segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Fazenda urbana: A fazenda dos Barns


Os Barns é uma lenda urbana antiga contada geralmente em fazendas,antigamente a intenção era manter afastados os ladões e surrupiadores de pequenas coisas como galinhas por exemplo,a  lenda é baseada em uma suposta tragedia que aconteceu no interior dos EUA,mas tanto os barracões quanto sua localização nunca foram encontrados.
Existia um rico fazendeiro que possuía uma grande extensão de terra,quando ele se casou a cada ano que sua esposa tinha um bebe ele construía um celeiro e a cada celeiro ele deu o nome de um filho,eles tiveram seis filhos e estavam esperando pela vinda do sétimo.
Ao dar a luz a seu sétimo filho a esposa não aguentou e morreu de complicações no parto,a criança também nasceu morta e o fazendeiro amaldiçoou a criança pela morte de sua esposa,enterrando o corpo da mãe no cemitério e jogando o corpo do natimorto no sétimo celeiro sem ao menos lhe dar um nome.
O fazendeiro deixou de olhar as plantações e já não se importava com o destino que suas terras estavam tomando,foi ficando amargo e dessa amargura foi nascendo sua loucura,até que em uma noite atormentado pelo desespero e insanidade pegou um machado e matou todos os seus seis filhos e os enterrou no sétimo celeiro ficando ainda mais enlouquecido ao ver que o corpo de seu sétimo filho não se encontrava no celeiro e se enforcou logo em seguida bem  acima de onde se encontravam os corpos dos filhos que havia assassinado.
Com o tempo todos os celeiros foram demolidos com exceção do  sétimo,ninguém queria comprar um pedaço de terra onde havia acontecido tantas desgraças,com o tempo o celeiro foi esquecido e passantes desavisados que circulam pelo local a noite dizem  ter visto um homem correndo  por aquelas terras com um machado e logo em seguida ouvem gritos que cessam de repente.
Com o  tempo a localização do sétimo celeiro foi perdida e alguns arriscam a dizer que o local se localiza na fazendo Cranz em Ohio,mas são apenas especulações,mas em 1997 um professor local afirmou ter encontrado a localização correta do celeiro que segundo ele se perdeu em meio as novas fazendas que por ali surgiram.
Esse mesmo professor resolveu se aventurar junto com seu filho a explorarem o celeiro perdido,então partiram  durante a noite rumo a esperança de encontrar alguma atividade paranormal no local,mas na manhã seguinte sua esposa preocupada que nem o marido e nem o filho haviam ligado resolveu relatar a polícia o desaparecimento dos dois e como os policiais já sabiam das lendas do  local resolveram procurar pelos dois.

Os policiais encontraram o carro abandonado em uma estrada que deu direto para um celeiro abandonado,mas assim que adentraram encontraram os corpos do professor e seu filho pendurados pelos pescoços em vigas.

O Holocausto Brasileiro

Milhares de mulheres e homens sujos, de cabelos desgrenhados e corpos esquálidos cercaram os jornalistas. (…) Os homens vestiam uniformes esfarrapados, tinham as cabeças raspadas e pés descalços. Muitos, porém, estavam nus. Luiz Alfredo viu um deles se agachar e beber água do esgoto que jorrava sobre o pátio. Nas banheiras coletivas havia fezes e urina no lugar de água. Ainda no pátio, ele presenciou o momento em que carnes eram cortadas no chão. O cheiro era detestável, assim como o ambiente, pois os urubus espreitavam a todo instante”.

Sim, isso aconteceu no Brasil. Mais precisamente em Barbacena, Minas Gerais. O livro-reportagem Holocausto Brasileiro, da editora Geração Editorial,  conta a história do maior hospício do Brasil, que ficou conhecido como Colônia e leva este nome por ter abrigado atos de crueldade parecidos com os que aconteceram na Alemanha nazista, durante a Segunda Guerra Mundial. Pelo menos 60 mil pessoas morreram entre 1903 e 1980.
“Dei esse nome primeiro porque foi um extermínio em massa. Depois porque os pacientes também eram enviados em vagões de carga (ao manicômio). Quando eles chegavam, os homens tinham a cabeça raspada, eram despidos e depois uniformizados”, explica a autora Daniela Arbex.
A Colônia foi inaugurada em 1903 e continua aberta até hoje, mas o período de maior barbárie aconteceu entre 1930 e 1980, quando pessoas eram internadas sem terem sintomas de loucura ou insanidade. Segundo o livro-reportagem, cerca de 70% das pessoas não tinham diagnóstico de doença mental.
Entre os absurdos praticados no local, muitas pessoas passavam fome. Muitos comeram ratos ou pombas vivas. De tanta sede, bebiam urina ou esgoto. Em períodos de maior lotação, 16 pessoas morriam por dia. E isso dava dinheiro! A autora do livro conta que encontrou registros de venda de 1.853 corpos, entre 1969 e 1980, para faculdades de medicina. “O que a gente não sabia e conseguimos descobrir, com a ajuda da coordenação do Museu da Loucura, foi que 1.853 corpos foram vendidos para 17 faculdades de medicina do País. O preço médio era de 50 cruzeiros. Dá um total de R$ 600 mil reais, se atualizarmos a moeda.
Depois de algum tempo, o mercado deixou de comprar tantos cadáveres. Os funcionários passaram, então, a decompor os corpos dos mortos com ácido no pátio da Colônia, diante dos próprios pacientes, para comercializar também as ossadas.

Hoje, o manicômio é mantido pela Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG) e conta com 160 pacientes do período em que o local parecia mais um “campo de concentração”. Ninguém nunca foi punido pelo genocídio.






O Holocausto Brasileiro sem censura

OláTERRÁQUEOS ,já faz tempo que queria fazer essa publicação um pouco mais completa,pois é um capitulo tenebroso na história do nosso país e por incrível que pareça,não consigo me conformar que mesmo a sociedade sabendo disso tudo os culpados quase não foram punidos,mas enfim esse é o nosso país onde alguém que tem dinheiro(entenda-se muito dinheiro)consegue escapar de quase todo delito cometido.
E o que aconteceu em Barbacena não fica muito longe do que aconteceu em campos nazistas,ou seja uma atrocidade contra a vida humana e falta de respeito com a vida tremendos!
Mas não vou me estender muito sobre isso,pois vários blogs falaram do ocorrido,inclusive parceiros muito queridos aqui do Meu mundo é assim.



