terça-feira, 11 de agosto de 2015

Uma Única Verdade


Uma Única Verdade

A suposta necessidade de ir à um templo, é apenas a forma dos pastores exercerem o seu sacerdócio imaginário, pelo qual são bem pagos. Não há nenhuma outra necessidade real de cristãos se encontrarem lá, senão essa... Se você admite que é correto diante de Deus que uma pessoa receba sustento sem trabalhar, certamente você já está pronto a aceitar qualquer outra coisa que inventarem, por mais diabólica que seja.

Alguns aqui talvez já tenham assistido, ou no minimo ouvido falar sobre o Filme Lutero, os que assistiram com certeza devem ter se emocionado, chorado, sei até de alguns que exclamaram "Nossa esse era um homem de Fé", "Esse foi usado por Deus", eu sinceramente fico me perguntando como as pessoas conseguem ser iludidas e persuadidas facilmente, mas ai eu penso: talvez seja porque elas são incapazes! sim incapazes de caminhar sem ter um simbolo, um ídolo para seguir, e precisam de uma "Figura de Proá" para se guiar, católicos tem seus Santos de Barro e argila, protestantes tem seu Pastores Show-Man, mas no final tudo é a mesma coisa :P

A Reforma de Lutero Nunca foi Espiritual e sim Politica

Da mesma forma que a criação da Igreja Católica foi Politica em 325 no Concilio de Niceia, onde o Império Romano estava em total declínio e Constantino astutamente colocou o cristianismo como religião oficial de Roma, mas isso ficará para outra publicação, não foi diferente com Lutero.

A verdade, é que "as Heresias do Lutero" são simplesmente as mesmas das "Católico", e não sem motivo.

Você precisa compreender que Lutero era um padre que estava atacando, não a religião católica, mas sim a liderança católica, tanto que a idéia dele não era criar qualquer seita ou divisão, mas sim um REFORMA, aonde ele derrubaria a liderança atual e se tornaria o Papa.

Os impérios do norte, do Sacro-Santo Império Romano desejavam operar livres do domínio do Papa, que cada vez mais cobrava mais impostos dos reinos para sustentar suas luxurias e extravagâncias, cada vez mais psicótico com suas cruzadas suicidas.


Podemos ver que a Igreja Católica naquela época dominava todo o mundo, ou seja, os reis e príncipes ao norte e sul, leste e oeste, muitos tinham medo de enfrentar a igreja, mesmo tendo a intenção de fazer, mesmo Reis com soldados e súditos, pois ao longo dos séculos a igreja católica se tornou um grande e poderoso império militar, a verdade é que se formos comparar o poder dos Estados Unidos hoje, militarmente falando, ele não chegaria aos pés do poder da Igreja Católica naquele tempo.


SacroSanto Império Romano demonstra a adoção da babilônica "Águia Bicefala de Lagash", e aqui neste desenho de 1510, as penas exibem as flâmulas dos principados, e possuem um crucifixo sobre o corpo. SacroSanto Império Romano é também chamado de 2º Reich.


Só que os cavaleiros teutônicos que ajudaram ele, pretenderam desde o início criar uma seita, devido a rixa que tinham com os templários, estes mandavam nas terras papais, e ficar independente do Papa, a briga na verdade entre esses dois grupos eram politicas, pois os mesmo disputavam reconhecimento dentro da igreja, tanto é verdade que a registro que logo que o grupo dos templários tomou conta das principais partes da igreja, eles enviavam o grupo do teutônicos para as piores batalhas, isso com intensão de dizimar os mesmo.


A coisa chegou num ponto, que foi convocada a "Dieta de Worms" uma reunião de todos os príncipes saxões, aonde Lutero pediu ajuda militar para derrubar o papado, e ele mostrou suas verdadeiras intenções - ele queria ser o Papa..




O teutônicos queriam se libertar do Papa, e não criar outro.
Como a ideia de Lutero era virar Papa, e esse não era o plano dos cavaleiros teutônicos, eles resolveram declarar Lutero "ilegal", e Lutero foi sequestrado por um dos príncipes e exilado num local distante, onde o mesmo foi posto a traduzir a bíblia, pois veja, no filme "O Livro de Eli" podemos ver que esse livro pode dominar a humanidade, como já vem dominando a muito tempo, e eles sabiam que assim poderiam ter o controle sobre as pessoas.








1º pagina de Reichsexecutionsordnung, o jornal estatal de 1555


O Reichsexekutionsordnung promulgada na Dieta de Augsburgo, em 1555, leva ao enfraquecimento do poder imperial e da consagração do princípio do Estado imperial. Os círculos locais e estados imperiais também se dá bem com suas funções normais, o poder de executar as decisões do Reichskammergericht (A corte do 2º Reich) e a nomeação de assessores que atuariam. Além disso, eles têm o direito de cunhar moeda e exercer outros encargos previamente reservada para o imperador. Desde que o imperador tinha sido incapaz de alcançar as suas principais tarefas, ou seja, para preservar a paz, o seu papel é agora assumidas pelos Estados de círculos imperial.


A paz religiosa proclamada 25 de setembro de 1555 é tão importante quanto o Exekutionsordnung, ela abandonou a idéia de um império unido religiosamente.
Ao senhores feudais concedido o direito de decidir a fé de seus súditos, que é resumida na fórmula de "cujus regio, ejus religio". Em áreas protestantes, a jurisdição religiosa passa para a Câmara dos Lordes, que então, se tornam automaticamente os líderes espirituais de seus territórios.


Nos territórios católicos ocorre a inquisição católica, e nos territórios protestantes, a inquisição protestante.



E Lutero ainda pertencia à mesma sociedade secreta que Leonardo D'Vinci, e vários outros intelectuais medievais.

