segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Você conhece um psicopata? Pense bem antes de responder não.

Você conhece um psicopata?

Pense bem antes de responder que não. Quando ouvimos essa palavra , logo pensamos em criminosos violentos, serial Killers, como vemos na tv e no cinema. Mas a verdade é que nem todos eles são assim.
Psicopatia é um termo popular para nos referirmos a sociopatia, distúrbio que se caracteriza pela falta de consciência e que é bem mais comum do que imaginamos,  podendo atingir, segundo o livro “Meu vizinho é um psicopata” de Martha Stout, uma em cada 25 pessoas.
Já na sinopse do livro, Martha Stout descreve os principais “sintomas” dos sociopatas que são incapacidade de adequação às normas sociais: falta de sinceridade e tendência à manipulação; impulsividade; irresponsabilidade persistente e ausência de remorso.
Para atingir seus objetivos, o psicopata é capaz de mentir, roubar, manipular e até matar sem sentir culpa. É mais provável que ele seja um marido agressivo, um pai que maltrata os filhos (física ou psicologicamente) ou um chefe que humilha os funcionários- as estatísticas indicam um número maior no sexo masculino, embora também existam casos em mulheres.


Não é por acaso que pessoas com esse perfil gostam de profissões onde exercem cargos de poder e controle, obtêm altos rendimentos financeiros e manipulam frequentemente outras pessoas para conseguir o que querem. Muitas vezes os psicopatas, por serem excelentes manipuladores, estão em profissões que, num primeiro momento, poderiam parecer acima de qualquer suspeita como líderes religiosos e até professores, o que também não é nada além de uma excelente estratégia para não serem identificados.
No Brasil, a psiquiatra Ana Beatriz Barbosa Silva, escreveu o best seller Mentes Perigosas onde também explica e desmistifica a sociopatia e seus sintomas:
“Frios, manipuladores, cruéis e destituídos de compaixão, culpa ou remorso. Utilizam-se de seu charme e inteligência para impressionar, seduzir e enganar quem atravessa o seu caminho. Estão camuflados de executivos bem-sucedidos, bons políticos, bons amigos, “pais e mães de família” e não costumam levantar suspeitas sobre quem realmente são.
Estes são os psicopatas, e, quando pensamos em um deles, logo imaginamos um sujeito violento, com aparência de assassino e que pode ser reconhecido em qualquer lugar. Não é tão simples quanto se pensa. A maioria nunca vai chegar ao extremo de cometer um assassinato e se passa por pessoa “comum”. Entre homens e mulheres, 4% da população apresentam esse lado sombrio da mente.”



O psicólogo Kevin Dutton, autor do livro “The wisdom of psychopaths: lessons in life from saints, spies and serial killers” (A sabedoria dos psicopatas: lições em vida de santos, espiões e serial killers) afirma que a carreira com mais psicopatas é a de CEO. Advogados e comunicadores sociais completam o pódio. Mas a lista dos dez mais teria  ainda cirurgiões, policiais e até os sacerdotes religiosos.
O livro aponta também a lista das profissões com menos psicopatas. Entre elas estão os agentes de saúde, enfermeiros, terapeutas e artistas em geral.

É importante lembrar que, embora esse autor tenha elaborado uma lista, existem sociopatas em todas as profissões.
As profissões com mais psicopatas, segundo Kevin Dutton
CEO
Advogado
Comunicação Social (profissionais de Rádio e TV)
Comerciante
Cirurgião
Jornalista
Policial
Sacerdote religioso
Chef de Cozinha
Burocratas
As profissões com menos psicopatas:
Agente de saúde
Enfermeiro
Terapeuta
Artesão
Esteticista e Cabeleireiro
Assistente social
Professor
Artista
Clínico
Contador


Nenhum comentário:

Postar um comentário