Abaixo coloquei o trecho do livro O Holocausto Brasileiro da escritora e Jornalista Daniela Arbex,recomendo a leitura e já vou avisando que o livro é para quem tem estomago. 

E logo mais abaixo um filme/documentário chamado Em nome da Razão,que mostra um pouco por dentro dos muros do 'Colonia'

"O repórter luta contra o esquecimento. Transforma em palavra o que era silêncio.
Faz memória. Neste livro, Daniela Arbex devolve nome, história e identidade àqueles que, até então, eram registrados como “Ignorados de tal”. Eram um não ser. Pela narrativa, eles retornam, como Maria de Jesus, internada porque se sentia
triste, Antônio da Silva, porque era epilético. Ou ainda Antônio Gomes da Silva, sem diagnóstico, que ficou vinte e um dos trinta e quatro anos de internação mudo porque ninguém se lembrou de perguntar se ele falava. São sobreviventes de um holocausto que
atravessou a maior parte do século XX, vivido no Colônia, como é chamado o maior hospício do Brasil, na cidade mineira de Barbacena. Como pessoas, não mais como corpos sem palavras, eles, que foram chamados de “doidos”, denunciam a loucura dos
“normais”.
As palavras sofrem com a banalização. Quando abusadas pelo nosso despudor, são roubadas de sentido. Holocausto é uma palavra assim. Em geral, soa como exagero quando aplicada a algo além do assassinato em massa dos judeus pelos nazistas na Segunda Guerra. Neste livro, porém, seu uso é preciso. Terrivelmente preciso. Pelo menos 60 mil pessoas morreram entre os muros do Colônia. Tinham sido, a maioria,enfiadas nos vagões de um trem, internadas à força. Quando elas chegaram ao Colônia,suas cabeças foram raspadas, e as roupas, arrancadas. Perderam o nome, foram
rebatizadas pelos funcionários, começaram e terminaram ali.
Cerca de 70% não tinham diagnóstico de doença mental. Eram epiléticos,alcoolistas, homossexuais, prostitutas, gente que se rebelava, gente que se tornara incômoda para alguém com mais poder. Eram meninas grávidas, violentadas por seus patrões, eram esposas confinadas para que o marido pudesse morar com a amante, eram filhas de fazendeiros as quais perderam a virgindade antes do casamento. Eram homens e mulheres que haviam extraviado seus documentos. Alguns eram apenas tímidos. Pelo menos trinta e três eram crianças.Homens, mulheres e crianças, às vezes, comiam ratos, bebiam esgoto ou urina,dormiam sobre capim, eram espancados e violados. Nas noites geladas da serra da Mantiqueira, eram atirados ao relento, nus ou cobertos apenas por trapos.
Instintivamente faziam um círculo compacto, alternando os que ficavam no lado de fora e no de dentro, na tentativa de sobreviver. Alguns não alcançavam as manhãs.
Os pacientes do Colônia morriam de frio, de fome, de doença. Morriam também de choque. Em alguns dias, os eletrochoques eram tantos e tão fortes, que a sobrecarga derrubava a rede do município. Nos períodos de maior lotação, dezesseis pessoas
morriam a cada dia. Morriam de tudo — e também de invisibilidade. Ao morrer, davam lucro. Entre 1969 e 1980, 1.853 corpos de pacientes do manicômio foram vendidos para dezessete faculdades de medicina do país, sem que ninguém questionasse. Quando houve excesso de cadáveres e o mercado encolheu, os corpos foram decompostos em ácido, no pátio do Colônia, na frente dos pacientes, para que as ossadas pudessem ser comercializadas. Nada se perdia, exceto a vida.
Pelo menos trinta bebês foram roubados de suas mães. As pacientes conseguiam proteger sua gravidez passando fezes sobre a barriga para não serem tocadas. Mas, logo depois do parto, os bebês eram tirados de seus braços e doados. Este foi o destino de
Débora Aparecida Soares, nascida em 23 de agosto de 1984. Dez dias depois, foi adotada por uma funcionária do hospício. A cada aniversário, sua mãe, Sueli Aparecida Resende,epilética, perguntava a médicos e funcionários pela menina. E repetia: “Uma mãe nunca se esquece da filha”. Só muito mais tarde, depois de adulta, Débora descobriria sua origem. Ao empreender uma jornada em busca da mãe, alcançou a insanidade da engrenagem que destruiu suas vidas.
Esta é a história que Daniela Arbex desvela, documenta e transforma em memória,neste livro-reportagem fundamental. Ao expor a anatomia do sistema, a repórter ilumina um genocídio cometido, sistematicamente, pelo Estado brasileiro, com a conivência de médicos, de funcionários e também da sociedade.
É preciso perceber que nenhuma violação dos direitos humanos mais básicos se sustenta por tanto tempo sem a nossa omissão, menos ainda uma bárbara como esta.
Em 1979, o psiquiatra italiano Franco Basaglia, pioneiro da luta pelo fim dos manicômios,esteve no Brasil e conheceu o Colônia. Em seguida, chamou uma coletiva de imprensa,na qual afirmou: “Estive hoje num campo de concentração nazista. Em lugar nenhum do
mundo, presenciei uma tragédia como esta”.
Quando começou a apurar a série de reportagens que marcariam o nascimento deste livro, Daniela descobriu-se diante de um impasse. Seu filho, Diego, tinha apenas quatro meses de vida. Ela tinha acabado de virar mãe, ainda amamentava e colocava-se, por
vontade própria, no parapeito do horror. A repórter sabia que mergulharia no inferno —e, de novo, aqui o inferno não é uma hipérbole. Sabia também que, no inferno, não há fim de expediente. Um repórter, quando faz bem o seu trabalho, é assinalado pelo que vive. A dor só vira palavra escrita depois de respirar dentro de cada um como pesadelo.
Como repórter experiente, que, pela qualidade de suas matérias, ganhou os principais prêmios nacionais e internacionais de jornalismo, Daniela sabia o que se estendia diante dela. E, mesmo assim, fez a sua escolha. E o filho? Diego se orgulharia dela.
Depois da série de reportagens publicada na Tribuna de Minas, de Juiz de Fora,Daniela seguiu investigando. Viajava noventa e cinco quilômetros até Barbacena, todas as manhãs, e voltava à tarde, já exausta pelo que viu e ouviu, para iniciar a rotina no jornal. Entrevistou mais de cem pessoas, parte delas nunca tinha contado a sua história.
Além de sobreviventes do holocausto, Daniela escutou o testemunho de funcionários e de médicos. Um deles, Ronaldo Simões Coelho, ligou para ela meses atrás: “Meu tempo de validade está acabando. Não quero morrer sem ler seu livro”. No final dos anos 70, o psiquiatra havia denunciado o Colônia e reivindicado sua extinção: “O que acontece no Colônia é a desumanidade, a crueldade planejada. No hospício, tira-se o caráter humano
de uma pessoa, e ela deixa de ser gente. É permitido andar nu e comer bosta, mas é proibido o protesto qualquer que seja a sua forma”. Perdeu o emprego.
Umas poucas vezes, os esqueletos do Colônia subiram à superfície. Passada a comoção pública, voltavam ao fundo empurrados pelas pedras de sempre. Em 1961, a rotina do hospício foi contada na revista O Cruzeiro, pelo fotógrafo Luiz Alfredo e pelo repórter José Franco. O título da matéria era: “A sucursal do inferno”. Em 1979, o repórter Hiram Firmino e a fotógrafa Jane Faria publicaram a reportagem “Os porões da loucura”, no Estado de Minas. O documentário Em nome da razão, de Helvécio Ratton,filmado em 1979, tornou-se um símbolo da luta antimanicomial.
No início dos anos 60, ao voltar para a redação de O Cruzeiro depois de conhecer a Colônia, o fotógrafo Luiz Alfredo desabafou com o chefe: “Aquilo não é um acidente, mas um assassinato em massa”. Apesar da denúncia estampada na revista de maior sucesso
da época, a realidade só começaria a mudar – lentamente – duas décadas mais tarde, a partir dos anos 80, quando a reforma psiquiátrica ganhou força. Hoje, restam menos de 200 sobreviventes. Parte deles morrerá internada, parte tenta inventar um cotidiano em residências terapêuticas, com os farrapos de delicadeza que lhe sobram. Como Sônia Maria da Costa, que às vezes coloca dois vestidos porque passou a vida nua.
Neste livro, Daniela Arbex salvou do esquecimento um capítulo da história do Brasil.
Agora, é preciso lembrar. Porque a história não pode ser esquecida. Porque o holocausto ainda não acabou."


Eliane Brum

Entendendo o lado oculto de Hitler

Olá meus adorados mundanos,hoje tive uma matéria enviada por um amigo e leitor aqui do blog e achei tão interessante que acabei fazendo algo de que não gosto muito rsrsrs copiei a matéria descaradamente,mas a publicação é tão interessante que valeu a pena ter feito isso,por vezes a gente fica pensando o que teria se passado na mente insidiosa e doentia de Hitler,essa matéria se encaixou como uma luva e ainda de quebra fala um pouquinho da organização Thule e algumas outras, então vamos parar de enrolação e leiam esse texto tão interessante.

O Anticristo também terá um tremendo problema com os judeus; mas como inicialmente ele seguirá a Magia Branca, o lado do "bem", seus problemas estarão melhor encobertos, mas também serão claros. Eis o que Alice Bailey diz sobre o problema judaico: "O que digo aqui não tem referência específica com nenhum indivíduo; estou considerando o problema mundial, centrando nos judeus como um todo... As Lojas Negras estão ocupadas com o aspecto da matéria em suas variadas formas {o problema com os judeus é que eles estão interessados apenas em ganhar dinheiro - a atividade econômica ou materialismo}...
Daí, meus irmãos, a natureza beneficente da morte". Você entendeu o significado da última frase? "A natureza beneficente da morte"!!
Ela se parece muito com o conceito de Hitler de que a morte dos judeus seria uma "cura" para o organismo nacional alemão. Acredite, é exatamente igual. Uma das características comuns dos ocultistas é que todos parecem detestar os judeus. Mais tarde, Bailey retorna ao conceito da natureza beneficente da morte. "No entanto, para o progresso da alma do indivíduo e da alma da humanidade, a morte é inevitável, boa e necessária."  A propósito, quando Alice Bailey escreveu essas palavras ameaçadoras contra os judeus? Em 1939, em um capítulo intitulado "O Quadro Mundial Geral"! [20] Em outras palavras, ao mesmo tempo em que Hitler, o Grande Marechal das Forças da Loja Negra estava começando a matar sistematicamente os judeus na Europa, uma das principais líderes da Forças da Loja Branca, Alice Bailey, também ameaçava matá-los!!
A Grã-Bretanha e os Estados Unidos eram as principais potências lideradas por adeptos da Loja Branca, Churchill e Roosevelt, respectivamente. Agora você entende por que o Departamento de Estado se recusou a aceitar os judeus que estavam tentando fugir da Europa? Entende por que o Departamento de Guerra se recusou a bombardear os campos de extermínio ou as linhas férreas por onde as vítimas do holocausto eram transportadas? Poucos judeus percebem que os líderes dos Aliados eram ocultistas que também os detestavam, mas que apenas eram melhores em disfarçar seu ódio!
Neste ponto, você pode argumentar que, se os aliados ocidentais odiavam secretamente os judeus tanto assim, então por que intervieram em favor da criação do Estado de Israel? Existem duas razões: 1) Roosevelt e Churchill eram maçons e, como tais, estavam sendo fiéis à visão ocultista de Albert Pike de 1870, em que ele afirmou que três guerras mundiais seriam necessárias para preparar o cenário para o aparecimento do Cristo, iniciando assim a Nova Ordem Mundial. A Terceira Guerra Mundial seria entre Israel e seus vizinhos árabes. (Veja os detalhes no nosso artigo N1015). 2) Os ocultistas da Loja Branca aprenderam com seus irmãos da Loja Negra sobre o modo mais eficiente de matar os judeus. Hitler desperdiçou muito dinheiro e recursos militares para localizar os judeus, para cercá-los e matá-los. Ele precisou literalmente conquistar a Europa para realizar essa tarefa. Não seria muito melhor concentrar todos os judeus em um único país pequeno, como o antigo Israel?
Os ocultistas da Loja Branca também ensinam que os judeus estão somente interessados em ganhar dinheiro. Alice Bailey diz que os judeus estão "produzindo separação" e a totalidade de seus esforços resultam em "magia" e "dinheiro". Depois, diz que "...o problema judaico está definitivamente produzindo separação como parte do plano divino... Quando o aspecto da mente... estiver mais totalmente desenvolvido, então o foco dos esforços da Forças da Escuridão mudará e o problema dos judeus desaparecerá".
Você compreendeu as sutis implicações dessas palavras, "o problema dos judeus desaparecerá"! Hitler praticamente fez o "problema" dos judeus desaparecer, matando dois terços da população judaica do mundo. A Bíblia diz que o Anticristo também matará dois terços dos judeus do mundo! [23] Este é um dos mais óbvios e importantes aspectos que mostram Hitler como um verdadeiro tipo do Anticristo.
Falando nisso, o período durante o qual Hitler perseguiu os judeus também será igual ao período de reinado do Anticristo. Hitler iniciou seu holocausto contra os judeus em 1938 e continuou até 1945, sete anos! A Bíblia diz que o Anticristo também reinará por sete anos (Daniel 9:27). No entanto, o holocausto de Hitler foi executado em dois segmentos de três anos e meio! Nos primeiros três anos e meio, a execução dos judeus foi muito secreta, e executada de forma que limitava o número de judeus que podiam ser mortos; no entanto, no fim de 1941, Hitler inaugurou os enormes e eficientes campos de concentração, como Auschwitz. Essas novas instalações permitiram que os nazistas matassem uma enorme quantidade de judeus de forma rápida e eficiente. Assim, embora Hitler tenha perseguido os judeus durante sete anos, os últimos três anos e meio é que foram mais terríveis.  Da mesma forma, o Anticristo, perseguirá os judeus com um ódio de origem satânica nos três anos e meio finais do seu reinado.
Hitler considerava o Cristianismo como fraco, pobre e judaico!  Portanto, ele afirmou seu objetivo de "derribar o cristianismo, da raiz até os ramos".  Ele concordava com o filósofo Nietzsche, que se enojava com a prática do cristianismo do Catolicismo Romano, "após ver seu único amigo seguir o caminho da renúncia, de forma decadente, degradada e desesperada, incapaz e totalmente quebrantado, diante de uma cruz cristã." [27] Após terminar de destruir totalmente os judeus, Hitler planejava se voltar contra o cristianismo com o mesmo fervor demoníaco.
O Anticristo perseguirá primeiro os cristãos, depois os judeus. A Bíblia diz claramente que ambos os grupos estarão na sua mira. Em Apocalipse 6:9, vemos o Senhor Jesus Cristo (o Cordeiro) abrir o quinto selo e mostrar as almas, debaixo do altar nos céus, dos cristãos que foram mortos por causa de sua fé nEle. No verso 11, temos a informação que certo número de cristãos também morrerá no restante do período da Grande Tribulação. Essa é a profecia sobre o enorme martírio de crentes em Cristo e que ocorrerá durante a parte inicial do período de sete anos da Tribulação. Em Daniel 9:27, vemos que, na metade da semana (de anos) do período da Tribulação, o Anticristo se voltará contra os judeus e passará a persegui-los. A perseguição será tão intensa e tão bem sucedida, que Deus diz que o Anticristo "destruirá o poder do povo santo". [28] Esse verso coloca o genocídio durante os três anos e meio finais. Os cristãos primeiro, e os judeus em seguida. Ambos os grupos serão mortos com uma fúria e um ódio de origem demoníaca!!
Hitler acreditava, como Richard Wagner, que "Jesus Cristo nascera da linhagem ariana mais pura possível e que o Deus cristão nunca tinha sido membro do povo judeu contaminado racialmente, sobre quem ele afirmava estar buscando a "solução final" para libertar a pátria de suas influências corruptoras". Portanto, ele acreditava que estava fazendo a vontade de Deus em aniquilar os judeus! Compreenda isto - para Hitler, o Deus cristão, incluindo Jesus, queria uma "solução final para eliminar os judeus!
O Anticristo também crerá que Jesus estará trabalhando com O Cristo para estabelecer todos os aspectos da Nova Ordem Mundial! Ele também afirmará estar fazendo a "vontade de Deus"!
Hitler usava constantemente a palavra "vontade" de várias formas diferentes. Nenhuma palavra era mais comum nos seus lábios que "vontade".
Isso é simplesmente a adoração da vontade humana; mas, por que deveríamos nos surpreender, se o reino do Anticristo será a suprema elevação da adoração ao homem, a quem Deus atribuiu o número 6, e da adoração do homem supremo, o Anticristo, a quem Deus atribuiu o número 666? [Apocalipse 13:18] É interessante que, apesar de o Movimento de Nova Era também atribuir esses números ao homem e ao Anticristo, eles também atribuem o número 66 ao perfeito e supremo governo do homem, o Reino do Anticristo!!
As leituras preparatórias de Hitler foram livros sobre a antiga Roma, religiões orientais, Ioga, ocultismo, hipnotismo e astrologia.
O Anticristo também será um especialista nessas formas de ocultismo, pois o Movimento de Nova Era, dedicado a preparar as pessoas para o aparecimento do Anticristo, ensina esses sistemas aos seus aderentes. Se você estiver envolvido em uma dessas atividades, incluindo o Budismo, ou religiões de origem japonesa, ou indiana, compreenda que elas são todas muito ocultistas, muito satânicas. Até mesmo o nome Buda, significa "o Iluminado", que é um significado parecido com o de Lúcifer ("Aquele que traz a luz"). Em outras palavras, Buda é um sinônimo de Lúcifer. Alice Bailey atribui tremendo crédito a Buda pela realização da Nova Ordem Mundial!! Não se engane.
Hitler acreditava que era o Anticristo. Portanto, constantemente usava frases de efeito messiânicas em sua constante propaganda na Alemanha após ter assumido o poder ditatorial. Ele constantemente afirmava que seus programas refletiam a "vontade de Deus". No entanto, esse "Deus" era "Deus na natureza, Deus em nós mesmos, no nosso destino, no nosso sangue".  Hitler compreendia que sua busca era espiritual; portanto, "rituais quase religiosos... eram encenados toda semana na Alemanha nazista. Hitler, o Partido Nazista e o Reich tomavam o lugar de Cristo e dos santos nos atos de adoração... E as energias que os rituais geravam, eram também da ordem de experiências religiosas".
A liderança nazista fazia as multidões recitar orações e fazer juramentos de lealdade: "Nesta hora solene oramos pela bênção sobre o juramento que fazemos. Agradecemos-te, Führer, por termos visto tua face. Contempla-nos como tua própria criação, que nossos corações pulsem com as batidas do teu coração, que nossas vidas encontrem inspiração no teu amor... Que Deus abençoe o Führer nesta hora..." [35]
Hitler era adorado pelas multidões. Não se engane sobre este fato. Ele foi o sétimo rei de mistério, uma forma de governo ocultista em que ele atuava como Ditador Absoluto politicamente e como Sumo Sacerdote Satânico, espiritualmente. Ele exigia adoração e a recebia!!
Similarmente, o Anticristo exigirá adoração; a Bíblia deixa isto bem claro. Em 2 Tessalonicenses 2:4, vemos que o Anticristo entrará no templo judaico, afirmando ser Deus, e exigindo adoração. Vemos essa profecia novamente em Apocalipse 13:6; Daniel 7:25; e 11:36. Além disso, leia o relato em Daniel 3, onde o rei Nabucodonosor criou uma grande estátua e depois exigiu que todos seus súditos se ajoelhassem e a adorassem, ou seriam mortos. Esse relato é um tipo da adoração que o Anticristo instituirá, sob pena de morte para aqueles que não obedecerem. Sabemos que isso é um tipo do Anticristo final por duas razões:
1. Deus disse a Daniel para fechar o livro até o "tempo do fim" (12:4). Portanto, todo o livro é uma profecia para o fim dos tempos.
2. Em Daniel 3:1, vemos que Nabucodonosor criou uma estátua de ouro cujas medidas, em côvados, formavam um ' 666'. A estátua tinha 60 côvados de altura, 6 de largura e 6 de comprimento na base.
Hitler acreditava que "o bem cristão era mal, e que o mal cristão era o bem". 
O Anticristo também inverterá os valores cristãos, razão pela qual Deus advertiu: "Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo!" [Isaías 5:20] Sempre que Deus usa a palavra "ai" na Bíblia, está anunciando um julgamento futuro. O Anticristo inverterá todos os valores do cristianismo, reinterpretando tudo misticamente. Não se deixe enganar mais, essa "reinterpretação mística" do cristianismo está ocorrendo hoje, com as principais publicações da imprensa tentando redefinir misticamente todas as principais doutrinas do cristianismo, exatamente como detalhado no Plano da Nova Ordem Mundial!
Hitler proferiu palavras terríveis de blasfêmia contra Jesus Cristo, a quem a Bíblia chama de Rei dos Reis e Senhor dos Senhores. Por exemplo, ele escreveu, "Portanto, vai-te, Jesus, por está escrito, Adorarás o super-homem, a elite da raça, o Senhor dos reinos do mundo e a da glória deles, e só a ele servirás". [37] Se você ficou chocado com essa tremenda blasfêmia, considere as profecias sobre as palavras que o Anticristo proferirá.
O Anticristo também proferirá grandes blasfêmias sobre Deus e seu Filho Jesus Cristo. "E este rei fará conforme a sua vontade, e levantar-se-á, e engrandecer-se-á sobre todo deus; e contra o Deus dos deuses falará coisas espantosas, e será próspero, até que a ira se complete; porque aquilo que está determinado será feito." [Daniel 11:36] Veja também Apocalipse 13:5-6.
Hitler possuía uma maneira de falar às grandes massas de pessoas que absolutamente capturava suas imaginações e despertava dentro delas uma poderosa emoção:
"... quando Hitler emocionava-se em um discurso, seu estilo pausado normal se transformava em uma torrente mágica de palavras, pronunciadas com o poder de um encantamento. Nessas ocasiões, era como se o próprio Hitler estivesse ouvindo uma inteligência exterior que temporariamente tomava o controle de seu ser... A estranha transformação... seria posteriormente descrita por outros que viram essa possessão demoníaca ocorrer ainda mais concretamente à medida que Hitler subia degrau a degrau os pináculos do poder. 'Ouvindo Hitler, tinha-se imediatamente a visão de alguém que lideraria a humanidade para a glória', descreveu Gregor Strasser, um nazista arrependido, vinte anos mais tarde. 'Uma luz aparece em uma janela escura. Um homem com um bigode engraçado se transforma em um arcanjo. Depois, o arcanjo vai embora e ali está Hitler sentado e exausto, banhado em suor e com os olhos parecendo como os de um morto.'" 
Você não encontrará uma melhor descrição da força demoníaca dentro de Hitler do que essa. Quando Hitler precisava discursar, sua voz pausada normal transformava-se em uma poderosa oratória, que tinha o poder de literalmente hipnotizar a audiência. No entanto, quando o discurso terminava, a possessão demoníaca deixa Hitler banhado de suor e com olhos de morto. A tremenda influência e poder de Hitler não era seus, mas de Satanás.
O Anticristo também exibirá o mesmo poder de persuasão. Ele hipnotizará o mundo inteiro. No entanto, esse grande poder também não será seu mesmo, mas de Satanás. É assim que a Bíblia descreve o Anticristo: "E se fortalecerá o seu poder, mas não pela sua própria força; e destruirá maravilhosamente, e prosperará, e fará o que lhe aprouver; e destruirá os poderosos e o povo santo." [Daniel 8:24]
Hitler foi treinado para ser um supremo adepto nas artes e rituais da Magia Negra pelo líder da poderosa e satânica sociedade secreta chamada Grupo de Thule (ou Sociedade de Thule). Essa sociedade adorava Satanás abertamente em suas cerimônias. É interessante que esse Grupo de Thule faz parte da rede internacional de sociedades secretas "Irmandade da Morte". Nos EUA, a sociedade de Irmandade da Morte dominante é "Skull and Bones" (Caveira e Ossos), que existe na Universidade de Yale, uma sociedade idêntica ao Grupo de Thule, de Hitler. [39] O adepto mais famoso desse grupo foi o ex-presidente George Bush, um dos principais proponentes da Nova Ordem Mundial!! Não se deixe enganar; a Nova Ordem Mundial de George Bush é idêntica à de Hitler. Não se iluda com a aparência externa dos homens. [Nota de A Espada do Espírito: Sabemos que o filho de George Bush, o governador do Texas George W. Bush, candidato a presidente, também estudou em Yale e foi iniciado na mesma sociedade secreta que seu pai.]
O líder do Grupo de Thule era Dietrich Eckart. Ele disse aos aderentes da sociedade no fim dos anos 1910, que "tinha pessoalmente recebido um tipo de anunciação satânica que estava destinado a preparar o vaso do Anticristo, o homem inspirado por Lúcifer para conquistar o mundo e levar a raça ariana à glória." [40] Eckart percebeu seu papel como o de um precursor, um João Batista para o Grande. Quando Eckart estava em seu leito de morte, dizia com orgulho: "Sigam Hitler! Ele dançará, mas fui eu que iniciei a música! Eu o iniciei na 'Doutrina Secreta', abri seus centros de visão e lhe dei os meios de comunicar-se com os Poderes..." [41]
O Anticristo também será treinado em uma sociedade secreta satânica na Europa, possivelmente no próprio Grupo de Thule e dominará as artes e rituais da Magia Negra.
Hitler passou por uma monstruosa cerimônia satânica, destinada a pervertê-lo completamente, e mudar sua inclinação sexual, levando-o ao ponto de nunca mais poder se satisfazer com o relacionamento sexual normal. Ele só poderia satisfazer-se por meio do sadomasoquismo, sendo chicoteado e torturado por uma mulher. Esse papel era executado por Eva Braun. Essa cerimônia satânica torturou tanto a mente de Hitler que liberou uma torrente de ódio contra todo o resto da humanidade. Não é necessário mais nada para compreender a razão por que Hitler era tão sádico, e capaz de perpetrar os maiores crimes contra a humanidade em toda a história.
Essa cerimônia teve o efeito que os satanistas chamam de "amaciar entre as pernas", uma ferida psicológica que tinha o efeito de uma castração mental.  Essa revelação lança alguma luz sobre a indignidade e o grande perigo representado pela indústria da pornografia hoje em dia?
O Anticristo também passará por uma cerimônia satânica desse tipo, tornando-o incapaz de obter satisfação sexual da forma normal, exatamente como Hitler. Isso cumprirá a profecia bíblica em Daniel 11:37: "E não terá respeito ao Deus de seus pais, nem terá respeito ao amor das mulheres, nem a deus algum, porque sobre tudo se engrandecerá." Exatamente como no caso de Hitler, essa monstruosa perversão sexual será o fator que motivará o maior genocídio da história mundial.
A ascensão de Hitler ao poder foi prevista pelo místico russo Soloviev. Seus espíritos-guia lhe revelaram que a futura besta seria um espírito que "habita a alma de um homem de carne e osso. Um homem vestido da forma normal e tão comum que poderia passar desapercebido em uma multidão... A besta não aparenta exteriormente o que é." [43]
Essa descrição da besta, como a de um indivíduo de aparência absolutamente normal, também pode ser aplicada aos homens que hoje estão trabalhando para preparar o cenário para o Anticristo. George Bush, Gerald Ford, Jimmy Carter, todos tinham uma aparência absolutamente normal; porém, trabalharam duro para efetivar as mudanças necessárias para a implementação da Nova Ordem Mundial. Repetimos, não se deixe enganar pelas aparências exteriores. Lembre-se da descrição do Falso Profeta em Apocalipse 13:11; a Bíblia diz que ele parecerá um cordeiro (um líder cristão), mas que falará como um dragão, isto é, terá um coração satânico. Pelo lado exterior, ele parecerá absolutamente normal e bom.
A descrição de Soloviev da futura besta continua. "Ele é jovem e vigoroso e sua voz tem poderes mágicos que seduzem os grandes líderes, levando-os para uma condição terrível de reduzida responsabilidade moral, e ao mesmo tempo estimula as massas a se levantar e tornar uma cultura moribunda em ruínas e cinzas. Por trás de uma aparência exterior banal - ele pode até ter um bigode engraçado - há um tirano sanguinário e um grande demagogo." [44] A maioria das pessoas não percebe que, para o povo alemão, Adolf Hitler tinha a aparência comum de um oficial do Exército. Para eles, Hitler tinha uma aparência normal e muito tradicional.
O Anticristo também terá essas características. Ele terá uma aparência normal e, provavelmente, será um homem atraente por fora, mas por dentro, será "um tirano sanguinário e um grande demagogo". A capacidade dele de hipnotizar as massas será algo sem paralelos na história mundial. Mais do que nunca, é hora de não julgar uma pessoa pela sua aparência exterior.
Hitler buscou ardentemente, trabalhando com Dietrich Eckart, desenvolver seu nível de consciência para um nível em que sua glândula pineal, seu terceiro olho, abrisse. Após esse terceiro olho abrir, Hitler pôde "ver claramente" o relacionamento entre a humanidade e a terra, entre a terra e a consciência espiritual do cosmos, e entre raça e história. Assim, o genocídio tornou-se inevitável.
Se você é um aderente da Nova Era e está seguindo esse caminho de elevar sua consciência, de tentar abrir o "terceiro olho", aconselhamos a parar imediatamente, pedindo perdão a Jesus Cristo. Esse processo de desenvolver o terceiro olho é satânico; e fará com que você seja enganado pelo resto de sua vida. Você não está envolvido em algo que seja bom ou benéfico; ao contrário, está sendo enganado e levado a praticar o satanismo.
O Anticristo também procurará abrir seu "terceiro olho" dentro de sua consciência.
Hitler planejava que, após 'limpar' a Terra, instituiria um Reich que duraria por 1.000 anos. Ele chamava esse reino de "Reich de 1000 anos". Esse período era uma imitação do reino milenar de Jesus, que ele estabelecerá após limpar a Terra dos pecadores. [Apocalipse 20:7] [45]
O Anticristo também anunciará um reino de 1.000 anos, após 'limpar' a Terra. Logicamente, do mesmo modo como Hitler, ele será impedido de executar esse plano, pois Deus intervirá após sete anos.
Hitler estudou o conceito de 'geopolítica', e planejou a conquista global. Hitler iniciou na Europa, mas levaria suas conquistas para o mundo inteiro. Ele aprendeu a pensar em termos de 'continentes inteiros'. [46] Hitler fez aliança com o Japão, país na Ásia que ele considerava o "Herrenvolk do oriente". Ravenscroft assegura que até mesmo o ataque japonês a Pearl Harbour foi planejado por um alemão, Karl Haushofer. [47]
O Anticristo atuará em escala global desde o início.
Hitler planejava a maior 'ação de limpeza' que o mundo já vira. Seu propósito era produzir uma nova raça de pessoas superiores, um povo que seria livre da miscigenação e da impureza racial que, em sua opinião, enfraquecia a Alemanha. Ele queria "... criar uma mutação na raça ariana... para desenvolver poderes super-humanos de concentração e de visão clarividente." [48]
O Anticristo também procurará criar uma nova raça de seres por meio da manipulação genética, uma ciência muito admirada pelos líderes da Nova Era.
Hitler acreditava que a "Terra era ela própria um organismo consciente" [49] Ele acreditava que a Terra era uma deusa, que precisava ser nutrida, protegida e respeitada.
O Anticristo terá o mesmo sentimento. Na verdade, essa crença é a força-motriz que está por trás do clamor global dos ambientalistas radicais. Eles constantemente anunciam que a humanidade está poluindo de forma irreversível a Mãe Terra. Eles crêem que uma das primeiras ações do Anticristo precisará ser 'limpar' a Mãe Terra da 'superpopulação humana'. Acreditam que a Terra deveria ter apenas um terço de sua população atual. O Anticristo reduzirá a população mundial do atuais 6 para somente 2 bilhões de pessoas após sua 'Ação de Limpeza' nos sete anos de seu reinado. Essa redução dramática na população em um período tão curto de tempo somente poderá ser feita em um genocídio em escala mundial. Muitos morrerão durante a 'Iniciação Global', quando as pessoas precisarão prestar um juramento de lealdade ao Cristo e aceitar a marca eletrônica, ou serão enviadas para a execução. Porém, antes disso, o Anticristo matará populações inteiras por meio da guerra nuclear e das armas bacteriológicas. [50]
Logicamente, a Bíblia profetiza esse tipo de guerra, em Apocalipse 4-16 e em Joel 2 e 3. Vamos, porém, deixar que Alice Bailey, a maior praticante de Magia Branca, tenha a última palavra sobre esse assunto. Após falar em "amor" em todo seu livro, ela subitamente começa a falar em guerra nuclear:
"A bomba atômica não pertence às três nações que a aperfeiçoaram... Ela pertence às Nações Unidas para uso... quando houver uma ação agressiva por parte de alguma nação". [51]
Uau!! É possível ser mais claro? O Plano da Nova Ordem Mundial fará com que todas as nações do mundo entreguem seus armamentos às Nações Unidas [52] de forma a evitar grande agravamento do desemprego. [53] Uma vez que as nações estiverem desarmadas, então o Anticristo, o novo líder da ONU, terá a liberdade de usar essas armas contra qualquer nação que não se submeta ao seu domínio. lice Bailey diz que ele usará essas armas nucleares contra nações inteiras.
No entanto, os cristãos que conhecem as profecias bíblicas não devem se surpreender, pois Deus diz em Daniel 7:8 e 7:20, que o Anticristo destruirá três das dez nações em que o mundo foi dividido. Em Apocalipse 18, vemos a destruição da nação economicamente mais poderosa do mundo, em um período de apenas uma hora. O único modo de destruir uma nação inteira tão depressa assim é usando armas nucleares.
Agora, podemos ver como é terrível para nós transferir nossos armamentos e soldados para as Nações Unidas. Um dia, eles passarão a fazer parte do exército do Anticristo.
Hitler forçava a liderança da SS a participar em cerimônias satânicas em que afirmavam seu amor e lealdade e para receber poderes especiais. Uma dessas era a Cerimônia do Ar Sufocante, em que os participantes faziam votos irreversíveis de serviço a Lúcifer. A outra cerimônia era a Missa Negra, que era celebrada com o "sangue potente de Adolf Hitler". [54]
O Anticristo também forçará seus súditos a participarem em cerimônias de consagração a Lúcifer. A principal diferença é que, após fazer um juramento de lealdade a ele, o Plano prevê que todos recebam uma marca eletrônica, injetada sob a pele, sem a qual ninguém poderá comprar ou vender. Porém, o propósito declarado dessa marca eletrônica ser injetada na mão direita ou na fronte, será como um símbolo da adoração ao Anticristo. Assim, a profecia bíblica será cumprida literalmente. [Apocalipse 13:11-18] 
Hitler acreditava na reinterpretação mística da Nova Era de quem era Jesus Cristo. A Nova Era diz que Jesus era um ser humano normal sobre quem veio a Consciência do Cristo por ocasião do seu batismo no rio Jordão. [55] Mas, além disso, Hitler cria que Jesus era um adepto místico especializado nos mistérios egípcios. Portanto, quando Jesus executava milagre, ele fazia isso pelo poder do ocultismo.
Essa crença é o Pecado Imperdoável!! Em Mateus 12:24-32, Jesus responde aos fariseus, que diziam que o poder por meio do qual Ele curava era de Belzebu, maioral dos demônios. Jesus Cristo caracterizou essa crença como um pecado contra o Espírito Santo, dizendo que era um pecado que nunca seria perdoado.
Hitler e a liderança nazista cometeram esse pecado bem cedo em suas vidas. Portanto, o Espírito Santo deixou de trabalhar em seus corações e mentes, para convencê-los do pecado e levá-los ao arrependimento. Além disso, o Espírito Santo deixou de restringir o mal em suas vidas. Portanto, Satanás teve liberdade total de agir nesses homens e levá-los para onde ele queria. A falta do poder restritor do Espírito Santo em suas vidas fez com que eles descessem ao poço do abismo e preparassem o cenário para os horrores do Holocausto.
O Anticristo também cometerá esse pecado imperdoável, o que explica como ele será o monstro descrito na Bíblia. Mas, essa crença é tão prevalecente na religião de Nova Era, que dezenas de milhões de pessoas crêem nessa doutrina satânica. Portanto, muitos milhões de pessoas já cometeram esse pecado imperdoável. Essa é a razão pela qual o Anticristo será admirado quando aparecer. Dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo o receberão, dar-lhe-ão todo o apoio e receberão sua marca alegremente, pois já cometeram o pecado imperdoável! 
Hitler ganhou o controle da Alemanha "sob o disfarce de salvaguardar seus interesses e proteger a nação de inimigos não-existentes." 
As forças do Anticristo já estão fazendo isso para conquistar o poder. Estão criando 'inimigos' globais, como a poluição, o buraco na camada de ozônio, a destruição das florestas, e a guerra, para fazer os habitantes do mundo clamar por uma solução global. Os OVNIs (objetos voadores não-identificados) também são um fenômeno de origem ocultista, sobre o qual falaremos em outra oportunidade. Portanto, sob o disfarce de proteger a Terra, os líderes da Nova Ordem Mundial estão nos preparando para o aparecimento do Anticristo. Lembre-se do que o apóstolo Paulo disse em 1 Tessalonicenses 5:1-3, que quando as pessoas estiverem falando em "paz e segurança", serão subitamente destruídas pelo Anticristo? Além disso, Daniel também diz que ele "destruirá a muitos que vivem em segurança." [Daniel 8:25]

Esperamos que você tenha compreendido os fatos sobre o futuro Mestre Mundial, o Avatar da Nova Era, o Anticristo. Tendo estudado a vida e carreira de Adolf Hitler, agora você sabe o quão insano e enganoso o Anticristo será. O dia do seu aparecimento está cada vez mais próximo.

A maldição de Tutancamon

 


A maldição de Tutancamon

A tumba de Tuntancamon e seus mistérios: mito ou realidade?
Por Rainer Sousa
As lendas e mitos que cercam as pirâmides atraem muitas pessoas e reforçam o lado misterioso que cerca a antiga cultura egípcia. Esse mistério começou a ser instigado com a febre de escavações e expedições arqueológicas que tomaram conta das antigas cidades egípcias. Em 1923, um grupo de pesquisadores comemorou a descoberta da tumba de um faraó com mais de 3000 anos de existência.

Este faraó era o lendário Tutancamon, que teve sua múmia encontrada ao lado de artefatos em ouro, bacias cheias de grãos e uma inscrição egípcia prometendo que a morte afligiria todo aquele que viesse a perturbar o sono do faraó. Mesmo com seu tom ameaçador, aquele e outros avisos não foram capazes de sanar a cobiça dos saqueadores de tumbas que violaram o descanso de diversas outras múmias. Será que a maldição atingiria aqueles que ignoravam o silencioso aviso?

Em meio a tantas lendas, o arqueólogo Howard Carter resolveu embrenhar-se na região do Vale dos Reis à procura dos artefatos pertencentes a algum faraó egípcio. Chegando por ali por volta de 1916, a equipe liderada por esse pesquisador não acreditava nos avisos que diziam ser impossível encontrar algum tesouro arqueológico entre tantas escavações inacabadas. Seis anos depois, Howard ainda não havia conseguido encontrar pistas de um desconhecido rei egípcio que havia sido enterrado naquela região.

Obcecado por suas hipóteses, tentou organizar uma última escavação em uma região ocupada por algumas cabanas. Depois de remover as rudimentares construções do local, as primeiras escavações foram presenteadas com o encontro de uma escadaria. Alguns dias depois, a equipe de Carter percebeu que se tratava de um acesso a uma passagem obstruída. Aquela descoberta impulsionou um trabalho mais intenso que, logo em seguida, desbloqueou um corredor que dava acesso a uma outra porta.

A porta possuía um lacre visivelmente quebrado e, posteriormente, reconstruído. Tal indício diminui as expectativas de Howard Carter em encontrar um tesouro arqueológico intacto. Depois vencer o obstáculo de uma última porta, a equipe arqueológica deparou-se com uma sala abarrotada de artefatos de grande detalhe e um trono revestido em ouro. Nessa sala percebeu a existência de uma outra porta onde, por uma fresta, identificou-se um novo cômodo.

Após essas descobertas, Carter teve a astúcia de fechar os acessos àquele local e lançar um monte de entulho na via de acesso a escadaria. Meses depois, levantou uma maior quantidade de recursos e especialistas para trabalharem naquele grande achado. Voltando à primeira sala, retirou e catalogou todos os seus objetos. Dessa vez, abriu o segundo cômodo e lá deu de cara com uma enorme urna funerária que ocupava quase todo o espaço do lugar.

Em quase três meses de trabalho, removeu outras três urnas menores depositadas dentro da urna maior. No interior da última urna descobriu um pesado sarcófago feito em pedra. Após contar com o auxílio de um guindaste para remover o tampo de pedra, Howard Carter retirou um véu de linho que cobria uma bela máscara mortuária feita em ouro, vidro e pedras coloridas; e um ataúde no formato de um corpo. Depois disso, duas novas camadas de máscaras e ataúdes foram retirados do interior do sarcófago.

Passados tantos obstáculos, a equipe de arqueólogos vislumbrou o corpo do faraó Tutancamon queimado e enrijecido pelas resinas utilizadas em seu processo de mumificação. A mais valiosa descoberta arqueológica da época foi alcançada depois de anos de dedicação. No entanto, a riqueza da descoberta reavivou os rumores da famosa maldição de Tutancamon. Já na primeira vez que descobriu a escadaria, o canário de Carter foi comido por uma cobra, indicando o primeiro mau presságio.

Na época em que a tumba foi descoberta, o empresário Lorde Carnavon – financiador da equipe de Carter – foi um dos primeiros a conhecer o sarcófago. Logo em seguida, o empresário teve uma ferida infecciosa provocada pela picada de um mosquito. O estado febril acabou levando-o à morte em poucos dias. Antes de morrer, disse à irmã que Tutancamon o havia convocado. No dia em que faleceu, o cachorro do empresário foi vítima de um enfarte fulminante.

A notícia da morte de Lorde Carnavon logo agitou os esotéricos e supersticiosos sobre as maldições daquela tumba faraônica. Depois do ocorrido, Arthur Mace – integrante da equipe de Carter – morreu repentinamente no mesmo hotel em que Carnavon passou seus últimos dias. Joel Woolf, dono das primeiras fotos de Tutancamon, e Richard Bethell, secretário de Carter, também faleceram em condições inexplicáveis. Nessa mesma funesta coincidência se juntaram a irmã e a mulher de Carnavon.

Ao longo de seis anos após a descoberta, trinta e cinco pessoas ligadas à descoberta da múmia de Tutancamon morreram em condições misteriosas. Para combater as lendas e explicações sobrenaturais, cientistas levantaram a hipótese de que alguma substância tóxica ou fungo venenoso fora criado na época para que ninguém viesse a profanar aquela sala mortuária. Outros ainda chegaram a afirmar que os egípcios já conheciam a energia atômica e teriam depositado urânio nas tumbas.

Durante o século XX, o alvoroço causado pela maldição das tumbas acabou perdendo sua força mediante outras tranqüilas descobertas arqueológicas. Mesmo que as explicações científicas para as tragédias fossem plausíveis, o desencadear de tantas mortes não consegue ser explicado satisfatoriamente como uma simples eventualidade. O desconhecido ainda encobre esse episódio.