quinta-feira, 16 de abril de 2015

A MODÉSTIA

Modéstia (Hri) é um dos tesouros divinos e uma das qualidades espirituais mais indispensáveis. Sem cultivá-Ia não é possível progredir na vida espiritual.

O que é modéstia? Modéstia é a ausência de vaidade, de jactância; é a consideração pela decência no comportamento, na fala, no vestir; é a simplicidade e a moderação – em resumo, é um comportamento balanceado.

Modéstia pode ser descrita como a virtude que nos impulsiona a sermos decorosos, apropriados e reservados; na maneira de vestir, se portar, falar, andar e sentar – em geral, na maneira de se comportar exteriormente. Modéstia está aliada à virtude da temperança, ou do hábito de autocontrole.

Uma pessoa modesta é inteligente é totalmente consciente de suas capacidades e limitações.

Jnanadeva, um grande santo, define modéstia como um sentimento de profunda vergonha quando um aspirante espiritual pensa ou comete algo ignóbil e não-espiritual.

Por outro lado, a auto asserção indiscriminada, a exibição egoísta dos próprios dons do corpo ou da alma, a exibição exagerada da própria inteligência, ou talentos, ou habilidades em qualquer campo da realização humana, abertamente ou secretamente – todos são exemplos do que a modéstia não é.

Atualmente, modéstia é identificada exclusivamente e excessivamente com a vestimenta, especialmente a das mulheres. Podemos recordar aqui a advertência da Santa Mãe:

“Tenha certeza, minha filha, que a modéstia é o maior ornamento de uma mulher  Uma flor serve bem a seu propósito quando é oferecida à deidade; de outra forma, ela simplesmente secará na árvore.”

Embora seja verdadeiro o ensinamento acima, a modéstia real é muito mais profunda que o mero vestir, ou até mesmo que a conduta apropriada – ela inclui toda a gama de boas qualidades, como: humildade, castidade e simplicidade. A injunção de Santa Teresa de Ávila: “Seja modesto em todas as suas palavras e trabalhos,” implica que a modéstia inclui todas as expressões de nossa posse interior de humildade.

A prática da modéstia está intimamente relacionada à castidade. Castidade significa ser fiel ao esposo (ou esposa, ou ao ideal espiritual). Não se pode ser casto e imodesto ao mesmo tempo; pois, imodéstia significa chamar atenção a si – olhem para mim, como sou bonito e desejável! Seja na vestimenta, na fala ou na conduta, em qualquer ato, a imodéstia é não-atrativa e prejudicial.

Modéstia é uma qualidade espiritual altamente desejável. É uma qualidade muito querida e atrativa. Todos nós sentimos atração pelas pessoas modestas.

Pelo contrário, sentimos repulsa pela imodéstia de qualquer tipo, mesmo que não possamos dizer nada por medo de sermos politicamente incorretos.

Existe também um equívoco de que as pessoas modestas são muito simples, tímidas, e possivelmente sofrem de complexo de inferioridade. Nada pode estar mais longe da verdade. Quando olhamos para Sri Ramakrishna, Swami Vivekananda, Buda ou Jesus Cristo, não achamos que eles estão sofrendo de nenhum complexo. Eles conheciam sua própria grandeza mais do que qualquer outra pessoa; ainda assim, todos eles são modelos de modéstia.

A pretensão de falsa modéstia também chama a nossa atenção. Existem pessoas cheias de orgulho e arrogância quase explodindo internamente, que fingem humildade exterior e modéstia. Ai daquele que não notar sua humildade e modéstia!

Encontramos tal pessoa no Evangelho de Sri Ramakrishna: “Dirigindo-se ao doutor (Dr. Sarkar), o Mestre disse: “Desista dessa falsa modéstia. Por que deveria sentir vergonha de cantar o nome de Deus? O provérbio diz com muita razão: ‘O indivíduo não pode realizar Deus se for vitima da timidez, ódio, ou medo.’ ”

Ausência de modéstia é uma indicação certa de que a pessoa é impura, orgulhosa, arrogante e cheia de si. Significa que ela não dá crédito a Deus por quaisquer dons ou talentos que possua, mas atribui todo crédito para si mesma. Portanto, cada aspirante espiritual deve cultivar a virtude da modéstia. Como Krishna declarou no Bhagavad Gita, todas as manifestações extraordinárias de poder pertencem a Deus.

São Francisco de Sales disse: “Se você quer saber se um homem é realmente sábio, instruído, generoso ou nobre, observe se a sua vida está moldada pela humildade, modéstia e submissão. Se estiver, seus dons são genuínos; caso contrário, são apenas superficiais e servem apenas de ostentação.”

Simplicidade, gentileza e modéstia devem ser desejados por toda a sociedade; há algumas pessoas tão cheias de afetação em tudo o que fazem, que todos ficam irritados com elas.

Existe um equívoco comum no interior de todos nós; queremos ser admirados pelos outros, queremos que as pessoas pensem bem de nós, e nossa tendência natural é mostrar, na presença dos outros, nosso comportamento mais atrativo, de forma a obter atenção e admiração. Porem, a melhor maneira, de assegurar atenção é pela prática da modéstia.

Nos dias atuais, tornamo-nos os piores idólatras – adoradores do corpo humano. Em nenhum momento na história vemos o corpo humano tão divulgado, anunciado e idolatrado quanto hoje. Uma vez que conseguimos muitos de nossos prazeres na satisfação dos desejos corporais, todos os esforços são feitos para encorajar essas satisfações imediatamente. O que chamamos de moda não é outra coisa senão a ostentação vulgar do corpo, especialmente do corpo feminino.

Sob essas circunstâncias, quem poderá dizer que a prática da modéstia não é indispensável?

Concluindo, modéstia é uma qualidade espiritual incalculável e indispensável. É muito valiosa, pois:

(1) É um sinal de que a pessoa mantém as coisas em perspectiva,propriamente balanceadas.

(2) Previne que o individuo seja facilmente distraído do que é realmente importante, isto é, do progresso espiritual, pela preocupação excessiva de como está sendo estimado ou apreciado.

(3) Torna a pessoa agudamente consciente da graça de Deus e da transitoriedade da vida.

(4) Como a pessoa modesta acredita que tudo o que possui é uma dádiva de Deus, consegue controlar emoções destrutivas, tais como: orgulho, ciúmes e inveja.É desnecessário dizer que, aqueles que desejam realizar a Deus, devem cultivar modéstia.


(Swami Dayatmananda – traduzido da revista bimestral Vedanta, publicada pela Ramakrishna Vedanta Centre, UK, n036 )


Nenhum comentário:

Postar um comentário