domingo, 26 de novembro de 2017

A MORTE.......

5 coisas que a maioria das pessoas não sabe sobre a morte… INCRÍVEL!O que acontece após a morte é um mistério que, por mais que se investigue, nunca entenderemos até termos passado por isso. Existe vida após a morte?…

Conheça as 5 descobertas científicas que ocorrem quando você perde a vida.
1. O corpo libera excreções
2. A decomposição

3. Sua vida passa como um filme na sua frente
4. Vida infinita
5. Próximo passo
Neste mundo moderno em que vivemos não podemos ter total certeza de quase nada, exceto da morte ou dos impostos, como apontado com sarcasmo por Benjamin Franklin em um célebre encontro. Algumas pessoas não acham nada de mais pagar tantos impostos, mas pensar na morte nos afeta profundamente de diversas e diferentes maneiras. É por isso que centenas de pesquisadores de diferentes áreas a estudam a partir de suas próprias perspectivas.
O que acontece após a morte é um mistério que, por mais que se investigue, nunca entenderemos até termos passado por isso. Existe vida após a morte? Muitos afirmam que sim e existem diversas teorias teológicas a respeito em todo o planeta: a reencarnação, viagem para outras dimensões, retorno ao nascimento, etc. Todas estas crenças ainda não foram comprovadas, embora talvez se possa compreender de alguma maneira. No entanto, há mais de um fato evidente do que sabemos desta “etapa final”.
Depois de perder a vida, seu corpo físico pode eliminar excreções, urina, entre outros fluidos e gases. A razão é que, ao falecer, nosso cérebro se desconecta, e o controle que era exercido em todos os esfíncteres, orifícios e outras funções do corpo são desligados. Desta forma, os músculos deixam de contrair fortemente para relaxarem totalmente, o que causa a liberação de líquidos e gases.
Da mesma forma, se um homem morre com a face voltada para baixo, seu sangue pode ativar suas partes íntimas, inclusive os dutos reprodutores. Enquanto ao mito de que nosso cabelo e unhas continuam crescendo, isto é totalmente falso. Na verdade se cria uma falsa impressão com relação a isso, já que toda a superfície do corpo perde muita água e a pele se retrai, provocando uma diferença importante que nossos antepassados ficavam assustados.
Após 7 dias da morte de um indivíduo, sua pele pode ser removida facilmente e quando se passarem mais de 30 dias, até os dentes se desprendem juntamente com outras várias partes gradualmente. “O processo de decomposição começa quando as bactérias do nosso aparelho digestivo mudam de lugar depois da morte e começa a romper o tecido”, explica Randy L. Goldy, diretor funerário da Flórida.
Eu tenho visto alguns casos de corpos enterrados durante cinco anos que pareciam estar conservados pela excessiva proliferação de mofo e outros que eram quase esqueletos.” O nível de decomposição pode variar, dependendo de vários fatores, como o tipo de solo, a composição do caixão, as causas da morte, além das técnicas realizadas para embalsamar. Os caixões vedados podem proteger um cadáver dos elementos, mas sempre escapa a humidade, que acaba resultando em putrefação.
De acordo com uma pesquisa realizada na Universidade de Michigan, EUA, por Jimo Borjigin, o cérebro passa por um único estado na sua passagem para o descanso eterno. Em particular, ele se torna “hiperconsciente”, uma revolução acrescentada em nossa mente, o que poderia possibilitar que viver experiências do passado e nossa percepção de tempo começa a expandir de uma maneira surpreendente. É a famosa “luz”, que tantas pessoas com experiências que beiraram a morte relatam.
Mas, como se cria esse estado? Os especialistas dizem que o cérebro segrega uma substância conhecida como dimetiltriptamina (DMT), que é administrada em pequenas doses quando sonhamos e está presente em diversas plantas psicodélicas.
No momento-chave, é descarregada em nossa cabeça uma grande quantidade desta molécula, o que nos faria experimentar um tipo de sonho psicodélico que tinha muito a ver com nossas experiências, algo como o “sonho final”.
A poderosa empresa da internet, a Google, começou há pouco tempo um processo de obtenção da juventude eterna, um programa chamado “Calico”. O objetivo é a pesquisa de inúmeras técnicas e condições para aumentar significativamente a expectativa de vida. O que é mais peculiar e que denota sua ambição é não ter limite. Primeiro tentam aumentar em 5 ou 10 anos, mas o que almejam alcançar é a imortalidade, bem como falou a Escola de Medicina de Harvard.
Por outro lado, outra poderosa empresa colocou em prática na busca da longevidade máxima. Trata-se do magnata nativo da Rússia, Dmitry Itskov, que iniciou a organização sem fins lucrativos, a “Iniciativa 2045″. Nela implantou inúmeras ideias, incluindo a de transmutar as nossas cabeças para androides e, assim, garantir a continuidade da vida em nossas consciências. Parece ficção científica, mas os transplantes de cabeça em humanos são agora uma realidade…
O que nos faz estar vivos? E ainda mais, qual é a base da nossa consciência e ser? Segundo os cientistas Sam Parnia e Josh Young, o processo no qual “abandonamos” nosso corpo está tão pouco claro como o verdadeiro limite de nossa mente. É geralmente considerado como falecida uma pessoa cujo cérebro está desconectado. Mas a verdade é que se trata de um passo gradual. E é que tem havido muitos casos de pessoas que voltaram quando haviam morrido, ou assim pensavam.
E assim chegamos ao final de nossa lista de eventos relacionados com a morte que talvez você não soubesse. É um mistério que nunca deixará de nos fascinar, algo que muitos qualificam como uma virada que tem uma natureza semelhante ao nascimento. “A morte está tão certa da vitória que deixa a vida inteira de vantagem.” Se há uma coisa que temos certeza é que para todo o mundo chegará a hora, mais cedo ou mais tarde.

Se você gostou deste artigo, deixe um comentário e compartilhe. 😉
Fonte: www.msn.com/Giphy/Starstock

Um comentário: