quinta-feira, 9 de maio de 2019

Craniotomia: o que é? Quando deve ser realizada?

Craniotomia: o que é? Quando deve ser realizada?

O que é craniotomia?


craniotomia é um procedimento cirúrgico em que um retalho ósseo do crânio é temporariamente removido para dar acesso ao cérebro abaixo dele. O retalho ósseo retirado é geralmente substituído ou reposto após o procedimento com pequenas placas metálicas (de titânio, em geral) presas por parafusos. A craniotomia pode ser de pequeno ou grande tamanho, dependendo do problema subjacente a ser tratado.
Muitas vezes as craniotomias são nomeadas conforme o osso que está sendo removido: craniotomia frontotemporal, parietal, temporal e suboccipital. As craniotomias da base do crânio são cirurgias complexas e de grande porte porque envolvem a remoção de uma porção do crânio que suporta a parte inferior do cérebro, de onde emergem os nervos cranianos e delicadas artérias e veias.

Por que fazer craniotomia?

craniotomia muitas vezes precisa ser realizada para possibilitar a cirurgia para várias doenças neurológicas, lesões ou condições, tais como tumores, aneurismashematomas cerebrais e fraturas no crânio. Outras razões pelas quais uma craniotomia deve ser feita são a retirada de objetos estranhos no interior do cérebro, como balas, por exemplo, inchaçoou infecção do cérebro. Muitas vezes ela é realizada com o objetivo de descomprimir o cérebro, submetido a uma pressão elevada, condição que costuma ser denominada craniectomia.

Como é feita a craniotomia?

Antes da cirurgia, o médico deve ter pedido vários exames, como, por exemplo, exames de sangueeletrocardiogramaradiografia de tóraxtomografia computadorizadaressonância magnética, etc, para avaliar não só o objeto da cirurgia, mas também o estado geral do paciente. O paciente deve informar ao médico sobre seu histórico de saúde (alergias, medicamentos em uso, reações de anestesia, cirurgias anteriores, etc.) e descontinuar todas as medicações anti-inflamatórias e anticoagulantes, pelo menos uma semana antes da cirurgia. Além disso, deve parar de fumar, mascar tabaco e ingerir bebidas alcoólicas uma semana antes e duas semanas após a cirurgia. O paciente deve estar em jejum a pelo menos 12 horas.
Sua cabeça é então fixada imóvel e uma incisão é feita na pele, atrás da linha do cabelo, de modo a expor a tábua óssea a ser abordada. A aba de osso retirada é removida para expor o revestimento protetor do cérebro, a dura-máter, a qual, uma vez aberta, dá acesso direto ao cérebro. Depois de tratado o problema em causa, a dura-máter é fechada com suturas e a aba de osso é recomposta com placas e parafusos de titânio.
Em alguns casos, um dreno pode ser colocado sob a pele por dois dias, para remover o sangue ou fluido a partir da área cirúrgica. Os músculos e pele antes seccionados são reajuntados e suturados. Após a cirurgia, o paciente pode sentir náuseas e dor de cabeça e dependendo do tipo de cirurgia, pode ter sintomas de edema e necessitar medicamentos para prevenir convulsões.
Durante alguns dias, a serem definidos pelo médico, não dirija, não pegue peso, evite tarefas domésticas e não use bebidas alcoólicas. Mais tarde, o paciente deve retomar essas atividades gradualmente. A cirurgia é feita com anestesiageral, dura de 3 a 5 horas e deve ser realizada por um neurocirurgião, que em geral trabalha com uma equipe de cirurgiões de cabeça e pescoço, cirurgiões otológicos e oftalmológicos e cirurgiões plásticos. Dependendo da razão pela qual a craniotomia é feita, o paciente deve ficar hospitalizado por um tempo que varia entre alguns dias a algumas semanas.

Quais são as complicações possíveis da craniotomia?

craniotomia, como toda cirurgia, não é isenta de riscos e possíveis complicações. Os riscos gerais incluem hemorragiainfecção, coágulos sanguíneos e reações à anestesia. As complicações específicas se devem ao tipo de neurocirurgia que é processada e pode ocorrer acidente vascular encefálicoconvulsõesinchaço do cérebro, danos a nervos (o que pode causar paralisia muscular ou fraqueza), perda de funções mentais e dano cerebral permanente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário