domingo, 14 de setembro de 2014

OS ANIMAIS SÃO NOSSOS IRMÃOS?



Diante do conhecimento
 atual,
 é ridículo acreditar que 

mundo, os animais e o
 homem
 foram criados 
diretamente por
 Deus em apenas uma
 semana.
 E que somos 
descendentes de
 Adão e Eva. Sabemos
 hoje
que a vida
 apareceu
 há mais
 ou menos 3,5 bilhões de anos,
 um bilhão de anos após a 
formação da Terra. Afirma-se
 que ela tenha surgido na água
 sob forma de seres 
minúsculos extremamente simples.
 Depois foram originando as 
células, depois as plantas e 
aos animais invertebrados que habitam o mar.
 Do mar
 a vida fixou sobre a terra firme e depois no ar
 (os pássaros). Os primeiros seres humanos
 surgiram 
sobre a Terra há aproximadamente 3 milhões 
de anos.
 Ao longo dos anos, os seres sofreram
 transformações 
sucessivas, dando origem a várias espécies.
 Portanto,
 a espécie humana descende, por evolução, 
daqueles 
primeiros seres vivos microscópios. Nós somos
 espíritos em crescimento, por enquanto; somente
 alcançamos a maioridade ao atingir o estado de 

Espíritos puros. Nascemos em mundos
 inferioríssimos
 e, através de milênios, adquirimos o instinto.
 Por 
milênios e milênios de evolução experimentamos 
graus 
inferiores até conquistar a inteligência. 
Um cachorro,
 por exemplo, quando der sinal de inteligência, 
não 
continuará mais aqui na Terra., que não lhe
 oferecerá 
condições; mas irá para mundos em começo de 
evolução,
 para onde o Espírito dele será transferido. 
Após cachorro, reencarnará no corpo de um
 primata
 aprendendo a andar de pé, a usar as mãos e
 morando
 em cavernas. Portanto, nós espíritas nos 
fundamentamos
 na Ciência, seguimos a tradição do conceito 
darwiniano 
da evolução, a teoria da origem das espécies,
 da seleção 
natural e do próprio progresso. Só que Darwin 
se deteve em determinados ângulos, como o do
 “elo perdido”, um dos maiores desafios
 científicos, 
ou seja, eles não conseguem explicar e provar
 o ponto
 onde o animal torna-se homem, quando ele 
"desceu da árvore" (deixou de ser macaco): 
é que
 a transição ocorre no plano espiritual É nesse
 ponto
 que o Espiritismo, ilumina de forma incomparável 
tão escuros labirintos, nos quais as Ciências se 
debatem há muito tempo. Os animais que se 
destacam realizam estágios intermediários de
 vida
 material em planetas inferiores à Terra, além 
do que,
 principalmente, quando ali desencarnam, os
 prepostos 
do Cristo, modificam seus revestimentos espirituais
 (perispírito), para adequá-los à fala e à vida racional; 
considerando que o perispírito é o molde do corpo 
físico, aí reside a semelhança física do homem com 
alguns animais.
PODEMOS REENCARNAR NUM CORPO ANIMAL?

 O Espiritismo não aceita a teoria da Metempsicose,
 ou seja, o espírito de um Homem não reencarna 
em reino inferior. A cada reencarnação o Espírito
 está em melhores condições do que na anterior - 
tal é a Lei Divina do Progresso (evolução).
E A REENCARNAÇÃO DOS ANIMAIS? A reencarnação 

para os animais é quase seqüencial à morte. Eles 
não escolhem em que espécie reencarnar, pela 
inexistência de livre-arbítrio.
A ALMA DOS ANIMAIS É DIFERENTE DA ALMA 

HUMANA? Sim, é diferente. Não possuindo 
inteligência,
 os animais não possuem igualmente consciência, 
livre-
arbítrio, senso moral, nem responsabilidade. Ao 
desencarnarem, são orientados e mantidos por
 Espíritos da Natureza, em grupos específicos a
 cada raça.
OS ANIMAIS POSSUEM INTELIGÊNCIA OU 

INSTINTO?
 A inteligência é uma faculdade própria do ser
 humano que, impulsionada pelo nosso 
pensamento, 
faz-nos agir segundo a nossa vontade, quer na
 parte
 moral, quer na parte intelectual, quer na parte
 espiritual. Por exemplo: não devo roubar, não
 devo
 viciar-me, porque são ações imorais; quero 
ler este
 livro, é ação intelectual; vou orar, é uma ação 
espiritual.
 Isso tudo é comandado pela inteligência, porque a
 inteligência é humana. A inteligência é o livre-
arbítrio,
 que é um poder, a faculdade de decidir, de 
determinar, 
dependente apenas da vontade. E o instinto é o 
movimento que domina os homens e os animais em 
seu
 procedimento. Pelo instinto, o homem pertence ao 
reino animal e, pela inteligência, pertence à 
Humanidade.
 Todas as necessidades de nosso corpo carnal são 
provindas pelo instinto, desde as mais rudimentares
 às 
mais altas: são exigências do nosso corpo, que devem
 ser atendidas, pois são a parte animal da nossa vida. 
Exemplo: um bebê que acaba de nascer, tão logo é 
envolto em suas roupinhas, começa a agitar os
 lábios pedindo alimento; e com sofreguidão suga 
com
 sua boca o bico do seio de sua mãe; ninguém lhe
 ensinou i
sso, pois ele mal acaba de nascer, no entanto, o instinto 
já agiu para conservar-lhe a vida.
E A EUTANÁSIA NOS ANIMAIS? Morte piedosa do 

animal, talvez, só quando o veterinário atestar 
que traumas ou doenças sejam irreversíveis, além de 
acompanhadas de dores insuportáveis. Apesar do 
animal possuir uma alma, esta é diferente da humana,
 por não possuir livre-arbítrio, não tem carma à 
resgatar. Dever cristão é que impõe ao dono ampará-lo 
até o último sopro de vida, para morrer em paz e para 
com gratidão do ser humano ao chegar à regiões 
espirituais que Deus lhe concede.
POR QUE OS ANIMAIS SOFREM TANTO SE ELES

 NÃO 
TEM DÉBITOS A RESGATAR? No caso deles, a dor 
age como impulso evolutivo. Exemplo: quando 
feridos,
 os próprios animais, eventualmente seus
 companheiros,
 lambem os machucados numa rudimentar ação de 
assepsia, na busca da cura ou alívio; isso representa 
os primórdios da fraternidade.
O QUE DEVEMOS FAZER AO VER UM ANIMAL SENDO 

AGREDIDO? Se uma pessoa estiver maltratando um 
animal devemos interferir, jamais nos omitir. Mas 
que a intervenção seja por altruísmo, com
 educação e amor à Natureza. Como? Com 
brandura 
e educação, não piorando o ânimo do agressor,
 o qual, 
já exaltado, poderá se tornar mais rude ainda 
com o animal.
 Os 
animais não falam, não raciocinam, sentem dor, 
sede e fome. O sentimento de piedade demonstra 
elevação espiritual, principalmente quando seguido 
da respectiva ajuda para a cessação da causa do
 sofrimento. A piedade é a ante-sala do Amor, assim 
como a crueldade o é da violência.
QUE DIZER DAQUELES QUE ABANDONAM SEUS

 ANIMAIS?
 O abandono de animais é condenação certa. O 
autor desses dolorosos quadros que o cotidiano nos 
mostra, agindo irresponsavelmente, cedo ou tarde 
terá que prestar contas à sua consciência.
E OS ANIMAIS QUE SÃO TREINADOS PARA

 TORNAREM-SE AGRESSIVOS? No caso de animais
 treinados para ataque, agressividade, destruição,
 representam vertentes da ignorância e crueldade
 humanas; mas a ignorância desaparecerá à medida
 que o homem evolver, em mundos compatíveis ao seu 
estágio moral.
A crueldade, porém, significa contração de pesadas 

dívidas ante o tribunal da consciência de quem a 
pratica; esses, despertos pelo arrependimento 
desses sonhos trevosos a que voluntariamente se 
entregaram, terão a Dor por corregedoria; seus 
sofrimentos serão proporcionalmente iguais aos 
que infligiram. Provavelmente, esta seja uma das 
causas de tantas doenças, tantas anomalias 
congênitas, tantos desastres mutiladores.
Por tudo isso, concluímos que todos somos irmãos:

 homens e animais. Ontem éramos animais, quais 
os que hoje nos servem. E, amanhã, esse mesmo 
animal ingressará no reino hominal.

Encerremos com a sábia frase de Charles Darwin: 

"Chegará o dia em que os homens conhecerão o 
íntimo dos animais, e nesse dia, um crime contra
 um animal será um crime contra a humanidade."

Nenhum comentário:

Postar um comentário