quinta-feira, 9 de julho de 2015

A espiritualidade dos animais














por Márcia Fernandes em Lidando com o Invisível


Os animais têm instinto apurado e são puros, além da linguagem própria de acordo com cada espécie. Eles são inferiores à raça humana, apresentam a liberdade limitada de ação, pois não têm o livre-arbítrio.
A ciência afirma que os animais têm uma inteligência rudimentar conforme as suas necessidades. Mas a espiritualidade dos animais vai mais além. Eles são seres que agem pelo instinto, seres que amam o ser humano, sentem as energias do ambiente e também humanas, são extremamente sensíveis a tudo que os rodeia.
Será que realmente os animais têm a ligação direta com o outro mundo? Os felinos realmente podem enxergar os mortos e alertar os seus donos sobre uma presença espiritual?
Segundo os testes científicos realizados em laboratórios de Parapsicologia revelam que os animais também podem desenvolver estranhas habilidades paranormais.
Você já teve a impressão de que o seu animal te compreende mesmo sem você falar absolutamente nada? A impressão foi confirmada cientificamente. Alguns animais possuem a hiperestesia indireta, ou seja, faculdade paranormal que eles conseguem perceber as mensagens telepáticas, principalmente de seus donos. A conversa psíquica com os animais pode ser desenvolvida com treinos e para isso já existe a psicoveterinária, isto é, um ramo da Psicologia direcionada aos animais.
Na Antiguidade, os egípcios já acreditavam que os felinos conseguiam ver as almas das pessoas e acessar o mundo dos mortos. Por causa dessa crença, quando um faraó nobre ou um sacerdote falecia, um gato era sacrificado e enterrado com o morto. A sabedoria egípcia dizia que o gato iria despertar na morte e levar o espírito para o além, seu destino final.
Vale lembrar que o gato apresenta a espiritualidade aguçada no olhar, já o cachorro, no focinho.
Os gatos assistem e sentem tudo. Jamais duvidem disso! Eles apresentam uma visão aguçada, podem sentir as energias eletromagnéticas negativas do ambiente, pois sentem o local onde estão, sentem a energia do ódio, da tristeza. Não é a toa que eles têm sete vidas, pois são animais livres, espertos, independentes e caçadores. Eles são considerados bichos sagrados, pois transmitem vida, alegria, amor, energia positiva para as pessoas e afastam as almas trevosas do ambiente, além de apresentar o poder da hipnose.
O cachorro também é considerado um animal maravilhoso para o ser humano. Ele é o verdadeiro amigo do homem, o nosso Anjo da Guarda, pois não tem nenhuma maldade, é um ser puro, age por instinto, ama realmente o seu dono sem nenhum interesse. Ele sente, por exemplo, quando o dono está triste ou está prestes a morrer, ou seja, ele tem a premonição da morte, consegue enxergar a aura das pessoas, se as pessoas estão tristes ou não, se estão com encostos e, muitas vezes, o cachorro se assusta ao ver algo estranho.
Ele também tem o poder de “quebrar quebranto”, quer dizer, afasta a inveja da sua aura, quebra as energias negativas e elimina tudo de maldade humana que você apresenta. Dependendo do caso da maldição no ser humano, o cachorro terá queda dos pêlos ou até chegam a morte em virtude da energia pesada sobre os seus donos.
E o que acontece quando o cachorro morre? Quando um cachorro morre, reencarna na mesma família em aproximadamente 60 dias, pois não são espíritos errantes como nós que precisamos ficar um tempo em outro plano para acertarmos os erros cometidos. Que divino é o nosso animal de estimação!
Vale mencionar que não só os cachorros e os gatos são os amigos do homem em todos os sentidos. O golfinho, a baleia, a águia, a tartaruga, a coruja, o papagaio, o pica-pau, por exemplo, também apresentam os seus valores e atributos positivos.
- A baleia e o golfinho pensam dezesseis vezes mais rápido que o ser humano e é por isso que são considerados os seres mais inteligentes do Planeta.
- A águia representa a força e apresenta uma visão mais aguçada que todos os animais.
- A tartaruga tem a casa própria, passeia devagarinho e sempre.
- A coruja apresenta o poder da magia, consegue enxergar 360º e representa os nossos ancestrais.
- O papagaio também consegue ver tudo e sabe de tudo, pois a sua espiritualidade é aguçada.
- O pica-pau representa a justiça em sua vida.
Devemos respeitar os animais, pois eles são seres maravilhosos e estão aqui para nos ajudar. Futuramente, não haverá mais a necessidade do ser humano matar os animais para complementar a alimentação. O próprio ser humano está cada vez mais evoluindo para comer somente grãos e verdura.
Todos nós devemos sim ter um animalzinho em casa para nos proteger e fazer companhia. Cuide dele com todo o seu amor e carinho, pois ele merece! Eu mesma estou procurando um cachorrinho…

Tentando entender os humanos (excelente reflexão)!


Diante de tanto desatino proporcionado pelos humanos, com evidente destaque para as crescentes agressões ao meio ambiente e as consequentes mudanças climáticas cada vez mais acentuadas, diálogos como o imaginado na figura abaixo devem estar acontecendo entre muitas espécies que habitam o planeta e, portanto, não só entre os macacos. Para reflexão!

A lição do macaco

tudo é espiritualidade

Muito – e desde sempre – se fala sobre espiritualidade. Como sabemos, as religiões pregam e registram a esse respeito. A Bíblia é um exemplo. Mas como você conceitua e compreende a espiritualidade? 
A par de diversas definições existentes para o tema, diria que espiritualidade é um estado virtuoso que nos conecta com o Divino e nos predispõe e nos conduz a estar de bem conosco e a praticar o bem. Esse estado de espírito independe de qualquer religião. Antes de tudo, é pessoal. É íntimo.
Sob a ótica da filosofia, a espiritualidade está associada a uma busca do sentido da vida que transcende o mundano.
Para enriquecer nossa reflexão a esse respeito, reproduzo mensagem que recebi da Coach Paula Abreu (www.escolha sua vida.com.br), a seguir transcrita, com definições muito interessantes e uma compreensão bem abrangente sobre espiritualidade (na prática). Vejam que interessante!
Quando falo de espiritualidade, sei que muita gente imagina igrejas, templos, robes brancos, incenso, velas ou um indiano barbudo meditando aos pés do Himalaia.
Tudo é espiritualidade. Não só meditar aos pés do Himalaia. 
Espiritualidade é trabalhar com amor, dar significado ao seu trabalho. Fazer não só pra pagar as contas no fim do mês, mas se colocar a serviço de outras pessoas e do universo. De preferência naquilo que você nasceu pra fazer. Mas, se isso não for possível, dar significado ao que você faz exatamente hoje. Enxergar como a oportunidade de aprendizado e crescimento, a preparação pra um vôo mais alto.
Espiritualidade é estar bem financeiramente, é entender que dinheiro nada mais é do que uma forma de energia como outra qualquer, é conseguir se conectar com a abundância e amor em vez do medo e da escassez.
Espiritualidade é estar presente nos seus relacionamentos, enxergar a divindade no outro e honrar isso. É perceber que as pessoas em volta não são só figurantes na sua história, elas têm histórias também. É escutar essas histórias com o coração, se abrir para o outro. É perdoar.
Espiritualidade não é só meditar aos pés do Himalaia.
Espiritualidade é andar nas ruas da sua cidade e, em vez de olhar apenas para a sujeira ou a violência, enxergar a beleza da cor do céu, sentir com prazer a brisa que bate no seu rosto quando você atravessa a rua, é ver as árvores e entender que elas têm uma sabedoria secular, e respeitar essa sabedoria.
Espiritualidade é observar quantas pessoas ~invisíveis~ trabalham pra que você possa ter o que pra você é ~garantido~, quem conserta os fios e cabos de eletricidade, as tubulações de gás sob o chão que você pisa, quem rala o queijo que você joga por cima do seu macarrão no restaurante.
É perceber que, hoje, você está exatamente onde deveria estar e o universo está te dando exatamente tudo o que você precisa no momento presente.
E é sentir gratidão por tudo isso.
Tudo isso é espiritualidade, e pode fazer parte da sua vida hoje, a partir de Agora. Basta você fazer uma única nova escolha.
Conecte-se com algo maior que você.
Não viva pequeno.
A vida é muito mais que isso. “

visitantes


Como é fantástico,na minha caminhada  pela espiritualidade encontrar  pessoas  em fase de lapidação, e interessadas cada vez mais nos conhecimentos do "ocultismo",oxalá uma pequena maioria tivesse essa mesma atitude o Planeta Terra "Palco das Reencarnações" estaria  um grau a mais da evolução,disseminando a IRA, o ÓDIO, as ATITUDES ANIMALESCAS,o ORGULHO , a VIOLÊNCIA   etc. Estaríamos prontos para a nova revolução do Planeta ,gerando mais vibrações positivas e portanto um mundo bem  melhor do que esse o qual estamos vivenciando.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Como saber se sou médium



