quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

As Profecias num Relance


Thomas C. Simcox
“Eis que as primeiras
predições já se
cumpriram, e novas
coisas eu vos anu
ncio; e, antes que
sucedam, eu vô-las
farei ouvir” (Is 42.9).
As Profecias que já
foram cumpridas
Israel
·         Abraão e Sara teriam um filho chamado Isaque (Gn 15.4-6; Gn 17.17-19; Gn 18.9-15). Cumprida literalmente (Gn 21.1-5; Hb 11.17-19).
·         Jacó e Esaú: o mais velho serviria ao mais novo (Gn 25.23). Cumprida literalmente (vv.30-34; Gn 27.1-46).
·         Escravidão no Egito, seguida de libertação e grande recompensa (Gn 15.13-14; Gn 46.1-4). Cumprida literalmente (Êx 5.1-14.31).
·         A Tribo de Judá governaria (Gn 49.10). Cumprida literalmente através do rei Davi (1Sm 16.1-13).
·         Remoção da terra por causa de pecado (Dt 28.15-68). Cumprida literalmente: cativeiro na Assíria, 722 a.C.; cativeiro na Babilônia, 586 a.C.
·         Problemas de Davi devido ao pecado com Bate-Seba (2Sm 11.1-12.11). Cumprida literalmente: Amnom estupra Tamar (2Sm 13.1-39); Absalão mata Amnom (vv.28-30); Absalão se rebela e morre (2Sm 14.1-18.33).
·         O reino seria dividido devido ao pecado de Salomão (1Rs 11.29-40). Cumprida literalmente (1Rs 12.16-24).
·         Julgamento de Jeroboão; nomeação de Josias (1Rs 13.1-5). Cumprida literalmente 300 anos mais tarde (2Rs 23.15-20).
·         O cativeiro duraria 70 anos; o retorno seria sob o governo de Ciro (Is 44.21-28; Is 45.1,5; Jr 25.11-12). Cumprida literalmente (Ed 1; Dn 9.2).
Nações
·         Síria (Damasco): Destruição por meio do fogo (Am 1.3-5). Cumprida literalmente: a Assíria arrasa Damasco em 732 a.C. (2Rs 16.7-9).
·         Filístia (terra dos filisteus): Punição por vender o povo judeu à escravidão (Am 1.6-8). Cumprida literalmente: a Babilônia destrói as cidades dos filisteus (2Cr 26.6).
·         Tiro (Fenícia): Punição por quebrar os votos e entregar o povo judeu a Edom (Am 1.9-10). Cumprida literalmente: Alexandre, o Grande, derrota a fortaleza da ilha em 322 a.C.
·         Edom: Punição por causa da crueldade e do ódio ao povo judeu (Jr 49.15-20; Ez 25.12; Am 1.11-12; Ob 10). Cumprida literalmente: Roma conquista os nabateus no ano 106 a.C.; no século IV, Petra fica desabitada.
·         Amom: Punição por seus freqüentes ataques às fronteiras, tortura de mulheres e morte de crianças antes de seu nascimento (Am 1.13-15). Cumprida literalmente: a Assíria destrói Amom em 732 a.C.
·         Babilônia: Seria capturada por medos e persas (Is 21.1-9; Jr 25.11-12; Jr 51.1,7-14). Cumprida literalmente em 539 a.C. (Dn 5.25-30).
As Profecias que serão cumpridas
Israel
·         O povo judeu retorna à sua terra, vindo dos países para onde havia sido levado (Jr 16.14-15; Jr 23.7-8; Jr 24.6).
·         O Anticristo promete a Israel sete anos de paz (Dn 9.27).
·         O Anticristo desencadeia terrível perseguição contra Israel (Dn 7.24-25; Mt 24.21; Ap 12.13).
·         Israel foge para o deserto em busca de proteção (Ap 12.6,14).
·         Israel volta para Deus de todo o seu coração (Jr 24.7; Zc 12.10-13.1).
·         O Senhor Retorna. Ele defende Seu povo e destrói seus inimigos (Zc 9.14-17; Zc 12.1-9; Zc 14.3-5; Ap 19.17-21).
·         O Rei Messias governa sobre o novo Reino Davídico (Is 9.7; 11.1-5; Jr 23.5-6; Jr 33.14-17).
·         Israel recebe uma porção dobrada de bênçãos em sua terra (Is 61.7).
·         O lobo habita junto com o cordeiro, e o leão come palha no Reino Messiânico (Is 11.6-9; Is 65.25).
·         Israel habita em paz e segurança em sua Terra Prometida (Jr 23.6).
·         Israel guia os gentios em louvor ao Deus de Israel (Is 61.6; Zc 8.23).
As Nações
·         A Rússia, o Irã, a Líbia, a Etiópia (hoje o Sudão) e outras nações atacam Israel (Gogue e Magogue, Ez 38-39).
·         O Anticristo surge do Império Romano reavivado (Dn 7.7-8; Ap 13.1-2).
·         Os juízos dos selos, das trombetas e dos flagelos (Ap 6.1-12; Ap 8.1-9.21; Ap 11.15; Ap 15.5-16.21).
·         O Anticristo exige adoração e engana o mundo (Dn 11.36-37; 2Ts 2.3-4; Ap 13.2,4,8).
·         Os sistemas comerciais e os falsos sistemas religiosos do mundo são destruídos (Ap 17-18).
·         As nações vêm a Armagedom. O Senhor Retorna. Ele derrota o Anticristo e Satanás (Jl 3.9-16; Zc 14.2-4; Ap 19.11-20).
·         As nações são julgadas com base no tratamento que deram ao povo judeu (Mt 25.31-46).
·         Os gentios são abençoados no Reino Messiânico Milenar (Is 11.10; Is 42.1; Is 49.1; Is 66.12,19).
·         O Egito, a Assíria e Israel são bênçãos (Is 19.23-25).
·         O Julgamento do Grande Trono Branco. Todo joelho se dobrará diante do Messias, Jesus, e todos confessarão que Ele é o Senhor (Fp 2.10-11; Ap 20.11-15).
A Igreja
·         Livrada da Tribulação (o Tempo da Angústia de Jacó) por meio do Arrebatamento (Jo 14.2-3; 1 Ts 4.13-18; Ap 3.10.
·         Os crentes recebem corpos ressurretos como o de Cristo e O vêem fisicamente (1Co 13.12; 1Co 15.52; 1Jo 3.2-3).
·         Trono do Julgamento de Cristo; recebimento de recompensas; ceia das Bodas do Cordeiro (Rm 14.10; 1Co 3.12-15; 2Co 5.10; Ap 19.9).
·         O Senhor retorna. Os santos vêm com Ele e Ele prende Satanás por 1.000 anos (Zc 14.5; Ap 20.1-3).
·         Os santos reinam e governam com o Messias no Reino Messiânico (2Tm 2.12; Ap 20.4-6).
·         Os santos julgam os anjos (1Co 6.3).
·         No final dos 1.000 anos, após uma breve rebelião de Satanás, todos os redimidos, de todos os tempos, judeus e gentios, entram na eternidade, onde estarão diante do Senhor nos novos céus e na nova terra, para sempre (Is 66.22; Ap 21.1-7).
·         Nunca mais chorarão, nunca mais morrerão, nunca mais serão separados de seus amados (Ap 7.17; Ap 21.4).
Maranata! Vem, Senhor Jesus! (Thomas C. Simcox - chamada.com.br)


Thomas C. Simcox é diretor de The Friends of Israel nos estados do Nordeste dos EUA.

O Princípio do Fim


William L. Krewson
O cenário está posto e os acontecimentos na Terra são dirigidos pelo céu. Apocalipse 4 contém a visão registrada do apóstolo João sobre a sala do trono nos céus, de onde se desdobram os planos de Deus para Seu Reino terreno. Louvor contínuo é oferecido para o supremamente santo Deus, cujos direitos como Criador estão próximos de serem revelados.

O Livro Selado (Ap 5.11-14)

A cena enfoca um livro que ninguém é capaz de abrir, que está sendo segurado pela mão direita de Deus. Ele contém o relato escrito do programa de Deus para recuperar a terra amaldiçoada pelo pecado e estabelecer Seu reino de paz e justiça.
Somente uma pessoa surge como sendo digna de tomar o livro e abrir seus selos: “o Leão da Tribo de Judá, a Raiz de Davi” (Ap 5.5). A referência é a Jesus, o Messias, o único que é digno de tomar o livro do plano mestre de Deus para o destino final da Terra e de abrir os sete selos que o fecham. A morte sacrificial de Jesus proporcionou a base para a expressão do juízo final que Deus conduzirá na história humana, como será descrito adiante no Livro de Apocalipse.
João estabeleceu o palco e depois enfocou o livro. Esta cena mostra Cristo quebrando os sete selos de cera que protegem a mensagem escrita em ambos os lados – uma mensagem de juízo para os pecadores e de bênção para o povo de Deus. Cada selo representa um juízo diferente. Os quatro primeiros selos são uma unidade e mostram quatro cavaleiros cavalgando por toda a terra, ecoando Zacarias 1.8-10 e Zacarias 6.1-8.
Os selos restantes revelam cenas mais amplas da ira de Deus, que coloca o mundo sob juízo por sete anos de devastação, acabando com a vida na Terra, do modo como a conhecemos. Apenas depois deste evento é que a terra será preparada para o retorno do Messias de Deus, quando os crentes “reinarão sobre a terra” (Ap 5.10).

Primeiro Selo: o Anticristo (Ap 6.1-2)

O primeiro cavaleiro vem em um cavalo branco. Diferentemente de Apocalipse 19.11, em que o cavaleiro é Jesus Cristo, neste contexto o cavaleiro é o Anticristo. Seu papel como conquistador é compatível com a descrição que o Antigo Testamento faz do rei do final dos tempos que conquista seus rivais para estabelecer sua própria autoridade iníqua (Dn 7.8,20-25).

Segundo Selo: A Guerra (Ap 6.3-4)

Batalhas mundiais estouram, como é simbolizado pelo cavaleiro em um cavalo vermelho. As pessoas matarão umas às outras em guerras e violência, marcando o início do período final da história do mundo.
“Sobreveio grande terremoto. O sol se tornou negro como saco de crina, a lua toda, como sangue, as estrelas do céu caíram pela terra, como a figueira, quando abalada por vento forte” (Ap 6.12-13).

Terceiro Selo: Fome (Ap 6.5-6)

Um cavalo preto surge com um cavaleiro segurando uma balança, que simboliza o preço inflacionado dos alimentos como resultado da fome causada pelas batalhas em larga escala do segundo selo.

Quarto Selo: A Morte (Ap 6.7-8)

A seguir vem um cavalo pálido, amarelo,“sendo este chamado Morte; e o Inferno o estava seguindo” (Ap 6.8). Ele anuncia a destruição de um quarto da população do mundo por causa do efeito cumulativo da guerra, da pobreza e da fome. Além disso, animais selvagens estarão soltos, aumentando a carnificina humana.
Hoje a população do mundo é de cerca de 7 bilhões. Imagine a morte súbita de mais de 2 bilhões de pessoas, as populações atuais da China e da Índia juntas; é algo incrivelmente amedrontador. Este é somente o início do juízo de Deus para o mundo decaído, em preparação para Seu Reino vindouro.

Quinto Selo: Martírio (Ap 6.9-11)

Aqui a cena muda da Terra para o céu, à medida que as vozes dos mártires da Tribulação, em estado incorpóreo, clamam a Deus por vingança. Esta cena é tanto encorajadora quanto grave. Ela revela que a Tribulação produzirá muitos crentes em Jesus Cristo, mas também que muitos deles serão mortos por causa de sua fé.
Esses crentes refletem o desejo pela justiça de Deus: “Clamaram em grande voz, dizendo: Até quando, ó Soberano Senhor, santo e verdadeiro. Não julgas, nem vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?” (v.10). Deus fala a nós todos: “Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira; porque está escrito: A mim me pertence a vingança; eu é que retribuirei, diz o Senhor” (Rm 12.19).

Sexto Selo: Catástrofes Planetárias (Ap 6.12-14)

