domingo, 28 de dezembro de 2014

ALIENAÇÃO SOCIAL

Alienação Social e o Pesadelo de Orwell

Alienação Social_Parte I: Ceticismo e Ignorância
Alienação Social
O termo ''alienação'' é referente ao desconhecimento de si mesmo como se fosse um ser estranho, ou desconhecimento da própria consciência ou do interior de si mesmo como se fosse algo exterior e estranho. A alienação trata-se do mistério de ser ou não ser, pois uma pessoa alienada carece de si mesma, tornando-se sua própria negação, tornando a consciência o seu próprio inconsciente, as lembranças e sua própria amnésia. Alienação refere-se à diminuição da capacidade dos indivíduos em pensar e em agir por si próprios.
A sociedade atual está tão inerte em uma Alienação gigantesca que está mergulhando toda a população em massa em uma inconsciência surreal, na qual o aumento da ignorância das massas faz as pessoas ficarem presas em seu subconsciente, de tal maneira que a população está agindo de uma forma absolutamente automatizada, quase como robôs, presas nas correrias, nas "agendas", em uma rotina programadacontrolada, quando não estão distraidamente inertes em um entretenimento alienante. Presos ao SISTEMA, todos 'nascem' mortos dentro de uma "Aquário" na Matrix, onde tudo é mentira e nada é real...
Expondo extensivamente a sociedade a grande números de simbolismos satânico-maçônico-illuminati de formas subliminares ou não a sociedade vai aceitando crescentemente todas as simbologias satânico-ocultistas de forma a considerar tudo isso normal, como uma "Cultura". A alienação é tanta que não basta alertar as pessoas com palavras, pois na maioria das vezes elas simplesmente respondem que "Nada haver", "o que tenho haver com isso?","Você é muito antiquado", e ignoram os fatos e chegam até a defender essas "culturas" como se fossem coisas boas.
A Banalização do símbolo da ''mão chifrada'' através do Rock´n roll é um dos meio de ''massificação'' de símbolos satânicos no meio populacional, do mesmo jeito através de filmes, games, etc. se propagandeia o "olho que tudo vê", que é o olho de lúcifer, e entre outros símbolos maçônicos.
"mão chifrada, adorando ao diabo'':
Todo o anti-intelectualismo e pedantismo social gerou uma sociedade cada vez mais decadente e conformista, ignorante e soberba, aonde o 'eu' se torna o centro das atenções e todo o conhecimento é desprezado para alcançar a verdade, ao em vez disso o conhecimento é usado para o mal e o benefício próprio, ou a 'auto-iluminação'...A atual sociedade decadente ignora aqueles que podem melhorar o mundo:
E aos poucos as pessoas vai aceitando o Ufologismo, a Bruxaria, o Vampirismo, o Transumanismo, o Novaerismo e todo o acervo ocultista pregado pela Mídia Illuminati:
Alienação Social_Parte II: Fanatismo e Idolatria aos Famosos

A SÍNDROME DA ADORAÇÃO DE CELEBRIDADES


fas_malucas 
Fãs do Tokio Hotel 

Tragicamente, a maioria dos pais é ignorante quando se trata de perceber o poder transformador que a mídia popular exerce sobre os seus filhos, e muitas vezes eles permanecem assim, até que seja tarde demais. A USA Weekend Magazine realizou uma maciça pesquisa chamada “Teens & Celebrities Survey”, incluindo mais de 17.000 estudantes dos graus 6 a 12 (ensino fundamental do 6° ao 9° ano e ensino médio), que revelou algumas tendências alarmantes, esse documento mostrou que muitos adolescentes são vulneráveis quando se trata de influência das celebridades de Hollywood.

USA Weekend afirmou que "esta geração de adolescentes não está satisfeita com apenas olhar para cartazes ou mesmo estar lado a lado com as suas estrelas favoritas - eles querem ser essas pessoas."

Esse levantamento também constatou "que os adolescentes querem olhar e agir como pessoas famosas, e ainda que tenha sido verdade através dos tempos, eles estão tomando medidas mais drásticas para fazê-lo. Cerca de 60% acha que os adolescentes querem ter um piercing ou fazer uma tatuagem, porque uma celebridade possui. "A pesquisa também constatou que 48% bebem bebidas alcoólicas, fumam cigarros 47%, 25% tem filhos, 58% tem tatuagens, e cerca de 40% tomam medicamentos, tudo porque os seus ídolos jovens são assim.
    
As celebridades exercem uma influência considerável sobre as massas. Os psicólogos deram um nome para aquilo que pode tornar-se uma condição potencialmente patológica: “síndrome da adoração de celebridades”. Uma pesquisa constatou que, "Uma em cada três pessoas está tão obcecada com alguém famoso que ele ou ela fica prejudicado(a), dizem os psicólogos. E uma em cada quatro está tão ocupada com o seu ídolo que a obsessão afeta sua vida diária”.

Além disso, estudos têm revelado que em casos graves “as pessoas se tornam solitárias, impulsivas, anti-sociais e problemáticas, com características acentuadas. Eles sentem que têm uma ligação especial com sua celebridade, acreditam que sua celebridade os conhece e estão preparados para mentir ou mesmo morrer por seu herói."

Os psicólogos de hoje reconheceram que o culto a celebridade tomou o lugar da adoração a Deus para muitas pessoas e que os adolescentes são mais suscetíveis à doença.
fas-o2-arena-600
 Verdade seja dita, não estamos lidando com um estado psicológico, nós estamos lidando com um enorme e perdido estado espiritual, conhecido como idolatria. Esta condição é incentivada e propagada pelos meios das elites de Hollywood e igualmente da indústria da música - e ambos estão efetivamente mudando a face da terra. Tragicamente, milhões de jovens têm sido enganados pela ideia de que eles podem se tornar deuses e terem poderes sobrenaturais com os quais eles podem dobrar e manipular a realidade para cumprir a vontade narcisista deles através das intermináveis produções de Hollywood que glorificam o ocultismo.

Alienação Social_ParteIII: A Infiltração do Ocultismo
A INFILTRAÇÃO DO OCULTISMO
Através dos desenhos animados os demônios implantam a ''cultura'' oriental e todo paganismo, e todas a filosofias conspiracionistas se prolifera através dessas 'culturas' que são ensinadas através de desenhos, animes, filmes, etc. de grande influência demonológico-ocultista:
Paganismo pregado em Pokemon:
Subliminares em Animes:
A verdade sobre o desenho Naruto:
Subliminares em Naruto:
Thundercats_O "olho de thundera":
O Kemetismo satânico de Yugioh:
Yu Gi Oh
O olho illuminati de Yugioh que da poderes sobrenaturais a ele. O Faraó é o próprio Anticristo no desenho.
No mundo dos desenhos de hoje em dia, como para a maioria das crianças e jovens que os assiste, há mistura de amizade, amor e companheirismo com magia negra e rituais, o que já se tornou muito normal, se tornando assim, como no outro lado do mundo, um costume, pois o afirmam que essas coisas sejam somente desenhos.
Muitos ainda não compreendem o perigo se expondo cada vez mais a esse costume de coisas ocultas no seu dia-a-dia, a mídia já fez seu trabalho a algum tempo acostumando desde de novos as crianças nesse mundo do “não tem problema, nada a ver”. Alguns exemplos de desenho mistico-ocultista:
Cavaleiros do Zodiaco
Cavaleiros do Zodíaco ensina paganismo greco-romano e astrologismo.
Dragon Ball59
Dragon Ball Z é explicitamente satânico e ocultista.
NICKELODEON AVATAR ANIME
Avatar ensina o comismo novaerino, reencarnacionismo, panteísmo e demais pensamentos orientais através do misticismo e desejo de controle da natureza.
ben-10-1_3458_1024x768
Ben 10, prega o ufologismo tecnoprogressivista através de um garoto que coleciona uma legião de demônios em um ''relógio alien''.
naruto
Naruto, como já vimos é explicitamente demoníaco.


Alienação Social_Parte IV:Programação
Em "Vem aí" nós analisamos que a Globo já tem tudo programado para alienar a sociedade através de novelas, filmes, desenhos e PROGRAMAS de televisão em geral, afinal é esse o objetivo deles, nos programar segundo a ideologia "neo-iluminista" dos conspiradores.
Filmes programados a passar na Globo que Vem aí no Cinema 2013:
'Eclipse'; 'Homem de Ferro 2', 'Cisne Negro'; 'Alice no País das Maravilhas'; 'Comer Rezar Amar'; 'O Discurso do Rei'; 'O Palhaço'; 'Meia-Noite em Paris'; 'Shrek Para Sempre' e 'Encontro Explosivo'.
Programações psico-sociais que ensinam desde fantasismo mítico-ocultista, ficcionismo,miticismo, idiotismo, surrealismo, à submetimento de simbolismos de controlo mental monarca (MK-Ultra)
Ver também: Ocultismo na saga Crepúsculo,Controle Mental em Cisne Negro,Alice no País do Ocultismo,Analise do filme Homem de Ferro 2,Programação Monarca (MK-Ultra)
vem aí  cinema 2013 filmes (Foto: reprodução/divulgação)
O Neoiluminismo é uma doutrina illuminati pós-moderna, onde o novaerismo é implantado através dos meios de comunicação e através deles é pregado a ideologia transumanista baseados em novos princípios pós-modernos da engenharia da computação à engenharia genética, que os escatólogos míticos denominam como "Conspiração Transumanista".
Embora a Escatologia Mítica do anti-conspiracionismo científico-ficcionista é completamente especulativa e 'cético'-materialista, há seus pontos 'religioso'-espiritualista dentro do Anti-conspiracionismo. Como por exemplo, o fato do transumanismo ser na verdade não uma mutação genético-científica feita através do tecnoprogressivismo científico, mas também e principalmente é mais provável que se refira ao Ocultismo demonológico, uma "mutação espiritual", a aceitação da presenta de "deuses"(demônios) em seu corpo através do cabalismo e rituais que serão implantados na sociedade como "cultura".
A alienação é algo crescente, e assim é possível que tais atrocidades aconteçam no futuro, talvez próximo, pois o neoilluminismo novaerino prega exatamente a "Coexistência" entre o mundo material e espiritual, mas o que os humanos não sabem é que existe o mundo espiritual de Deus e o mundo espiritual dos demônios, e infelizmente as pessoas estão coexistindo com demônios cada vez mais, quanto psiquicamente como espiritualmente.
Programação Simbólico-Subliminar

Subliminar é qualquer informação que o ser humano capta de forma inconsciente , mensagens ou estímulos fracos demais para provocar uma resposta consciente. Segundo a hipótese, o subconsciente é capaz de perceber, interpretar e guardar uma quantidade muito maior de dados que o consciente. Como exemplo, imagens que possuem um tempo de exposição pequeno demais para serem percebidas conscientemente, ou sons baixos demais para serem claramente identificados. Dados que passariam despercebidos pela mente consciente seriam na verdade interpretados e guardados.

A maioria das pessoas confunde subliminar com simbolismos. Existe uma enorme quatidade de material simbolico pelas mídias, como filmes, desenhos, musicas, etc. O Simbolismo é muito usado pelos ocultistas, para expressar suas idéias em um tipo de codigo no qual só os membros iniciados compreendem. Pode se dizer que é um mecanismo de comunicação e troca de ideias.

Ja a persuasão subliminar seria a capacidade que uma mensagem teria de influenciar o receptor. Segundo a hipótese, toda mensagem subliminar tem um determinado grau de persuasão, e pode vir a influenciar tanto as vontades de uma forma imediata (fazendo por exemplo, uma pessoa sentir vontade de beber ou comer algo), como até mesmo a personalidade ou gostos pessoais de alguém a longo prazo (mudando o seu comportamento, transformando uma pessoa tímida em extrovertida por exemplo). Esse grau de persuasão deveria variar de acordo com o tempo de exposição à mensagem, e a personalidade do receptor.

Isso é de fato comprovado cientificamente, com inúmeros experimentos que apresentaram fortes evidências. No entanto, até hoje, a persuasão subliminar é pouco entendida, ou melhor, pouco entendida para as pessoas que são afetadas por ela, porque ela é constantemente ensinada em faculdades de Publicidade, Jornalismo, Psicologia, entre outras.
Intão vem a pergunta, se não é comprovada, porque ensinam? A resposta obvia é porque é um meio de manipulação eficiente, e as pessoas que tem o poder do mundo nas mãos (leia-se Bancarios, Donos das Mídias em geral, e Sociedades secretas) não querem arriscar perder-lo, pois sem ela, seria muito dificil convencer as pessoas que gastar dinheiro em besteiras é normal, entre outras tantas crenças que "eles" nos impõem sem a gente perceber.

Abaixo o filme Arquitetos do Controle, explica bem detalhadamente como esse processo de manipulação subliminar das massas da população funciona, e comenta também um pouco sobre os simbolismos ocultistas.
Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

Parte 5

Parte 6

Parte 7
 Censurado pela FOX
Parte 8

Ver também:
Alienação Social_Parte V: "Onda alienígena" a nova programação_"O Hospedeiro" de Stephenie Meyer
O Hospedeiro de Stephenie Meyer
The Host.jpg
Alusão a aliens e ao olho esquerdo em sua capa, inicia-se uma nova programação psico-social com o novo livro e recente filme de Stephenie Meyer.
Acabou a ''onda de vampiros'' da saga Crespúsculo de Stephenie Meyer e provavelmente se inicia uma nova saga com o livro "O Hospedeiro" (The Host) de Stephenie Meyer, que recentemente lançara o filme e que provavelmente iniciará a ''onda alienígena''.
O Neoiluminismo illuminati trás esses ideias ufologistas como meio de propagação da Nova Era e demais ideais conspiracionistas. Primeiro foi a banalização da Bruxaria e Ocultismo com outros autores, como J.K.Rollings e seus livros sobre Harry Potter e J.R.R.Tolkien com  "O Senhor dos Aneis". E finalmente a banalização do tema Vampirismo, e agora Ufologismo com Stephenie Meyer.
Por enquanto o tema não eclodiu ainda, pois está prevalecendo na Mídia temas intrigante sobre "Apocalipse Zumbi", uma banalização da escatologia cristã para o surgimento de ficcionismos científicos e o aparecimento dessas literaturas especulativas distópicas aonde trás mitos escatológicos completamente contraditórios e que banaliza e futiliza a realidade das coisas e as verdades bíblicas.
E essa é a principal característica da obra de S.Meyer, exatamente o objetivo de banalizar e futilizar assuntos sérios enquanto prolifera temas e doutrinas às pessoas segundo os ensinamentos esotéricos e ocultistas.
Já mencionamos várias vezes o fato de haver uma banalização do assunto "Teorias da Conspiração" na internet, implantando o ficcionismo, miticismo e ufologismo científico dentro do Anticonspiracionismo, fazendo surgi Pseudos-Anticosnpiracionismo, fanatismos conspiranóicos, doutrinas e seitas contrárias a Biblía,etc. E todas essas doutrinas ficcionistas e ufologista-científicas são pregadas e ensinadas no neo-iluminismo. Ou seja, eles, os illuminatis, estão dando um duro golpe no Resistencionismo anti-NOM implantando doutrinas pseudistas dentro do Anticonspiracionismo, para que assim possam diluir a Resistência em seus ideais ecumênico-conspiracionista.
E sabem o pior? S.Meyer traz o tema "Ufologismo" recheado de conspiranóias pseudo-anticonspiracionista que um teórico da conspiração ufologista diria ser uma obra admirável, embora desconfiável. Mas a verdade é que essa obra é hediondamente criada para banalizar a Verdade e implantar mentiras sobre as teorias da conspiração.
Assim como muitas obras simbólico-subliminar, há sempre os 'dois lados da história' que nos faz necessitar do uso da Semiótica para melhor compreender a obra, que iremos desconstruir em Enredo e Analise.
Enredo: O planeta Terra passa a ser invadido por um inimigo despercebido. Os humanos são transformados em hospedeiros dos invasores, passam a não ter mais sua própria consciência, enquanto o corpo permanece igual e a vida prossegue sem qualquer mudança aparente. A maior parte da humanidade não consegui resistir.
Quando Melanie, um dos poucos humanos que ainda não haviam sido capturados, é encontrada, ele tem a certeza de que chegou o fim. Peregrina, a 'alma invasora' a quem o corpo de Melaine é entregue, havia sido avisada sobre o desafio de viver no interior de um humano: emoções avassaladores, excesso de sentidos, diversas recordações presentes. Mas existe dificuldade com que Peregrina não contava: a dona anterior do corpo combate a posse da sua mente.
Peregrina esquadrinha os pensamentos de Melanie, na esperança de descobrir o paradeiro da Resistência humana. Melaine inunda-lhe a mente com visões do homem por quem está apaixonada - Jared, um sobrevivente humano que vive na clandestinidade. Incapaz de se libertar dos desejos do seu corpo, Peregrina começa a sentir-se atraída pelo homem que tem por missão denuncia-la. No momento em que uma inimiga em comum, a Buscadora, transforma Peregrina e Meline em aliadas involuntárias, as duas lançam-se numa busca perigosa e desconhecida do homem que amam.
Eventualmente, Peregrina passa a viver com um grupo de humanos resistentes, encontrando dificuldade para ser aceita e um grande risco de ser assassinada. Porém, algumas das pessoas do local passam a se aproximar dela, incluindo o irmão mais novo de Melaine, Jamie, e um dos residentes locais, lan O´Shea.
Analise: Observa-se na história de Melaine o mesmo contexto de Bela em Crepúsculo, que havia de conviver com seres obscuros de outros mundos e ao mesmo tempo que passava por crises emocionais. Mas essa história traz algo de novo, que é o tema conspiranóico-ufologista de uma abdução mental dos seres humanos pelos alienígenas, que são mencionados no livro como "almas hospedeiras" (demônios), singularmente representa a nossa sociedade atual e decadente, que como comentado em posts anteriores, esta aceitando crescentemente uma vida espiritual coexistente com os 'aliens', que são os demônios que vão tomando conta cada vez mais da sociedade até o ponto máximo de alienação: a inconsciência total da sociedade, no qual levarão as pessoas às práticas pagãs-ocultistas e a idolatrai ao Anticristo.
Por um lado a mentira ufologista sendo implantada na sociedade, por outro um tema sério sendo banalizado: Existe uma conspiração e ela está nos abduzindo e alienando enquanto vivemos inconscientemente a nossa 'vida normal'. A Resistência inicialmente nega a presença da "Peregrina" no meio deles, mas eles logo são corrompidos pelo ufologismo novaerino e aceitam a coexistência de Peregrina e Melaine no seu meio, revelando o plano illuminati de corromper o Anticonspiracionismo aletheísta.
Leia também:
Alienação Social Parte IV:Programação
Alienação Social Parte VI: Demagogia

Seriado "Dilbert" revela o que a Elite Illuminati faz nas Eleições

Dilbert é uma série norte-americana em desenho que foi ao ar no fim dos anos 90 até o ano 2000. No último episódio da série, a população americana votava por um novo presidente. No entanto, a escolha foi manipulada pela Elite, que se reuniu em secreto, no topo de um edifício explicitamente Illuminati. Ao saber do resultado da eleição presidencial, a Elite não concordou, e os membros do grupo planejaram eleger, entre eles, um outro presidente. É engraçado lembrar que o episódio tenha ido ao ar meses antes da polêmica eleição do ex-presidente norte-americano George Bush no ano 2000.

Esse vídeo revela um contexto conspiracionista muito presente na sociedade e ignorada por todos, a corrupção política e a inexistência da Democracia, e o presente clientelismo, assistencialismo, fisiologismo e partidarismo corruptível na sociedade. O Estadismo e o Elitismo é máxima de todo esse SISTEMA demagogo, pseudo-democrático, pedante eruditista e pseudo-intelectualista, aonde se predomina a burocracia sistemática e capitalista.
Estamos diante de um sistema completamente corrupto e não só porque vivemos no Capetalismo (Capitalismo), mas porque o mesmo da liberdade aos desejos consumista dos humanos e faz generalização e classicismos segundo os preceitos elitistas, fazendo exclusivismo de pessoas, por mais que se diga que há "igual e democracia", não há.
Veja o Vídeo de uma música a seguir:

Alienação Social Parte VII_"1984" Big Brother_O Pesadelo de George Orwell (Parte I)
The Big Brother
O olho do "BigBrother", o Anticristo (Anti-Messias)
O filme
No livro conta-se a história de Winston, um apagado funcionário do Ministério da Verdade da Oceania e de como ele parte da indiferença perante a sociedade totalitária em que vive, passa à revolta, levado pelo amor por Júlia e incentivado por O'Brien, um membro do Partido Interno com quem Winston simpatiza; e de como acaba por descobrir que a própria revolta é fomentada pelo Partido no poder. E também de como, no Quarto 101, o chamado "pior lugar do mundo", todo homem tem os seus limites.
O "Big Brother_Grande Irmão" sendo reverenciado pelos seus adeptos do Partido IngSoc
A trama se passa na Pista No. 1, o nome da Inglaterra sob o regime totalitário do Grande Irmão (no original, Big Brother) e sua ideologia IngSoc (socialismo inglês), e conta a história de Winston Smith, funcionário do Ministério da Verdade, um órgão que cuida da informação pública do governo. Diariamente, os cidadãos devem parar o trabalho por dois minutos e se dedicar a atacar histericamente o traidor foragido Emmanuel Goldstein e, em seguida, adorar a figura do Grande Irmão. 
 não tem muita memória de sua infância ou dos anos anteriores à mudança política e, ironicamente, trabalha no serviço de 
De fato, Mil Novecentos e Oitenta e Quatro é uma metáfora sobre o poder e as sociedades modernas. George Orwell escreveu-o animado de um sentido de urgência, para avisar os seus contemporâneos e as gerações futuras do perigo que corriam, e lutou desesperadamente contra a morte - sofria de tuberculose - para poder acabá-lo. Ele foi um dos primeiros simpatizantes ocidentais da esquerda que percebeu para onde o stalinismo caminhava e é aí que ele vai buscar a inspiração - lendo Mil Novecentos e Oitenta e Quatro percebe-se que o Grande Irmão é baseado na visão de Orwell sobre os totalitarismos de vária índole que dominavam a Europa e Ásia na época. Stalin, também Hitler e Churchill foram algumas das figuras que inspiraram Orwell a escrever o romance.
Controle do estado 
Estado controlava o pensamento dos cidadãos, entre muitos outros meios, pela manipulação da língua. Os especialistas do Ministério da Verdade criaram a Novilíngua, uma língua ainda em construção, que quando estivesse finalmente completa impediria a expressão de qualquer opinião contrária ao regime. Uma das mais curiosas palavras da Novilíngua é a palavra duplipensar que corresponde a um conceito segundo o qual é possível ao indivíduo conviver simultaneamente com duas crenças diametralmente opostas e aceitar ambas. Os nomes dos Ministérios em 1984 são exemplos do duplipensar. O Ministério da Verdade, ao retificar as notícias, na verdade estava mentindo. Porém, para o Partido, aquela era a verdade. Assim, o conceito de duplipensar é plausível a um cidadão da Oceania.
A Nova Língua
Outra palavra da Novilíngua era Teletela, nome dado a um dispositivo através do qual o Estado vigiava cada cidadão. A Teletela era como que um televisor bidirecional, isto é, que permitia tanto ver quanto ser visto. Nele, o "papel de parede" (ou seja, quando nenhum programa estava sendo exibido) era a figura inanimada do líder máximo, o Grande Irmão.
No livro, Orwell expõe uma teoria da Guerra. Segundo ele, o objectivo da guerra não é vencer o inimigo nem lutar por uma causa. O objetivo da guerra é manter o poder das classes altas, limitando o acesso à educação, à cultura e aos bens materiais das classes baixas. A guerra serve para destruir os bens materiais produzidos pelos pobres e para impedir que eles acumulem cultura e riqueza e se tornem uma ameaça aos poderosos. Assim, um dos lemas do Partido, "guerra é paz", é explicado no livro de Emmanuel Goldstein: "Uma paz verdadeiramente permanente seria o mesmo que a guerra permanente".
  • Winston Smith - protagonista do romance, um homem comum fleumático.
  • Júlia - Amante de Winston, um rebelde "secretas da cintura para baixo", que elogia as doutrinas, é militante do Partido, enquanto vive secretamente em contradição com elas.
  • O'Brien - Um agente do governo que engana Winston e Julia fazendo-os acreditar que ele é um membro da resistência, e convencendo-os a aderir a esta, e depois usa isso contra eles para torturá-los. Ele convence-os de que eles não devem apenas obedecer, mas amar o Big Brother. O'Brien pode ser visto como principal antagonista da novela.
  • Big Brother - Autocrata da Oceânia. Actua de modo semelhante a "Joseph Stalin". Winston Smith aponta que ele nunca foi visto, nem ninguém se lembra de ver o Big Brother, e sugere que ele pode não existir. Declaração de O'Brien que o Big Brother "nunca vai morrer" também contribui para esta teoria, sugerindo que o Big Brother pode ser apenas uma representação simbólica do partido como um todo. Sua imagem está em toda parte, principalmente nos cartazes onipresentes que advertem: "Big Brother is Watching You".
  • Emmanuel Goldstein - Um ex-membro de topo e agora opositor do partido. Actua de modo semelhante a Leon Trotsky. Assim como o Big Brother, Goldstein, se alguma vez foi real, está provavelmente morto, ambos podem ter sido criados para fins de propaganda.
Origem do Big Brother da televisão
reality show Big Brother, desenvolvido pelo holandês John de Mol, é uma referência ao personagem do Grande Irmão de 1984.

história em quadrinhos V de Vingança, posteriormente adaptada ao cinema (também com John Hurt no elenco), de autoria de Alan Moore e desenhada por David Lloyd, tem clara inspiração no romance 1984, uma vez que também trata de uma sociedade distópica na Inglaterra do futuro. Tanto nos quadrinhos quanto no filme, a estética utilizada, bem como alguns aspectos do próprio governo, em muito se assemelham às descrições de Orwell. O personagem "V" apresenta ideais românticos e anárquicos, próximos aos desejos de Winston.

O filme Equilibrium, estrelado por Christian Bale, e passa numa sociedade distópica do futuro, que apresenta algumas semelhanças com aquela retratada por Orwell em 1984.O jogo de computador Half Life 2, apresenta uma série de semelhanças com 1984, uma vez que mostra uma resistência lutando contra o domínio totalitário de uma raça alienígena sobre os humanos, mantidos sob manipulação da informação, controle da fertilidade e outros aspectos presentes também no livro. O autor de ficção científica David Brin costuma dizer que o grande mérito da ficção científica não é prever o futuro, mas pintar um futuro tão horrível que as pessoas vão lutar que ele não aconteça. Neste sentido, 1984 é talvez o livro mais importante do século, porque, a qualquer sinal de tirania, a sociedade lembra do livro e luta para impedi-la.

Alienação Social e orwellianismo da NOM

O pesadelo de Orwell com relação a possibilidade do surgimento de uma sociedade completamente autoritária-totalitária não se realizou no ano de 1984 como teorizado por ele, mas como comentado anteriormente essa obra distópica veio para alertar as pessoas, então talvez Orwell conseguiu atrasar a NOM com o simples fato de alarmar a sociedade com essa possibilidade. Mas a alienação social está retornando, e tudo aquilo que as gerações passadas sabiam e temiam está sendo esquecido e as pessoas não estão mais preocupadas com a possibilidade de surgi um pesadelo orwelliano na atualidade, porque "vivemos em paz", vivendo nossas "vidas normais" as pessoas vivem a sua "liberdade" "democrática" e não tem o que se preocupar...Mas não percebem que esse comodismo, conformismo e esse pseudo-pacifismo está os alienando, os deixando inertes e inconscientes da realidade das coisas. Assistem Big Brother como se fosse algo legal, querendo alcançar a fama e os olhares da câmeras...

As pessoas não estão percebendo, mas 1984 está se tornando realidade. Alias, no ano de 1984 iniciou-se a "liberdade democrática" (demagoga) aqui no Brasil, fim da Ditadura Militar, inicio de uma nova geração, "livre da repressão" e do estado autoritário...Será? Será que o Autoritarismo acabou mesmo? Será que as ideologias estadista-burocrático-fascistas acabaram? Vocês não acham que vivemos um capitalismo muito burocrático-estadista?....
Uma sociedade autoritária-totalitária vigiada e controlada pela 'telecã', ou seja, vigiada e controlada pela Mídia, pelo Partido e pelo Estado. População em massa controlada, falando uma única língua criada por eles mesmo (GOD=DOG=Cão em português, Deus vem do termo Zeus do grego, está nova língua já esta sendo criada), natalidade e mortalidade controlada, tudo controlado e manipulado por eles em favor do "Big Brother"...
O orwellianismo é um sonho para o conspiradores, afinal terão o poder centralizado na mão do 'deus' deles, o Anticristo, e toda a população encurvada diante do conspiracionismo elitista.
Veja o filme:

1984- GEORGE ORWELL - COMPLETO LEGENDADO EM PT (Classificação: +18)

fonte:http://www.midiailluminati.com/2012/07/big-brother-parte-2-o-filme-1984.html#axzz2SAak5Czs
Via: http://www.midiailluminati.com/2012/07/big-brother-parte-2-o-filme-1984.html#ixzz2SAcxxB7Y

Ler também:
Alienação Social Parte I:Ceticismo e Ignorância
Alienação Social Parte II:Fanatismo e Idolatria aos Famosos
O Pesadelo de Orwell (Parte II)

Big brother (Parte 3) livro 1984 de George Orwell: O mundo na visão dos Illuminati


George Orwell, pseudónimo de Eric Arthur Blair, um ensaísta, jornalista e romancista britânico, que nasceu em Motihari em 25 de Junho de 1903 e morreu em Londres, em 21 de Janeiro de 1950, escreveu em 1949, o seu mais famoso romance: 1984. A sua escrita é marcada por descrições concisas de eventos e condições sociais e o desprezo por todos os tipos de autoridade. Além de 1984, a sua obra mais conhecida foi "O Triunfo dos Porcos" ("Animal Farm"), uma critica ao Stalinismo. Ambas as obras, 1984 e Animal Farm foram posteriormente imortalizadas no cinema.

Em 1984George Orwell descreve-nos uma ditadura cientifica, onde o povo é submetido a uma intrusão na sua privacidade, por meio de um aparelho chamado "telecrã" que existia em qualquer residência, controlando todos os movimentos da população. O povo era levado a acreditar num inimigo imaginário, com o qual o seu país estaria constantemente em guerra. O constante clima de medo, levava as pessoas a permitirem o total controlo do estado em todas as circunstâncias das suas vidas.Outro dos conceitos lançados por Orwell neste livro é o de "novílingua", existindo inclusivamente um "Ministério da Novílingua" que se afadigava a dar novas definições às palavras, de acordo com os interesses do estado, eliminando também cada vez mais palavras do léxico, para que o exercício do raciocínio se tornasse cada vez mais limitado.

Na sociedade ficcional criada por George Orwell em 1984, acreditava-se numa entidade misteriosa, que nunca aparecia publicamente, mas que supostamente observava constantemente o povo, através dos "telecrãs". Essa entidade era caracterizada pela propaganda, pelo senso comum e pela crença generalizada como sendo uma espécie de figura paternal daquele país. Era assim sentido pela generalidade da população.

Esse individuo era chamado de "Grande Irmão"(Big Brother), expressão que se tornou bastante popular, e até deu, há relativamente pouco tempo, inspiração para a criação de um programa televisivo que se tornou bastante mediático. Tratou-se de um Reality Show, no qual os participantes estavam confinados a uma casa, repleta de dispositivos semelhantes aos descritos no romance de Orwell, os chamados "telecrãs", sendo que, no programa seriamos nós os "Big Brothers", os "Grandes Irmãos", pois éramos nós quem podia espiar a vida dos participantes.Uma expressão muito proferida no livro é "O Grande Irmão está a observar-te" ("Big Brother is watching you").Aliás, Orwell sobretudo com este romance, enriqueceu-nos com uma série de novas expressões, sendo que a própria expressão "Orweliano" é agora um símbolo universal para qualquer coisa repressiva ou totalitária.1984 é um dos romances mais proeminentes do século XX e é uma leitura altamente recomendável.

Capas do livro:

   
   

Fonte: Killuminati


Via: http://www.midiailluminati.com/2012/08/big-brother-parte-3-livro-1984-de.html#ixzz2YecMdWQ7

O Pesadelo de Orwell (Parte III)
"Grande Irmão está observando você" 

A Polícia do pensamento através das mídias sociais

Resumo: Os princípios de Baha’u’llah aplicados nas mídias sociais estão dando poderes totalitários aos governos. Nunca a polícia do pensamento esteve tão presente em nossas vidas. "Guerra é paz. Liberdade é escravidão. Ignorância é força."
Dois casos de totalitarismo que estão sendo divulgados merecem um pouco mais de reflexão. O primeiro refere-se ao caso de um policial que publicou uma frase que foi considerada ofensiva. Quando observamos o texto abaixo fica claro que a intenção do policial não era ofender as mulheres que trabalham em sua delegacia.

Na primeira frase ele valoriza o trabalho feminino e depois mostra o descontentamento com quase toda a sua equipe. A chefe da polícia civil Martha Rocha entendeu que o delegado feriu um dos princípios do cristo cósmico Baha’u’llah, nessa caso a igualdade entre homens e mulheres. Esse “lindo” princípio na prática promete realmente uma igualdade, mas quando aplicado na ideologia  do movimento feminista se transforma em uma arma de punição. Martha Rocha é feminista convicta, possui tendências comunistas e a base da sua vida está alicerçada na “ternura” de Che Guevara.

A chefe da Polícia Civil do Rio, Martha Rocha, destituiu do cargo o delegado Pedro Paulo Pontes Pinho, da 9ª DP (Catete), que postou críticas a mulheres em seu perfil no Twitter nesta segunda-feira (21). Substituído por Monique Vidal (titular da 12ª DP, de Copacabana), segundo a assessoria de imprensa da polícia, ele se explicou e pediu desculpas pela mesma rede social. (Fonte: ABAMF)

Quando a filosofia Bahá’i é aplicada em um determinado segmento social organizado, ela tende a fazer com que essa minoria conquiste privilégios e poderes semelhantes aos praticados pelo nazismo. Nesse caso, grupos sociais (ativistas gays, feminista e outros) se consideram a classe dominante com o direito de oprimir e punir a classe social inferior (isso recebe o nome de unicidade global). Vamos para um exemplo prático:
No vídeo abaixo temos um ativismo do movimento nazi-feminista onde uma mulher dá um tiro na cabeça de um homem que está lendo jornal. Após a morte do mesmo elas festejam com fogos de artifícios, lambem o sangue da cabeça dele e dançam:

Onde está a política do Google para proibir a circulação dessa declaração de ódio? Esse vídeo é nojento, estúpido e causa repulsa quando alguém vê.  Ora, tal política não existe, pois se isso acontecesse estaria sendo ferido o principio da unicidade descrito aqui.

O que estamos assistindo é o retorno do reinado de Jezabel, mulher de Acabe, na Terra. Ela foi o maior exemplo de ativismo feminista descrito na Bíblia. Acabe era um rei frouxo e ela sempre tomava as decisões por ele.

"Porém ninguém fora como Acabe, que se vendera para fazer o que era mau aos olhos do SENHOR; porque Jezabel, sua mulher, o incitava." (I Reis 21 : 25)

O mesmo se aplica na batalha entre gays x cristãos. Os militantes gays matarão os cristãos no futuro em nome da unicidade por estarem protegidos pelas leis  globais de Baha’u’llah e da ONU.

Agora vamos para um outro caso que aconteceu no Facebook. Em uma sala de aula nos EUA, as crianças estão brincando e resolvem colocar uma fita crepe na boca. A professora acha divertido,  tira a foto e coloca nessa mídia social. Isso foi suficiente para que ela também fosse demitida. Na prática essa professara  desrespeitou o estatuto da criança e do adolescente que transforma os pequeninos em verdadeiros demônios. A notícia é tão bizarra que o jornal G1 publicou em uma página específica de bizarrices.

Essa é a polícia do pensamento, extraída diretamente dos livros de George Orwel, onde as pessoas  fiéis a unicidade (os helicópteros) rastreiam as mídias sociais em busca do delito para enviar ao governo (a policia do pensamento).

"Na distância um helicóptero desceu beirando os telhados, pairou uns momentos como uma varejeira e depois se afastou num vôo em curva. Era a patrulha da policia espiando pelas janelas do povo. Mas as patrulhas não tinham importância. Só importava a policia do pensamento…" (George Orwel – 1984)

- Guerra é paz – Estão matando   em nome da diversidade
- Liberdade é escravidão – Sim! Temos liberdade de escrever, mas desde que esteja de acordo com a unicidade.
- Ignorância é força  – Que a “ternura” do coração de Che Guevara o diga :

"O ódio é um fator de luta; O implacável ódio ao inimigo impulsiona para além das limitações naturais do ser humano e o transforma em uma efetiva, violenta, seletiva e fria máquina de matar. É assim que nossos soldados devem ser; um povo sem ódio não pode aniquilar um inimigo brutal." (Che Guevara)

Fonte: ApocalipseTotal e Guerreiro do Apocalipse

O verdadeiro objetivo do BBB
Sabemos que O Big Brother não é um Reality Show nacional, mas sim internacional. Ele é transmitido aqui no Brasil através da rede de televisão que mais representa os Illuminatis em nossa nação, a Globo. Essa rede de alienação social representa bem essa imposição mundial, que impõe simbolismos satânico-ocultista e aonde se condiciona as massas a aceitarem a serem vigiados por "segurança". Pois essa será a desculpa da Elite para suas farsas, tudo em nome da "Segurança" seja financeira ou social, eles sempre inventam essa desculpa. Como a marca da besta será imposta como forma de segurança para garantir a identificação das pessoas e tornando os meios de trocas mais fácil e 'confiáveis', mas como sempre, tudo não passará de uma farsa. Vejamos a seguir algumas subliminares presente nesses tipo de Reality Show:
O número 11 é muito significante para os ocultistas, por isso no BBB11 as "homenagens" aos Illuminati eram inevitáveis, de tal maneira que os simbolismos nem pode ser chamado exatamente de mensagens subliminares, mas sim de mensagens explicitamente ocultistas, símbolos explícitos.
Uma sociedade vigiada e autoritário-totalitária, é o que os Illuminatis querem impor que aceitemos, um mundo governado pelo 'deus' illuminati, o "olho que tudo vê"(lúcifer). O "Big Brother" o "Grande Irmão" descrito por George Orwell no livro 1984 é o próprio Anti-Messias, ou Anticristo, a Besta.
Umas das simbologias bem claras do BBB referentes aos deuses-demônios dos illuminatis está exatamente nos 'mascotes' do Big Brother, o "Grande Irmão", que é o "olho de tudo vê" é personificado em vários "aliens-robôs" do BBB. Lembrando que alienígenas são demônios, e a ideia de robôs trás o ideal tecno-transumanista dos Illuminati à nós. Eles querem impor a sociedade, em nossas mentes, de forma banal, as suas crenças, ritos e símbolos de forma subliminar. Criando assim a sociedade perfeita para receber o "Grande Irmão"...


O Pesadelo de Orwell (Parte IV) Livro de Bruno Campanella: "Os Olhos do Grande Irmão"
Amado por alguns e odiado por outros, o formato de reality show Big Brother é um dos fenômenos culturais mais debatidos da última década. No Brasil, o BBB foi responsável pela criação espontânea de uma comunidade de fãs, composta por blogs e fóruns, dedicada à discussão tanto do dia a dia dos confinados quanto da própria transmissão do programa nas suas múltiplas plataformas. A partir da etnografia midiática dessa comunidade on-line, o autor busca entender como o cotidiano dos participantes do Big Brother nacional repercute em uma audiência produtora de um espaço social rico em hierarquias e disputas por capital subcultural. “Os Olhos do Grande Irmão” oferece uma valiosa amostra dos processos de articulação entre a sociedade e os produtos culturais do ambiente midiático contemporâneo. 
Capa do livro "Os Olhos do Grande Irmão - Uma etnografia dos fãs do Big Brother Brasil", resultado da tese de doutorado de Bruno Campanella (foto)
Capa do livro "Os Olhos do Grande Irmão - Uma etnografia dos fãs do Big Brother Brasil", resultado da tese de doutorado de Bruno Campanella (foto)
[O] Big Brother tem uma coisa da observação da 
sociedade. O Big Brother replica... É como se você 
pegasse a nossa realidade, pegasse a sociedade, tirasse 
uma fatia, cortasse um pedacinho, né?... e botasse ali 
para observar. Igual uma lâmina de laboratório: você 
passa, tira um pedaço de tecido e bota lá para ficar 
observando.
"O reality show Big Brother estreou na televisão brasileira 
em janeiro de 2002. Devido ao grande sucesso comercial do programa junto à audiência nacional, a Rede Globo, detentora dos 
seus direitos no Brasil, lançou uma segunda edição em meados 
daquele mesmo ano. Foi exatamente nesse período, quando 
eu estava fazendo mestrado em Londres, que descobri o Big 
Brother, porém em sua versão britânica. Embora já conhecesse 
o formato por meio de comentários de amigos e da imprensa 
em geral, foi assistindo ao BB3 UK, como era popularmente 
conhecido, que experimentei, de fato, o reality show. Durante 
quase três meses, acompanhei o dia a dia de um grupo de confinados britânicos em suas conversas, brincadeiras, intrigas e 
relacionamentos amorosos. Mais do que isso, segui a repercussão gerada por esses acontecimentos nas revistas e jornais, 
especialmente os tabloides. Mesmo já morando na Inglaterra há 
aproximadamente um ano, fui surpreendido pela quantidade de 
informações novas relativas aos modos de pensar da sociedade 

britânica, às maneiras como as diferenças de classe e etnia se materializavam nas práticas cotidianas do indivíduo (e como 
elas repercutiam na mídia), às formas com que as sexualidades 
diversas manifestadas no confinamento eram interpretadas pela 
audiência, entre outras.
A participação de Jade Goody naquela edição do BB 
UK foi particularmente informativa nesse sentido. Proveniente 
de um contexto familiar problemático – filha de uma mãe 
dependente de heroína e deficiente física (devido a um acidente de moto) e de um pai com diversas prisões por furto e porte 
de drogas (ele estava cumprindo pena quando Jade entrou no 
BB) –, a enfermeira dentária do bairro londrino de Bermondsey 
foi considerada “inimiga pública número um” do país após 
poucas semanas de confinamento. Jade, apelidada pelo tabloide 
The Sun de pig (porca) devido ao seu porte avantajado, lábios 
carnudos e nariz largo, herança de seu avô paterno negro de 
origem caribenha, foi vítima de uma campanha hostil desferida 
por vários meios de comunicação. Além da aparência, esses 
tabloides ironizavam seu comportamento rude junto aos companheiros de BB, sua ignorância em relação a conhecimentos 
básicos de história e geografia geral, seu forte sotaque cockney (associado às classes operárias de Londres) e o fato de ela ter 
mantido relação sexual com um outro confinado, conhecido 
como PJ, ao final de uma noite em que ambos consumiram 
grande quantidade de álcool. A campanha contra Jade culminou com uma manchete na primeira página no The Sun, onde 
se lia “Expulsem a porca”, em que o tabloide afirmava que Jade 
“é uma influência destrutiva na casa e a prova condenatória do 
sistema educacional britânico”.
As discussões envolvendo a participação de Jade Goody 
no BB3 UK expuseram inúmeras tensões dentro daquela sociedade que, até o momento, eram invisíveis para mim. Talvez 
ainda mais surpreendente tenha sido a reviravolta dada pelos 
meios de comunicação após a não eliminação de Goody em seu 
primeiro “paredão”. Ao perceber que a participante ganhava 
simpatia da população, a despeito de ter sido impiedosamente 
ridicularizada em inúmeras manchetes, a imprensa popular iniciou um processo de meia culpa em que reconhecia o papel das 
dificuldades socioeconômicas na formação da personalidade ríspida da confinada, assim como também assumia o caráter racista 
e preconceituoso de inúmeros comentários direcionados a Jade. As discussões suscitadas pelo BB3 UK envolvendo os 
mais diversos aspectos da cultura britânica me incitaram (após 
meu retorno ao Brasil) a realizar um estudo aprofundado do 
caso brasileiro, país em que aproximadamente 40% dos domicílios com televisão acompanham o resumo diário do Big 
Brother exibido pela Rede Globo. Embora não exista uma 
cultura de jornais tabloides consolidada como no Reino Unido, 
a repercussão do reality show na sociedade brasileira não é 
menor. Ao contrário, o país é responsável por um fenômeno 
aparentemente singular no mundo: o do aparecimento espontâneo de uma comunidade on-line de grandes proporções de fãs 
desse programa.
Criada em 2003 pelos blogueiros Tors e Dona Lupa
com o intuito de debater o Big Brother Brasil (BBB), a comunidade de fãs cresceu substancialmente ao longo dos anos, 
transformando-se em um espaço no qual inúmeros segmentos 
da sociedade brasileira interagem. Entre seus frequentadores – 
sejam eles visitantes esporádicos ou ativos blogueiros e comentaristas – é possível encontrar, por exemplo, acadêmicos, profissionais liberais, funcionários públicos, jovens estudantes, donas 
de casa, desempregados e executivos de empresas. Na net o
BBB, conforme ficou conhecida entre os seus membros pioneiros, era composta, no início de 2008, por aproximadamente
vinte e cinco blogs e um fórum. O Tevescópio, um dos mais 
influentes blogs desse espaço social, recebeu uma média diária 
de 6 mil comentários, enquanto que o blog De Cara Pra Lua
registrou recorde de 12 mil comentários em um só dia durante 
o período de exibição do BBB daquele ano. A própria Rede 
Globo, percebendo a importância dessa iniciativa, tentou – sem 
sucesso, porém – negociar a incorporação de alguns dos blogs 
com maior visitação da comunidade ao portal oficial do Big 
Brother Brasil (Campanella, 2009a).
Tendo em vista tanto o ineditismo quanto a relevância 
do fenômeno descrito acima, este trabalho tem por objetivo 
central analisar como se dão as articulações entre uma parcela da audiência nacional, os participantes da NetBBB e o reality 
show Big Brother Brasil (BBB), um dos conteúdos televisivos 
de maior impacto junto ao público dos últimos anos. Mais especificamente, deseja-se responder às seguintes perguntas: Quais 
são as principais motivações que levam os fãs do programa a 
participarem ativamente dos debates envolvendo o cotidiano 
dos confinados? Quais critérios são utilizados para avaliar a 
atuação dos postulantes ao prêmio final do BBB? Até que ponto 
categorias sociais presentes na sociedade brasileira (tais como: 
classe social, raça, gênero e identidade regional) interferem 
nas leituras feitas do Big Brother Brasil? Como as condições 
criadas pelo ambiente de confinamento do reality show podem 
ser relacionadas às narrativas contemporâneas que privilegiam a 
autenticidade e a autossuperação do indivíduo? De que maneira 
os diferentes pontos de vista em relação ao programa moldam 
dinâmicas e criam tensões dentro da comunidade de fãs e sociedade?"
O Pesadelo de Orwell (Parte V) Cordel de Antonio Barreto: "Big Brother Brasil, Um Programa Imbecil"
Big Brother Brasil Um Programa imbecil
Autor: Antonio Barreto, Cordelista natural de Santa Bárbara-BA, residente em Salvador.
Curtir o Pedro Bial
E sentir tanta alegria
É sinal de que você
O mau-gosto aprecia
Dá valor ao que é banal
É preguiçoso mental
E adora baixaria.

Há muito tempo não vejo
Um programa tão ‘fuleiro’
Produzido pela Globo
Visando Ibope e dinheiro
Que além de alienar
Vai por certo atrofiar
A mente do brasileiro.

Me refiro ao brasileiro
Que está em formação
E precisa evoluir
Através da Educação
Mas se torna um refém
Iletrado, ‘zé-ninguém’
Um escravo da ilusão.

Em frente à televisão
Longe da realidade
Onde a bobagem fervilha
Não sabendo essa gente
Desprovida e inocente
Desta enorme ‘armadilha’.

Cuidado, Pedro Bial
Chega de esculhambação
Respeite o trabalhador
Dessa sofrida Nação
Deixe de chamar de heróis
Essas girls e esses boys
Que têm cara de bundão.

O seu pai e a sua mãe,
Querido Pedro Bial,
São verdadeiros heróis
E merecem nosso aval
Pois tiveram que lutar
Pra manter e te educar
Com esforço especial.

Muitos já se sentem mal
Com seu discurso vazio.
Pessoas inteligentes
Se enchem de calafrio
Porque quando você fala
A sua palavra é bala
A ferir o nosso brio.

Um país como Brasil
Carente de educação
Precisa de gente grande
Para dar boa lição
Mas você na rede Globo
Faz esse papel de bobo
Enganando a Nação.

Respeite, Pedro Bienal
Nosso povo brasileiro
Que acorda de madrugada
E trabalha o dia inteiro
Da muito duro, anda rouco
Paga impostos, ganha pouco:
Povo HERÓI, povo guerreiro.

Enquanto a sociedade
Neste momento atual
Se preocupa com a crise
Econômica e social

Você precisa entender
Que queremos aprender
Algo sério – não banal.

Esse programa da Globo
Vem nos mostrar sem engano
Que tudo que ali ocorre
Parece um zoológico humano
Onde impera a esperteza
A malandragem, a baixeza:
Um cenário sub-humano.

A moral e a inteligência
Não são mais valorizadas.
Os “heróis” protagonizam
Um mundo de palhaçadas
Sem critério e sem ética
Em que vaidade e estética
São muito mais que louvadas.

Não se vê força poética
Nem projeto educativo.
Um mar de vulgaridade
Já tornou-se imperativo.
O que se vê realmente
É um programa deprimente
Sem nenhum objetivo.

Talvez haja objetivo
“professor”, Pedro Bial
O que vocês tão querendo
É injetar o banal
Deseducando o Brasil
Nesse Big Brother vil
De lavagem cerebral.

Isso é um desserviço
Mal exemplo à juventude
Que precisa de esperança
Educação e atitude
Porém a mediocridade
Unida à banalidade
Faz com que ninguém estude.

É grande o constrangimento
De pessoas confinadas
Num espaço luxuoso
Curtindo todas baladas:
Corpos “belos” na piscina
A gastar adrenalina:
Nesse mar de palhaçadas.

Se a intenção da Globo
É de nos “emburrecer”
Deixando o povo demente
Refém do seu poder:
Pois saiba que a exceção
(Amantes da educação)
Vai contestar a valer.

A você, Pedro Bial
Um mercador da ilusão
Junto a poderosa Globo
Que conduz nossa Nação
Eu lhe peço esse favor:
Reflita no seu labor
E escute seu coração.

E vocês caros irmãos
Que estão nessa cegueira
Não façam mais ligações
Apoiando essa besteira.
Não deem sua grana à Globo
Isso é papel de bobo:
Fujam dessa baboseira.

E quando chegar ao fim
Desse Big Brother vil
Que em nada contribui
Para o povo varonil
Ninguém vai sentir saudade:
Quem lucra é a sociedade
Do nosso querido Brasil.

E saiba, caro leitor
Que nós somos os culpados

Porque sai do nosso bolso
Esses milhões desejados
Que são ligações diárias
Bastante desnecessárias
Pra esses desocupados.

A loja do BBB
Vendendo só porcaria
Enganando muita gente
Que logo se contagia
Com tanta futilidade
Um mar de vulgaridade
Que nunca terá valia.

Chega de vulgaridade
E apelo sexual.
Não somos só futebol,
baixaria e carnaval.
Queremos Educação
E também evolução
No mundo espiritual.

Cadê a cidadania
Dos nossos educadores
Dos alunos, dos políticos
Poetas, trabalhadores?
Seremos sempre enganados
e vamos ficar calados
diante de enganadores?

Barreto termina assim
Alertando ao Bial:
Reveja logo esse equívoco
Reaja à força do mal.
Eleve o seu coração
Tomando uma decisão
Ou então: siga, animal.

Pesadelo de Orwell (Parte VI) ALIENAÇÃO SOCIAL: Ignorância da Lucro
Como funciona o Esquema BBB:
se alguém sentir-se ofendido não me culpe essa é a verdade do SISTEMA:
35.000.000 Milhões de ligações do povo brasileiro votando em algum candidato para ser eliminado.

Vamos colocar o preço da ligação a R$ 0,30 (trinta centavos) e só.
Então, teremos... R$ 8.700.000,00 !!!
Oito milhões e setecentos mil reais, que o povo brasileiro gastou (e gasta) em cada paredão !

Suponhamos que a Rede Globo tenha feito um contrato “50% por 50%” com uma operadora de telefonia, ou seja, ela embolsou R$ 4.350.000,00  SOMENTE EM UM ÚNICO PAREDÃO !

Alguém poderia ficar indignado com a Rede Globo e a operadora de telefonia ao saber que as classes menos letradas e abastadas da sociedade, que ganham mal e trabalham o ano inteiro, ajudam a pagar o prêmio do vencedor e, claro, as contas dessas empresas.

Mas o "x" da questão, não é esse. É saber que paga-se para obter um entretenimento vazio, que em nada colabora para a formação e o conhecimento de quem dela desfruta; mostra só a ignorância da população, além da falta de cultura e até vocabulário básico dos participantes e, consequentemente, daqueles que só bebem nessa fonte.

Certa está a Rede Globo. O programa BBB dura cerca de 3 (três) meses, ou seja, o “sábio público” tem ainda várias chances de gastar quanto dinheiro quiser com as votações.

Aliás, algo muito natural, para quem gasta mais de R$ 8.000.000,00 em apenas uma noite !
Coisa de país rico como o nosso, claro!

Nem a UNICEF (órgão das Nações Unidas para a infância), quando faz o programa Criança Esperança, com um forte apelo social, arrecada tanto dinheiro...

Vai ver, deveriam bolar um "BBB Unicef". Mas, tenho dúvidas se daria audiência. Prova disso, é que na Inglaterra, pensou-se em fazer um BBB só com gente inteligente. O projeto morreu na fase inicial,de testes de audiência.

Qual o motivo do fracasso?
O nível das conversas diárias foi considerado muito alto, ou seja, o público não se interessaria.

Programas como BBB existem no mundo inteiro, mas explodiram em audiência em países de 3º mundo. Um país como o nosso, onde o cidadão vota para eliminar um bobão ou uma idiota qualquer... mas não se lembra em quem votou na última eleição.

Estejam certos de uma coisa: os ILETRADOS e os APRENDIZES, vítimas da falência da cultura, da educação e da família, terão dezenas de horas de puro deleite de como ser falso, mentiroso, infiel, hipócrita, leviano, canalha, com todos os derivativos da falta de ética e imoralidade estando à mostra. 

Mas o contribuinte não deve ligar mesmo, ele tem condições financeiras de juntar R$ 8 milhões em uma única noite para se divertir (?),ao invés de comprar um livro de literatura, filosofia ou de qualquer entretenimento televisivo relevante para melhorar a sua articulação, a sua autocrítica e a sua consciência...

A Rede Globo sabe muito bem disso, o Gugu e o Faustão também; Os Cantores e Produtores das Bandas de Brega, de Pagode, das Músicas Baianas, também sabem disso: Ignorância dá Lucro.

Não é maldade nem desabafo.

É constatação mesmo!
Pesadelo de Orwell (Parte VII)
O Objetivo maior do BBB é condicionar as massa a aceitar a Vigilância constante do Estado sobre a população, que, através da Mídia, são manipulados a aceitar a submissão a subversão, aceitando o erro, o controle, a falta de liberdade e a manipulação das massas ao iníquo.
Internet Washington vigia o mundo, é claro. E isso só é possível por permitirmos há tempos que os gigantes da internet façam o mesmo
"Google cede aos defensores da privacidade: o Google Glass não terá capacidade de ler mentes nem suporte a drones", tuitou ironicamente Evgeny Morozov, pesquisador e crítico dos efeitos sociais da tecnologia, em 4 de junho. O contexto era o debate sobre o uso nesse aparelho de aplicativos de reconhecimento facial, a partir dos quais se poderia infernizar a vida de qualquer ser humano capaz de despertar a curiosidade alheia. Bastaria olhar para alguém e o aparelho o identificaria, cruzaria informações e localizaria o alvo nas redes sociais, noticiários e bancos de dados públicos, no mínimo. Se o usuário tiver vocação para paparazzo e algum talento de hacker, poderá descobrir seus hábitos de consumo, onde esteve em cada hora do dia, com quem se comunicou, que páginas visitou na internet, que arquivos guarda na "nuvem" e talvez acessar sua ficha médica e conta bancária. A empresa prometeu não permitir esse tipo de aplicativo, mas poucos creem que será capaz de cumprir a palavra.
Pode-se até tomar a frase no sentido literal sem exagerar A leitura de mentes por ressonância magnética está em uso experimental para facilitar a comunicação de pacientes paralíticos. A IBM garante que até 2017 bastará pensar para mover um cursor na tela ou fazer uma chamada telefônica. Os drones logo serão tão comuns que será possível usá-los para bisbilhotar o próximo (ou pior) sem chamar atenção. Uma conhecida cadeia de pizzarias já os experimenta para fazer entregas em Londres. A dúvida é se tais acréscimos fariam mesmo muita diferença. Bastam as informações que cada um de nós, conscientemente ou não, compartilha pela internet para descobrir nossas preferências, hábitos e opiniões. É disso, é claro, que vivem empresas como o Google e o Facebook. Oferecem-nos serviços aparentemente gratuitos, mas em troca nos vendem e nos direcionam a seus clientes pagantes.
Graças à inconfidência de Edward Snowden e à reportagem de Gleim Greenwald no jornal britânico The Guardian, temos agora a evidência do monitoramento da telefonia e internet pelo sistema PRISM da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos, com a colaboração desses e de outros gigantes da informática.Embora tenha sido uma ordem secreta, emitida por um tribunal secreto, não é uma revelação inesperada. Assim como os vazamentos do WikiLeaks sobre a diplomacia e espionagem dos Estados Unidos, apenas confirma o que qualquer observador bem informado sabia. Sua utilidade é suspender o silêncio forçado ou cúmplice da mídia e obrigar a discussão pública do tema. Mas é importante não perder de vista que a Casa Branca exigir e obter acesso a esses dados é quase um detalhe. Seria ridículo supor que essa informarão é inofensiva nas mãos de monopólios privados e perigosa só nas do governo.
[Imagem: nwo-cards-nsa.png]
Jogo Illuminati que revela o plano de Monitoramento Novaordeano (NOM)
Considere-se o primeiro uso desse controle da informação, pelas próprias empresas de internet. Os primeiros links obtidos na lista de um buscador como o Google ou o Bing determinam, na prática, o que o usuário médio fica sabendo sobre um assunto ou a qual empresa recorrerá para obter um produto ou serviço. Poucos percorrerão as centenas de páginas que poderiam ser pesquisadas? Hoje, dois indivíduos que usam um mesmo buscador ao mesmo tempo encontram duas listas diferentes de links, pois o histórico de cada usuário foi processado por um algoritmo secreto. A popularidade geral do site é um dos critérios, mas as preferências reveladas pelo usuário na internet pesam.
Um dos resultados é fechar cada um em sua própria bolha. Conforme disse a um blog de tecnologia o diretor do Google Maps, em entrevista de fevereiro: "Se você e eu olhamos um mapa, ele deve sempre ser o mesmo para eu e você? Não estou certo disso, pois eu vou a lugares diferentes". O Google objetiva determinar não só a visão do espaço virtual, como também a do físico, dando preferência a lugares frequentados por amigos de redes sociais, mencionados em e-mails ou procurados no buscador. Lugares que nossos contatos não conhecem serão cada vez mais difíceis de encontrar, como, de modo geral, tudo que contrarie nossos próprios hábitos e crenças. Um conservador não verá opiniões de esquerda, um fã de rap não ouvirá falar de jazz, um frequentador de restaurantes italianos não saberá da existência de bistrôs e vice-versa. A menos, é claro, que o partido de esquerda, o artista de jazz ou o dono do bistrô paguem por publicidade para ser encontrados, vistos e ouvidos.
O mesmo acontece nas redes sociais. Antes, ao se seguir alguém no Facebook, tinha-se acesso a tudo o que era postado. Agora a rede social mostra ou esconde postagens segundo seus próprios critérios. "Olhamos para diversos fatores para decidir qual vai ser a história mais interessante para cada pessoa, depois de anos monitorando cuidadosamente como cada pessoa interage", esclareceu a empresa em nota ao New York Times. A menos, mais uma vez, que o usuário pague para que suas postagens sejam vistas. Tornou-se inútil para uma celebridade como Paulo Coelho, por exemplo, ter 8,9 milhões de seguidores no Facebook. Se quiser que o leiam, tem de pagar cerca de 10 mil dólares por postagem, queixou-se. No Twitter, é claro.
Isso para não se falar de censura pura e simples. Ao mesmo tempo que as redes se promovem como espaços públicos e pretendem monopolizar a experiência da internet - é objetivo declarado do Facebook, por exemplo, que os usuários façam todas as suas comunicações, consultas e negócios dentro da rede social querem impor suas regras por critérios privados. Essa mesma rede proíbe fotos de seminudez aceitáveis a jornais e revistas de grande circulação - mães amamentando, protestos do Femen, nus artísticos – enquanto ignora protestos contra obscenas imagens de violência que promovem o ódio a mulheres e minorias. Bloqueia eventos em prol da Palestina ou do WikiLeaks e dá livre expressão à ultradireita. Censurou uma leve alfinetada do perfil humorístico "Dilma Rolada" a Aécio Neves a respeito de um processo por desvio de verbas da Saúde em Minas Gerais, apesar de permitir milhares de mensagens brutalmente agressivas a outros políticos. Para depois voltar atrás, ante a repercussão na mídia tradicional, é verdade. Ser óbvio demais pode matar a galinha dos ovos de ouro. O Altavista foi o buscador mais popular em tempos mais ingênuos e de tecnologias mais grosseiras, nos meados dos anos 1990. Condenou-se ao limbo ao sobrecarregar a página de publicidade a ponto de tornar o resultado da busca quase invisível.
Em tese, tudo visa o engajamento e o conforto do usuário e a aceleração das buscas, mas seria ingênuo supor que a empresa não manipula seus algoritmos de acordo com seus interesses econômicos e políticos, ou os de quem paga por seus serviços. Ou de quem tem poder para lhe criar problemas legais ou outros. Sutilezas à parte, pode-se contar com uma lógica conservadora. Como nota Morozov, na medida em que organizar e vender informação é a alma do negócio, um buscador ou rede social precisa convencer os anunciantes de que é capaz de predizer aonde seus usuários vão, o que compram e onde clicam. Para isso, é preciso torná-los cada vez mais previsíveis, limitar artificialmente suas escolhas e convencê-los a ir aonde pessoas parecidas ou relacionadas já vão. E até a encontrar sempre empresas semelhantes: companhias aéreas como a KLM oferecem aos passageiros a opção de consultar os perfis uns dos outros e escolher ao lado de quem sentar, sem o risco de confrontar alguém de interesses, profissão ou raça diferentes.
É exatamente a lógica por trás do sistema PRISM: não se trata, por ora, de monitorar conteúdos, mas de estabelecer padrões estatísticos de uso da internet a partir dos quais se possam detectar comportamentos desviantes que sugiram supostas ameaças à segurança nacional, de eventuais conspirações terroristas a articulação de protestos, atividade hacker e vazamentos de informação.
A espontaneidade é tão ameaçadora para o Vale do Silício quanto para a Casa Branca.
O ideal é transformar o mundo digital no análogo da série de condomínios fechados californianos nos quais vivem os engenheiros da Apple ou da Google, localizáveis a qualquer hora do dia ou da noite e calculáveis em seus interesses e lazeres. A substituição dos computadores pessoais por tablets é parte do processo de evitar que o usuario digite e explore a internet por sua conta e dependa de aplicativos predefinidos. Outro é impedir que um software ou hardware seja usado por alguém que não o usuário cadastrado e identificado. Com o novo console Xbox One, a Microsoft proibirá o empréstimo de jogos a amigos e tolerará que sejam vendidos ou trocados só uma vez. O console exige conectar-se à internet ao menos uma vez a cada 24 horas, para a empresa verificar se o jogador adquiriu novos jogos e bloquear os usados. A Google fará algo semelhante com o Google Glass.
Dependeremos cada vez mais da "computação em nuvem" sistema pelo qual usuários deixam de confiar em suas máquinas e recorrem a serviços da rede para gravar arquivos ou usar softwares. Deixa-se de correr o risco de perder arquivos por u ma súbita falha do disco rígido para se sofrer com dificuldades de conexão com a internet, mas isso é o de menos. O arquivo, subdividido e copiado em inúmeros bancos de dados da rede, foge do controle do usuário. Pode ser acessado por quem o fornecedor do serviço repassar as senhas e eventualmente ser sujeito a espionagem ou censura. Mesmo que o usuário queira apagá-lo, não há garantia de que a empresa não vai manter uma cópia. Não é mera especulação, é objetivo declarado da NSA incluir no PRISM o Dropbox, sistema de armazenamento de arquivos online. A licença de uso dessa e de outras companhias do gênero previne o usuário. Os arquivos a ela confiados podem ser revelados a terceiros em caso de "solicitação legal compulsória", ou seja, de uma mensagem de um agente do FBI que alegue motivos para investigá-los.
E preciso preocupar-se não só com o governo. Snowden, o delator da espionagem da Casa Branca, trabalhou para a CIA até 2009 como especialista em segurança, mas não obteve os documentos sobre o sistema nessa época. Seu acesso deu-se ao trabalhar para a consultoria Booz Allen Hamilton, que prestava serviços à NSA. E apenas uma das 1.930 empresas privadas contratadas por programas relacionados a contraterrorismo, segurança nacional e inteligência. Resistirão todas às tentação de usar seus serviços e conluios na área para descobrir segredos da concorrência?
E mais: alguém é ingenuo o suficiente para acreditar piamente que o governo dos EUA usara o poder de acessar qualquer arquivo, mensagem ou troca de ideias só para combater o terrorismo e não para promover seus interesses estratégicos e comerciais no mundo, ou mesmo das empresas privadas mais importantes ou com mais acesso a altos funcionários? Ao vazarem as informaçues sobre o PRISM, a Comissão Europeia pediu esclarecimentos. Sua preocupação, claro, não é com a bisbilhotice de assuntos pessoais dos cidadãos comuns, e sim, dos negócios e segredos de suas empresas privadas, que poderiam ser explorados de forma desleal (se já não o são) pelos Estados Unidos. Retrospectivamente, é preciso dar razão a países que, como a China e o Irã, procuram cercar-se com equivalentes digitais da Grande Muralha e fazer seus cidadãos usarem sistemas nacionais alternativos. O Baidu em vez do Google, o Weibo no lugar do Twitter, o Beidou em vez do GPS, por exemplo. Qualquer nação disposta a concorrer a sério com os EUA terá de considerar fazer o mesmo. nibir o acesso de seus cidadãos a certas informações pode ser um dos objetivos, mas dificultar tanto a espionagem quanto a sabotagem vinda de fora, como o uso do vírus Stuxnet contra o programa nuclear do Irã, desde 2010, é estrategicamente ainda mais importante.
A consideração dos aspectos econômicos e estratégicos internacionais mais concretos não deve deixar de lado a possibilidade menos imediata, mas real, do seu uso para a vigilância cerrada e autoritária dos cidadãos comuns. Segundo a Amazon, as vendas do romance 1984 saltaram 7.000% após a revelação do sistema PRISM, em comparação com o qual as técnicas do Grande Irmão de George Orwell parecem desajeitadas e amadoras (quadro à página 25). Não é mera paranóia. Como observou Daniel Ellsberg, o responsável pelo vazamento dos Papéis do Pentágono, em 1971, isso não significa, por si mesmo, um Estado policial, mas a infraestrutura eletrônica e legislativa para instalá-lo já está no lugar. Basta um pretexto adequado - uma guerra ou outro grande atentado, exemplifica - para autorizar os próximos passos.
Ninguém ficou mais perplexo com a revelação do PRISM que o conhecido artista e dissidente chinês Ai Weiwei. "Os EUA estão se portando como a China", intitula-se seu artigo em The Guardian, no qual explica aos ocidentais como é viver em um país onde o Estado tem fácil acesso a conversas, contas bancárias c interações sociais e pode saber exatamente o que faz e pensa qualquer cidadão por quem se interessar. "Quando pessoas tem medo e sentem que tudo está exposto ao governo, censuram o próprio livre pensamento. Isso é perigoso para o desenvolvimento humano. Na União Soviética antes, na China hoje e mesmo nos EUA, funcionários sempre pensam que o que fazem é necessário e acreditam firmemente que o que fazem é o melhor para o Estado e o povo, Mas a lição que se aprende da História é a necessidade de limitar o poder do Estado. Não há garantia de que a China, os EUA ou qualquer outro governo não usarão a informação falsa ou erradamente. Um país tecnicamente avançado como os EUA não devia tirar vantagem de seu poder, que encoraja outras nações."
Parece haver, porém, pouca oposição. Antes mesmo de a Casa Branca falar cm ex tradição e prisão de Snowden, estas eram exigidas pelo presidente republicano da Câmara, John Boehner, e pelo líder da oposição no Congresso, Eric Cantor. Segundo pesquisa de opinião posterior à revelação, 62% dos cidadãos apoiam o sistema de vigilância nos termos em que lhe dizem es-tar funcionando hoje e 45% acham que devia ser ainda mais estrito. Snowden, assim como Julian Assange e Bradley Manning, está para se tornar outro "inimigo público", como o Emmanuel Goldstein a quem a mídia de Oceania, no romance de Orwell, consagrava o "minuto de ódio" de insultos diários do qual todo cidadão patriota devia participar.
A disposição é suprapartidária e compartilhada por boa parte da sociedade civil, dos tabloides que exigem maior vigilância dos cidadãos em nome da missão impossível de prever quando um desequilibrado explodirá uma panela de pressão a um Mark Zuckerberg, que defende que "a privacidade está obsoleta" e "mais visibilidade nos transforma ein pessoas melhores" Jeremy Bentham, o criador do Panopticon estudado por Michel Foucault, era da mesma opinião. É a ideologia tecnocrática de se esperar da cultura do Vale do Silício, que abomina os processos de disputa democrática e se julga capacitada a ditar soluções de engenharia de software a lodosos problemas humanos.
Assim como o uso de drones, a vigilância da internet começou no governo neoconservador de Bush júnior, mas Obama não só recorreu aos mesmos mesmos mecanismos como os desenvolveu com surpreendente rapidez e entusiasmo, talvez mais do que o teriam feito John McCain ou Mitt Romney. Não deveríamos ficar surpresos. Foi o mesmo gosto pela tecnologia que permitiu ao democrata inovar em propaganda, organização de campanha e arrecadação e vencer em 2008. Mas cabe sempre lembrar: se é necessário se preocupar com o poder do governo sobre as empresas de informática, ó preciso ter ainda mais cautela com o vice-versa. Não será de graça que elas oferecerão esses meios ao governo e uma Casa Branca a serviço do Vale do Silício não é em nada melhor do que uma dominada por Wall Street ou pela indústria do petróleo.
O Pesadelo de Orwell (Parte IX)
Um dos grandes clássicos distópicos de George Orwell é 1984, livro no qual conta a história de um homem preso nas engrenagens de uma sociedade totalitária.
O Pesadelo de Orwell (Parte X) Vigilância e Manipulação
George Orwell tentou retratar o futuro da real condição humana de seu tempo, pois observando como ele foi traído e iludido pelas utopias hediondas dos comunistas e socialismo stalinista, ele percebeu que tudo não passava de uma farsa, uma mera ilusão. Perdendo sua visão utópica de mundo era natural que escrevesse um livro distópico como 1984. O pesadelo de Orwell é um sonho para os illuminatis.
Os conspiradores adotaram as ideias orwellianas de um mundo autoritário-totalitário, agora tentam condicionar as pessoas a aceitar a vigilância, o controle constante através de câmeras de "segurança", através do poder estatal e através da mídia e meios de comunicações como algo bom. Mas não é bom, pois para garantimos essa "segurança" é necessário sacrificarmos nossa liberdade.
Em 1984 o sonho illuminati ainda não tinha se realizado, afinal o livro de Orwell pode ter contribuído para atrasar a NOM, porém esse pensamento e ideal conspiratório foi complexificado, em 1989 caiu os muros de Berlim representando o fim do Socialismo e inicio da Globalização na déc.90 e anúncio da NOM por George W. Bush com medidas neoliberais e "antiterroristas" (depois dos 'ataques terroristas' houve medidas de 'segurança' muito burocráticas, controladores e preconceituosas).
A dependência das pessoas ao Estado os trará a sua própria destruição, pois o pretexto de segurança não é válido, eles só querem nos prender ao SISTEMA através e por meio do medo de lutarem pela liberdade. O poder é imaginário, todos seres humanos são iguais, porém o Sistema quer que venhamos a dar valor a papeis inúteis e a obedecer regras estúpidas e burocrática e que nunca resolverão nada, apenas criaram mais e mais problemas...Eles estão nos condicionando a sermos submisso as subversão, aceitando portando o que é errado e negando a Verdade.
Atualmente o BBB vem trazendo uma concepção muito receptiva dessa vigilância constante, como algo bom, que traz fama e entretenimento, também uma maneira hedionda de manipular e condicionar as massas a aceitarem essa "segurança" estadista. Porém os conspiracionistas-maçônico-illuminatis não se limitam a burocracia estatal e nem a manipulação midiático-televisiva, eles tem amplo poder de influência através dos demais meios de comunicação como as redes sociais na internet.
Falando em Internet, recentemente e atualmente podemos ver esse pesadelo orwelliano se tornando cada vez mais real. A Internet é um meio de comunicação livre, é até mesmo de origem libertária, porém atualmente a rede está se rendendo ao mercado capitalista se tornando cada vez mais burocrática e controladora, também tentam manipular e influenciar-nos a aceitarmos a invasão de privacidade e aceitarmos isso de forma receptiva com a ilusão de que seja algo bom, mas alguns tentam nos alertar sobre o assunto e são perseguidos e nem damos tanta atenção assim aos avisos, ignorando e aceitando cada vez mais a alienação e a manipulação da Mídia sobre nossa mentes...Veja:
No vídeo eles tratam o símbolo de forma irônica para poder banalizar o assunto, assim como eles sempre fazem na mídia através de filmes e meios de comunicações tentando inferiorizar a validade dos fatos relacionados a Conspiração, chamando de "teorias" da conspiração como forma de zombaria, porém são mais que teorias, existem fatos também. Aqui podemos ver mais um fato, que eles tentam ridicularizar, tentando banalizar o fato de que estamos sendo MONITORADOS! E não deveríamos estar aceitando isso. Deve existir uma alternativa melhor do que o SISTEMA (Como a Autarquia), não podemos aceitar que esses satanistas-maçônicos-illuminatis nos controle.
 
O Caso Snowden:
O Governo norte-americano está através do NSA e do PRISM espionando a sociedade por meios de comunicações, redes sociais, etc...Aproximando-se, pois, do pesadelo orwelliano de vigilância constate. Enquanto eles nos vigiam, você está aí, assistindo Televisão, mexendo no Facebook, vendo Novela, Futebol,etc...Enquanto vc se aliena eles te controlam e a prova está aí, a Vigilância Máxima é um sonho illuminati que se torna real com a CIA, NASA e NSA com a pura desculpa de que tudo é por "segurança", porém tudo não passa de uma mentira.
Precisamos nos livrar do SISTEMA e buscar um Mundo RENOVADO (E Não um "Novo Mundo"(NOM) e nem uma "Nova Era", pois são farsas utópicas). Agora vejam sobre o Projeto Echelon, que poucos sabem:
Eles controlam tudo, ATÉ AS REDES SOCIAIS, porém o povo acordou...Até o Brasil Acordou!!! Uau...Será? SQÑ. Embora as manifestações ultimamente sejam de livre e espontânea vontade e podem derrubar o Governo, esses movimentos tem grande influência midiática, inclusive da Internet e das REDES SOCIAIS. Se eles controlam tudo, porque não impediram que as redes sociais culminasse em manifestações? Bem claro, eles não querem que as pessoas percebam que a sua prisão é real, por isso deixam elas acreditarem, deixam nós acreditarmos, que temos liberdade e que a liberdade de expressão é real, porém a ilusão de liberdade é maior do que uma prisão explícita. Então em vez de impedir eles alimentam essas manifestações para que elas sejam radicais, desorganizadas e ignoradas, e fazendo por fim o Governo não atender as suas reivindicações, porém, atendendo os objetivos dos novaerinos...Afinal, quem São os "líderes" dessas manifestações? Vejam, não há líderes, nem representantes embora apareçam muitos oportunistas que se dizem representantes, quem lidera eles é uma "ideia", um conceito, uma ilusão...
Anonymous não podem representar os ideais anti-novaordeanos e anti-conspiracionistas contra a Conspiração Illuminati, pois eles tem origens lulz, nonsense, e só ganharam seus ideais políticos com os movimentos hacktivistas e ciberativistas de fachada para poder implantar os ideais novaerinos na sociedade através das manifestações e das redes sociais, que é controlada pelos "senhores do mundo" (os Illumiantis).
Coca-Cola faz apologia ao Pesadelo Orwelliano "1984" e a vinda do "Big Brother" (o Anticristo)
Coca-cola nos condiciona a aceitar o Big Brother - Pesadelo Orwell se torna Realidade "Vamos olhar para o mundo um pouco diferente" Um mundo de Vigilância contante aonde há o BBB da vida real.
Através da Mídia e programações (mentais) televisivas como o Big Brother nos condicionam cada dia mais a aceitar a Vigilância dos Illuminati sobre a Sociedade, alias, é bem pior, a vigilância do "Grande Irmão" (Anticristo) sobre nós. Vejam a propaganda:
Essa é mais uma forma de condicionamento subliminar pra aceitarmos a vigilância da Besta, o "Big Brother" sore nós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário