sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Conspiração Cristã e os Clones da Santíssima Trindade

Hoje abordaremos um assunto delicado, que mexe com o sistema de crenças que a maioria de nós seres humanos do planeta terra, está mantendo e sustentando há várias encarnações e formam os pilares da essência mental intelectual dos indivíduos, das massas e dos dogmas de controle social.

Como sabemos, a realidade e a matéria são feitas ambas de energias (tudo é energia em algum estado de vibração) e é através de nossos sistemas de crenças e administração das energias geradas por nossos pensamentos, que as elites mundiais manipulam o rebanho humano fazendo com que esse sempre aceite suas vontades e seja parte no cumprimento de suas agendas. Por isso temos uma programação televisiva, uma imprensa, indústria de entretenimentos e a maioria dos conceitos de "felicidade" baseada em consumismo, praticamente iguais no mundo todo.


Isso serve para MOLDAR o psíquismo e sensibilidade das pessoas de maneira a tornar elas cada vez mais seres "coletivos" que "individuais" lembrando que ser um Indivíduo não é ser "egoísta" mas sim CONSCIENTE.

O método de controle e manipulação mais eficiente criado e usado por essas estruturas elitistas milenares, desde a noite dos tempos até hoje, chama-se "religião", que no ocidente é um "tóten", uma "árvore" com 3 troncos básicos (cristianismo, islamismo e judaísmo) e centenas de milhares de diferentes ramos que formam todo o mosaico de culturas históricas religiosas, que propagam "dogmas", "leis" e "encíclicas" separando a ciência da magia e da espiritualidade e através desse método mantendo a humanidade perdida em suas percepções, iludida em seus parcos "conhecimentos", manejáveis em suas escolhas e mais que tudo desconectado e fora de sí mesmo.

Minha formação pessoal no âmbito moral e religioso foi cristã. Venho de uma família de católicos tradicionais do interior paulista, que ia a missa todos os domingos e rezava agradecendo a Jesus antes do almoço e do jantar. Cheguei a frequentar o catecismo sem de fato fazer a eucarístia e as duas ou tres vezes que comi óstia e comunguei foi burlando as "Leis" da Igreja, apenas para ver "que gosto tinha", aquele pequeno disco branco que o padre punha na boca dos "fiéis" e dizia ser o "corpo de cristo".

Provavelmente a maioria de minhas primas devem ter casado "virgem" e a maioria dos homens de minha família, deve ter feito rituais como o "Batismo", a "1ª comunhão", "crisma", "confissões dos pecados" na orelha de um padre que teóricamente eram perdoados a base de umas dezenas de "ave-marias", "Salve Rainhas" e "Pais Nossos que estáis no céu".

Essa era uma época em que dentro de mim não havia questionamentos, eu aceitava tudo como era, "obedecia", me adequava e sinto que, mesmo assim, fui uma criança feliz. Na adolescência, alguns questionamentos começaram a surgir como recursos naturais da evolução ante a vida. As respostas que aquela igreja dos meus tios ofereciam não me convenciam (aliás me intrigava ter de comer um "deus" em forma de óstia para "adorá-lo", inclusive ter de "adorá-lo" praticando "rituais semi-canibais simbólicos" já era algo que instintivamente, me deixava desconfortável), além de serem abruptamente contraditórias, dogmáticas e sem sentido.

Entre os 5 e 7 anos, me lembro de ter ido em alguns cultos da igreja cristã dos evangélicos quadrangulares no bairro de Diadema na perifieria de São Paulo, com os filhos da mulher que havia sido por anos a empregada doméstica de minha mãe e parte fundamental na minha educação. Confesso que gostei mais, pois havia música, os jovens tocavam e cantavam, porém não me agradava o véu que as mulheres eram obrigadas a usar, o fato de terem de sentar em fileiras separadas e a cara do pastor que pregava no púlpito, me deixava com uma sensação de "nojo" e de que ele era um "canalha".

Isso foi antes (pelo menos de eu ter consciência sobre) dessa febre evangélica que surgiu depois da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) e todo esse lance "neo-pentecostal" da "teologia da prosperidade" que transformou a fé das pessoas e a relação delas com "deus" em algo parecido com os shopping centers e os bancos.

Foi mais ou menos um pouco depois de essa época, com uns 9 ou 10 anos que conheci os Centros Espíritas Kardecistas e comecei a me familiarizar com outros estudos e teorias, modéstia a parte com respostas muito mais coerentes e convincentes, a respeito da realidade, do sentido da vida, da vida após a morte, das possibilidades de reencarnação e etc.


Ainda que eu fosse apenas um menino, essas questões já rondavam minha cabeça e me recordo de ter ficado impressionado vendo o trabalho de desobssessão e incorporação do espíritos dos mortos feitos pelos médiuns daquele centro espírita que ficava nos fundos de uma galeria, na avenida Domingos de Morais, no bairro do paraíso, onde nasci, cresci e vivi a primeira parte de minha vida.

Nessa mesma época, sem que eu percebesse bem, minha mediunidade se desenvolvia. Apesar de não "ver gente morta" nem "escutar vozes" de pessoas que por ali "não estavam", meu processo intuitivo me punha em contacto com outras frequências de realidade, através de dezenas de diferentes linguagens, que iam abrindo meu sistemas de chacras e também permitindo que durante a noite eu pudesse ter experiências lúcidas fora de meu corpo, fazendo viagens astrais, indo a outras dimensões, conhecendo e aprendendo a conectar meus amparadores e guias espirituais, assim como ir aprendendo a reconhecer meus obssessores e quais as técnicas que esses usavam (e ainda usam) para me manipular e confundir.

Não faz muito tempo, na verdade faz uns poucos anos que as informações a respeito da biografia de Jesus Cristo começaram a chegar de maneira abundante para mim e que minha mente e intuição começaram a questionar: "E se Jesus não existiu?!", gerando muito mais dúvidas do que respostas, criando muito mais questionamentos do que mantendo minha "fé cega" naquele jovem judeu socialista apocalípcito revolucionário chamado "Jesus", que dizem ter sido o maior Rabi da Galiléia e que um dia em minha pele tatuei.


Sabemos que na bíblia e nos evangelhos, relatam apenas o nascimento conturbado de Jesus e logo ele aparece com 30 anos de idade, pregando para as multidões durante os próximos 3 anos. A maioria das obras que fala da infância e adolescência de Jesus são ou psicografias mediúnicas feita por conectores nem sempre confiáveis, ou romances e fábulas que saem da imaginação de brilhantes escritores. Das inúmeras fontes de informação que se prestam a tratar sobre a vida de jesus da infância até a idade madura, época que não consta na bíblia e nos evangelhos recomendo os testemunhos do Livro de Urantia (que gosto mas não julgo 100 por cento confiável) e uma Série de alguns volumes de uns Livros chamado: "Harpas Eternas", que afirma ser uma psicografia do Espírito Essênio de Hilarião de Monte Nebo.












Hoje, levando-se em consideração todo o conhecimento de História que entrei e entro em contato, admito a possibilidade de que Esse Jovem não tenha de fato existido e todas as histórias a respeito dele sejam simbolismos, uma "fábula", mas também sei no fundo de meu coração que os ensinamentos atribuídos a ele devem ser por nós apreendidos, são em verdade os códigos e caminhos para a regeneração espiritual dos indíviduos e libertação da humanidade e por isso se repetiram em distintas eras ao longo da linha do tempo e por isso mesmo considerando a possibilidade de ele nunca ter existido, minha fé e respeito pela pessoa, estória e exemplos de Jesus Cristo, não é menor nem se abala.

Não existem provas sobre a existência de Jesus no planeta terra, mas também não existem provas de que ele não tenha existido e de que seja uma "fraude histórica", mas o fato é que, quanto mais se pesquisa, mais essa possibilidade se torna naturalmente viável devido a pouquíssima informação e as retumbantes contradições entre os evangelhos escritos em média até 100 anos depois de sua suposta existência e "morte" e sustentados até hoje pelas "Igrejas" que usam a Bíblia como método de doutrinação e ensino.

Assim sendo só me resta a frieza racional, a sede de pesquisa e o processo intuitivo para seguir buscando respostas e entrando em contacto com novas descobertas na busca pela verdade. E a Grande Verdade para a minha surpresa e para a surpresa de vocês que me lêem e desconhecem a história é que todas as grandes culturas e civilizações dos últimos 7 mil anos tem um ou vários "Messias" com nomes diferentes, porém com a  mesma história de Jesus. O grande fato é que a história de Jesus o nazareno, é um plágio, do plágio, de diversos outros plágios de deuses e messias de diferentes épocas que estão diretamente conectados através de um culto aos deuses Solares. 


Todos esses "Messias" tem praticamente a mesma história de Jesus, mudando pouca coisa entre uma história e outra. Mas basicamente, todos eles:



- Nasceram de uma Virgem
- No dia 25 de dezembro
- Tiveram 12 apóstolos
- Foram mortos e ressucitaram
- Foram visitados por 3 reis magos
- Foram perseguidos
- Foram sacrificados
- Realizaram curas e milagres
- Cuidavam dos pobres e desamparados
- Anunciavam uma "Nova-Era"
- Etc, etc e etc.

Abaixo exponho as semelhanças e fatos a respeito da história de diferentes "deuses" e "messias" adorados pela humanidade em diferentes épocas do planeta terra. Tudo aponta e colabora para concluir que todas essas fantásticas histórias sobre esses fantásticos sujeitos, que "enfrentaram os dogmas de seus tempos", "operaram milagres" que transcendiam as Leis naturais da física e da química e deixaram sua marca na linha do tempo, nos corações e cérebros das pessoas da raça humana antes de partir para a "eternidade", servem como modelo para o doutrinamento mental das massas em diferentes eras assim como para a liberdade e compreenssão dos indivíduos a respeitos dos poderes e qualidades que jazem latentes na essência espiritual de seu Ser.

Além disso, essas histórias simbolizam antigos rituais que podem ser explicados pela astrologia, como o Solstício, os eclipses lunares, os câmbios de estação, a colheita, a chegada do inverno, da primavera e etc.

A explicação mais plausível para tantas semelhanças históricas entre esses "deuses" e "messias" se encontra nas Mitologias relacionadas com o Solstício de Inverno e a conjução de algumas estrelas no céu durante essa época.



Os 12 apóstolos de Jesus curiosamente tem cada um, um signo diferente do zodíaco e seus caráteres e suas biografias representam as características energéticas desses signos com cristo ao meio, da mesma maneira que um astrólogo produz o "mapa astral" de uma pessoa em função da posíção que o sol, a lua e os planetas ocupavam no momento de seu nascimento. Para piorar e confundir ainda mais, tivemos a introdução do calendário juliano e logo o calendário gregoriano em nossas culturas, mudando completamente a relação do homem com o tempo e a história, fraudando as possíveis datas corretas em que esses eventos teriam acontecido, assim como desconectando de uma vez por todas a relação de nossas essências com o universo.

Esses calendários foram introduzidos em nossa cultura com a finalidade principal de alterar nossa percepção de si mesmo e permitir mais eficiência no processo de escravidão e manipulação de nossas raças em diferentes épocas através desses baluartes religiosos.

Abaixo seguem os exemplos e as "possíveis semelhanças" entre a biografia de jesus e diferentes "avatares" que supostamente estiveram na Terra.

As histórias de cada um desses personagens, reforça a teoria dos "Deuses" e "Messias" serem filhos híbridos dos seres Extra terrestres que fecundaram as mulheres do planeta terra num tempo distante e que na bíblia são conhecidos como "Neflins", "Elohins" e nas culturas sumérias ficaram conhecidos como "Annunakis".

Krishna - Índia - ano 3228 antes de cristo - Um Dos Milhares de Deuses do panteão hindu Mitráico:
Nasceu da VIRGEM Devaki. Ainda que alguns pesquisadores afirmem que ele foi o  oitavo filho dela.
Uma estrela no céu do oriente sinalizava sua chegada e realizou milagres diante de seus discípulos que o adoravam. Alguns livros e alguns pesquisadores afirmam que ressucitou após a morte.








Hórus - Egíto - Ano 3000 antes de cristo - Nasceu em 25 de dezembro, de uma virgem conhecida como "Isis" que era esposa de Osíris. durante Seu nascimento uma estrela surgiu no lado leste do céu o que permitiu a Hórus receber a visita de 3 magos que seguiram a estrela. Teve uma infância diferente de outras crianças onde era reconhecido por todos como um menino "prodígio". Foi batizado aos 30 anos de idade e seu ministério durou 3 anos. Tinha 12 discípulos com os quais viajava e pregava, curava os doentes, realizava milagres e andou sobre as águas. Assim como "Jesus" também foi traído, crucificado, sepultado e ressucitou ao 3º dia.











Mitra - Deus dos Persas e dos Romanos - Ano 1200 antes de cristo. Também nasceu 25 de dezembro, de uma "virgem". praticou milagres e viveu acompanhada de seus 12 discípulos mais próximos. Foi batizada, Morreu crucificada e ressucitou no 3º dia. Diferente de Jesus, que dizem os meios oficiais "jamais deixou uma linhagem", Mitra teve um filho que se chamou Zoroastro.












Atís - Deus dos Frígios e dos Romanos - Ano 1200 antes de Cristo. 


Nasceu em 25 de dezembro, de uma virgem, foi traído, torturado, crucificado, morto e sepultado e ressuvitou ao 3º dia.



















Dionísio - Deus dos gregos - ano 500 Antes de Jesus Cristo -

Também nasceu de uma virgem, transformou água em vinho e graças a isso ficou conhecido na história romana como "Baco" o "Deus do Vinho". Foi andarilho-viajante-peregrino, ressucitou após a morte. Assim como o Nazareno, foi chamado de "Alpha e Ômega", "filho pródigo" e "Reis dos Reis".
















Budha - Século V antes de Jesus Cristo -

Começou seu ministério espiritual aos 30 anos de idade, Sua missão na terra foi profetizada desde o seu nascimento. Foi tentando pelas forças demoníacas enquanto jejuava, ensinava por meio de parábolas, inclusive uma idêntica a do "filho pródigo". Caminhou sobre as águas e operou também o milagre das multiplicação dos pães. Segundo a tradição budhista chinesa, ressucitou após a morte.












Hércules - Século II antes de Jesus Cristo -

Nasceu de uma virgem que foi fecundada por Zeus e comemorava-se seu nascimento no dia 25 de dezembro. Também enfrentava demônios e foi tentando pelas "forças do Mal". No momento de sua morte estavam presentes sua mãe e seu discípulo mais amado. Após sua morte, ressucitou e subiu aos céus.












Tamuz - Mais ou menos 3 mil anos antes de cristo -

Um dos Principais Deuses da Babilônia, foi também o Deus dos Sumérios e Fenícios - O Centro de seu Culto era Belém, uma das cidades em que dizem ter vívido Jesus. Foi Morto no campo de batalha, enterrado e depois de 3 dias deixou sua tumba com a pedra que servia de "porta" aberta.







Se você começa a pesquisar de verdade, entra em contacto com diversas informações, pesquisas de pessoas que contradizem tudo isso. Principalmente pesquisadores religiosos comprometidos com a "verdade" de suas "religiões" e "seitas".


Por outro lado, se você leu a bíblia e a maioria dos livros sagrados de diferentes religiões, prinicipalmente o Velho Testamento e o Corão, há de concordar que as informações ali registradas além de se contradizer, trabalham com uma linguagem infantil, pornográfica-incestuosa, parecendo ter sido feita justamente para manipular as pessoas de um público de mentalidade adolescente temerária, através de "medo" e "Culpa".

O tempo todo os textos desses livros sagrados trabalham com a Idolatria e não com o testemunho e a comprovação dos mesmos através de pesquisa. Não parecem se dirigir a um público de gente séria, mas sim de fanáticos ignorantes com sede de "respostas", Qualquer tipo de resposta que pareça mais ou menos convincente, ainda que não resistam a uma análize mais profunda e séria.

O que é certo é que os satanistas que comandam o Mundo desde a queda de Babilônia, trataram de travestir os cultos pagãos da Babilônia e do antigo Egito, através do atual culto cristão. Naquelas épocas, rituais que incluiam a pedofilia, sacrifícios humanos, ingestão de sangue e carne humana, prinicipalmente de rescém nascidos, auto-mutilação, penitência entre outras formas de culto e ritual, foram sendo redesenhados e maquiados por essa bateria de rituais que temos hoje sem entender a origem e a necessidade. O mais popular deles é o momento em que o "padre" da Igreja bebe vinho e come a óstia que representam o sangue e o corpo de jesus. Analizado fria e racionalmente, qual seria a necessidade de se comer, ingerir o corpo e o sangue do "filho de deus", senão o de possuí-lo?! Que tipo de energias estaria por detrás dessa atitude? Inveja, Ira, canibalismo, competição, poder, megalomania?

Talvez a verdadeira resposta para essas simples questões nos expliquem as contradições do mundo em que vivemos hoje e nos permitam entender o por que, apesar de as pessoas se julgarem "honestas" e "boas" a ordem do mundo continua a seguir o caminho oposto a realidade que deveria ser criada por que é "honesto" e "Bom".



Em palavras simples, os cultos religiosos tem servido para manter a ordem das coisas nas mãos de quem sempre esteve e para que isso seja possível, é necessário que as massas sejam no mínimo burras e acreditem em contos pitorescos sobre a "história" que bem possa manipulá-los.

Enquanto os "fiéis" e religiosos de todas as doutrinas, não se permitirem usar o bom senso e a capacidade crítica para questionar e tentar entender:




"O que afinal estão fazendo quando REPETEM esses ritos, dogmas e atitudes baseadas num livro cheio de contos e fábulas como é a bíblia e maioria dos "livros sagrados"(?) 

Enquanto essas pessoas não se questionarem a respeito de tudo isso, estarão comprovando que são seres manipuláveis que não merecem o respeito que exigem, de mentalidade infanto-adolescente, que uma vez que não conseguem as respostas que buscam para as perguntas que jamais fazem, querem impor sua infelicidade coletiva imersa em ignorância e fé, como modelo de conduta as massas, sempre tentando maquiar e esconder suas pequenas e grandes mentiras, ajeitadas e camufladas por detrás da conduta cristã evangélica." 

Eu pessoalmente acredito que o futuro do planeta terra a nível harmônico e histórico, assim como a felicidade do homem comum depende de um maior senso de justiça, conhecimento e sensibilidade, aliadas ao fim de toda e qualquer forma de religião.

Para que uma nova realidade possa nascer, necessitamos abrir mão da realidade atual e das realidades antigas que querem ditar o nosso futuro, principalmente quando os alicerces dessas antigas realidades, estão erigidos em grandes contradições, mistérios e mentiras.

Realizem suas próprias pesquisas. Sejam seus próprios "Messias". Pratiquem suas próprias "religiões". Façam de seus corpos suas Igrejas e de seus intelectos e intuições, seus "evangelhos" e vossas "bíblias". Permitam que seus orgasmos sejam a Verdadeira Água Bendita a perpetuar a vida e a História no Planeta Terra.

"Conheçam a Verdade e ela vos fará Livre".

Nenhum comentário:

Postar um comentário