quarta-feira, 11 de novembro de 2015

O MAGO E O SÁBIO



Na antiguidade, um mago muito poderoso foi a procura de um sábio e lhe desafiou em público. O mago disse:

– Eu o desafio, ó sábio, a realizar comigo um confronto psíquico. Eu te enviarei muitas energias negativas e espíritos trevosos. Você pode usar as armas que você quiser contra mim. Vejamos no final quem consegue resistir aos ataques e se sai melhor do que o outro.


Havia uma multidão observando esse diálogo entre o mago e o sábio. Logo após o mago lançar seu desafio, todos olharam para o sábio a fim de saber qual seria a sua reação. O sábio, serenamente, disse:

– Eu aceito seu desafio.

No dia seguinte, toda uma multidão foi acompanhar o duelo entre o mago e o sábio. O mago estava munido de vários tipos de símbolos, pantáculos, adereços, cordões, imagens, anéis, etc. O sábio nada possuía consigo, estava apenas com a roupa do corpo, que era sempre de cor branca.

O mago em voz alta disse: Que o embate comece!

Assim que se iniciou, o mago fez uns desenhos no chão, pegou sua vareta, e começou a mentalizar maus fluidos em direção ao sábio. Nesse momento, dezenas de espíritos trevosos foram ao encontro do sábio, que em posição de lótus, parecia estar em estado meditativo. Os espíritos negativos atacaram o sábio, que permaneceu impassível e sereno diante de todos os ataques. As energias negativas o envolviam, mas o sábio parecia não ser afetado por elas. O mago então tentou outras técnicas, mas nenhuma parecia atingir aquele homem santo.

Passado algum tempo, o mago começou a sentir-se mal; sentiu falta de ar e começou a ter taquicardia. Começou a fraquejar, e quase desmaiou. O mago então se deu por vencido, e admitiu que, de fato, o sábio era mais poderoso do que ele, já que a sua magia foi ineficaz em relação ao sábio, mas a magia do sábio havia sido certeira contra o mago.

Assim que o desafio se encerrou, todas as pessoas foram perguntar ao sábio que técnicas de combate espiritual ele usou contra o mago, e todos ficaram ansiosos pela resposta. Um homem falou alto:

– Conte-nos, sábio! Que grande magia usaste contra o mago que o deixou fraco e o fez vencer o desafio?

O sábio, ainda com olhar sereno, respondeu a todos.

– Não usei nenhuma magia nem qualquer técnica psíquica, respondeu o sábio.

Toda a multidão ficou sem entender nada. Como então o mago se sentira tão mal se o sábio não usou nenhuma técnica de combate astral? O sábio, retomando a palavra, explicou:

– Não amigos, não usei nenhuma técnica, prática mágica ou paranormal contra o mago. No momento em que ele me enviava energias negativas e espíritos trevosos, eu enviava a ele energias de amor, paz e luz. Foram essas energias que me protegeram dos ataques que ele endereçou a mim.

O mago, ouvindo isso, perguntou:

– Mas então por que eu passei mal durante o desafio?

O sábio respondeu:

– Todas as pessoas têm uma sombra, e essa sombra pode ser comparada a um quarto escuro, lá dentro de nossa mente inconsciente, onde guardamos tudo aquilo de ruim que há em nós e que não desejamos confrontar ou conhecer, pensamentos, emoções, mágoas, etc. O que acontece quando alguém acende a luz de um quarto escuro onde tudo de ruim está guardado? Aquela pessoa passa a enxergar o que antes estava escondido, e passa a entrar em contato com tudo de ruim que há nela. E quando ela se depara com suas mazelas, e não as quer solucionar, ela pode se sentir mal, pois estamos tocando em suas feridas, ou em sua escuridão interior. Isso gera uma tensão que pode fazer alguém que não deseja a sua melhora sentir-se mal. As trevas sempre se rebelam contra a luz, ou seja, a luz ofusca as trevas. Um dos maiores ensinamentos dos mestres é que ninguém deve lutar contra as trevas, basta apenas acender uma luz. Um sábio é aquele que conseguiu iluminar a sua própria escuridão.

O sábio então completou sua fala:

– Quando cada um de vocês conseguir iluminar e vencer as suas trevas interiores, não há qualquer coisa neste mundo, por pior que seja, que poderá te atingir ou te abalar.

Autor: Hugo Lapa 

SE GOSTOU, DIGA AMÉM

Nenhum comentário:

Postar um comentário