segunda-feira, 26 de março de 2012

A Personalidade do Usuário de Drogas




Vamos falar da personalidade do usuário de drogas. Esse é um tema complexo demais, porque não existe uma personalidade ou um modelo psicopatológico dos usuários de drogas.
Qualquer tipo de psicopatologia pode fazer uma evolução às drogas. isso nos coloca num panorama muito amplo, mas existe uma que tem predomínio na tendência ao uso das drogas, a patologia da depressão.
A depressão é uma doença muito importante nesse momento da história do mundo. o depressivo não é uma pessoa triste, chorando, culpando-se, desligada ou com aquela famosa figura do bonequinho com os lábios para baixo, olhos tristes e lágrimas. há pessoas que estão rindo todo o tempo, há que rir para não chorar. e há depressões mascaradas, que aparecem de forma somática. existem pessoas que estão muito bem aparentemente, mas tem um profundo processo depressivo, e esse estado pode expressar-se, por exemplo, em forma de gripes constantes ou trantornos gastrointestinais, ou as vezes complexos fenômenos psicossomáticos.
Odr Tulan nos Estados Unidos mostrou-nos como as crianças e os adolescentes não se deprimem como os adultos. as crianças pequenas, quando estão deprimidas, podem apresentar-se muito agitadas. cito exemplos de depressão equivalentes na criança: transtornos de sono e alimentação, anginas e gripes constantes. uma criança que corre todo o dia, brinca, está escondendo talvez um processo depressivo. Oadolescente geralmente depois dos 15 ou 16 anos, começa a ter a depressão modelo adulto: antes, a depressão se expressa por trantornos de conduta, psicossomáticos , de sono, da motilidade; no estudo, alterações da concentração, da atenção. quantos adolescentes no colégio não estão indo mal? não se concentram, não estão indo bem. estão expressando um processo depressivo.
Em termos de transtornos de conduta, de hábitos, cito os rapazes agressivos, violentos, que criam atritos de todo tipo para fugir da depressão, que aliás é uma palavra que estamos acostumados a usar como um conceito quase normal. Uma pessoa que tem a morte de um ente querido, fracassa num exame, tem uma dificuldade econômica, não ficará triste? Observe a pobreza, observe as dificuldades pelas quais passamos, certas situações da vida, ficamos tristes e a tristeza é um componente normal da vida.
Porém a tristeza da qual temos temor, aquela da qual fugimos, ou a tristeza da qual a pessoa utiliza drogas ou qualquer coisa para não sentir, é uma tristeza terrivel, é a tristeza na qual ela gosta de estar na "fossa". No fundo dessas vivências, estão as vivências de desintegração, da morte. É uma tristeza aonde a morte chega a um ponto que muda de sentido, e em vez de ser uma vivência que se regeita, passa a ser uma a qual a pessoa sente atração, chegando a um ponto em que a morte é a salvação, a única esperança, talvez de outra vida.
Para a lógica humana, é inacreditável pensar que existem pessoas que tem muito mais atração pela morte do que pela vida, e que só encontram uma solução na morte. isso do ponto de vista patológico.
Nós falamos em soluções psicótica, de fantasias psicóticas, de niveis psicóticos de funcionamento mental, mas para eles, estes são recursos extremos de salvação e de sobrevivência. Enesse ponto quero salientar, a mente humana é muito complexa e não é tudo lógico como nós vemos. Écomo um "iceberg", aquela montanha degelo que nós vemos, talvez de 1.000 metros, mas sob o mar talvez tenha 3.000 metros
Nós vemos que uma pessoa está procurando soluções psicóticas e está sentindo que encontra um caminho em outra vida. e se produz uma sensação de perplexidade, de impotência, de angustia, quando agora, nesse mundo desumanizado, nesse mundo consumista. Adepressão é cada vez mais importante para os seres humanos. o mundo está sendo inadequado para a vida humana: a mecânização, a robotização do ser humano cada vez é maior e a vida cada vez tem menos valor.
Encontramos uma faixa não muito importante da população - especialmente de jovens que aprendem de nós, porque ninguem é original em sua patologia, como eu sempre digo. Jovens que se criam num mundo onde a morte e a destruição é mais importante do que a vida, vão adotando condutas nas quais a morte, e não a vida, prevalece. e tudo isto, pela lógica formal, não nos "entra" como é possível que jovens, crianças lindíssimas, adolescentes lindíssimos, procurem morrer, ao invés de viver?
Essas crises de valores totais influem sobre a psicopatologia humana, e as pessoas mais vulneráveis são aquelas que tem fundo depressivo. Equais são aquelas que tem fundo depressivo? As que em suas primeiras épocas de vida sofreram carências de vínculo humano, amorosos ou abandonos. Aorigem da depressão é o abandono macro ou macroscópio. Afalta de amor e a separação precoce da família são os núcleos geradores desse tipo de estrutura humana que depois vão se misturando com outras formas de funcionamento mental, mas que significam um potencial de fragilidade ou vulnerabilidade muito grande.
Sabemos muito bem hoje, que uma criança para se desenvolver, precisa de constância de objetos de amor, de tempo e dedicação, precisa de palavras, de ser tocada, de ser querida, e devagarinho ser ajudada a se desenvolver e se liberar, se indempendizar. nesse momento da da sociedade, de crises humanas, econômicas e de valores, quantas poucas crianças da nossa américa podem ter o luxo de ter pai, mãe, uma casa, uma família e se desenvolver? Quantos milhões de crianças ficam sozinhas, a mãe não tem tempo de atende-las, o pai está trabalhando, lutando pela sobrevivência, ou não existe? OBrasil tem um problema de abandono infantil muito grande. Temos que levar em conta todos esses fatores, porque agora vai levar 10 ou 20 anos de trabalho muito duro para tratar de mudar esse clima que foi criado e esse terreno fértil que estamos tendo ao desenvolvimento da droga.
Quando o dr Harllow apresentou seus trabalhos com macacos, ele separou três grupos de macaquinhos. Oprimeiro grupo, o fez criar por uma mãe macaca. Osegundo, o fez criar por uma mãe macaca que era feita de arame coberta de pele, era um brinquedo, e colocou mamadeira nos peitos para dar de mamar aos macaquinhos, que brincavam, iam e voltavam, subiam na mãe. O terceiro grupo o fez criar por uma mãe só de arame. Era uma figura muito estranha com mamadeira nos peitos.
Os macaquinhos criados por por sua mãe de verdade se desenvolveram bem. Se correntes elétricas, luzes que assustavam, barulhos fortes passavam na caixa onde eles estavam, os macaquinhos corriam, ficavam com a mãe, voltavam a experimentar o que era aquilo. Desenvolveram-se.
Aqueles criados pela mãe boneca, com pele, que tinha cheiro de macaco porque os macaquinhos urinavam e defecavam sobre sobre ela iam e voltavam e quando encontravam dificuldades na vida, alguns conseguiam sair da situação se não era muito difícil, outros fracassavam. Mas os macaquinhos criados pela pela mãe de arame eram verdadeiros esquizofrênicos, com depressão profunda, incapacidade de enfrentar as dificuldades da vida e morriam quase sem se defender se a coisa era muito difícil para eles.
Moral da história: o contato humano na formação de uma criança exige dedicação. Nenhum animal da escala biológica abandona seus filhos, como faz o animal humano. Oque nós chamamos civilização tem esquecido que somos seres biológicos.
E agora vou integrar todos esses pontos que estive tratando. Oponto central para compreender a ideologia das drogas é que o ser humano não pode aceitar sua finitude, não pode aceitar que seres como nós, que podemos pensar e que podemos fazer coisas tão fantasticas como fazemos, temos que morrer como todos os seres biológicos. Nenhuma planta, nenhum animal vai questionar quem nasce, cresce, se reproduz e morre, mas o ser humano de todas as épocas rejeitou ter que morrer, e nós inventamos tudo o possível para não ter que morrer ou para ter a ilusão de onipotência. Desde a humanidade da qual temos notícia, sempre o homem encontrou formas de fazer uma "armadilha" para a morte. E aquelas pessoas que tem mais vulnerabilidade à morte são as que mais tratam de fugir dela. Eessas pessoas que tem fases depressivas, que tiveram carência de amor e de afeto, que foram abandonadas precocemente, são as mais vulneráveis.
Por isso, professores, médicos, pediatras, aqueles que trabalham com crianças podem começar a detectar desde criancinhas as pessoas com muitas carências, que serão as mais vulneráveis as drogas. Agora, há que se aclarar um ponto. Muitas vezes temos pessoas que não tem um problema sosioeconômico grave, que tem uma condição econômica e social que permite a dedicação aos filhos e tudo isso, mas a depressão não tem a ver só com o econômico e o sociopolítico, tem a ver com a natureza humana. Por exemplo nos grupos de alta renda econômica também acontece o abandono dos filhos, a mãe, em vez de ter que ir trabalhar, tem que ir a nova york fazer compras, para tomar um exemplo extremamente exagerado, ou deixar as crianças em mãos de babás, de outras pessoas ou das próprias avós. Os seres humanos se esqueceram de que não se pode fazer isso.
Todos sabemos que houve uma moda, durante anos, de esquecer a lactação, que tem a importância não só de dar leite, proteínas, substâncias imunológicamente importantes e, sim, de transmitir cultura, amor à vida. uma mãe que está amamentandoe gosta disto, está transmitindo à criança amor á vida. Uma mãe triste, que tem que estar fumando, falando ao telefone, ligando a televisão, em suma, vivendo uma vida que não tolera, por mais que esteja dando de mamar, está transmitindo uma cultura de não-amor à vida. E lutar pelo amor à vida não é só um fato parcial. Avulnerabilidade à depressão tem se convertido num grande fenômeno muito difundido em todas as estruturas psicopatológicas. Além disso, os seres humanos, para viver uma vida cada vez mais robotizada, procuram combustíveis especiais e a sociedade descobriu que se pode lucrar com as falências humanas.
Asociedade tem compreendido que estamos vivendo num momento muito fraco, então. as indústrias estão oferecendo todo tipo de substâncias. "aguente essa barra e não se modifique". Toda atitude é consumista, e nesse sentido, estamos querendo curar drogadição com drogadição. Por isso eu falo das adições receituadas. Tomemos por exemplo os sedativos.
Adepressão é a enfermidade básica mais importante da sociedade atual. Oque se tem feito para isso ? As indústrias farmacológicas tem oferecido uma grande quantidade de medicamento, que em 80% são profundamente aditivos. Então para curarmos a depressão vamos nos tornar todos toxicômanos. Enão podemos reagir, pois tudo isso movimenta capitais fantásticos. Por que essas indústrias farmacêuticas tem dúzias de milhares de técnicos trabalhando nisso. Eentão, o que acontece? Nós temos uma grande parte da população que se droga com drogas lícitas: álcool, tabaco, benzodiazepinas, uma quantidade de medicamentos e sedativos muitos difundidos. Eoutra quantidade, que são aqueles que procuram as drogas ilegais: este tem a ver com conflitos de gerações, tem a ver com a qualidade de drogas que se oferece e há de se ver que existe uma faixa da população que precisa de coisas muitos fortes e necessita criar alguma forma de sobreviver dentro dessa crise mundial de valores.
Dentro da psicopatologia humana, temos que a depressão é a base principal, mas temos outra patologia, que quando encontra esta situação, se expressa de forma diferente. é a patologia dos transtornos de conduta. Edentro da patologia dos transtornos da conduta temos o componente psicopático. Os psicopatas são os que lucram e são aqueles que ficam mais doentes dentro de toda esta história. vamos ver como é isso isto.
No meio da juventude, uma grande defesa para essa depressão de abandono é a estrutura impulsiva, os recursos impulsivos, os recursos psicopáticos, a personalidade de ação, como uma forma de não sentir a depressão. Esses são os personagens mais difícies da escola, da rua, e com os quais geralmente a polícia tem que lidar. São pessoas muito fracas, que em vez de desenvolverem o pensamento, desenvolvem a ação, em vez de desenvolverem a capacidade refletir frente aos fenômenos, atuam a frente a estes. São pessoas que tem de fundo uma grande depressão, mas apredem a se defender com a ação. Eeste tipo de pessoas, além de serem grandes consumidores de drogas, são as que também descobrem que se pode lucrar com isto são as que formam parte das máfias e toda essa criminalidade que entra no sistema das drogas, porque são pessoas que tem um modo de funcionar onde a moral não entra como um regulamento de sua atuação. São as pessoas que não conhecem o `não', que não tem limites,que não sabem que existem tabus, que não aprederam os 10 madamentos e não sabem que não se pode matar. No código deles, a ação, o desejo e o impulso são prioritários. Eesse tipo de pessoa, para sobreviver, além de consumir, entra nesse negócio, e estamos permitindo que eles se multipliquem cada vez mais.
Eu disse que ia falar de uma psiquiatria dinâmica, e ela mostra que os componentes psicopáticos podem existir em todos os tipos de personalidade mais integradas. Em uma sociedade onde os valores morais estão em crise, pessoas de nível socioeconômicos, cultural, e sociopolíticos altos, tem componentes psicopáticos. Poderosas indústrias estão lucrando ao colocar a população em alto risco de saúde. As leis feitas para nos proteger são vulneráveis a esses tipos de situações. Apopulação também exige soluções mágicas às suas ansiedades. Estamos entre a produção de medicamentos psicotóxicos, e uma população que os demanda. todo mundo tem pouco tempo. Eo médico tem maus salários, trabalham em instituições que exigem receber 50, 60, até 100 clientes por dia. Émuito fácil ver como o grupo psicopata de mafiosos começou a lucrar com as debilidades humanas desde sempre e foi se acrescentado heroína, cocaína, maconha. todo esse "negócio' é deles.
Oresultado é que as indústrias farmacêuticas tornaram-se um grande nogócio dentro da nossa sociedade, e agora tudo começa a se misturar. Basta pegar o jornal de hoje, e ler que a policia dos estados unidos, em colaboração com ingleses e franceses, descobrem que a lavagem do dinheiro das máfias criam bancos. As máfias são os grandes financistas do mundo.
Numa aula de psicopatologia e da personalidade do usuário, não podemos deixar de ver que a oferta das drogas caminha próximo aos bancos que estão manejando o nosso dinheiro e influindo em nossas vidas. Cada vez mais, temos pessoas mais imaturas, com menos amor, com menos tempo de formação, que são seres vulneráveis. Adepressão é a enfermidade básica mais importante da psicopatologia humana. Ela requer, além de antidepressivos e estudos biológicos, tempo, amor e dedicação. Otempo para o amor é cada vez menor, não temos tempo para ele.
Com estas palavras, estou tratando de ligar o que é psicopatologia, um fenômeno muito mais abrangente, e que a vulnerabilidade às drogas atinge qualquer psicopatologia. Porque uma pessoa pode se estruturar com fobias ou com traços de uma neurose obsessiva, mas isso não quer dizer que no fundo não seja uma pessoa depressiva, que não tenha pontos fracos. E que em algum momento tenha potenciais de ação e, num momento que não está bem, que está fraca, surge uma sociedade que lhe oferece espinafre, como o popeye.
Quando nós éramos crianças, e assistíamos aos desenhos animados, víamos que o popeye, frente às dificuldades da vida, comia espinafre. Era um bom elemento pedagógico para mostrar às crianças que para crescer bem forte voce tem que ter uma boa alimentação . No entando, simbolicamente dava a idéia de que há substâncias que deixam a gente forte instantaneamente. e o resultado é que há uma propaganda maciça a favor de substâncias que vão nos deixar cada vez mais fortes, a qualquer momento.
Nós, por defendermos uma ideologia de liberdade, de defesa dos interesses privados e do nosso modo de pensar, permanentemente estamos ensinando que cigarro, álcool, pílulas, remédios, bolinhas de todo tipo servem para curar as fraquezas humanas. As pessoas, quando não encontram resultado com isso, fazem uso de outras substâncias. Acocaína está triunfando nessa área do mundo, e por que ? Porque aparece como a droga euforizante mais fantástica que se descobriu. Eos interesses econômicos que estão por trás dela fez com que a oferecesse em diferentes formas. Assim como uma determinada substância médica, se oferece em xarope, comprimidos, gotas e injeções, a cocaína se oferece em pasta de cocaína, cocaína de base livre, cocaína de cloroidrato, crack. Eles têm técnicos de alto conhecimento químico, os chamado `drug-designers', que lhes preparam modificação da cocaína para oferecer ao mercado este grande antidepressivo.
Acocaína se oferece como a substância que ó espinafre do momento. Eela triunfou porque cria um estado de exaltação. Eu a chamo a droga da inflação, pois na época de inflação ninguém poupa. Poupar é uma doideira. Tem que ser bobo para poupar quando o dinheiro perde o valor a cada momento. Por exemplo, quando eu era criança, na escola tínhamos caderneta de poupança. agora, na escola deve-se ensinar a especular com dólares, com taxas de juros, coisas que sirvam à criança de hoje. Não podemos ensinar a poupar. Então, há essa mudança de valores, vejam como é interessante a cocaína.
Oorganismo humano, como todo o fenômeno biológico de reciclagem, a medida de que produza neurotransmissores, poupa noradrenalina. Aadrenalina e a dopamina são neurotransmissores para se excitar, viver, ter energia, para ter alegria. Oorganismo as produz e poupa. Odepressivo tem falta disso. Acocaína oferece a produção maciça, mas sabe qual é o segredo do que acontece ao organismo com a cocaína? Corta a poupança, inibe a recapitalização. Oorganismo produz, e não poupa, e se chega ao esgotamento.
Adepressão pós-cocaína, que é o que acontece em nossas economias - de inflação e depois a depressão. Apobreza - produtos difícies de manejarmos na nossa época.
Quero fechar este artigo mostrando que psicopatologia e sociedade estão diretamente ligadas. Eque, para resolver esse problema, é preciso encontros interdisciplinares, leis, lutas de todos os grupos humanos. Precisamos parar de ficar procurando bodes expiatórios para quem é o culpado de tudo o que está nos acontecendo. Oque esta acontecendo é produto de que nós, seres humanos, esquecemos que somos seres biológicos, que temos limites e que formamos parte de um todo, onde o ar, a água, as plantas, os animais, tudo está ligado. Ese levarmos em conta tudo isto e fizermos uma luta pela vida, o problema das drogas, que é o problema da destrutividade, vai ser vencido.


Autor : DR.EDUARDO KALINA , PSIQUIATRA
"1O. ENCONTRO ESTADUAL DROGAS: PREVENÇÃO HOJE"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário