terça-feira, 11 de agosto de 2015

Os Livros Apócrifos




Conforme mencionamos acima, Constantino, foi pressionado por sua corte a elaborar um conceito de Deus que agradasse às facções cristãs que tinham Jesus como salvador dos pecados do mundo. Constantino convocou então em 20 de maio de 325 a 19 de junho do mesmo ano, o célebre Conselho de Nicéia. O Concílio foi Presidido pelo Bispo Alexandre de Alexandria.

E entre muitas discussões durantes os debates. um grupo de altos dignitários cristãos decidiu que Deus era três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. O que contraria as palavras de Jesus, pois nem no Novo Testamento nem nos textos Apócrifos, jamais se referiu à Trindade. O que unanimemente todos os evangelhos expressam é: "Eu (Jesus) e o Pai somos um”.

Foi nesse conselho que os evangelhos que não tinham o aval do Espírito Santo foram rotulados APÓCRIFOS. E de que forma se podia saber sobre essa decisão divina? Disseram que todos os textos religiosos até então escritos foram colocados sobre um altar. Os bispos rezaram para que aqueles que fossem falsos caíssem. E tal se deu. Restaram os Evangelhos segundo Mateus, Lucas, Marcos e João, sem que nunca se pudesse provar se a autoria é a verdadeira. É lógico que o procedimento para a escolha dos Evangelhos não se deu como os bispos disseram. Eles simplesmente escolheram aqueles que não representariam ameaças ao poder da Igreja, excluindo aqueles que provavam a descendência de Jesus, pois do contrário o Papa seria deposto e substituído por um herdeiro consangüíneo de Jesus. Outro parâmetro importante era o Monoteísmo, Deus deveria ser uma só entidade suprema – da qual os papas seriam os representantes diretos na Terra. A prática de Magia também foi condenada, é claro, pois isso representaria perigo ao poder da igreja. Apesar de condenar a magia, a astrologia e outras ciências. a abertura do concílio deu-se em 20 de maio de 325, sob uma conjunção de Urano e Plutão em Aquário. Conjunções Urano-Plutão são de grande importância como demarcadores de avanços econômicos e tecnológicos, assim como de momentos em que se formam as condições para grandes concentrações de capital que proporcionarão surtos de desenvolvimento da atividade econômica. Efetivamente a Igreja cumpriu, ao longo dos séculos, um papel de grande importância na vida econômica da Europa, seja como proprietária de terras seja como impulsionadora do renascimento comercial, através das cruzadas. Ainda hoje podemos testemunhar o Rico Império em que a Igreja Católica se transformou, basta observar o Vaticano. 

    A partir de Nicéia, então, tudo o que não estivesse de acordo com os ditames de Roma era queimado. 

    No entanto, muitos destes livros foram copiados, enterrados, escondidos em Mosteiros por Monges Agnósticos, fracionados e publicados sob outros nomes e de alguma forma sobreviveram até os nossos dias. Há uma vasta lista de títulos de livros que se tornaram apócrifos, acredito termos relacionado a grande maioria abaixo:


Antigo Testamento


Apocalipse de Adão 
Apocalipse de Baruc 
Apocalipse de Moisés 
Apocalipse de Sidrac 
Sexto, Sétimo, Oitavo, Nono e Décimo Livros de Moisés
Samuel Apócrifo 
As Três Estelas de Seth 
Ascensão de Isaías 
Assunção de Moisés 
Caverna dos Tesouros 
Epístola de Aristéas 
Livro dos Jubileus 
Martírio de Isaías 
Oráculos Sibilinos 
Prece de Manassés 
Primeiro Livro de Adão e Eva 
Primeiro Livro de Enoque 
Primeiro Livro de Esdras 
Quarto Livro dos Macabeus 
Revelação de Esdras 
Salmo 151 
Salmos de Salomão (ou Odes de Salomão) 
Segundo Livro de Adão e Eva 
Segundo Livro de Enoque (ou Livro dos Segredos de Enoque) 
Segundo Livro de Esdras (ou Quarto Livro de Esdras) 
Segundo Tratado do Grande Seth 
Terceiro Livro dos Macabeus 
Testamento de Abraão 
Testamento dos Doze Patriarcas 
Vida de Adão e Eva


Novo Testamento


A Hipostase dos Arcontes - (Ágrafos Extra-Evangelhos) - (Ágrafos de Origens Diversas) - Apocalipse da Virgem - Apocalipse de João o Teólogo - Apocalipse de Paulo


Apocalipse de Pedro


Apocalipse de Tomé - Atos de André - Atos de André e Mateus - Atos de Barnabé - Atos de Filipe - Atos de João - Atos de João o Teólogo - Atos de Paulo - Atos de Paulo e Tecla - Atos de Pedro - Atos de Pedro e André - Atos de Pedro e Paulo - Atos de Pedro e os Doze Apóstolos - Atos de Tadeu - Atos de Tomé - Consumação de Tomé - Correspondência entre Paulo e Sêneca - Declaração de José de Arimatéia - Descida de Cristo ao Inferno - Discurso de Domingo - Ditos de Jesus ao rei Abgaro - Ensinamentos de Silvano - Ensinamentos do Apóstolo [T]adeu - Ensinamentos dos Apóstolos


Epístola aos Laodicenses


Epístola de Herodes a Pôncio Pilatos - Epístola de Jesus ao rei Abgaro (2 versões) - Epístola de Pedro a Filipe - Epístola de Pôncio Pilatos a Herodes - Epístola de Pôncio Pilatos ao Imperador - Epístola de Tibério a Pôncio Pilatos - Epístola do rei Abgaro a Jesus - Epístola dos Apóstolos - Eugnostos, o Bem-Aventurado - Evangelho Apócrifo de João - Evangelho Apócrifo de Tiago - Evangelho Árabe de Infância - Evangelho Armênio de Infância (fragmentos) - Evangelho da Verdade - Evangelho de Bartolomeu


Evangelho de Filipe


Evangelho de Marcião - Evangelho de Maria Madalena (ou Evangelho de Maria de Betânia) - Evangelho de Matias (ou Tradições de Matias) - Evangelho de Nicodemos (ou Atos de Pilatos) - Evangelho de Pedro


Evangelho de Tome o Gêmeo (Dídimo)


Evangelho do Pseudo-Mateus - Evangelho do Pseudo-Tomé - Evangelho dos Ebionitas (ou Evangelho dos Doze Apóstolos) - Evangelho dos Egípcios - Evangelho dos Hebreus - Evangelho Secreto de Marcos - Exegese sobre a Alma - Exposições Valentinianas - (Fragmentos Evangélicos Conservados em Papiros) - (Fragmentos Evangélicos de Textos Coptas) - História de José o Carpinteiro - Infância do Salvador - Julgamento de Pôncio Pilatos - Livro de João o Teólogo sobre a Assunção da Virgem Maria - Martírio de André - Martírio de Bartolomeu - Martírio de Mateus - Morte de Pôncio Pilatos - Natividade de Maria - O Pensamento de Norea - O Testemunho da Verdade - O Trovão, Mente Perfeita - Passagem da Bem-Aventurada Virgem Maria


"Pistris Sophia" (fragmentos)


Prece de Ação de Graças - Prece do Apóstolo Paulo - Primeiro Apocalipse de Tiago - Proto-Evangelho de Tiago - Retrato de Jesus - Retrato do Salvador - Revelação de Estevão - Revelação de Paulo - Revelação de Pedro - Sabedoria de Jesus Cristo - Segundo Apocalipse de Tiago - Sentença de Pôncio Pilatos contra Jesus - Sobre a Origem do Mundo - Testemunho sobre o Oitavo e o Nono - Tratado sobre a Ressurreição - Vingança do Salvador - Visão de Paulo


Escritos de Qumran


A Nova Jerusalém (5Q15) 
A Sedutora (4Q184) 
Antologia Messiânica (4Q175) 
Bênção de Jacó (4QPBl) 
Bênçãos (1QSb) 
Cânticos do Sábio (4Q510-4Q511) 
Cânticos para o Holocausto do Sábado (4Q400-4Q407/11Q5-11Q6) 
Comentários sobre a Lei (4Q159/4Q513-4Q514) 
Comentários sobre Habacuc (1QpHab) 
Comentários sobre Isaías (4Q161-4Q164) 
Comentários sobre Miquéias (1Q14) 
Comentários sobre Naum (4Q169) 
Comentários sobre Oséias (4Q166-4Q167) 
Comentários sobre Salmos (4Q171/4Q173) 
Consolações (4Q176) 
Eras da Criação (4Q180) 
Escritos do Pseudo-Daniel (4QpsDan/4Q246) 
Exortação para Busca da Sabedoria (4Q185) 
Gênese Apócrifo (1QapGen) 
Hinos de Ação de Graças (1QH) 
Horóscopos (4Q186/4QMessAr) 
Lamentações (4Q179/4Q501) 
Maldições de Satanás e seus Partidários (4Q286-4Q287/4Q280-4Q282) 
Melquisedec, o Príncipe Celeste (11QMelq) 
O Triunfo da Retidão (1Q27) 
Oração Litúrgica (1Q34/1Q34bis) 
Orações Diárias (4Q503) 
Orações para as Festividades (4Q507-4Q509) 
Os Iníqüos e os Santos (4Q181) 
Os Últimos Dias (4Q174) 
Palavras das Luzes Celestes (4Q504) 
Palavras de Moisés (1Q22) 
Pergaminho de Cobre (3Q15) 
Pergaminho do Templo (11QT) 
Prece de Nabonidus (4QprNab) 
Preceito da Guerra (1QM/4QM) 
Preceito de Damasco (CD) 
Preceito do Messianismo (1QSa) 
Regra da Comunidade (1QS) 
Rito de Purificação (4Q512) 
Salmos Apócrifos (11QPsa) 
Samuel Apócrifo (4Q160) 
Testamento de Amran (4QAm)


Outros Escritos


História do Sábio Ahicar 
Livro do Pseudo-Filon 
Evangelho de Judas

Nenhum comentário:

Postar um comentário