Os Livros Apócrifos




Conforme mencionamos acima, Constantino, foi pressionado por sua corte a elaborar um conceito de Deus que agradasse às facções cristãs que tinham Jesus como salvador dos pecados do mundo. Constantino convocou então em 20 de maio de 325 a 19 de junho do mesmo ano, o célebre Conselho de Nicéia. O Concílio foi Presidido pelo Bispo Alexandre de Alexandria.

E entre muitas discussões durantes os debates. um grupo de altos dignitários cristãos decidiu que Deus era três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. O que contraria as palavras de Jesus, pois nem no Novo Testamento nem nos textos Apócrifos, jamais se referiu à Trindade. O que unanimemente todos os evangelhos expressam é: "Eu (Jesus) e o Pai somos um”.

Foi nesse conselho que os evangelhos que não tinham o aval do Espírito Santo foram rotulados APÓCRIFOS. E de que forma se podia saber sobre essa decisão divina? Disseram que todos os textos religiosos até então escritos foram colocados sobre um altar. Os bispos rezaram para que aqueles que fossem falsos caíssem. E tal se deu. Restaram os Evangelhos segundo Mateus, Lucas, Marcos e João, sem que nunca se pudesse provar se a autoria é a verdadeira. É lógico que o procedimento para a escolha dos Evangelhos não se deu como os bispos disseram. Eles simplesmente escolheram aqueles que não representariam ameaças ao poder da Igreja, excluindo aqueles que provavam a descendência de Jesus, pois do contrário o Papa seria deposto e substituído por um herdeiro consangüíneo de Jesus. Outro parâmetro importante era o Monoteísmo, Deus deveria ser uma só entidade suprema – da qual os papas seriam os representantes diretos na Terra. A prática de Magia também foi condenada, é claro, pois isso representaria perigo ao poder da igreja. Apesar de condenar a magia, a astrologia e outras ciências. a abertura do concílio deu-se em 20 de maio de 325, sob uma conjunção de Urano e Plutão em Aquário. Conjunções Urano-Plutão são de grande importância como demarcadores de avanços econômicos e tecnológicos, assim como de momentos em que se formam as condições para grandes concentrações de capital que proporcionarão surtos de desenvolvimento da atividade econômica. Efetivamente a Igreja cumpriu, ao longo dos séculos, um papel de grande importância na vida econômica da Europa, seja como proprietária de terras seja como impulsionadora do renascimento comercial, através das cruzadas. Ainda hoje podemos testemunhar o Rico Império em que a Igreja Católica se transformou, basta observar o Vaticano. 

    A partir de Nicéia, então, tudo o que não estivesse de acordo com os ditames de Roma era queimado. 

    No entanto, muitos destes livros foram copiados, enterrados, escondidos em Mosteiros por Monges Agnósticos, fracionados e publicados sob outros nomes e de alguma forma sobreviveram até os nossos dias. Há uma vasta lista de títulos de livros que se tornaram apócrifos, acredito termos relacionado a grande maioria abaixo:


Antigo Testamento


Apocalipse de Adão 
Apocalipse de Baruc 
Apocalipse de Moisés 
Apocalipse de Sidrac 
Sexto, Sétimo, Oitavo, Nono e Décimo Livros de Moisés
Samuel Apócrifo 
As Três Estelas de Seth 
Ascensão de Isaías 
Assunção de Moisés 
Caverna dos Tesouros 
Epístola de Aristéas 
Livro dos Jubileus 
Martírio de Isaías 
Oráculos Sibilinos 
Prece de Manassés 
Primeiro Livro de Adão e Eva 
Primeiro Livro de Enoque 
Primeiro Livro de Esdras 
Quarto Livro dos Macabeus 
Revelação de Esdras 
Salmo 151 
Salmos de Salomão (ou Odes de Salomão) 
Segundo Livro de Adão e Eva 
Segundo Livro de Enoque (ou Livro dos Segredos de Enoque) 
Segundo Livro de Esdras (ou Quarto Livro de Esdras) 
Segundo Tratado do Grande Seth 
Terceiro Livro dos Macabeus 
Testamento de Abraão 
Testamento dos Doze Patriarcas 
Vida de Adão e Eva


Novo Testamento


A Hipostase dos Arcontes - (Ágrafos Extra-Evangelhos) - (Ágrafos de Origens Diversas) - Apocalipse da Virgem - Apocalipse de João o Teólogo - Apocalipse de Paulo


Apocalipse de Pedro


Apocalipse de Tomé - Atos de André - Atos de André e Mateus - Atos de Barnabé - Atos de Filipe - Atos de João - Atos de João o Teólogo - Atos de Paulo - Atos de Paulo e Tecla - Atos de Pedro - Atos de Pedro e André - Atos de Pedro e Paulo - Atos de Pedro e os Doze Apóstolos - Atos de Tadeu - Atos de Tomé - Consumação de Tomé - Correspondência entre Paulo e Sêneca - Declaração de José de Arimatéia - Descida de Cristo ao Inferno - Discurso de Domingo - Ditos de Jesus ao rei Abgaro - Ensinamentos de Silvano - Ensinamentos do Apóstolo [T]adeu - Ensinamentos dos Apóstolos


Epístola aos Laodicenses


Epístola de Herodes a Pôncio Pilatos - Epístola de Jesus ao rei Abgaro (2 versões) - Epístola de Pedro a Filipe - Epístola de Pôncio Pilatos a Herodes - Epístola de Pôncio Pilatos ao Imperador - Epístola de Tibério a Pôncio Pilatos - Epístola do rei Abgaro a Jesus - Epístola dos Apóstolos - Eugnostos, o Bem-Aventurado - Evangelho Apócrifo de João - Evangelho Apócrifo de Tiago - Evangelho Árabe de Infância - Evangelho Armênio de Infância (fragmentos) - Evangelho da Verdade - Evangelho de Bartolomeu


Evangelho de Filipe


Evangelho de Marcião - Evangelho de Maria Madalena (ou Evangelho de Maria de Betânia) - Evangelho de Matias (ou Tradições de Matias) - Evangelho de Nicodemos (ou Atos de Pilatos) - Evangelho de Pedro


Evangelho de Tome o Gêmeo (Dídimo)


Evangelho do Pseudo-Mateus - Evangelho do Pseudo-Tomé - Evangelho dos Ebionitas (ou Evangelho dos Doze Apóstolos) - Evangelho dos Egípcios - Evangelho dos Hebreus - Evangelho Secreto de Marcos - Exegese sobre a Alma - Exposições Valentinianas - (Fragmentos Evangélicos Conservados em Papiros) - (Fragmentos Evangélicos de Textos Coptas) - História de José o Carpinteiro - Infância do Salvador - Julgamento de Pôncio Pilatos - Livro de João o Teólogo sobre a Assunção da Virgem Maria - Martírio de André - Martírio de Bartolomeu - Martírio de Mateus - Morte de Pôncio Pilatos - Natividade de Maria - O Pensamento de Norea - O Testemunho da Verdade - O Trovão, Mente Perfeita - Passagem da Bem-Aventurada Virgem Maria


"Pistris Sophia" (fragmentos)


Prece de Ação de Graças - Prece do Apóstolo Paulo - Primeiro Apocalipse de Tiago - Proto-Evangelho de Tiago - Retrato de Jesus - Retrato do Salvador - Revelação de Estevão - Revelação de Paulo - Revelação de Pedro - Sabedoria de Jesus Cristo - Segundo Apocalipse de Tiago - Sentença de Pôncio Pilatos contra Jesus - Sobre a Origem do Mundo - Testemunho sobre o Oitavo e o Nono - Tratado sobre a Ressurreição - Vingança do Salvador - Visão de Paulo


Escritos de Qumran


A Nova Jerusalém (5Q15) 
A Sedutora (4Q184) 
Antologia Messiânica (4Q175) 
Bênção de Jacó (4QPBl) 
Bênçãos (1QSb) 
Cânticos do Sábio (4Q510-4Q511) 
Cânticos para o Holocausto do Sábado (4Q400-4Q407/11Q5-11Q6) 
Comentários sobre a Lei (4Q159/4Q513-4Q514) 
Comentários sobre Habacuc (1QpHab) 
Comentários sobre Isaías (4Q161-4Q164) 
Comentários sobre Miquéias (1Q14) 
Comentários sobre Naum (4Q169) 
Comentários sobre Oséias (4Q166-4Q167) 
Comentários sobre Salmos (4Q171/4Q173) 
Consolações (4Q176) 
Eras da Criação (4Q180) 
Escritos do Pseudo-Daniel (4QpsDan/4Q246) 
Exortação para Busca da Sabedoria (4Q185) 
Gênese Apócrifo (1QapGen) 
Hinos de Ação de Graças (1QH) 
Horóscopos (4Q186/4QMessAr) 
Lamentações (4Q179/4Q501) 
Maldições de Satanás e seus Partidários (4Q286-4Q287/4Q280-4Q282) 
Melquisedec, o Príncipe Celeste (11QMelq) 
O Triunfo da Retidão (1Q27) 
Oração Litúrgica (1Q34/1Q34bis) 
Orações Diárias (4Q503) 
Orações para as Festividades (4Q507-4Q509) 
Os Iníqüos e os Santos (4Q181) 
Os Últimos Dias (4Q174) 
Palavras das Luzes Celestes (4Q504) 
Palavras de Moisés (1Q22) 
Pergaminho de Cobre (3Q15) 
Pergaminho do Templo (11QT) 
Prece de Nabonidus (4QprNab) 
Preceito da Guerra (1QM/4QM) 
Preceito de Damasco (CD) 
Preceito do Messianismo (1QSa) 
Regra da Comunidade (1QS) 
Rito de Purificação (4Q512) 
Salmos Apócrifos (11QPsa) 
Samuel Apócrifo (4Q160) 
Testamento de Amran (4QAm)


Outros Escritos


História do Sábio Ahicar 
Livro do Pseudo-Filon 
Evangelho de Judas

A Parte do Cristianismo que seu PADRE/PASTOR não te Contou




O CONCÍLIO DE NICÉIA 325 D.C.

325 D.C – É realizado o Concílio de Nicéia, atual cidade de Iznik, província de Anatólia (nome que se costuma dar à antiga Ásia Menor ), na Turquia asiática. A Turquia é um país euro-asiático, constituído por uma pequena parte européia, a Trácia, e uma grande parte asiática, a Anatólia. Este foi o primeiro Concílio Ecumênico da Igreja, convocado pelo Imperador Flavius Valerius Constantinus (285 - 337 d.C), filho de Constâncio I. Quando seu pai morreu em 306, Constantino passou a exercer autoridade suprema na Bretanha, Gália ( atual França ) e Espanha. Aos poucos, foi assumindo o controle de todo o Império Romano. 

     Desde Lúcio Domício Aureliano (270 - 275 d.C.), os Imperadores tinham abandonado a unidade religiosa, com a renúncia de Aureliano a seus "direitos divinos", em 274. Porém, Constantino, estadista sagaz que era, inverteu a política vigente, passando, da perseguição aos cristãos, à promoção do Cristianismo, vislumbrando a oportunidade de relançar, através da Igreja, a unidade religiosa do seu Império. Contudo, durante todo o seu regime, não abriu mão de sua condição de sumo-sacerdote do culto pagão ao "Sol Invictus". Tinha um conhecimento rudimentar da doutrina cristã e suas intervenções em matéria religiosa visavam, a princípio, fortalecer a monarquia do seu governo.

        Na verdade, Constantino observara a coragem e determinação dos mártires cristãos durante as perseguições promovidas por Diocleciano, em 303. Sabia que, embora ainda fossem minoritários ( 10% da população do império ), os cristãos se concentravam nos grandes centros urbanos, principalmente em território inimigo. Foi uma jogada de mestre, do ponto de vista estratégico, fazer do Cristianismo a Religião Oficial do Império : Tomando os cristãos sob sua proteção, estabelecia a divisão no campo adversário. Em 325, já como soberano único, convocou mais de 300 bispos ao Concílio de Nicéia. Constantino visava dotar a Igreja de uma doutrina padrão, pois as divisões, dentro da nova religião que nascia, ameaçavam sua autoridade e domínio. Era necessário, portanto, um Concílio para dar nova estrutura aos seus poderes.

        E o momento decisivo sobre a doutrina da Trindade ocorreu nesse Concílio. Trezentos Bispos se reúnem para decidir se Cristo era um ser criado (doutrina de Arius) ou não criado, e sim igual e eterno como Deus Seu Pai (doutrina de Atanásio). A igreja acabou rejeitando a idéia ariana de que Jesus era a primeira e mais nobre criatura de Deus, e afirmou que Ele era da mesma "substância" ou "essência" (isto é, a mesma entidade existente) do Pai.

        Assim, segundo a conclusão desse Concílio, há somente um Deus, não dois; a distância entre Pai e Filho está dentro da unidade divina, e o Filho é Deus no mesmo sentido em que o Pai o é. Dizendo que o Filho e o Pai são "de uma substância", e que o Filho é "gerado" ("único gerado, ou unigênito", João 1. 14,18; 3. 16,18, e notas ao texto da NVI), mas "não feito", o Credo Niceno, estabelece a Divindade do homem da Galiléia, embora essa conclusão não tenha sido unânime. Os Bispos que discordaram, foram simplesmente perseguidos e exilados. Com a subida da Igreja ao poder, discussões doutrinárias passaram a ser tratadas como questões de Estado. E na controvérsia ariana, colocava-se um obstáculo grande à realização da idéia de Constantino de um Império universal que deveria ser alcançado com a uniformidade da adoração divina.

        O Concílio foi aberto formalmente a 20 de maio, na estrutura central do palácio imperial, ocupando-se com discussões preparatórias na questão ariana, em que Arius , com alguns seguidores, em especial Eusébio , de Nicomédia; Teógnis, de Nice, e Maris, de Chalcedon, parecem ter sido os principais líderes. Como era costume, os bispos orientais estavam em maioria. Na primeira linha de influência hierárquica estavam três arcebispos : Alexandre, de Alexandria; Eustáquio, de Antioquia e Macário, de Jerusalém, bem como Eusébio, de Nicomédia e Eusébio, de Cesaréia. Entre os bispos encontravam-se Stratofilus, bispo de Pitiunt (Bichvinta, reino de Egrisi). O ocidente enviou não mais de cinco representantes na proporção relativa das províncias : Marcus, da Calabria (Itália) ; Cecilian, de Cartago (África) ; Hosius, de Córdova (Espanha); Nicasius, de Dijon (França) e Domnus, de Stridon (Província do Danúbio). Apenas 318 bispos compareceram, o que equivalia a apenas uns 18% de todos os bispos do Império. Dos 318, poucos eram da parte ocidental do domínio de Constantino, tornando a votação, no mínimo, tendenciosa. Assim, tendo os bispos orientais como maioria e a seu favor, Constantino aprovaria com facilidade, tudo aquilo que fosse do seu interesse. As sessões regulares, no entanto, começaram somente com a chegada do Imperador. Após Constantino ter explicitamente ordenado o curso das negociações, ele confiou o controle dos procedimentos a uma comissão designada por ele mesmo, consistindo provavelmente nos participantes mais proeminentes desse corpo. 

        O Imperador manipulou, pressionou e ameaçou os partícipes do Concílio para garantir que votariam no que ele acreditava, e não em algum consenso a que os bispos chegassem. Dois dos bispos que votaram a favor de Arius foram exilados e os escritos de Arius foram destruídos. Constantino decretou que qualquer um que fosse apanhado com documentos arianistas estaria sujeito à pena de morte. Mas a decisão da Assembléia não foi unânime, e a influência do imperador era claramente evidente quando diversos bispos de Egito foram expulsos devido à sua oposição ao credo. Na realidade, as decisões de Nicéia foram fruto de uma minoria. Foram mal entendidas e até rejeitadas por muitos que não eram partidários de Ário. 

        Posteriormente, 90 bispos elaboraram outro credo (O "Credo da Dedicação") em, 341, para substituir o de Nicéia. (...) E em 357, um Concílio em Smirna adotou um credo autenticamente ariano. Portanto, as orientações de Constantino nessa etapa foram decisivas para que o Concílio promulgasse o credo de Nicéia, ou a Divindade de Cristo, em 19 de Junho de 325. E com isso, veio a conseqüente instituição a Santíssima Trindade e a mais discutida, ainda, a instituição do Espírito Santo, o que redundou em interpolações e cortes de textos sagrados, para se adaptar a Bíblia às decisões do conturbado Concílio e outros, como o de  Constantinopla, em 38l, cujo objetivo foi confirmar as decisões daquele. A concepção da Trindade, tão obscura, tão incompreensível, oferecia grande vantagem às pretensões da Igreja. Permitia-lhe fazer de Jesus Cristo um Deus. Conferia a Jesus, que ela chama seu fundador, um prestígio, uma autoridade, cujo esplendor recaia sobre a própria Igreja católica e assegurava o seu poder, exatamente como foi planejado por Constantino. Essa estratégia revela o segredo da adoção trinitária pelo concílio de Nicéia. Os teólogos justificaram essa doutrina estranha da divinização de Jesus, colocando no Credo a seguinte expressão sobre Jesus Cristo : “Gerado,  não criado”. Mas, se foi gerado, Cristo não existia antes de ser gerado pelo Pai. Logo, Ele não é Deus, pois Deus é eterno! 

        Espelhando bem os novos tempos, o Credo de Nicéia não fez qualquer referência aos ensinamentos de Jesus. Faltou nele um "Creio em seus ensinamentos", talvez porque já não interessassem tanto a uma religião agora sócia do poder Imperial Romano.  Mesmo com a adoção do Credo de Nicéia, os problemas continuaram e, em poucos anos, a facção arianista começou a recuperar o controle.  Tornaram-se tão poderosos que Constantino os reabilitou e denunciou o grupo de  Atanásio. Arius e os bispos que o apoiavam voltaram do exílio. Agora, Atanásio é que foi banido. Quando Constantino morreu ( depois de ser batizado por um bispo arianista), seu filho restaurou a filosofia arianista e seus bispos e condenou o grupo de Atanásio. Nos anos seguintes, a disputa política continuou, até que os arianistas abusaram de seu poder e foram derrubados. A controvérsia político/religiosa causou violência e morte generalizadas. Em 381 d.C, o imperador Teodósio (um trinitarista) convocou um concílio em Constantinopla. Apenas bispos trinitários foram convidados a participar. Cento e cinqüenta bispos compareceram e votaram uma alteração no Credo de Nicéia para incluir o Espírito Santo como parte da divindade. A doutrina da Trindade era agora oficial para a Igreja e também para o Estado. Com a exclusiva participação dos citados bispos, a Trindade foi imposta a todos como "mais uma verdade teológica da igreja". E os bispos, que não apoiaram essa tese, foram expulsos da Igreja e excomungados. 

        Tudo isso nos leva a crer que o  homem chamado "Jesus Cristo" na maneira descrita nos Evangelhos nunca existiu. Suas peripécias são fictícias; não padeceu sob nenhum Pôncio Pilatos; não foi nem poderia jamais ser a única Encarnação do Verbo; e qualquer Igreja, seita ou pessoa que diga o contrário ou está enganada ou enganando. Não quero dizer com isto que um homem assim não pudesse ter nascido, pregado e padecido. Segundo a Doutrina Teosófica, teria existido um homem chamado Joshua Ben Pandira. Tais homens nascem continuamente, e continuarão a nascer por todos os tempos: Encarnações do Logos, Templos do Espírito Santo, Cruzes de Matéria coroadas pela Chama do Espírito. 

        Direi mais: Houve, em certa ocasião, um homem que alcançou no mais alto grau a consciência de sua própria Divindade; e este homem morreu em circunstâncias análogas (porém não idênticas!) àquelas narradas nos Evangelhos. Seu nascimento perdeu-se na noite dos tempos: ele foi o original do "Enforcado" ou "Sacrifício" no Tarô, e os egípcios o conheciam pelo nome de Osíris. Foi esse Iniciado quem formulou na carne a fórmula do Deus Sacrificado. Esta é a fórmula da Cerimônia da Morte de Asar na Pirâmide, que foi reproduzida nos mistérios de fraternidades maçônicas da tradição de Hiram, das quais o exemplo mais perfeito foi o Antigo e Aceito Rito Escocês. O Grau 33° desse rito indicava uma Encarnação do Logos, a descida do Espírito Santo; a manifestação, na carne, de um Cristo; a presença do Deus Vivo. 

        Por volta do século IX, o credo já estava estabelecido na Espanha, França e Alemanha. Tinha levado séculos desde o tempo de Cristo para que a doutrina da Trindade "pegasse". As políticas do governo e da Igreja foram as razões que levaram a Trindade a existir e se tornar a doutrina oficial da Igreja. Como se pode observar, a doutrina trinitária resultou da mistura de fraude, política, um imperador pagão e facções em guerra que causaram mortes e derramamento de sangue. As Igrejas Cristãs hoje em dia dizem que Constantino foi o primeiro Imperador Cristão, mas seu "cristianismo" tinha motivação apenas política. É altamente duvidoso que ele realmente aceitasse a Doutrina Cristã. Ele mandou matar um de seus filhos, além de um sobrinho, seu cunhado e possivelmente uma de suas esposas. Ele manteve seu título de alto sacerdote de uma religião pagã até o fim da vida e só foi batizado em seu leito de morte.



OBS.: Em 313 d.C., com o grande avanço da "Religião do Carpinteiro", o Imperador Constantino Magno enfrentava problemas com o povo romano e necessitava de uma nova Religião para controlar as massas. Aproveitando-se da grande difusão do Cristianismo, apoderou-se dessa Religião e modificou-a, conforme seus interesses. Alguns anos depois, em 325 D.C, no Concílio de Nicéia, é fundada, oficialmente, a Igreja Católica... 

        Há que se ressaltar que, "Igreja" na época de Jesus, não era a "Igreja" que entendemos hoje, pois se lermos os Evangelhos duma ponta à outra veremos que a palavra «Igreja», no sentido que hoje lhe damos, nem sequer neles é mencionada exceto por aproximação e apenas três vezes em dois versículos no Evangelho de Mateus (Mt 16, 18 e Mt 18, 17), pois a palavra grega original, usada por Mateus, ekklêsia, significa simplesmente «assembléia de convocados», neste caso a comunidade dos seguidores da doutrina de Jesus, ou a sua reunião num local, geralmente em casas particulares onde se liam as cartas e as mensagens dos apóstolos. Sabemo-lo pelo testemunho de outros textos do Novo Testamento, já que os Evangelhos a esse respeito são omissos. Veja-se, por exemplo, a epístola aos Romanos (16,5) onde Paulo cita o agrupamento (ekklêsia) que se reunia na residência dum casal de tecelões, Áquila e Priscila, ou a epístola a Filémon (1, 2) onde o mesmo Paulo saúda a ekklêsia que se reunia em casa do dito Filémon ; num dos casos, como lemos na epístola de Tiago (2, 2), essa congregação cristã é designada por «sinagoga». Nada disto tem a ver, portanto, com a imponente Igreja católica enquanto instituição formal estruturada e oficializada, sobretudo a partir do Concílio de Nicéia, presidido pelo Imperador Constantino, mais de 300 anos após a morte de Cristo. Onde termina a IGREJA PRIMITIVA dos Atos dos Apóstolos e começa o Catolicismo Romano? 

        Quando Roma tornou-se o famoso império mundial, assimilou no seu sistema os deuses e as religiões dos vários países pagãos que dominava. Com certeza, a Babilônia era a fonte do paganismo desses países, o que nos leva a constatar que a religião primitiva da Roma pagã não era outra senão o culto babilônico. No decorrer dos anos, os Líderes da época começaram a atribuir a si mesmos, o poder de "senhores do povo" de Deus, no lugar da Mensagem deixada por Cristo. Na época da Igreja Primitiva, os verdadeiros Cristãos eram jogados aos leões. Bastava se recusar a seguir os falsos ensinamentos e o castigo vinha a galope. O paganismo babilônico imperava a custa de vidas humanas.  No ano 323 d.C, o Imperador Constantino professou conversão ao Cristianismo. As ordens imperiais foram espalhadas por todo o império:

        As perseguições deveriam cessar! Nesta época, a Igreja começou a receber grandes honrarias e poderes mundanos. Ao invés de ser separada do mundo, ela passou a ser parte ativa do sistema político que governava. Daí em diante, as misturas do paganismo com o Cristianismo foram crescendo, principalmente em Roma, dando origem ao Catolicismo Romano. O Concílio de Nicéia, na Ásia Menor, presidido por Constantino era composto pelos Bispos que eram nomeados pelo Imperador e por outros que eram nomeados por Líderes Religiosos das diversas comunidades. Tal Concílio consagrou oficialmente a designação "Católica" aplicada à Igreja organizada por Constantino : "Creio na igreja una, santa, católica e apostólica". Poderíamos até mesmo dizer que Constantino foi seu primeiro Papa. Como se vê claramente, a Igreja Católica não foi fundada por Pedro e está longe de ser a Igreja primitiva dos Apóstolos... 

       Os documentos incluídos no assim-chamado "Novo Testamento" (a saber, os Quatro Evangelhos, os Atos, as Cartas e o Apocalipse) seriam falsificações perpetradas 
pelos patriarcas da Igreja Romana na época de  Constantino, por eles chamado "o Grande" porque permitiu esta contrafação, colaborando com ela. 

        Constantino não teve sonho algum de "In Hoc Signo Vinces". Tais lendas teriam então sido inventadas pelos patriarcas romanos dos três séculos que se seguiram, durante os quais todos os documentos dos primórdios da assim-chamada "era Cristã" existentes nos arquivos do Império Romano foram completamente alterados. O que realmente aconteceu na época de Constantino, foi que, aliados os presbíteros de Roma e Alexandria, com a cumplicidade dos patriarcas das igrejas locais, dirigiram-se ao Imperador, fizeram-lhe ver que a religião oficial era seguida apenas por uma minoria de patrícios, que a quase totalidade da população do Império era cristã (pertencendo às várias seitas e congregações das províncias); que o Império se estava desintegrando devido a discrepância entre a fé do povo e a dos patrícios; que as investidas constantes de seitas guerreiras essênias da Palestina incitavam as províncias contra a autoridade de Roma; e que, resumindo, a única forma de Constantino conservar o Império seria aceitar a versão Romano-Alexandrina do Cristianismo. Então, os bispos aconselhariam o povo 
a cooperar com ele; em troca, Constantino ajudaria os bispos a destruírem a influência de todas as outras seitas cristãs! Constantino aceitou este pacto político, tornando a versão Romano-Alexandrina do Cristianismo na religião oficial do Império. 

        Conseqüentemente, a liderança religiosa passou às mãos dos patriarcas Romano-Alexandrinos, que, auxiliados pelo exército do Imperador, começaram uma "purgação" bem nos moldes daquelas da Rússia moderna. Os cabeças das seitas cristãs independentes foram aprisionados; seus templos, interditados; e congregações inteiras foram sacrificadas nas arenas das províncias de Roma e Alexandria. Os gnósticos gregos, herdeiros dos Mistérios de Elêusis, foram acusados de práticas infames por padres castrados como Orígenes e Irineu (a castração era um método singular de preservar a castidade, derivado do culto de Átis, do qual se originou a psicologia Romano-Alexandrina). Os essênios foram condenados através do hábil truque de fazer dos judeus os vilões do Mistério da Paixão; e com a derrota e dispersão finais dos judeus pelos quatro cantos do Império, a Igreja Romano-Alexandrina respirou desafogada e pode dedicar-se completamente ao que tem sido sua especialidade desde então: AJUDAR OS TIRANOS DO MUNDO A ESCRAVIZAREM OS HOMENS LIVRES.  

        Em resumo: Por influência dos imperadores Constantino e Teodósio, o Cristianismo tornou-se a religião oficial do Império Romano e entrou no desvio. Institucionalizou-se; surgiu o profissionalismo religioso; práticas exteriores do paganismo foram assimiladas; criaram-se ritos e rezas, ofícios e oficiantes. Toda uma estrutura teológica foi montada para atender às pretensões absolutistas da casta sacerdotal dominante, que se impunha aos fiéis com a draconiana afirmação : "Fora da Igreja não há salvação".  Além disso, Constantino queria um Império unido e forte, sem dissensões. Para manter o seu domínio sobre os homens e estabelecer a ditadura religiosa, as autoridades eclesiásticas romanas deviam manter a ignorância sobre as filosofias e Escrituras. A mesma Bíblia devia ser diferente. Devia exaltar Deus e os Patriarcas mas, também, um Deus forte, para se opor ao próprio Jeová dos Hebreus, ao Buda, aos poderosos deuses do Olimpo. Era necessário trazer a Divindade Arcaica Oriental, misturada às fábulas com as antigas histórias de Moisés, Elias, Isaías, etc., onde colocaram Jesus, não mais como Messias ou Cristo, mas, maliciosamente, colocou Jesus parafraseado de divindade no lugar de Jezeu Cristna, a segunda pessoa da trindade arcaica do Hinduísmo.  Nesse quadro de ambições e privilégios, não havia lugar para uma  doutrina que exalta a responsabilidade individual e ensina que o nosso futuro está condicionado ao empenho da renovação interior e não à simples adesão e submissão incondicional aos Dogmas de uma Igreja, os quais, para uma perfeita assimilação, eram necessários admitir a quintessência da teologia : "Credo quia  absurdum", ou seja, "Acredito mesmo que seja absurdo", criada por Tertuliano (155-220), apologista Cristão. 

        Disso tudo deveria nascer uma religião forte como servia ao império romano. Veio ainda a ser criados os simbolismos da Sagrada Família e de todos os Santos, mas as verdades do real cânone do Novo Testamento e parte das Sagradas Escrituras deviam ser suprimidas ou ocultadas, inclusive as obras de Sócrates e outras Filosofias contrárias aos interesses da Igreja que nascia. Esta lógica foi adotada pelas forças clericais mancomunadas com a política romana, que precisava desta religião, forte o bastante, para impor-se aos povos conquistados e reprimidos por Roma, para assegurar-se nas regiões invadidas, onde dominava as terras, mas não o espírito dos povos ocupados. Em troca, o Cristianismo ganhava a Universalidade, pois queria se tornar "A Religião Imperial Católica Apostólica Romana", a Toda Poderosa, que vinha a ser sustentada pela força, ao mesmo tempo em que simulava a graça divina, recomendando o arrependimento e perdão, mas que na prática, derrotava seus inimigos a golpes de espada. Então não era da tolerância pregada pelo Cristianismo que Constantino precisava, mas de uma religião autoritária, rígida, sem evasivas, de longo alcance, com raízes profundas no passado e uma promessa inflexível no futuro, estabelecida mediante poderes, leis e costumes terrenos. Para isso, Constantino devia adaptar a Religião do Carpinteiro, dando-lhes origens divinas e assim impressionaria mais o povo o qual sabendo que Jesus era reconhecido como o próprio Deus na nova religião que nascia, haveria facilidade de impor a sua estrutura hierárquica, seu regime monárquico imperial, e assim os seus poderes ganhariam amplos limites, quase inatingíveis. 

   


 Quando Constantino morreu, em 337, foi batizado e enterrado na consideração de que ele se tornara um décimo terceiro Apóstolo, e na iconografia eclesiástica veio a ser representado recebendo a coroa das mão de Deus.


segunda-feira, 3 de agosto de 2015

homem de neandertal




Homem de Neandertal

Homo neanderthalensis ou Homem de Neandertal  é uma espécie extinta do gênero Homo, cuja existência está ligada à evolução do homem moderno. Sua existência é comprovada por meio de vários fósseis encontrados na Europa e na Ásia  datando do período Pleistoceno (cerca de 2 milhões e 500 mil a 12 mil anos atrás). O nome desta espécie é uma referência ao vale de Neander, na Alemanha, local onde um dos primeiros fósseis foi descoberto. As evidências arqueológicas atestam que os primeiros Homens de Neandertal viveram na Europa há cerca de duzentos mil anos.
Entre as características peculiares ao Neandertal destacam-se a parte do meio do rosto protuberante, os ossos da face angulares, e um nariz enorme, que proporcionava a umidificação e aquecimento do ar frio e seco. Seus corpos eram mais baixos e atarracados que o do moderno ser humano, outra adaptação à vida em ambientes frios. Seus cérebros, porém, eram tão grandes como os nossos e, muitas vezes maior, proporcionais aos seus corpos mais musculosos. Acredita-se que seu cérebro seria 20% maior do que o tamanho médio de um cérebro humano moderno, e anatomicamente idêntico a este. As áreas responsáveis ​​pelo pensamento complexo eram tão avançados como o nosso, o que significa que o Neandertal deveria ter a capacidade de pensar como nós.
O Neandertal foi possivelmente a forma mais carnívora do ser humano que já viveu. Geralmente estavam em torno das florestas onde caçavam grandes animais como veados, cavalos e gados selvagens. Além disso, as florestas davam a lenha e o material para a construção de abrigos e lanças. Na maior parte de sua existência, os Neandertais experimentaram um ambiente onde o clima era leve, às vezes até mais quente do que hoje, mas é certo que eles também conviveram com longos períodos de frio intenso.
Mas, por volta de trinta mil anos atrás, os neandertais já haviam desaparecido, exatamente no momento em que os primeiros seres humanos modernos surgiam na Europa. O ambiente experimentava mudanças muito bruscas entre temperaturas quentes e frias, o que acarretou mudanças no modo de vida Neandertal. As florestas das quais eles dependiam começaram a recuar, dando lugar a planícies abertas, onde suas estratégias de caça não funcionavam tão bem. Como consequência, os neandertais recuaram junto com as florestas, e sua população caiu à medida em que seus locais de caça encolhiam.

A constituição física que tinha feito do Neandertal um ser tão bem adaptado para a Idade do Gelo, foi ao mesmo tempo a sua sentença de morte. Tal espécie poderia ser muito melhor adaptada ao frio em comparação aos primeiros seres humanos modernos, mas como as condições ambientais mudaram, foram os nossos antepassados a sobreviver, pois puderam aproveitar melhor o ambiente mais aberto que estava se desenvolvendo.
Bibliografia:
Neanderthal em:http://www.bbc.co.uk/sn/tvradio/programmes/horizon/neanderthal_prog_summary.shtml.
Ilustração: http://rt.com/news/sci-tech/operation-phoenix-science-fiction-or-science-fact/

quinta-feira, 9 de julho de 2015

A espiritualidade dos animais














por Márcia Fernandes em Lidando com o Invisível


Os animais têm instinto apurado e são puros, além da linguagem própria de acordo com cada espécie. Eles são inferiores à raça humana, apresentam a liberdade limitada de ação, pois não têm o livre-arbítrio.
A ciência afirma que os animais têm uma inteligência rudimentar conforme as suas necessidades. Mas a espiritualidade dos animais vai mais além. Eles são seres que agem pelo instinto, seres que amam o ser humano, sentem as energias do ambiente e também humanas, são extremamente sensíveis a tudo que os rodeia.
Será que realmente os animais têm a ligação direta com o outro mundo? Os felinos realmente podem enxergar os mortos e alertar os seus donos sobre uma presença espiritual?
Segundo os testes científicos realizados em laboratórios de Parapsicologia revelam que os animais também podem desenvolver estranhas habilidades paranormais.
Você já teve a impressão de que o seu animal te compreende mesmo sem você falar absolutamente nada? A impressão foi confirmada cientificamente. Alguns animais possuem a hiperestesia indireta, ou seja, faculdade paranormal que eles conseguem perceber as mensagens telepáticas, principalmente de seus donos. A conversa psíquica com os animais pode ser desenvolvida com treinos e para isso já existe a psicoveterinária, isto é, um ramo da Psicologia direcionada aos animais.
Na Antiguidade, os egípcios já acreditavam que os felinos conseguiam ver as almas das pessoas e acessar o mundo dos mortos. Por causa dessa crença, quando um faraó nobre ou um sacerdote falecia, um gato era sacrificado e enterrado com o morto. A sabedoria egípcia dizia que o gato iria despertar na morte e levar o espírito para o além, seu destino final.
Vale lembrar que o gato apresenta a espiritualidade aguçada no olhar, já o cachorro, no focinho.
Os gatos assistem e sentem tudo. Jamais duvidem disso! Eles apresentam uma visão aguçada, podem sentir as energias eletromagnéticas negativas do ambiente, pois sentem o local onde estão, sentem a energia do ódio, da tristeza. Não é a toa que eles têm sete vidas, pois são animais livres, espertos, independentes e caçadores. Eles são considerados bichos sagrados, pois transmitem vida, alegria, amor, energia positiva para as pessoas e afastam as almas trevosas do ambiente, além de apresentar o poder da hipnose.
O cachorro também é considerado um animal maravilhoso para o ser humano. Ele é o verdadeiro amigo do homem, o nosso Anjo da Guarda, pois não tem nenhuma maldade, é um ser puro, age por instinto, ama realmente o seu dono sem nenhum interesse. Ele sente, por exemplo, quando o dono está triste ou está prestes a morrer, ou seja, ele tem a premonição da morte, consegue enxergar a aura das pessoas, se as pessoas estão tristes ou não, se estão com encostos e, muitas vezes, o cachorro se assusta ao ver algo estranho.
Ele também tem o poder de “quebrar quebranto”, quer dizer, afasta a inveja da sua aura, quebra as energias negativas e elimina tudo de maldade humana que você apresenta. Dependendo do caso da maldição no ser humano, o cachorro terá queda dos pêlos ou até chegam a morte em virtude da energia pesada sobre os seus donos.
E o que acontece quando o cachorro morre? Quando um cachorro morre, reencarna na mesma família em aproximadamente 60 dias, pois não são espíritos errantes como nós que precisamos ficar um tempo em outro plano para acertarmos os erros cometidos. Que divino é o nosso animal de estimação!
Vale mencionar que não só os cachorros e os gatos são os amigos do homem em todos os sentidos. O golfinho, a baleia, a águia, a tartaruga, a coruja, o papagaio, o pica-pau, por exemplo, também apresentam os seus valores e atributos positivos.
- A baleia e o golfinho pensam dezesseis vezes mais rápido que o ser humano e é por isso que são considerados os seres mais inteligentes do Planeta.
- A águia representa a força e apresenta uma visão mais aguçada que todos os animais.
- A tartaruga tem a casa própria, passeia devagarinho e sempre.
- A coruja apresenta o poder da magia, consegue enxergar 360º e representa os nossos ancestrais.
- O papagaio também consegue ver tudo e sabe de tudo, pois a sua espiritualidade é aguçada.
- O pica-pau representa a justiça em sua vida.
Devemos respeitar os animais, pois eles são seres maravilhosos e estão aqui para nos ajudar. Futuramente, não haverá mais a necessidade do ser humano matar os animais para complementar a alimentação. O próprio ser humano está cada vez mais evoluindo para comer somente grãos e verdura.
Todos nós devemos sim ter um animalzinho em casa para nos proteger e fazer companhia. Cuide dele com todo o seu amor e carinho, pois ele merece! Eu mesma estou procurando um cachorrinho…