A terra e o céu começam a reagir à mão de juízo de Deus. Um poderoso terremoto rearranja as montanhas e as ilhas em conjunto com catastróficas perturbações solares e lunares, à medida que Deus abala os céus e a terra (cf. Ag 2.21; Hb 12.26). João usou de linguagem não-científica para descrever as trevas do Sol, a vermelhidão da Lua e a queda das estrelas: “Sobreveio grande terremoto. O sol se tornou negro como saco de crina, a lua toda, como sangue, as estrelas do céu caíram pela terra, como a figueira, quando abalada por vento forte” (Ap 6.12-13).
Ele descreveu a aparência destes corpos celestes como resultado dos quatro primeiros selos e de seus efeitos destrutivos sobre a atmosfera. A Escritura do Antigo Testamento também revela o severo juízo de Deus por meio de perturbações cósmicas (Êx 10.21-23; Is 13.9 10; Is 34.4; 51.6; Ez 32.7-8; Jl 2.2,31; Jl 3.16; Am 8.9; Sf 1.14-15). Jesus citou Sofonias quando disse: “Logo em seguida à Tribulação daqueles dias, o sol escurecerá, a lua não dará sua claridade, as estrelas cairão do firmamento, e os poderes dos céus serão abalados” (Mt 24.29).
Neste ponto, o terror tomará conta dos líderes mundiais, que ficarão impotentes para impedir essas calamidades. A humanidade tentará em vão esconder-se da ira do Cordeiro,“porque chegou o grande Dia da ira deles” (Ap 6.16-17). A humanidade testemunhou breves explosões da ira de Deus, tais como aquela quando Ele destruiu Sodoma e Gomorra por causa do pecado dessas cidades (Gn 18.20; Gn 19.24-25), e quando Ele executou Ananias e Safira porque mentiram (At 5.5-10).
Mas, como a atitude de paciência de Deus predomina, freqüentemente nos esquecemos de Seu atributo de justiça. As Escrituras são claras ao afirmar que Deus é tanto misericordioso quanto justo. Seu amor e Sua misericórdia nunca amainam a Sua ira: “O Senhor é Deus zeloso e vingador. O Senhor é vingador e cheio de ira; o Senhor toma vingança contra os seus adversários e reserva indignação para os seus inimigos” (Na 1.2). O tema da ira de Deus começa em Apocalipse 4 e continua por todo o livro (Ap 11.18; Ap 14.10,19; Ap 15.1,7; Ap 16.1,19; Ap 19.15).
Os crentes em Cristo têm a promessa de completo livramento da ira de Deus na Terra e do eterno Lago de Fogo: “Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para alcançar a salvação mediante nosso Senhor Jesus Cristo” (1Ts 5.9), “...que nos livra da ira vindoura” (1Ts 1.10). Agora os pecadores estão acumulando contra eles mesmos “ira para o dia da ira e da revelação do juízo de Deus” (Rm 2.5).
Um dia Deus liquidará todos os pecados que os incrédulos depositaram em suas contas. Aqueles que entrarem na Tribulação de sete anos sentirão a ira de Deus de maneira sem paralelo, culminando com a sentença de punição eterna no Lago de Fogo (Ap 20.15).
O planeta inteiro estará sofrendo sob a maldição do pecado e do decreto da ira de Deus. O silêncio é uma pausa antes do derramamento adicional da ira de Deus através das sete trombetas.

Sétimo Selo: Silêncio (Ap 8.1)

Depois de um interlúdio no qual o apóstolo João descreveu os 144 mil israelitas “servos do nosso Deus”, que foram selados (Ap 7.1-8) e a grande multidão no céu (Ap 7.9-17), o selo final é aberto. Em vez de conter uma descrição de juízo, o resultado é: “Houve silêncio no céu cerca de meia hora” (Ap 8.1).
O sétimo selo reflete o descanso doshabbath na semana da criação, mas em um contexto completamente diferente. Após a criação, tudo na terra de Deus “era muito bom” (Gn 1.31); agora, tudo na Terra está longe de ser bom. O planeta inteiro estará sofrendo sob a maldição do pecado e do decreto da ira de Deus. O silêncio é uma pausa antes do derramamento adicional da ira de Deus através das sete trombetas. (William L. Krewson - Israel My Glory - chamada.com.br)
William L. Krewson é o diretor do Programa A Bíblia e Israel na Universidade Bíblica Filadélfia em Langhorne, Pennsylvania, EUA.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Eu não sou Charlie,




367

Por Nara Rúbia Ribeiro


Toda e qualquer violência praticada contra um ser humano é um ato reprovável. Mas não é só o corpo que se pode violentar. Afinal, o homem não é só a matéria corpórea que veste. É o infinito de suas abstrações. Assim, podemos violentar o pensamento do outro. A vontade do outro. A sua liberdade. A sua fé. Por isso, digo acerca do atentado terrorista que ceifou a vida dos colunistas da Revista Charlie Hebdo, na França, primeiro que sou Charlie, posto que qualquer violência praticada contra um humano é uma violência a toda a Humanidade. Mas observando o comportamento editorial da Revista vitimada, afirmo: Eu sou Chalie, mas não muito.


É preciso, no exercício da alteridade, se colocar também no lugar de pessoas de diversos credos que se ofendiam cotidianamente com charges grotescas dessa revista. Não há democracia sem liberdade de expressão, mas nunca devemos nos esquecer de que nossas expressões são livres para edificar e consolar, informar e instruir. As asas dessa liberdade têm espaço delimitado de voo, pois várias outras liberdades devem com ela conviver, harmonicamente. Incluindo, aqui, a liberdade religiosa.
O que a Charlie promoveu, durante anos, foi uma discriminação mascarada de humor. Foi o achincalhamento, a zombaria, a desonra de povos inteiros e de seus valores.
Vindos, em sua grande maioria, das ex colônias francesas, mais de 6 milhões de muçulmanos residem na França. Estes sempre foram inseridos na sociedade francesas como se fossem de “uma segunda classe”: pobres, vítimas de preconceitos, hostilizados por sua crença. Mas, como tudo pode piorar, a Revista Charlie



"O Alcorão é uma merda - Isto não para as balas"
O Alcorão é uma merda – Isto não para as balas

tratou de cuidar disso. Criando dezenas de charges ofensivas contra o Islã, a Charlie acentuou o preconceito e ainda profanou preceitos sagrados daquela religião. O povo islâmico era sempre retratado como idiotas armados em prontidão para matar e explodir, e Maomé, que para essa crença não pode ser de modo algum retratado, era objeto de escárnio, em charges de extremado mau gosto.
Penso que os homens, por conveniência, só sabem individualizar o humano quando se esquece do coletivo, na busca do que é seu. Quando se trata do outro, nós o massificamos. Pertencem a categorias rotuladas, e, para a Revista vitimada, esses rótulos eram escritos em letras garrafais, com tinta luminosa. Para eles, judeus, cristãos, muçulmanos, o exercício dessas crenças, é algo que faz o crente um humano menor, indigno de respeito.
Em todos os credos, em todas as religiões, há pessoas de diferentes níveis de evolução moral, mental e espiritual. Nivelar a todos, é falta de inteligência do avaliador. Nivelar ao patamar do mais raso dos indivíduos, é vilania. Não raro, era esse o trabalho da Charlie.



10917660_853539561373001_68692739_n
Pai, Filho e Espírito Santo.

Ainda me lembro do quanto me entristeceu ver uma charge dessa Revista onde a trindade católica era retratada na prática de uma orgia, quando, em ato sexual, os seus três elementos se penetravam. Entristece-me essa maldade de querer destruir algo que, para dado povo, é santo e perfeito. A que serve isso?
Sempre digo que tolero quase tudo. Só me falta aprender a tolerar sem dor o convívio com os intolerantes. Eles existem em todas as crenças, mas não se restringem a elas.  Intolerantes são também aqueles que, intelectualizados, se acham acima de dogmas e preceitos alheios, mas que querem impor a sua própria visão de mundo, não raro, pela força, criando, assim, o seu próprio séquito.
 O que fizemos aqui foi um exercício que, para os criminalistas, é chamado de vitimologia. Analisando o comportamento da vítima e as suas implicações para a ocorrência do fato criminoso. Isso, contudo, não isenta o algoz de sua culpa. O terrorismo é uma das mazelas mais profundas do mundo. Coloca em xeque os bens mais valiosos da sociedade e, não raro, os seus agentes o fazem em nome de Deus
Por tudo isso eu sou Charlie, posto que qualquer violência praticada contra um humano também me fere. Mas também sou as milhares de pessoas a quem a Revista ofendeu, prejudicou, humilhou e fez acentuar o preconceito que já sofriam. E sabedora de que ainda teremos desdobramentos desse triste incidente, espero que aprendamos a lição de respeitar a vida de cada indivíduo, em sua ímpar dimensão existencial, e que as liberdades tenham asas, mas que voem sem zombarias, sem humilhações, e sem rótulos.
Para complementar o raciocínio do texto acima, “Somos os infernos dos outros?” – Leandro Karnal

Nara Rúbia Ribeiro10375991_704688386255695_1410672344130654829_n

Escritora, advogada e professora universitária.
Administradora da página oficial do escritor moçambicano Mia Couto.
No Facebook: Escritos de Nara Rúbia Ribeiro

PREMONIÇÃO