sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

HERMES TRISMEGISTO

THOTH
 
O que está em cima é como o que está embaixo, e o que está embaixo é como o que está em cima”. Segundo Princípio de Hermes (Thoth/Mercúrio), o princípio da Correspondência em  ”AS TÁBUAS DE ESMERALDA”.
Os antigos egípcios tinham a mais elevada veneração por Thoth, que para eles era um deus criador desde que trouxera para a Terra (do Egito, vindo de ATLÂNTIDA) o uso da escrita hieroglífica, da alquimia, da matemática, da arquitetura sagrada, da medicina, da magia, das leis sociais, enfim a base de todas as ciências que levaram os egípcios a um altíssimo nível de conhecimento e civilização.Segundo Platão foi Thoth (para os egípcios), Hermes (para os gregos) e mais tarde Mercúrio  (para os romanos), o pai da geometria, revelador do uso dos números, criador dos hieróglifos, da astronomia, matemática, medicina, arquitetura, religião, sistema de governo, e as letras.
Teria deixado mais de dois mil livros escritos, tratados científicos, em pergaminhos e papiros que se perderam nas brumas do tempo. Thoth compreendia todos os mistérios da ALMA humana, pelo que esta descrito no Livro dos Mortos do Egito {O nome correto seria: O Livro de Sair para a Luz – pois ao morrer abandonamos as trevas materiais do corpo humano e voltamos à luz da existência não humana, física}.
Thoth representa o advogado da ALMA da humanidade perante os deuses.  Em muitas pinturas é representado com Anúbis ao lado da balança na qual era pesada a alma do morto perante o tribunal do julgamento dos deuses, onde ele aparece diante da balança na qual era pesado o coração (ALMA) do morto. De um lado, num dos pratos da balança, era posto uma pena simbolizando a verdade, e do outro lado o IB simbolizando o coração (alma) do morto.
Cabia a Thoth examinar a pureza da alma (o “peso” do coração, o órgão onde a alma humana reside dentro do corpo físico, o local do quarto chakra, o Anahata) e determinar o nível de evolução da alma (o coração) e a dignidade do morto. No grande tribunal dos deuses está Thoth de pé diante da balança do julgamento da ALMA dos homens penetrando na alma do morto para julgar os seus sentimentos, atitudes, valores e propósitos enquanto ele esteve vivo como um ser humano.

Na verdade “O Livro de Sair para a Luz” (Livro dos Mortos) não era exatamente um livro como o conhecemos, mas sim uma coletânea de textos creditados ao deus Thoth e seu objetivo era ajudar a alma do morto a enfrentar e vencer os obstáculos, num caminho muito difícil. Para chegar ao Amentiera preciso cruzar os 21 pilares, passar pelas 15 entradas, cruzar 7 salas para chegar ao Saguão das Duas Verdades onde seu coração (ALMA), frente a Osíris e aos 42 juízes vai ser pesado.
Caso o julgamento fosse favorável ao morto, então já aos cuidados de Hórus, o filho de Osíris, esse o conduzia ao trono de seu pai Osíris que indicava o seu lugar no reino além da morte (A alma do indivíduo se tornaria um ASCENCIONADO). Se o morto estivesse cheio de pecados, seria comido pelo Ammut, o devorador de mortos presente no momento do julgamento, então adeus vida eterna no REINO DA LUZ e a ALMA deveria reencarnar em novos corpos físicos na Terra até a sua purificação final.
Representação de Hórus
Thoth é o deus escriba com cabeça do pássaro ÍBIS que na gravura está representado na presença de Osíris e demais divindades durante o julgamento das almas. Os Egípcios antigos acreditavam que antes do morto entrar no mundo do Amenti, primeiramente o coração (a alma) dele deveria ser pesado na presença de Osíris e dos demais 42 deuses do julgamento. No mínimo o coração do morto deveria ter o peso tão leve e igual ao de uma pena.
O escriba Thoth então anotava criteriosamente o resultado de cada julgamento, assinalando se aquele coração (ALMA) que estava sendo pesado havia ou não se conduzido bem em sua vida como um ser humano na Terra, se tivera uma vida digna e honrada. Por isto os egípcios diziam que Thoth era o escriba confidencial do deus Osíris, o secretário de todos os deuses e fora ele quem trouxera para a Terra, entre inúmeras outras coisas, a música, assim como a instituição de um calendário anual constante de 365 dias, semelhante ao que somente muito depois foi oficializado e é utilizado na atualidade.
No mito simbólico da morte de Osíris, diz a Tradição egípcia que Thoth ensinou à deusa ÍSIS a conjurar encantos contribuindo assim decisivamente para que aquela deusa pudesse reconstituir totalmente o corpo do seu irmão e esposo Osíris que havia sido feito em catorze pedaços pelo seu cunhado, o deus Seth que queria usurpar o trono de seu irmão Osíris. Por isto, segundo consta, toda a magia egípcia fora ensinada por Thoth.
Também representava a mente, a palavra falada e a vontade de RA. A palavra constituía o poder com que RA objetivava suas ideias, o poder do verbo de materializar as coisas. No Egito existiu uma casta de sacerdotes seguidores de Thoth, constituída pelos maiores conhecedores das ciências da época, especialmente da aritmética e do som. Aqueles sacerdotes afirmavam que toda inspiração que tinham provinha diretamente de Thoth.
Para muitos “estudiosos eruditos” tudo o que existe registrado a respeito daquela figura enigmática de Thoth é meramente lendário, sendo a sua história nada mais do que mitos. Quando muito são referências ao principal escriba que apenas transcreveu os conhecimentos existentes em sua época. Mas, igualmente outros estudiosos da História Antiga do Egito, o consideram pelos feitos assinalados se tratar de um ser dotado de poderes divinos.
Acima: a ÍSIS NEGRA
Podemos afirmar que esta é a verdadeira natureza de Thoth, tratava-se de um ser que compreendia todos os mistérios da alma humana, pelo que ele está representado no “O Livro de Sair para a Luz” (que os mesmosgrandes eruditos egiptólogos chamam equivocada e erroneamente de O LIVRO DOS MORTOS) como o advogado da ALMA da humanidade e um grande incentivador da sua libertação do mundo mundano material e a sua ASCENÇÃO AO REINO DA LUZ.
Não é somente a Hermes que Thoth tem sido comparado. Na realidade o Hermes a que se refere o Hermetismo tem sido comparado com importantes figuras (Mestres) de diversas culturas. Assim os feitos de Thoth são atribuídos a diversos nomes de divindades e seres sagrados de diferentes culturas. Na civilização egípcia foi Thoth; na grega era Hermes; na romana, foi Mercúrio; na maia Quetazlcoatl; na ATLANTIDA foi Chiquitet Arelich Vomalich. Os Sumérios e outros povos da antiga Mesopotâmia também adoravam deidades lunares virtualmente idênticas a Thoth.
A deusa Lua, da Suméria, era denominada Sin, tal como Thoth que era a divindade encarregada de medir a passagem dos ciclos astronômicos e do tempo da Terra. Thoth é representado em desenhos desde o Antigo Egito como a figura de um homem com a cabeça do pássaro ÍBIS, um grande pássaro integrante da fauna do Nilo (e também presente em todos os grandes rios do BRASIL, especialmente no CENTRO OESTE E PLANALTO CENTRAL) e com um estilete de escriba em suas mãos tomando nota de algo em um papiro.
O Pássaro ÍBIS é uma ave pernalta da subfamília de aves  ciconiformes que inclui as aves conhecidas como ÍBIS, Curicaca ou Tresquiórnis, sendo que as espécies brasileiras  têm nomes locais muito variados. Os ÍBIS são aves pernaltas com pescoço longo e bico comprido e encurvado para baixo. São na maioria dos casos animais gregários, que vivem e se alimentam em grupo. Vivem em zonas costeiras ou perto de água, em rios, ricas nos seus alimentos preferenciais: crustáceos e moluscos.
O grupo está distribuído pelas regiões quentes de todos os continentes. De acordo com a tradição popular em alguns países, o ÍBIS é a última ave a desaparecer antes de um furacão e a primeira a surgir depois que a tempestade passa. No Egito Antigo, a ave ÍBIS era objeto de veneração religiosa e associado ao Sacerdote e escriba dos deuses  THOTH.

Nenhum comentário:

Postar um comentário