domingo, 19 de outubro de 2014

Enxergar



Enxergar:
Psicografia: Tenda Espírita Sagrada Família
Pisicógrafo: Joana de Carvalho

Enxergar não é a mesma coisa que ver, que é diferente de olhar, que pode ser o oposto de admirar. 
Dizem que os olhos são o espelho da alma e que através deles você pode ter acesso a uma porta aberta para a essência de uma pessoa. Mas para isso, você também necessita saber enxergar.
O que você vê, o que você deduz, é um reflexo de como você se sente e, é assim que o mundo se apresenta aos seus olhos. Você vê e interpreta as coisas dentro de sua realidade. Se você viver num lugar restrito, fechado em si mesmo, e no caos por muitos anos, ao chegar em outro, com uma organização definida, pacífico e vasto, poderá se sentir pequeno, deslocado, desconfortável, mas também poderá se sentir: liberto, limpo e acalentado. Tudo depende do seu estado de ser e da sua preparação para mudança. Você pode enxergar a mudança, mas pode não a ver, pode olhar o caminho, mas nem sempre irá admira-lo, e isso faz toda a diferença. Esse é o limiar da tênue linha que separa o viver do sobreviver.
Saber o que tem que fazer mas não entender, pode significar que a ação corre o risco de não ser perfeitamente concluída ao final. O entender é uma parte importantíssima do processo, é ele que vai ditar a qualidade do seu trabalho e da sua ação.
Saber distinguir a diferença do trabalho é um exercício diário, mas muito difícil, que demanda prática, paciência e a serenidade de olhar uma vez, duas, três para, quem sabe, finalmente conseguir enxergar o que está na sua frente. É um trabalho exaustivo, porém libertador, para uma mente atrofiada pelo desuso em nossa vida material. Digo nossa, pois todos já passamos por isso em algum momento durante a nossa caminhada para evolução. Mesmo não estando na mesma etapa, fez parte do que nos tornamos. Abrir o olhos e enxergar com a alma, conseguir realmente entender o que fazemos e o porque das nossas ações, vai melhorar o tipo de decisão que tomamos e aprimorar a qualidade do nosso trabalho. Não cobrar do outro aquilo que ele olha mas não enxerga, a ponto de deixar isso interferir no trabalho que tem a ser feito. No entanto, não se fazer de cego. Ser justo, mas com doçura. Ser firme, mas com delicadeza. Estar disposto a mudar e iniciar uma jornada mesmo com os pés cansados, vai valorizar ainda mais a sua iniciativa. Não olhe apenas, enxergue. Não enxergue apenas, veja. Não saiba apenas o que deve fazer, entenda.

Psicografia feita na Tenda Sagrada Família,pela médium: Joana Carvalho
Por um amigo Espiritual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário