quinta-feira, 23 de outubro de 2014

O homem não tem poder sobre nada

O homem não tem poder sobre nada enquanto tem medo da morte

O homem não tem poder sobre nada enquanto tem medo da morte

As pessoas não sabem que perderam suas asas desde que colocaram os pés nesta terra. Elas perseguem o definitivo, o concreto, o seguro e o assentado, logo que aterrissaram neste planeta. As únicas mudanças aceitas, durante sua trôpega, minguada e inexpressiva existência, residem no meticuloso planejamento financeiro do seu cotidiano mesquinho.
Porque a vida só tem graça e sentido —  para quem a define por aquisições cumulativas domínios expandidos e decisões inquestionáveis —  se for cercada de possibilidades de enriquecimento contínuo, lascivo e abençoado por leis obscuras e pagãs.
Ninguém se dá conta, porém, de que quanto mais nos rendemos ao fascínio daquilo que consideramos como poder, mais nos afastamos da nossa tão sonhada e pouco tangenciada liberdade.
Inúmeros pensadores, filósofos e escritores ocuparam-se em estudar a aparente onipotência do poder, também frente ao contágio social. Marx, Nietzsche, Foucault são alguns dos que se debruçaram sobre o assunto.
Uma busca alucinada pelos simbolismos do termo, suas acepções à boca corrente e sinônimos mais banais atravessa gerações, curiosidades e demandas.
Ganhar muito dinheiro, submeter à servidão os mais próximos, os parentes, pseudo amigos em profusão, fascinados pelo gigantismo de uma palavra que parece a mais gulosa dentre as destacadas nos dicionários da política e das megalomanias.
Aliás, quem almeja vorazmente consumir doses cada vez mais expressivas de poder, como um maltrapilho viciado perambulando nas ruas da amargura, pretende na verdade acorrentar-se aos grilhões de suas próprias intenções.
Nas brincadeiras infantis, muitos de nós construíamos realidades de mentirinha, nas quais todo o domínio era nosso. Os teatros de marionetes manejavam abúlicos bonecos, movidos por um diretor feroz em apresentações dominicais na praça para saltitantes crianças.
Por outro lado, observando a publicidade, constatamos que ela confere um poder aurático, quase deificado, às suas marcas e serviços. Os detentores de determinado carro, grife de vestuário, as mulheres envoltas por inacessíveis perfumes franceses, relógios cravejados de pedras preciosas, sapatos de salto altíssimo absolutamente customizados e artesanais.
O poder tenciona se distinguir definitivamente das massas.  Ser singular, a qualquer preço, ter um caso alucinante com aquele diretor artístico, o gestor da empresa aonde você trabalha. Posar nua para famosa revista masculina é certeza de ascender às escadas do sucesso fácil. Dinheiro multiplicado, que venha de ações fraudulentas, não importa, porque a alma é pobre e esvaziada de caráter, carrosséis e fantasias.
Festas, holofotes, convites Vips para shows caríssimos e eventos de moda.  Isso é que faz a vida valer a pena para muita gente, inclusive os frequentadores das colunas sociais.
Degustar garrafas mágicas do mais caro champanhe francês do universo, cujo dourado líquido espumante é vertido generosamente pelo corpo dos amantes de ocasião, naquela ilha prive, instalada na costa verde brasileira.
Possuir iates, helicópteros, jatinhos com assinatura exclusiva, despontam como novas prisões de luxo e cordões umbilicais da vil matéria, da qual não se consegue nem se deseja desvencilhar jamais.
A filha mais velha que se aufere o direito de espancar os irmãos menores, dada a hierarquia cronológica. A mulher, garota de programa de alto nível, que se torna acessível à truculência cega de estranhos, mediante um cache bem polpudo.
Ter poder mesmo é chegar perto de silenciosos abismos sem temê-los. Descartar-se do fascínio de inúmeros cartões de crédito, do cabelereiro semanal, também frequentado por atrizes de nossa rede televisiva, para fazer uma simples e milionária escova em seus cacheados e cheirosos cabelos.
Abandonar preceitos, preconceitos, certezas irrefutáveis, lançar-se em tarefas quase impossíveis de olhos fechados e sorriso aberto. Deslindar-se das teias venenosas de aranhas capciosas e quase invisíveis, loucas por apossar-se de uma nova presa.
Deixar partir quem chega, sem perguntar o destino. Desapegar-se de tudo à volta: sonhos, tentações, idealizações e pessoas, pois somente assim conseguiremos compreender o nascer e o entardecer dos dias. Além das mensagens secas, lançadas por  noites sem estrelas e sem brisa.
Vaidade, orgulho, empáfia, ganância perfilam-se como habituais acompanhantes do poder caricato, que se compraz deste séquito.
O poder ainda nos remete ao falo. O pênis robusto cercado de veias, que se ergue duro e decidido a mais um espetacular e memorável gozo. Vale uma pergunta, neste momento. Serão os impotentes, também amantes do poder? Chefetes de quinta categoria, criaturas desamadas, lixo humano, indivíduos muito magros ou muito gordos estarão eventualmente aficionados pelos troféus do comando ostensivo?
Poder rima com felicidade? Esperança, metas, tranquilidade, aconchego? Reflita um pouco. No pequeno livro “laços”, o antipsiquiatra inglês Ronald Laing, estudioso das psicoses, começa o obra com um poema-título, decorrente de uma particular sessão de terapia.
“Eles estão jogando o jogo deles/Eles estão jogando de não jogar um jogo/ Se eu lhes mostrar que os vejo tal qual eles estão/quebrarei as regras do jogo e receberei sua punição/O que devo, pois, é jogar o jogo deles/ o jogo de não ver o jogo que eles jogam.”
Maquiavel, filósofo absolutista e autor de “O Príncipe” assevera que o monarca deverá se portar como um lobo em pele de carneiro. Segundo o pensador, em qualquer situação a mentira e a traição deveriam ser minimizadas porque os fins sempre justificam os meios.
Ao auscultar-se por instantes os bastidores da consciência, será o poder filho dileto do medo, da insegurança e de serializados sentimentos de inferioridade? De imediato, encontram-se ressonâncias com manifestações no autoritarismo de governos despóticos, sanguinários e devastadores, como o de Hitler.
Ânsia incontida de possuir as chaves do céu e do inferno. Busca pelo comando absoluto de tudo e todos. Da juventude infinita, da vida eterna. Porque a morte, afinal, para os ditames da ganância que atravessam os séculos, sempre esteve, claro, fora de cogitação.
PORQUE SÃO CRISTÃOS OS MAIS PERSEGUIDOS EM TODO O MUNDO? Publicado em 4 de Janeiro de 2011 por António da Cunha Duarte Justo PERSEGUIDOS POR PALAVRAS E OBRAS Atentados Suicidas em Igrejas mataram inúmeros Cristãos na Época do Natal António Justo A perseguição aos cristãos matou mais pessoas nos últimos cem anos do que em toda a sua História anterior. O anti-cristianismo raramente é tematizado nos Meios de Comunicação Social pelo facto de os cristãos não se defenderem e assim não se tornarem públicos. Na linguagem corrente o conceito “anti-cristianismo” não é usado. O que não existe nos conceitos não existe na consciência do povo!… Os cristãos são o grupo mais perseguido do mundo. São alvo de racistas e de pretensos anti-racistas. No mundo árabe e asiático são vítimas de assassinos, perseguição e racismo. Entre nós são vítimas da arma da palavra ou do esquecimento. Tornou-se chique, na opinião publicada e em conversas privadas, ser-se anticristão, anti-papa ou até justificar-se os ataques à bomba de hoje com o passado, como cruzadas, etc. Uma luta cultural insidiosa de militantes do secularismo contra o catolicismo/cristianismo procura atribuir, tudo o que houve de abominável na história política e económica, aos cristãos e não ao cidadão ou ao governo secular de então. Sem se diferenciar, reduz-se o Cristianismo a um bidé onde se lavam as próprias impurezas. Tornou-se chique falar de anti-semitismo, de anti-arabismo, anticomunismo, de racismo contra ciganos mas não é chique falar-se de anti-cristianismo ou de anti-catolicismo. Vê-se o argueiro no olho dos outros mas não se nota a tranca que se tem