro, os costumes vigentes, em protesto contra a ordem estabelecida.Seita designa um grupo de pessoas (um movimento) que professam nova ideologia divergente daquela da(s) religião(ões) que são consideradas dominantes e ou oficiais, geralmente dirigidos por líder com características de personalidade consideradas carísmaticas, mas ainda com fraco ou pouco reconhecimento geral por parte da sociedade. Mas, já se viu, a questão do reconhecimento é tão-apenas relativa. Seita (< latim secta = “seguidor”, proveniente de sequi = “seguir”) é conceito originariamente sociológico e é utilizado para designar, em princípio, simplesmente qualquer doutrina, ideologia ou sistema que divirja da correspondente doutrina ou sistema dominante (ou mais de um, quando for o caso), bem como também para designar o próprio conjunto de pessoas (o grupo organizado ou movimento aderente a tal doutrina, ideologia ou sistema), os quais, conquanto divergentes da opinião geral, apresentam significância social.

Nenhum comentário:

Postar um comentário