831210483_cca207535d_z
Os médiuns são pessoas dotadas da capacidade de intermediar a comunicação entre os homens e espíritos, ou ainda melhor, são os instrumentos dos quais se servem os espíritos para que esta comunicação com os homens se torne inteligível. Assim, aquele que se sente influenciado pelos espíritos, é de certo modo um médium mas, por uma questão de nomenclatura, somente aqueles que têm essa capacidade de uma forma mais intensa, ou seja, em um grau de intensidade suficiente para receptar mensagens dos espíritos, é denominado de médium. O termo deriva do vocábulo latino medium e significa meiointermediário.
5570729395 43ddf2194e b Como saber se sou médiumOs médiuns possuem uma constituição física diferenciada das demais pessoas, de modo que possa ceder parte de seu fluido vital aos espíritos, permitindo assim que haja a intermediação entre o mundo físico e o espiritual. Como as demais modalidades mediúnicas exigem uma gama de conhecimentos e testes para validar a sua autenticidade, e sendo a psicografia uns dos métodos mais comuns e de fácil constatação, veja como saber se você é um médium…   
Passo a passo
1) Sentir um formigamento, uma vaga impressão ou tremor dos membros, sem explicação lógica. Um bom espírito produz uma sensação agradável, suave, enquanto um mau espírito causa desconforto, sensação asfixiante e desagradável.
2) Pegue caneta/lápis e papel e ponha-se na posição de escrever, sem oferecer resistência aos movimentos da mão.
3) Faça um apelo geral aos espíritos, principalmente ao seu anjo guardião. A princípio não invoque determinado espírito pois, apesar da simpatia que tenha por ele, poderá ocorrer que as relações fluidas entre ambos não sejam propícias para a comunicação, ou ainda que ele não tenha permissão ou condição de estabelecer contato.
4) Evoque sempre o espírito em nome de Deus e peça que o seu anjo guardião assista e te proteja dos espíritos de má índole.
5) Aguarde a manifestação do espírito. Em alguns casos os espíritos começam por escrever o seu nome. No entanto a questão de identidade é um problema que demanda muita experiência e estudo.
 6) Formule perguntas de forma que as respostas possam ser dadas simplesmente por sim ou não. Com a experiência esta precaução tornar-se-á desnecessária.
7) Mantenha a calma e o desejo ardente de estabelecer a comunicação, mas sem ansiedade. Um ambiente silencioso e sem distrações é imprescindível para os iniciantes.
8) Renove todos os dias a tentativa, durante 20 minutos, meia hora, um mês, três meses e assim por diante. Alguns médiuns só conseguiram êxito depois de três, seis meses e até um ano de exercícios.
9) Se apesar das tentativas você não conseguir desenvolver a mediunidade, renuncie à modalidade psicográfica.
4153383277 c283cb043e b 600x250 Como saber se sou médiumDicas
  • Médium ambicioso é aquele que se aproveita do dom de se comunicar com os espíritos para tirar quaisquer vantagens.
  • Médium audiente são os que literalmente ouvem os espíritos, seja por meio de uma voz interior, ou mediante à uma voz exterior, como a de uma pessoa viva.
  • A mediunidade não se revela em todos da mesma maneira, de forma a permitir a classificação dos intermediários em:
  1. Médiuns de efeitos físicos – que têm a faculdade de provocar efeitos materiais como, por exemplo, a materialização de objetos, a escrita direta dos espíritos ou a tiptologia (designação dada à produção de ruídos e pancadas);
  2. Médiuns de efeitos intelectuais – que têm a faculdade mais desenvolvida, o que permite receber e transmitir as comunicações de forma inteligível, como a psicografia, a psicofonia, a vidência, a audiência, etc.
  • A mediunidade não depende de sexo, idade, ou temperamento, sendo encontrada em toda variedade de indivíduos.
  • Os médiuns se dividem ainda em duas categorias: os involuntários e os facultativos:
  1. Os involuntários não agem por vontade própria, mas pelas dos espíritos;
  2. Os facultativos, pelo contrário, operam a comunicação por iniciativa própria;
  • De acordo com o tempo e o lugar, os médiuns já foram considerados santos, feiticeiros, loucos ou visionários.
  • O fato de os filhos de médiuns também possuírem a desenvoltura da mediunidade não significa que a faculdade é hereditária, mas sim de afinidade. Os espíritos se valem dos laços de consanguinidade para realizar ou continuar determinadas tarefas.
Boa sorte!

sábado, 20 de junho de 2015

. Em que direção caminhas?




. Tempo

Imagem
O cérebro humano mede o tempo por meio da observação dos movimentos. Se alguém colocar você dentro de uma sala branca vazia, sem nenhuma mobília, sem portas ou janelas e sem relógio, você começará a perder a noção do tempo. Por alguns dias, sua mente detectará a passagem do tempo sentindo as reações internas do seu corpo, incluindo os batimentos cardíacos, ciclos de sono, fome, sede e pressão sanguínea. Isso acontece porque nossa noção de passagem do tempo deriva do movimento dos objetos, pessoas, sinais naturais e da repetição de eventos cíclicos, como o nascer e o pôr do sol. 
Compreendido este ponto, há outra coisa que você tem que considerar: nosso cérebro é extremamente otimizado. Ele evita fazer duas vezes o mesmo trabalho. Um adulto médio tem entre 40 e 60 mil pensamentos por dia.
Qualquer um de nós ficaria louco se o cérebro tivesse que processar conscientemente tal quantidade. Por isso, a maior parte destes pensamentos é automatizada e não aparece no índice de eventos do dia e portanto, quando você vive uma experiência pela primeira vez, ele dedica muitos recursos para compreender o que está acontecendo. É quando você se sente mais vivo. 

Conforme a mesma experiência vai se repetindo, ele vai simplesmente colocando suas reações no modo automático e “apagando” as experiências duplicadas. Se você entendeu estes dois pontos, já vai compreender porque parece que o tempo acelera, quando ficamos mais velhos e porque os Natais chegam cada vez mais rapidamente. 
Quando começamos a dirigir automóveis, tudo parece muito complicado, nossa atenção parece ser requisitada ao máximo. Então, um dia dirigimos trocando de marcha, olhando os semáforos, lendo os sinais ou até falando ao celular ao mesmo tempo. Como acontece? Simples: o cérebro já sabe o que está escrito nas placas (você não lê com os olhos, mas com a imagem anterior, na mente).
O cérebro já sabe qual marcha trocar (ele simplesmente pega suas experiências passadas e usa, no lugar de repetir realmente a experiência).
Em outras palavras, você não vivenciou aquela experiência, pelo menos para a mente. Aqueles críticos segundos de troca de marcha, leitura de placa, etc. são apagados de sua noção de passagem do tempo… Quando você começa a repetir algo exatamente igual, a mente apaga a experiência repetida. 

Conforme envelhecemos, as coisas começam a se repetir. As mesmas ruas, pessoas, problemas, desafios, programas de televisão, reclamações… Enfim, as experiências novas (aquelas que fazem a mente parar e pensar de verdade, fazendo com que seu dia pareça ter sido longo e cheio de novidades), vão diminuindo… Até que tanta coisa se repete que fica difícil dizer o que tivemos de novidade na semana, no ano ou, para algumas pessoas, na década. 
Em outras palavras, o que faz o tempo parecer que acelera é a R-O-T-I-N-A.
Não me entenda mal. A rotina é essencial para a vida e otimiza muita coisa, mas a maioria das pessoas ama tanto a rotina que, ao longo da vida, seu diário acaba sendo um livro de um só capítulo, repetido todos os anos. 

Felizmente, há um antídoto para a aceleração do tempo: M & M (Mude e Marque). Mude, fazendo algo diferente e marque, fazendo um ritual, uma festa ou registros com fotos. Mude de paisagem, tire férias com a família (sugiro que você tire férias sempre e, preferencialmente, para um lugar quente, um ano, e frio no seguinte) e marque com fotos, cartões postais e cartas. 
Tenha filhos (eles destroem a rotina) e sempre faça festas de aniversário para eles, e para você (marcando o evento e diferenciando o dia). Use e abuse dos rituais para tornar momentos especiais diferentes de momentos usuais, visite parentes distantes, entre na universidade com 60 anos, troque a cor do cabelo, deixe a barba, tire a barba, vá a shows, cozinhe uma receita nova (tirada de um livro novo). Escolha roupas diferentes, não pinte a casa da mesma cor, faça diferente. 
Beije diferente sua paixão e viva com ela momentos diferentes. Vá a mercados diferentes, leia livros diferentes, busque experiências diferentes. Seja diferente… Se você tiver dinheiro, especialmente se já estiver aposentado, vá com seu marido, esposa ou amigos para outras cidades ou países, veja outras culturas, visite museus estranhos, deguste pratos esquisitos… 
Em outras palavras: V-I-V-A. 
Porque se você viver intensamente as diferenças, o tempo vai parecer mais longo. E se tiver a sorte de estar casado (a) com alguém disposto (a) a viver e buscar coisas diferentes, seu livro será muito mais longo, muito mais interessante e muito mais V-I-V-O do que a maioria dos livros da vida que existem por aí. Cerque-se de amigos. Amigos com gostos diferentes, vindos de lugares diferentes, com religiões diferentes e que gostam de comidas diferentes. 
Enfim, acho que você já entendeu o recado, não é? 
Boa sorte em suas experiências para expandir seu tempo, com qualidade, emoção, rituais e VIDA. 

(Airton Luiz Mendonça)