nos próprios olhos. Atacam-se os outros para se defender os seus. O anti-cristianismo é descurado nos Media porque os cristãos não se defendem e porque os extremistas do secularismo iluminado precisam do catolicismo como área de projecção, como terreno inimigo a combater. Quem não tem o Islão e outros como inimigo precisa do cristianismo como adversário. O racismo cultural solidariza-se contra os preconceitos contra minorias de outras culturas e aninha-se na própria cultura numa opinião publicada enegrecedora do Cristianismo e falsificadora dos factos. Vive-se bem da mentira das meias verdades. Facto é que o Homem tem em si partes divinas e partes diabólicas independentemente de seu ser de cristão, maçónico, comunista ou capitalista, etc. Mede-se com duas medidas. O que acontece de mau nos países muçulmanos é visto como obra de extremistas, porém o que aconteceu de mal na História passada é visto como obra dos cristãos. Na nossa sociedade, a difamação de minorias é vista como preconceito, enquanto a difamação de maiorias é legitimada ou aceite. Falta o conhecimento e humanidade. O preconceito contra o Islão deixa de o ser quando se expressa contra os cristãos. Os Media nos seus títulos falam de “violência depois do atentado na Igreja”; as pessoas assassinadas na Igreja escrevem-se em letras pequenas e à margem da notícia. PORQUE SÃO OS CRISTÃOS O GRUPO MAIS PERSEGUIDO NO MUNDO? O Cristianismo é um factor desmancha-prazeres para detentores do poder e carreiristas. Ele coloca o interesse da pessoa no centro e em segundo plano os interesses de economias, ideologias, culturas e estruturas sociais. Todas as estruturas do poder não se sentem bem ao verificarem que uma estrutura global, como o Catolicismo, se erga, globalmente, como voz das pessoas sem voz. Muitos poderosos, especialmente na África e na Ásia, constatam que onde os cristãos estiveram, a democracia, a liberdade política e religiosa, os direitos humanos começaram, por primeiro, a germinar, apesar da corrupção inerente à pessoa. Isto complica-lhes o domínio. O cristianismo não pertence a nenhuma cultura, raça, sistema ou ideologia; o seu lugar é o Homem e o seu Deus encontra-se no interior de cada pessoa independentemente de confissões religiosas e da crença em Deus. Isto perturba e torna-se numa “ameaça” para quem quer fazer o seu negócio, sem problemas de consciência, à custa da pessoa. O cristianismo é perseguido em toda a parte porque é mais que uma crença, é mais que uma religião. Ele é a religião, a filosofia, do Homem individual integrado na comunidade universal sempre a caminho e sempre em revelação! Consequentemente a dignidade humana encontra-se no Homem e não fora dele; ela não se encontra na cultura, na Constituição, na religião nem na nação. O lugar de Deus é o Homem e isto perturba todas as estruturas e ideologias. Por isso estruturas e sistemas de poder da humanidade passarão mas o cristianismo não passará. Tudo o que verdadeiramente serve o Homem no seu ser humano, permanecerá, o resto passará. Assim, as estruturas e as formas do poder serão sempre relativas e passageiras e os poderosos encontrarão a barreira do Homem, com a sua dignidade, ao seu poder. As culturas, os partidos, as formas de governo passarão, o cristianismo, no que tem de matriz humana e cósmica não passará. Naturalmente que muitos cristãos e não cristãos só conhecem e se interessam pelo folclore cristão. Esta é também uma realidade humana. No Natal foram assassinados 86 cristãos na Nigéria; nas Filipinas, devido a um atentado à bomba, foram feridas 11 pessoas numa missa de Natal; no Iraque no Natal houve atentados a casas de cristãos e foram impedidas as missas devido a ameaças de islamistas; na passagem de ano, no Egipto, com um atentado a uma Igreja foram mortos 21 cristãos e 97 feridos; no Paquistão donzelas e mulheres cristãs são violadas por muçulmanos para assim ficarem estigmatizadas como “impuras” na sua cultura. Meninas cristãs de 12-13 anos são violadas por muçulmanos, ficando assim impedidas de casar. Por estes e outros meios se impede a proliferação dos cristãos. O maior problema está no facto de tudo isto acontecer no meio do povo sem uma palavra que se levante em defesa dos inocentes. Segundo o Corão todos os meios que sirvam o Islão são legítimos. O atentado assassino do Egipto é atribuído a uma rede de terror de fora do país e o governo egípcio fala como se os cristãos coptas do Egipto não fossem discriminados. Por um lado são discriminados e por outro lado, procura-se através de ofertas de dinheiro e de ofertas de perspectivas profissionais levá-los à conversão, como me testemunhava um estudante egípcio na Alemanha. No momento em que os muçulmanos atingem 50% da população duma região ou país, passam à ofensiva, exigindo a independência e discriminando os outros com as suas leis de maneira a torná-los minoria. No sentido islâmico, a História da perseguição muçulmana nos países onde dominam é uma História de “sucesso”, como mostra a perseguição da Turquia aos cristãos com o holocausto aos cristãos arménios. Nos últimos 100 anos, a Turquia conseguiu reduzir os cristãos de 25% da população para 0,1% actualmente. A discriminação no Sudão, no Egipto e muitos outros países segue a mesma lógica. No Iraque a perseguição em curso contra os cristãos conseguiu reduzi-los de 1,5 milhões para menos de meio milhão. Países islâmicos tornaram-se no Inferno ou pelo menos no Purgatório dos Cristãos embora esses países sejam a sua terra natal. Os nossos políticos não acreditam no “Inferno”, por isso não há uma perspectiva de paraíso para eles, nos países em que são perseguidos. O filósofo judeu Bernard Henry Levy constata que “os cristãos formam hoje, à escala planetária, a comunidade perseguida da forma mais violenta e na maior impunidade.” Esta realidade é calada e até justificada, como se todo o mal do mundo fosse culpa dos cristãos. Esta realidade tem de ser calada para se ter uma “boa consciência”! António da Cunha Duarte Justo

Read more at: http://antonio-justo.eu/?p=1644 | Pegadas do Tempo
PORQUE SÃO CRISTÃOS OS MAIS PERSEGUIDOS EM TODO O MUNDO? Publicado em 4 de Janeiro de 2011 por António da Cunha Duarte Justo PERSEGUIDOS POR PALAVRAS E OBRAS Atentados Suicidas em Igrejas mataram inúmeros Cristãos na Época do Natal António Justo A perseguição aos cristãos matou mais pessoas nos últimos cem anos do que em toda a sua História anterior. O anti-cristianismo raramente é tematizado nos Meios de Comunicação Social pelo facto de os cristãos não se defenderem e assim não se tornarem públicos. Na linguagem corrente o conceito “anti-cristianismo” não é usado. O que não existe nos conceitos não existe na consciência do povo!… Os cristãos são o grupo mais perseguido do mundo. São alvo de racistas e de pretensos anti-racistas. No mundo árabe e asiático são vítimas de assassinos, perseguição e racismo. Entre nós são vítimas da arma da palavra ou do esquecimento. Tornou-se chique, na opinião publicada e em conversas privadas, ser-se anticristão, anti-papa ou até justificar-se os ataques à bomba de hoje com o passado, como cruzadas, etc. Uma luta cultural insidiosa de militantes do secularismo contra o catolicismo/cristianismo procura atribuir, tudo o que houve de abominável na história política e económica, aos cristãos e não ao cidadão ou ao governo secular de então. Sem se diferenciar, reduz-se o Cristianismo a um bidé onde se lavam as próprias impurezas. Tornou-se chique falar de anti-semitismo, de anti-arabismo, anticomunismo, de racismo contra ciganos mas não é chique falar-se de anti-cristianismo ou de anti-catolicismo. Vê-se o argueiro no olho dos outros mas não se nota a tranca que se tem nos próprios olhos. Atacam-se os outros para se defender os seus. O anti-cristianismo é descurado nos Media porque os cristãos não se defendem e porque os extremistas do secularismo iluminado precisam do catolicismo como área de projecção, como terreno inimigo a combater. Quem não tem o Islão e outros como inimigo precisa do cristianismo como adversário. O racismo cultural solidariza-se contra os preconceitos contra minorias de outras culturas e aninha-se na própria cultura numa opinião publicada enegrecedora do Cristianismo e falsificadora dos factos. Vive-se bem da mentira das meias verdades. Facto é que o Homem tem em si partes divinas e partes diabólicas independentemente de seu ser de cristão, maçónico, comunista ou capitalista, etc. Mede-se com duas medidas. O que acontece de mau nos países muçulmanos é visto como obra de extremistas, porém o que aconteceu de mal na História passada é visto como obra dos cristãos. Na nossa sociedade, a difamação de minorias é vista como preconceito, enquanto a difamação de maiorias é legitimada ou aceite. Falta o conhecimento e humanidade. O preconceito contra o Islão deixa de o ser quando se expressa contra os cristãos. Os Media nos seus títulos falam de “violência depois do atentado na Igreja”; as pessoas assassinadas na Igreja escrevem-se em letras pequenas e à margem da notícia. PORQUE SÃO OS CRISTÃOS O GRUPO MAIS PERSEGUIDO NO MUNDO? O Cristianismo é um factor desmancha-prazeres para detentores do poder e carreiristas. Ele coloca o interesse da pessoa no centro e em segundo plano os interesses de economias, ideologias, culturas e estruturas sociais. Todas as estruturas do poder não se sentem bem ao verificarem que uma estrutura global, como o Catolicismo, se erga, globalmente, como voz das pessoas sem voz. Muitos poderosos, especialmente na África e na Ásia, constatam que onde os cristãos estiveram, a democracia, a liberdade política e religiosa, os direitos humanos começaram, por primeiro, a germinar, apesar da corrupção inerente à pessoa. Isto complica-lhes o domínio. O cristianismo não pertence a nenhuma cultura, raça, sistema ou ideologia; o seu lugar é o Homem e o seu Deus encontra-se no interior de cada pessoa independentemente de confissões religiosas e da crença em Deus. Isto perturba e torna-se numa “ameaça” para quem quer fazer o seu negócio, sem problemas de consciência, à custa da pessoa. O cristianismo é perseguido em toda a parte porque é mais que uma crença, é mais que uma religião. Ele é a religião, a filosofia, do Homem individual integrado na comunidade universal sempre a caminho e sempre em revelação! Consequentemente a dignidade humana encontra-se no Homem e não fora dele; ela não se encontra na cultura, na Constituição, na religião nem na nação. O lugar de Deus é o Homem e isto perturba todas as estruturas e ideologias. Por isso estruturas e sistemas de poder da humanidade passarão mas o cristianismo não passará. Tudo o que verdadeiramente serve o Homem no seu ser humano, permanecerá, o resto passará. Assim, as estruturas e as formas do poder serão sempre relativas e passageiras e os poderosos encontrarão a barreira do Homem, com a sua dignidade, ao seu poder. As culturas, os partidos, as formas de governo passarão, o cristianismo, no que tem de matriz humana e cósmica não passará. Naturalmente que muitos cristãos e não cristãos só conhecem e se interessam pelo folclore cristão. Esta é também uma realidade humana. No Natal foram assassinados 86 cristãos na Nigéria; nas Filipinas, devido a um atentado à bomba, foram feridas 11 pessoas numa missa de Natal; no Iraque no Natal houve atentados a casas de cristãos e foram impedidas as missas devido a ameaças de islamistas; na passagem de ano, no Egipto, com um atentado a uma Igreja foram mortos 21 cristãos e 97 feridos; no Paquistão donzelas e mulheres cristãs são violadas por muçulmanos para assim ficarem estigmatizadas como “impuras” na sua cultura. Meninas cristãs de 12-13 anos são violadas por muçulmanos, ficando assim impedidas de casar. Por estes e outros meios se impede a proliferação dos cristãos. O maior problema está no facto de tudo isto acontecer no meio do povo sem uma palavra que se levante em defesa dos inocentes. Segundo o Corão todos os meios que sirvam o Islão são legítimos. O atentado assassino do Egipto é atribuído a uma rede de terror de fora do país e o governo egípcio fala como se os cristãos coptas do Egipto não fossem discriminados. Por um lado são discriminados e por outro lado, procura-se através de ofertas de dinheiro e de ofertas de perspectivas profissionais levá-los à conversão, como me testemunhava um estudante egípcio na Alemanha. No momento em que os muçulmanos atingem 50% da população duma região ou país, passam à ofensiva, exigindo a independência e discriminando os outros com as suas leis de maneira a torná-los minoria. No sentido islâmico, a História da perseguição muçulmana nos países onde dominam é uma História de “sucesso”, como mostra a perseguição da Turquia aos cristãos com o holocausto aos cristãos arménios. Nos últimos 100 anos, a Turquia conseguiu reduzir os cristãos de 25% da população para 0,1% actualmente. A discriminação no Sudão, no Egipto e muitos outros países segue a mesma lógica. No Iraque a perseguição em curso contra os cristãos conseguiu reduzi-los de 1,5 milhões para menos de meio milhão. Países islâmicos tornaram-se no Inferno ou pelo menos no Purgatório dos Cristãos embora esses países sejam a sua terra natal. Os nossos políticos não acreditam no “Inferno”, por isso não há uma perspectiva de paraíso para eles, nos países em que são perseguidos. O filósofo judeu Bernard Henry Levy constata que “os cristãos formam hoje, à escala planetária, a comunidade perseguida da forma mais violenta e na maior impunidade.” Esta realidade é calada e até justificada, como se todo o mal do mundo fosse culpa dos cristãos. Esta realidade tem de ser calada para se ter uma “boa consciência”! António da Cunha Duarte Justo

Read more at: http://antonio-justo.eu/?p=1644 | Pegadas do Tempo
O homem não tem poder sobre nada enquanto tem medo da morte

O homem não tem poder sobre nada enquanto tem medo da morte

As pessoas não sabem que perderam suas asas desde que colocaram os pés nesta terra. Elas perseguem o definitivo, o concreto, o seguro e o assentado, logo que aterrissaram neste planeta. As únicas mudanças aceitas, durante sua trôpega, minguada e inexpressiva existência, residem no meticuloso planejamento financeiro do seu cotidiano mesquinho.
Porque a vida só tem graça e sentido —  para quem a define por aquisições cumulativas domínios expandidos e decisões inquestionáveis —  se for cercada de possibilidades de enriquecimento contínuo, lascivo e abençoado por leis obscuras e pagãs.
Ninguém se dá conta, porém, de que quanto mais nos rendemos ao fascínio daquilo que consideramos como poder, mais nos afastamos da nossa tão sonhada e pouco tangenciada liberdade.
Inúmeros pensadores, filósofos e escritores ocuparam-se em estudar a aparente onipotência do poder, também frente ao contágio social. Marx, Nietzsche, Foucault são alguns dos que se debruçaram sobre o assunto.
Uma busca alucinada pelos simbolismos do termo, suas acepções à boca corrente e sinônimos mais banais atravessa gerações, curiosidades e demandas.
Ganhar muito dinheiro, submeter à servidão os mais próximos, os parentes, pseudo amigos em profusão, fascinados pelo gigantismo de uma palavra que parece a mais gulosa dentre as destacadas nos dicionários da política e das megalomanias.
Aliás, quem almeja vorazmente consumir doses cada vez mais expressivas de poder, como um maltrapilho viciado perambulando nas ruas da amargura, pretende na verdade acorrentar-se aos grilhões de suas próprias intenções.
Nas brincadeiras infantis, muitos de nós construíamos realidades de mentirinha, nas quais todo o domínio era nosso. Os teatros de marionetes manejavam abúlicos bonecos, movidos por um diretor feroz em apresentações dominicais na praça para saltitantes crianças.
Por outro lado, observando a publicidade, constatamos que ela confere um poder aurático, quase deificado, às suas marcas e serviços. Os detentores de determinado carro, grife de vestuário, as mulheres envoltas por inacessíveis perfumes franceses, relógios cravejados de pedras preciosas, sapatos de salto altíssimo absolutamente customizados e artesanais.
O poder tenciona se distinguir definitivamente das massas.  Ser singular, a qualquer preço, ter um caso alucinante com aquele diretor artístico, o gestor da empresa aonde você trabalha. Posar nua para famosa revista masculina é certeza de ascender às escadas do sucesso fácil. Dinheiro multiplicado, que venha de ações fraudulentas, não importa, porque a alma é pobre e esvaziada de caráter, carrosséis e fantasias.
Festas, holofotes, convites Vips para shows caríssimos e eventos de moda.  Isso é que faz a vida valer a pena para muita gente, inclusive os frequentadores das colunas sociais.
Degustar garrafas mágicas do mais caro champanhe francês do universo, cujo dourado líquido espumante é vertido generosamente pelo corpo dos amantes de ocasião, naquela ilha prive, instalada na costa verde brasileira.
Possuir iates, helicópteros, jatinhos com assinatura exclusiva, despontam como novas prisões de luxo e cordões umbilicais da vil matéria, da qual não se consegue nem se deseja desvencilhar jamais.
A filha mais velha que se aufere o direito de espancar os irmãos menores, dada a hierarquia cronológica. A mulher, garota de programa de alto nível, que se torna acessível à truculência cega de estranhos, mediante um cache bem polpudo.
Ter poder mesmo é chegar perto de silenciosos abismos sem temê-los. Descartar-se do fascínio de inúmeros cartões de crédito, do cabelereiro semanal, também frequentado por atrizes de nossa rede televisiva, para fazer uma simples e milionária escova em seus cacheados e cheirosos cabelos.
Abandonar preceitos, preconceitos, certezas irrefutáveis, lançar-se em tarefas quase impossíveis de olhos fechados e sorriso aberto. Deslindar-se das teias venenosas de aranhas capciosas e quase invisíveis, loucas por apossar-se de uma nova presa.
Deixar partir quem chega, sem perguntar o destino. Desapegar-se de tudo à volta: sonhos, tentações, idealizações e pessoas, pois somente assim conseguiremos compreender o nascer e o entardecer dos dias. Além das mensagens secas, lançadas por  noites sem estrelas e sem brisa.
Vaidade, orgulho, empáfia, ganância perfilam-se como habituais acompanhantes do poder caricato, que se compraz deste séquito.
O poder ainda nos remete ao falo. O pênis robusto cercado de veias, que se ergue duro e decidido a mais um espetacular e memorável gozo. Vale uma pergunta, neste momento. Serão os impotentes, também amantes do poder? Chefetes de quinta categoria, criaturas desamadas, lixo humano, indivíduos muito magros ou muito gordos estarão eventualmente aficionados pelos troféus do comando ostensivo?
Poder rima com felicidade? Esperança, metas, tranquilidade, aconchego? Reflita um pouco. No pequeno livro “laços”, o antipsiquiatra inglês Ronald Laing, estudioso das psicoses, começa o obra com um poema-título, decorrente de uma particular sessão de terapia.
“Eles estão jogando o jogo deles/Eles estão jogando de não jogar um jogo/ Se eu lhes mostrar que os vejo tal qual eles estão/quebrarei as regras do jogo e receberei sua punição/O que devo, pois, é jogar o jogo deles/ o jogo de não ver o jogo que eles jogam.”
Maquiavel, filósofo absolutista e autor de “O Príncipe” assevera que o monarca deverá se portar como um lobo em pele de carneiro. Segundo o pensador, em qualquer situação a mentira e a traição deveriam ser minimizadas porque os fins sempre justificam os meios.
Ao auscultar-se por instantes os bastidores da consciência, será o poder filho dileto do medo, da insegurança e de serializados sentimentos de inferioridade? De imediato, encontram-se ressonâncias com manifestações no autoritarismo de governos despóticos, sanguinários e devastadores, como o de Hitler.
Ânsia incontida de possuir as chaves do céu e do inferno. Busca pelo comando absoluto de tudo e todos. Da juventude infinita, da vida eterna. Porque a morte, afinal, para os ditames da ganância que atravessam os séculos, sempre esteve, claro, fora de cogitação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário